O dinossauro de Augusto Monterroso | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
28479 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Urban Arts sedia exposição fotográfica gratuita
>>> Programa musical Reverbera estreia na TV Brasil, Rádio MEC e web nesta sexta (23)
>>> Elian Woidello apresenta show Vinho barato e Cinema Noir no Teatro Álvaro de Carvalho (TAC)
>>> Show de lançamento do Selo Blaxtream reúne grandes nomes do jazz e da música instrumental em SP
>>> Autobiografia de George Sand ganha edição brasileira em volume único
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> A pós-modernidade de Michel Maffesoli
>>> Um parque de diversões na cabeça
>>> O que te move?
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Objetos de desejo
>>> Matéria prima
>>> Espírito Santo
>>>
>>> Fuga em Si
>>> Frutos
>>> Traço
>>> Criaturas
>>> Homo ludens
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 10 maneiras de tentar abolir o debate
>>> O amor é importante, porra
>>> Satã, uma biografia
>>> Pólvora e Poesia
>>> O que faz de um livro um clássico
>>> O Salão e a Selva
>>> O dia que nada prometia
>>> Ebook gratuito
>>> Palmada dói
>>> Fórum de revisores de textos
Mais Recentes
>>> Drogas e a Família
>>> Drogas, O universo paralelo
>>> Sitiado Em Lagos
>>> O Equilíbrio do temperamento Através da Música
>>> Cultura no Mercosul: uma política do Discurso
>>> Cristo Cósmico
>>> Coleção Série Princípios
>>> Vidas descoloridas, como Paulo se perdeu para as drogas.
>>> O Livro das Virtudes Uma antologia
>>> A Espiã
>>> Quarta-feira de Cinzas
>>> Cruzando o Paraíso
>>> A poética migrante de Guimarães Rosa
>>> Obra Reunida
>>> Dicionário Latim-Português Português-Latim
>>> Contos Mineiros
>>> Box Coleção História da Vida Privada
>>> Coleção de livros
>>> A Crônica
>>> Zen Budismo e Psicanálise
>>> A Essência do Eneagrama - Manual de Autodescoberta e Teste Definitivo de Personalidade
>>> Guerra e Paz
>>> Depois da Morte
>>> Doze Reis e a Moça do Labirinto do Vento
>>> As Noites Difíceis
>>> Luxo
>>> Fome, Catástrofe Provocada pelo Homem? (Sociologia/Geografia Humana)
>>> Os Irmãos Karamázovi - Fiódor Dostoiévski (Literatura Russa)
>>> Ana Karênina - Leon Tolstói (Literatura Russa)
>>> Almas Mortas - Nicolai Gogol (Literatura Russa)
>>> Pais e Filhos - Ivan Turgueniev (Literatura Russa)
>>> Os Imortais da Literatura Universal (Biografias) Volume III
>>> Processamento de Dados
>>> Teilhard e a Vocação da Mulher
>>> Falsa Identidade- A Conspiração para Reinventar Jesus
>>> Olha para Mim
>>> The Nature of Technology: What it is and how it evolves
>>> Digital Futures for Cultural and Media Studies
>>> Creative industries
>>> Everything is workable: A zen approach to conflict resolution
>>> i of the vortex: From Neurons to self
>>> Arquivos do mal-estar e da resistência
>>> Linked: A nova ciência dos networks
>>> O segundo mundo: Impérios e influência na nova ordem global
>>> O médico quântico: Orientações de um físico para a saúde e a cura
>>> Viver de música: Diálogo com artistas brasileiros
>>> Reagregando o social: Uma introdução à teoria do Ator-Rede
>>> I Ching: Uma nova interpretação para os tempos modernos
>>> O século da canção
>>> Em busca de uma psicologia do despertar: Budismo, Psicoterapia e o Caminho da Transformação Espiritual Individual
COLUNAS

Terça-feira, 10/4/2007
O dinossauro de Augusto Monterroso
Marcelo Spalding

+ de 18900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Menos de cinqüenta letras: esse é o tamanho do texto mais famoso de Augusto Monterroso, "O dinossauro", que é também considerado o microconto mais famoso do mundo:

"Quando acordou, o dinossauro ainda estava lá."

O texto tornou-se célebre porque foi a partir dele que se criou a onda dos microcontos, ou microrelatos, que temos vistos nos últimos anos, inclusive na literatura brasileira. Foi no texto de Monterroso, por exemplo, que Marcelino Freire se inspirou para organizar a antologia Os cem menores contos brasileiros do século. E neste último que Laís Chaffe e a Casa Verde se basearam para os Contos de bolso e Contos de bolsa.

Mas se o nome de Monterroso já tornou-se famoso, sua obra, sua biografia e sua história são absolutamente desconhecidas no Brasil, o que prejudica inclusive a interpretação desta pérola que é "O dinossauro".

Augusto Monterroso, hondurenho que foi ainda jovem para a Guatemala, fez carreira literária no México, para onde mudou-se em 1944, aos 23 anos, por motivos políticos. Seu primeiro livro foi publicado em 1959 com o curioso e irônico título Obras completas (y otros cuentos), o que já aponta para o estilo caricatural e satírico de sua obra. O conjunto de narrativas do livro de estréia é muito influenciado pela trajetória política do escritor, que utiliza o humor de maneira crítica para ressaltar situações de injustiça social e discriminação. Talvez por opção estética, talvez por estratégia literária diante de um período tão conturbado politicamente, já são marcas de suas narrativas a concisão, a brevidade, a caricatura e as referências cultas que o leitor não percebe numa primeira leitura. É nesta obra da metade do século que está publicado "O dinossauro".

Dez anos mais tarde, Monterroso publica outro livro com pequenas narrativas, mas desta vez as chama de fábulas: La oveja negra y demás fábulas. A obra, que ganhou edição brasileira pela Record, traduzida por Millôr Fernandes e ilustrada por Jaguar, em 1983, traz quarenta pequenas narrativas com feitio fabular que voltam a utilizar a paródia e o humor para fazer denúncias sociais, como em "O raio que caiu duas vezes no mesmo lugar" e no texto que dá título ao livro.

"O raio que caiu duas vezes no mesmo lugar" é o menor texto da edição, com 28 palavras - bem maior que "O dinossauro" - e conta de um raio que caiu duas vezes no mesmo lugar, mas ficou muito deprimido porque achou que, na primeira vez, já tinha feito estrago suficiente. "A ovelha negra", de 59 palavras, conta a história de uma ovelha negra fuzilada pelo rebanho em um país distante, rebanho este que, arrependido, lhe levantou uma estátua; a partir de então, sucessivamente, "cada vez que apareciam ovelhas negras eram rapidamente passadas pelas armas para que as futuras gerações de ovelhas comuns e vulgares pudessem se exercitar também na escultura".

Na orelha da edição da Record, nomes como Gabriel García Márquez, Carlos Fuentes e Isaac Asimov louvam o livro. O russo criado nos Estados Unidos, por exemplo, afirma que "os pequenos textos de Monterroso, aparentemente inofensivos, mordem os que deles se aproximam sem a devida cautela e deixam cicatrizes. (...) Depois de ler 'O macaco que quis ser escritor satírico' jamais voltarei a ser o mesmo".

O terceiro livro de Monterroso sai em 1972, Movimiento perpetuo, e se inicia com uma citação de Lope de Vega: "Quiero mudar de estilo y de razones". Depois de um livro de "contos" e outro de "fábulas", neste o que predomina são os ensaios ou reflexões literárias, ainda que a obra seja, como indica o título, um oscilar perpétuo entre distintos gêneros, pois como assegura o autor no prefácio o ensaio é um conto que pode inclusive se tornar um poema.

Nesta obra encontramos um texto particularmente interessante, com menos de uma página, chamado "La brevedad". No texto, Monterroso toca no ponto central de sua obra, a brevidade, surpreendendo, entretanto, quem dele esperava um manifesto contundente em defesa deste valor. Vejamos um bom trecho em tradução livre deste resenhista:

"Com freqüência escuto elogiar a brevidade e eu mesmo fico feliz quando ouço repetir que o bom, se breve, é duas vezes bom. Contudo (...) o escritor de brevidades nada anseia mais no mundo do que escrever interminavelmente grandes textos, grandes textos em que a imaginação não tenha que trabalhar, em que depois de feito, coisas, animais e homens se cruzem, se busquem ou fujam, vivam, convivam, se amem ou derramem livremente seu sangue sem se sujeitar ao ponto e vírgula, ao ponto. A este ponto que neste instante me é imposto por algo mais forte que eu, algo que respeito e que odeio."

Seis anos depois, Monterroso publica a novela Lo demás es silencio, única narrativa longa de sua vida, em que narra a vida de um escritor, Eduardo Torres, tido por alguns como alter-ego do próprio autor. Talvez seja a vitória do autor sobre o ponto e a vírgula ou a libertação política que o tenha permitido estender-se.

Claro que daqui do Brasil, onde não se tem acesso a obra de Monterroso, é difícil falar que a escrita elíptica e repleta de silêncios é uma forma de lidar com o conturbado período latino-americano, os anos sessenta de muita violência e repressão. Sabe-se, porém, que sua obra esconde numa aparente simplicidade e ingenuidade diversas referências cultas e provoca profundas reflexões no leitor, como já dissera Asimov. Ler "O dinossauro" como um reles jogo de linguagem, portanto, pode ser apenas metade da verdade do texto, que talvez esconda, a partir do substantivo dinossauro, o adjetivo jurássico que bem caberia a tantos governantes de então, jurássicos porque carnívoros, selvagens, violentos e antiquados, ainda que fortes e poderosos.

Não por acaso, antes de morrer em 7 de fevereiro de 2003, Monterroso foi condecorado com a Águila Azteca por seu aporte à cultura do México e viu sua obra fazer parte de coletâneas com os melhores livros do século XX em língua espanhola. Notícias, aliás, que me deixaram muito feliz, pois fica evidente que um bom texto, seja grande ou micro, só nasce de um grande autor.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 10/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Oswald de Andrade e o homem cordial de Celso A. Uequed Pitol
02. Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
04. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
05. O suicídio na literatura de Cassionei Niches Petry


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2007
01. Sexo, drogas e rock’n’roll - 27/3/2007
02. Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum - 31/7/2007
03. Com a palavra, as gordas, feias e mal amadas - 30/1/2007
04. Estrangeirismos, empréstimos ou neocolonialismo? - 1/5/2007
05. Abuso sexual de crianças: do silêncio para a tela - 29/5/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/4/2007
02h31min
Obrigada pela explanação. Apesar da brevidade (rs) consegui entender o espírito do autor, desconhecido por mim até então.
[Leia outros Comentários de Vanessa Beck]
10/4/2007
11h53min
Muito fascinante o seu texto. Já tinha ouvido e lido alguns breves trechos desse autor, em uma aula de filosofia, sobre a questão do tempo... Bem, obrigada, vou tentar achá-lo por aí, escondido em alguma livraria, quem sabe? Abraço, Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
22/4/2008
20h18min
Este célebre da literatura realmente merece todo nosso apreço. De maneira lúdica e descontraída seus textos levam em consideração situações que a sociedade está passando. São críticas válidas para todas as pessoas pensantes. Gostaria de pode conhecer mais sobre o autor e suas obras.
[Leia outros Comentários de Jose A. Aguiar Gama]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SÃO PEREGRINO LAZIOSI- PROTETOR CONTRA O MAL DO CÂNCER
FREI RINALDO,OSM
ORDEM DOS SERVOS DE MARIA PRODUÇÕES
(2006)
R$ 8,99



ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA
JOSÉ SARAMAGO
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 28,00



INOVAÇÃO EM AMBIENTES ORGANIZACIONAIS
MARCOS MUELLER SCHLEMM ORG.
IBPEX
(2005)
R$ 8,00



ARISTOFANES (AS NUVENS) - TEATRO GREGO
ARISTOFANES
DIFEL
(1967)
R$ 12,00



PSICOFISIOLOGIA - AS BASES FISIOLÓGICAS DO COMPORTAMENTO
MARCUS L. BRANDÃO
ATHENEU
(2002)
R$ 49,90



O OBSERVADOR NO ESCRITÓRIO
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
CÍRCULO DO LIVRO
(1994)
R$ 25,00
+ frete grátis



OS SUPREMOS VOL. 3
MARVEL COMICS
PANINI
(2014)
R$ 25,00



DA DOR AO AMOR
PEDRO SANTIAGO - ESPÍRITO DIZZI AKIBAH
EME
(2015)
R$ 30,90



MEMÓRIAS PERDIDAS - LIVRO NOVO
CHET BAKER
JORGE ZAHAR
(2002)
R$ 65,00



TEX Nº 279 - A QUEDA DE UM TIRANO 
SERGIO BONELLI
GLOBO
(1993)
R$ 5,00





busca | avançada
28479 visitas/dia
1,1 milhão/mês