Ler em voz alta | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
44682 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> A novilíngua petista
>>> O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes
>>> O começo do fim da hegemonia 'de esquerda'
>>> Portas se abrindo
>>> Um menino à solta na Odisseia
>>> O que aconteceu com a Folha de S. Paulo?
>>> Uma noite de julho
>>> A difícil arte de saber mais um pouco
>>> O anoitecer da flor-da-lua
>>> Hosana na Sarjeta, de Marcelo Mirisola
Colunistas
Mais Recentes
>>> O Digestivo nas Copas
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
Últimos Posts
>>> Paulo Francis e a Petrobras
>>> A lei é para todos
>>> Jornal da Cultura - 18/11/2014
>>> 100% elite branca
>>> Jornal da Cultura - 17/11/2014
>>> Petrobras virou bodega
>>> O avanço do petrolão
>>> Deu na CNN
>>> Amantes de velhas pedras
>>> Um governo que nasceu morto
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
Mais Recentes
>>> O blogueiro: esse desconhecido
>>> Mamãe Natureza
>>> Bahia - Guia do Turista Brasileiro
>>> A Improvável Jornada de Harold Fry
>>> Feras Selvagens Correm por Entre as Estrelas
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> Oversharing: que negócio é esse?
>>> Projeto Itália ― Parte I
>>> Nobel de Literatura: apostas
>>> Serviço Social - Resistência e Emancipação?
LIVROS
Mais Recentes
>>> Um tal Lucas
>>> O Outono do Patriarca
>>> Um Corpo na Neve
>>> Cinquenta Anos Esta Noite
>>> Pedagogia dos Sonhos Possíveis
>>> Enquanto Deus não Está Olhando
>>> O Sopro dos Deuses
>>> A Viagem Iniciática ou Os 33 Graus de Sabedoria
>>> The Rolling Stones - A Biografia Definitiva
>>> O Legado
>>> O Trovador
>>> Prisioneiro da Sorte
>>> O Pergaminho Sagrado
>>> Pergunte a Deepak Chopra Sobre Amor e Relacionamentos
>>> Amor até debaixo d'água
>>> Viagem à Calábria
>>> English Is Not Easy
>>> Quase Casados
>>> Ter e não ter
>>> A Lei do Triunfo
>>> Panteão
>>> O Guerreiro do Oeste
>>> Katherine
>>> A Vingança da Amante
>>> Em Nome do Mal
>>> Por onde você anda?
>>> Os 13 Segredos
>>> Herança de Sangue
>>> O Mistério dos Deuses
>>> Quartos Fechados
>>> Ossos Perdidos
>>> Três Macacos
>>> Quebrando Regras
>>> Êxodo
>>> A Bíblia do Estilo
>>> A Espada de Medina
>>> Cidade das Almas Perdidas
>>> Um Passarinho me Contou
>>> A Árvore Do Halloween
>>> 826 Notas de Amor Para Emma
>>> 50 Ícones Que Inspiraram a Moda: 1990
>>> 50 Ícones Que Inspiraram a Moda: 1980
>>> 5 Seconds Of Summer
>>> 365 dias de inspirações filosóficas
>>> 360 Dias de Sucesso
>>> 200 Receitas de Quitutes Assados
>>> 200 Receitas de Geleias e Conservas
>>> 200 Receitas de Comidinhas Sem Glúten
>>> Maonomics
>>> Diablo III - Livro de Tyrael
COLUNAS

Sexta-feira, 6/7/2007
Ler em voz alta
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7200 Acessos
+ 8 Comentário(s)


No Fórum das Letras, o leitor/ouvinte curtia literatura, sofás e cafés


Dizem que Homero, o grego que contava a Odisséia e a Ilíada, não sabia escrever. Isso não soa estranho? Para nós, essas obras trazem a idéia de um livro grande, cujas versões, em prosa ou verso, existem sob a "autoria" de um homem que cuidou de revelar as histórias de Ulisses (ou Odisseu), nas batalhas mais famosas do mundo, mesmo que sejam, em alguma medida, ficcionais.

Se Homero não sabia escrever, como seus textos chegaram até nós? Por meio do trabalho de outros homens que se ocupavam de transcrever o que os artistas contavam e cantavam em público. Na verdade, não o "público" como o conhecemos hoje, muito menos o "consumidor", mas um espectador, platéia que chorava e sorria à medida que a história se desenrolava, como fazemos ao assistir à tevê.

Depois que a escrita tomou conta do mundo e algumas culturas passaram a considerá-la importante (por vezes um sinal de civilização), os conceitos de "autor", de "leitor" e mesmo de "público" foram tomando a forma que têm hoje. Essa é uma história que durou séculos e vem acontecendo em sintonia com as tecnologias, novos aparatos para ler, escrever e publicar.

Escrever, o ato de utilizar um equipamento, mesmo que pequeno, para redigir palavras, durante certo tempo, foi uma "nova tecnologia". Assim como, hoje, outros equipamentos sofrem críticas e são acusados de tornarem pessoas e até mesmo as línguas piores, a escrita também teve seus dias de vilã. Para alguns, ela seria responsável pela perda de memória do homem. Já que não seria mais necessário memorizar informações, a humanidade estaria fadada a se esquecer dos feitos importantes e dos fatos históricos. Para outros, defensores da nova técnica, a escrita poderia registrar documentos e textos que se perderiam com o tempo. O texto escrito (ainda com a mão) teria a propriedade de fixar histórias e memórias.

Enquanto os homens viviam seu litígio sobre as vantagens e desvantagens dessa nova tecnologia, os poetas continuavam declamando textos para um público cada vez mais interessado, até porque essa foi, para a maioria das pessoas, a única maneira de aprender histórias e saber das notícias, porque saber ler (e escrever, que não eram aprendidos ao mesmo tempo) era um luxo que pouquíssimos poderiam alcançar.

Enquanto a escrita e seus equipamentos desenrolavam uma história particular, a "publicação" de textos pela voz acontecia com freqüência. À medida que o registro escrito foi absorvido pela população, seja para ler ou para escrever, e as tecnologias foram melhorando essa ação, os textos declamados foram rareando, mas jamais deixaram de existir, embora seu veículo mudasse.

Há algo de comum entre Homero (o homem que falava textos), os lectors (homens que liam livros para os operários das fábricas de charutos cubanos) e os poetas que lêem em público nos fóruns atuais. A vontade do homem de registrar fatos e notícias sempre moveu o desenvolvimento de tecnologias para escrever, gravar e filmar. Enviar mensagens para quem está longe também foi um desejo humano que acabou dando um empurrãozinho às invenções dos correios, do telégrafo, do telefone, do rádio e, mais recentemente, da Internet, ainda que para várias dessas tecnologias os usos, inicialmente, fossem restritos às forças militares. Cada uma dessas tecnologias demorava a ser compreendida como "meio de comunicação".

Numa cadeia fascinante, Homero contava as histórias, que eram transformadas em escrita e multiplicadas em grandes livros. Com o passar dos séculos, assim como os computadores, os livros foram ficando cada vez menores e a escrita foi se tornando uma ação cada vez mais fácil de executar. Se tábuas de cera eram pesadas, preferiu-se o pergaminho, que se rasgava. O papel era um recurso mais barato e, de certa forma, mais durável. Também era mais barato, assim como as tintas que foram sendo inventadas para se fixar no papel. Os tamanhos dos livros não permitiam carregá-los na rua, ler em qualquer lugar (crítica que sofrem, hoje, os computadores). Para isso inventaram os códices, folhas menores empilhadas, algo muito próximo dos livros que temos até aqui. Daí em diante, o leitor pôde nascer e se mostrar. Com os livros portáteis foi possível ler nos bancos de praça, nas ruas, nos clubes, nos bondes, ônibus e metrôs.

No entanto, os poetas continuavam declamando poemas. Os arautos continuavam dando notícias. O boato e a fofoca já existiam, assim como os especialistas nisso. O que ocorreu foi que alguns homens passaram a ler também em público, a "publicação", para que mais pessoas, especialmente quem não sabia ler, ficassem sabendo das histórias e da História. Analogamente, o escriba poderia escrever para quem não detivesse esse conhecimento. Assim ainda hoje, como mostrou o filme Central do Brasil.

O alemão Gutenberg inventou uma maneira menos árdua de fazer cópias de um livro. Em lugar da mão e da pena, era possível fazer uma espécie de carimbo e produzir várias páginas por dia. A primeira Bíblia impressa saiu da oficina dele. No entanto, embora hoje ele seja considerado uma figura histórica importante, sofreu muitas críticas. As cópias feitas com tipos móveis foram acusadas de menos confiáveis e mais "frias". E mesmo com a prensa de Gutenberg e todas as revoluções que a História registrou, os leitores públicos continuavam sua jornada. Nem sempre declamando seus textos, mas também, agora, lendo textos escritos para quem não podia ler. Oralizando poemas e notícias para os analfabetos, que ainda eram muitos.

A leitura silenciosa foi também uma invenção muito posterior à escrita. Embora isso seja controverso, parece que até a Idade Média, ler e falar alto eram ações conjugadas. Até que se descobriu que os olhos e o cérebro podiam captar as letras, os sons e os textos sem a mediação da voz. Há registros de sérias críticas a esse jeito novo de ler. A "invenção" da leitura silenciosa parece ter acarretado até mesmo a publicação de mais obras heréticas e pornográficas, já que não se podia mais monitorar o que o leitor estava lendo.

Ler em silêncio ou ler alto. Há, até hoje, quem prefira ler em voz alta para compreender melhor o que lê, ou para não se desconcentrar. Da difusão da escrita, antes de Cristo, até nossos dias, as técnicas de compor, ler, escrever e publicar sofreram mudanças que, na verdade, não passam da superfície. A idéia de registrar informação permeia todas as iniciativas que transformaram a escrita, assim como a velha discussão sobre durabilidade (papel, disquete, CD). Publicar pela voz, pelo livro ou pelo blog são parte de um mesmo sistema da era da escrita. Mudam os modos, muda o acesso das pessoas às técnicas, mas não muda o princípio disso tudo: o verbo.

Ainda hoje, com tanto sucesso quanto na Europa medieval, artistas lêem para o público em cafés, fóruns, praças e largos. Em 2004, nos armazéns do Porto do Rio de Janeiro, a Primavera dos Livros reunia jovens autores e oferecia ao público, além das discussões sobre a literatura contemporânea, a leitura de contos de autores recém-publicados em papel.

O Palácio das Artes, em Belo Horizonte, oferece ao público, todas as terças-feiras, a leitura de contos e poemas pelo próprio autor, além da interpretação, por um ator, dos textos de um escritor falecido. São poemas e contos publicados em papel. A leitura em voz alta, até com o uso de microfones, é oferecida não mais a quem não sabe ler, mas talvez a quem não consiga ter acesso aos livros, em geral mal-distribuídos ou com tiragens baixas, vendidos, quando encontrados, a preços pouco populares.

As leituras públicas de textos literários acontecem a despeito da correria do centro da cidade e da poluição sonora do trânsito das 18h. Um oásis literário em plena metrópole cujos DJs oferecem suas peças favoritas. Impressionante e importante é salientar o quanto as platéias têm crescido e têm reagido a essas leituras. É emocionante verificar que as pessoas saem do trabalho (ou chegam mais cedo) e dão uma passadinha nos eventos para ouvir um ou dois poemas, sorriem, batem palmas, pedem autógrafo e se emocionam com os textos oralizados.

Em 2005 e em 2006, um evento em Ouro Preto reuniu escritores de todo o país. Para não ficar apenas na teoria, mesas de escritores foram compostas para ler em voz alta nos bares da ex-capital mineira. Alice Ruiz, Fabrício Carpinejar e outros poetas fizeram suas leituras, ofereceram poemas ao público, dentro de belos restaurantes, enquanto as pessoas comiam boa comida sem, no entanto, deixar de prestar atenção. Os aplausos eram seguidos de brindes; os sorrisos eram a entrada para os pratos principais.

Na rua, outros poetas puderam provar minutos de Homero quando subiram ao palco para ler poemas no meio da praça. Não ficaram reservados às paredes antigas da cidade e nem evitaram o público que não podia pagar os preços do cardápio. Ao subir uma pequena escada, descobriram um palco montado no meio da rua, próximo ao legendário hotel e restaurante Toffolo, onde se hospedaram e beberam Drummond, Bandeira e outros escritores.

A leitura, amplificada pelos microfones, era acompanhada de uma noite fria e sem chuva. O público se aglomerava, de cachecóis e luvas, os olhos atentos voltados para cima. À medida que os poetas liam, as pessoas aplaudiam, assobiavam e se exaltavam com um ou outro texto, uma palavra, um palavrão, uma boa história, um escorregão. Ao final, perguntavam onde encontrar certo poema, para dar ao namorado, para reanimar alguém, para levar aos alunos, para dar uma cantada, uma indireta, uma ofensa. Ouvir era prazer imediato; ter o livro era um fetiche de colecionador.

Enquanto os computadores e a Internet se aperfeiçoam, ganham adeptos, inventam novas interfaces para ler e escrever, os espectadores da leitura em voz alta estão mais "na moda" do que nunca. Os leitores públicos continuam em ação, cada vez mais digitais e interconectados, mas não menos interativos em carne e ossos.

Em vez de pensar como se as tecnologias se excluíssem e se prejudicassem umas às outras, é preciso pensar que se complementam, se acoplam, se dividem em funções, meios, serventias e formam, como defendem Peter Burke, Maria Augusta Babo e outros estudiosos, um "regime de escrita", uma espécie de conjunto de maneiras possíveis de se realizar um texto.

Eis aí nossos Homeros escritores no centro da capital lendo para leitores com notebooks nas mãos. A leitura pública aos letrados, muito embora cada um deles tenha em casa algum livro impresso. Seja digital, seja analógica, a leitura e a escrita continuam possíveis, penduradas e conjugadas à voz.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 6/7/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? de Gian Danton
02. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte de Jardel Dias Cavalcanti
03. Política e Cidadania no Sertão do Brasil (parte 2) de Diogo Salles
04. Os 60 de Eugenia Zerbini
05. O que está por baixo do medo de usar saia? de Adriana Baggio


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Guia para escrever bem ou Manual de milagres - 8/6/2007
05. Chicletes - 14/9/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/7/2007
08h43min
Li seu texto com interesse e prazer. Lembrou-me de um conselho de um velho professor de grego: a Ilíada e a Odisséia - como a maior parte das obras antigas - devem ser lidas em voz alta. E o "pai" do romance moderno, Flaubert, passava horas a fio lendo também em voz alta trechos de suas obras, enquanto as escrevia e reescrevia. Renato Mezan, em seu magistral "Escrever a clínica" (Casa do Psicólogo, 1998), frisa a importância do "orechiabile" em um texto. Parabéns pela idéia.
[Leia outros Comentários de eugenia]
5/7/2007
15h09min
Texto rico em informações históricas e literárias que nos traz Homero como um dos primeiros homens a narrar histórias para um determinado público. Muito interessante a viagem que você nos permite com o seu texto, da Grécia Antiga até a Internet. Muito didático, mas nem por issso menos criativo. Parabéns. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
6/7/2007
12h43min
Eu leio em voz alta e, muitas vezes, gravo o que leio. É mais fácil do que marcar a página e mais objetivo, já que não se precisa ficar procurando pelos papeizinhos (que podem se perder) o que se quer, algum tempo depois, porque se marcou tal página. Faço isso para passagens boas ou detalhes interessantes que quero lembrar depois. Com um gravadorzinho do lado é possível se escutar um dia o que se leu e aí começa um outro exercício, o de ler bem, com entonação e emoção. Fica bem legal... Recomendo.
[Leia outros Comentários de Albarus Andreos]
6/7/2007
23h56min
Muito do que se disse durante o debate do "Publicar em papel, pra quê?", ficou fundamentado por este roteiro, esta linha do tempo que faltou naquela ocasião. Qualquer que seja a via, o destino é o leitor, não importa qual seja o instrumento ou a tecnologia a registrar este discurso. Ler em voz alta tem muito de contar histórias para platéias que não conseguiram se instrumentalizar para desvendar um estilo, perceber um ritmo, enfim se enriquecer pelo que um texto possa oferecer. Ainda hoje a intimidade com o texto escrito é um privilégio de uma minoria,à despeito da vontade geral, então ficamos disputando e tentando qualificar leitores para uma atividade que necessita de uma determinação especial. A leitura em voz alta aproxima a todos de um enredo e coloca a possibilidade de recepção do mesmo texto para uma análise direta e para o registro de uma compreensão que geralmente é solitária. Os saraus servem para desmistificar e fazer próximo deste dom de encantar. Belíssima contribuição.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
7/7/2007
11h57min
Transformações são inevitáveis diante da criatividade humana e formas de registro são fundamentais para as evoluções, desenvolvimentos; não é preciso descobrir tudo de novo a cada geração, conhecimentos vão se somando, servindo a novas descobertas. Também somos seres gregários, precisamos do outro para aprender, melhorar, por isso a busca pela voz, por interação na leitura em grupo, mas nem sempre a integração é alcançada, as pessoas estão presentes sem realmente estarem juntas, fazendo surgir uma sensação de vazio, de frustração das expectativas colocadas sobre os outros, numa pesada busca por perfeição, não pelo ser humano, falível, limitado, ali declamando suas banais criações ou lendo de modo comum textos grandiosos. A comunhão deu lugar ao espetáculo, bem mais exigente, mas não matou o desejo de interagir, de afetar, compreender, ser afetado, compreendido; por isso permanecem as buscas por um modo de chegar aos grandes sentidos. Ler alto serve ainda à ilusão de não estarmos sós.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
7/7/2007
19h27min
Que descreve e defende tão lindamente a escrita e as formas de leitura... Um beijo da leitora que vai repassar agora a mensagem, claro. ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
8/7/2007
00h13min
Ana Elisa Ribeiro, que texto gostoso de se ler, menina. Que forma gostosa voce tem de repartir conhecimentos, e ao mesmo tempo nos colocar a pensar no que se sucedeu. Nao tenho nada a acrescentar ao seu texto, e por isso estou escrevendo. Para poder parabeniza'-la pela sua coluna.
[Leia outros Comentários de Milton Laene Araujo]
20/7/2007
13h47min
Adorei o texto da Ana Elisa. Lindo, preciso, precioso, gostoso, estimulante. Gostei de saber das andanças de minha amiga Alice Ruiz, pelos prados mineiros... onde a poesia amanhece com o dia... Homero... quimeras em todas as capitais do nosso Brasil... como se os poemas invadissem as praças, os bares, os lares, as boates, boites... enfim... Invadissim!!!
[Leia outros Comentários de ClovisRibeiro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> Um campinho de futebol e outras ideias
>>> Paratodos celebra a Consciência Negra na TV Brasil
>>> Evento Cultural Arena das Artes - Mixx Cultural
>>> Moda e literatura em movimento na Ciranda Literária de Macaé
>>> Manual de filosofia mostra o poder libertador do pensamento crítico
>>> Revista Di Rolê publica texto inédito de Tamara Martins
* clique para encaminhar

Best Seller
Civilização Brasileira
Nova Fronteira
Intrínseca
Editora Conteúdo
Editora Record
Globo Livros
Arquipélago Editorial
WMF Martins Fontes
Companhia das Letras
Editora Perspectiva
José Olympio
Primavera Editorial
Hedra
Cortez Editora
Busca Sebos
Bertrand Brasil
LIVROS


A CANÇÃO DE SUSANNAH - EDIÇÃO DE BOLSO
Por R$ 18,95
+ frete grátis



UM PASSARINHO ME CONTOU
De R$ 30,00
Por R$ 15,24
Economize R$ 14,76



VIAGEM À CALÁBRIA
De R$ 40,00
Por R$ 25,26
Economize R$ 14,74



A CAIXA DOS PERIGOS
Por R$ 33,95
+ frete grátis



BRASIL 12 X 12 ALEMANHA
Por R$ 38,95
+ frete grátis



LINGUÍSTICA DE TEXTO E ANÁLISE DE CONVERSAÇÃO
De R$ 52,00
Por R$ 36,39
Economize R$ 15,61



A FILOSOFIA COMO CRÍTICA DA CULTURA
De R$ 31,00
Por R$ 20,31
Economize R$ 10,69



VISÃO MORTAL
Por R$ 46,00
+ frete grátis



CLÍNICA ORTOPÉDICA DA SBOT
Por R$ 185,95
+ frete grátis



ENSAIO AUTOBIOGRÁFICO
Por R$ 28,95
+ frete grátis



busca | avançada
44682 visitas/dia
1,3 milhão/mês