Gênio: apontamentos ensaísticos | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Gênio

Terça-feira, 3/2/2009
Gênio: apontamentos ensaísticos
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4600 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"O gênio é uma mensagem enviada a outro gênio." (Kant)

Antes de tudo gostaria de dizer que este texto é escrito por alguém que acredita na existência de gênios. Em segundo lugar, que aqui se pretende pensar a ideia de gênio a partir de reflexões ligadas ao universo da arte. Finalmente, creio que não se pode pensar o conceito de gênio sem antes se ater à ideia de imaginação e sua trajetória no contexto da cultura ocidental. O que farei logo abaixo, e, em seguida, aprofundarei a ideia de gênio como a conclusão dessas reflexões anteriores e ligando a teoria a um fato concreto: o caso Mozart.

Platão classificava a imaginação como a mais baixa das faculdades humanas. Para ele, a mais alta forma de cognição era a razão. Platão, portanto, inaugurou uma longa tradição de desconfiança contra a imaginação.

Aristóteles, por sua vez, definia a imaginação como "a faculdade criadora de imagens" e situou-a entre a percepção e o pensamento. No entanto, Aristóteles afirmava que todas as coisas imaginadas são falsas e não associou a imaginação especificamente à criação artística e não lhe reconhecia o poder sintético para combinar as imagens em novas formações. Isso, ele devia acreditar, era trabalho para a razão.

Cícero, mais ousado que os filósofos anteriores, via na imaginação um poder de visualização por meio do qual o poeta era capaz de pintar vigorosamente uma cena e fazer com que o leitor, de maneira semelhante, a visse com o mesmo vigor com os olhos da mente. O objetivo do grande artista seria, então, "tornar manifesta" uma realidade ausente, colocando-a diante dos olhos pelo poder das imagens mentais.

A Idade Média e o Renascimento persistiram com o preconceito platônico contra o poder da imaginação. A imaginação só ganha da razão durante os sonhos, nos acessos de loucura, quando uma pessoa padece de alucinações ou sob influência de paixões excessivas, mas o seu verdadeiro lugar na hierarquia dos sentidos é estar sujeita à sabedoria e vigilância da razão. Segundo Burton, no seu livro Anatomia da melancolia, a fantasia, ou imaginação, torna-se livre apenas nos poetas e pintores e durante o sono, quando concebe formas estranhas, estupendas, absurdas, como se observa em homens doentes. No homem comum, a imaginação deve ser governada e dominada pela razão, ou, pelo menos, deveria ser.

Shakespeare, que fala muito sobre a imaginação e fantasia, aceita a psicologia ortodoxa da renascença: sob o império de uma paixão dominante, a imaginação conduz a uma espécie de loucura, uma desorientação ou alienação da realidade lógica. Otelo é induzido por suas falsas fantasias e imaginações a acreditar que a esposa o traiu. Em seus acessos de loucura Lear frequenta um mundo diferente do mundo real.

Entretanto, embora aceitasse a psicologia corrente, Shakespeare confere um valor diverso à imaginação. É precisamente em seus acessos de alienação que a imaginação de Lear transmite as mais tremendas visões da condição humana. Onde desfalece a razão, a imaginação e a poesia, filha da imaginação, proporcionam uma apreensão ou notícia das verdades "maior do que a fria razão jamais compreende". Agora era um artista falando, e não um filósofo, anunciando Baudelaire que, ao contrário dessa tradição, dizia que a imaginação era a rainha das faculdades humanas.

Francis Bacon (o filósofo renascentista, não o artista) sabia que a imaginação era uma faculdade especial que sustentava a poesia e as artes, mas não lhe atribuía a verdade que transcende a compreensão da razão. Algo próximo da concepção que Hobbes tinha de poesia, com um papel restrito à imaginação, que resumia-se a estes preceitos: o tempo e a educação geram a experiência; a experiência gera a memória; a memória gera o juízo e a fantasia; o juízo gera a força e a estrutura, e a fantasia gera os ornamentos do poema.

Hume foi um pouco mais longe, dando destaque à ideia de imaginação como a posse de uma ideia animada, vivaz, potente, acompanhada de um sentimento especial; e a imaginação seria o fator necessário à produção dessa vivacidade e animação da ideia. A função da arte seria trazer para o espectador essas imagens vigorosas e fazê-las parecer verdade e realidade. Dessa forma, ao contato com essas realidades nosso espírito seria fortemente afetado por ela. Aqui estamos caminhando para o conceito romântico da imaginação criadora como fabricadora de uma realidade tão potente, a da arte, que poderia competir com a dita "realidade" do mundo.

Resumindo o grupo de ideias que se ligam ao conceito de imaginação no romantismo e sua valorização enquanto forma de pensamento, podemos dizer que elas são as seguintes: a imaginação é o poder que a mente tem de criar energicamente alguma coisa e apresentá-la com um forte impacto de realidade; devido ao seu poder de mudar e recombinar as impressões armazenadas pela experiência, a imaginação é a fonte do espírito inventivo e da originalidade; a imaginação é a fonte de visões mais profundas que a compreensão lógica, e não totalmente compreensíveis para a razão abstrata; a imaginação é a base por meio do qual podemos penetrar nos sentimentos dos outros e comunicar-lhes os nossos.

Todas essas ideias fundidas de forma incandescente podem explicar a ideia do gênio artístico. É o que veremos mais abaixo.

Em suma: a imaginação seria, portanto, para a tradição racionalista, uma espécie de má e viciosa disposição do cérebro que estorva o julgamento e o discurso sensato dos homens, razão pela qual os gregos chamavam de phantasia essa forma de pensamento e de phantastikos os seres criados por tal faculdade. De outra parte, a partir do romantismo a imaginação seria a capacidade humana de apreender intuitivamente verdades além dos limites da razão, como dizia Ruskin. Mais do que uma simples faculdade que recebia, revivia e manipulava imagens, a imaginação era, segundo Kant definia na sua Crítica do Juízo, um poderoso agente para criar, por assim dizer, uma segunda natureza.

E quem era o portador dessa capacidade de criar e imaginar novos mundos? O gênio, evidentemente. E é sobre suas características que falaremos a seguir.

Na antiguidade acreditava-se que o poder do artista em criar coisas originais estava ligado a uma espécie de possessão e vidência exterior ao próprio artista. Ele era possuído por um poder estranho a ele, um demônio, que lhe comunicava uma mensagem divina. Com o romantismo isso muda, passando o artista já a não ser inspirado por deuses, mas rivalizando com eles na sua criação, a obra de um gênio. A ideia de gênio passou a ligar-se mais especificamente à atividade artística. A genialidade tornou-se uma condição natural a que aspiram todos os artistas.

E o que seria esse gênio? Um artista que possuía uma compreensão excepcional da suprema realidade ou, como diziam os filósofos idealistas alemães, uma manifestação ou encarnação do Espírito Absoluto?

Na base da ideia de gênio está também a ideia de originalidade. O gênio é essencialmente original. Quem não é original não pode ser nem gênio nem bom artista. Kant definiu bem essa característica: o gênio é o dom natural ou aptidão mental inata "que dá regras à arte". A originalidade é a propriedade fundamental do gênio. Por isso existe apenas um Beethoven, um Picasso, um Cézanne, um Da Vinci, um Rafael. Criaram seu próprio estilo, único e inimitável.

Sendo a originalidade a única qualidade necessária da grande arte e do grande artista, podemos dizer que a ideia que veicula originalidade e gênio é histórica, criada no século XIX, embora viesse caminhando lentamente desde a antiguidade. Mas pode ser usada para se pensar os grandes feitos do passado.

A palavra gênio aparece no século XVI, como ingenium, no sentido de "talento nativo", tal como era conhecida também na antiguidade como "dom". Ter a técnica apenas não basta, é preciso ter também um talento natural, algo que não se pode ensinar. Kant chamaria de gênio "a originalidade exemplar dos dotes naturais do indivíduo". Hobbes considerava gênio como dote natural excepcional ou talento inusitado (algo como aquele garoto que passou, aos 13 anos, em primeiro lugar no vestibular de química em Curitiba, sendo o mais novo universitário do país, ou Mozart compondo antes dos cinco anos de idade).

O gênio, então, pode ser definido como a faculdade de invenção, por meio da qual o homem se qualifica para realizar novos descobrimentos na ciência ou produzir obras de arte originais. Dessa noção deriva a de gênio como uma pessoa dotada de um sentido anormalmente potente de vocação, que trabalha incansavelmente por uma obsessão compulsiva, expressa na necessidade angustiada de dar vazão a capacidades latentes ― de ser ele mesmo ― ou descobrir verdades transcendentes e inexprimíveis, que só pode se concretizar numa forma de arte e pelos gênios.

Picasso traduziria bem essa noção, nos termos do que escreveu Christian Zervos sobre ele: "O seu único desejo tem sido desesperadamente ser ele próprio; com efeito, ele age de acordo com sugestões que lhe chegam de muito além de seus próprios limites. Vê descer sobre si uma ordem superior de exigências, tem a claríssima impressão de que alguma coisa o compele a esvaziar imperiosamente o espírito de tudo o que acaba de descobrir".

Vendo dessa forma, não podemos pensar, por exemplo, na noção de poesia como os gregos entendiam a palavra techne, um sistema de regras práticas decorrentes de princípios gerais que os artistas seguiriam. O gênio tiraria de si mesmo, da parte inconsciente de seu próprio ser, a sua obra superior. Segundo Wordsworth e Carlyle "o inconsciente é o sinal da criação; a consciência, quando muito, o da manufatura".

No século XX essa noção talvez tenha ficado um pouco passée, e a ela acrescenta-se novas particularidades Agora acreditamos que o gênio é aquele indivíduo que consegue mesclar o inconsciente ao trabalho, quase que como uma única força. Veja-se o que diz Stravinsky no seu livro Poética musical em 6 lições: "Toda criação pressupõe, em sua origem, uma espécie de apetite provocado pela antevisão da descoberta. Esse gosto antecipado do ato criativo acompanha a captação intuitiva de uma entidade desconhecida já possuída, mas ainda não inteligível, uma entidade que só se tornará forma definitiva pela ação de uma técnica constantemente vigilante".

Continua Stravinsky: "o importante para a lúcida ordenação de uma obra ― para sua cristalização ― é que todos o elementos dionisíacos que põem em movimento a imaginação do artista e que fazem brotar a seiva da vida devem estar devidamente subjugados antes que nos intoxiquem: é isto o que pede Apolo".

O caso Mozart
Mozart é a manifestação de um artista pré-romântico, ou seja, aquele que estava disposto a seguir a sua própria imaginação. Segundo Norbert Elias, no seu livro Mozart ― sociologia de um gênio, a vida de Mozart ilustra a situação do artista burguês outsider numa economia dominada pela aristocracia de corte, num tempo em que o equilíbrio de forças era muito favorável ao establishment cortesão, mas não a ponto de suprimir todas as expressões de protesto, ainda que apenas na arena, politicamente menos perigosa, da cultura.

Amadeus Mozart refletia o conflito trágico entre criatividade pessoal e uma sociedade que queria controlá-la. A sua decisão de largar o emprego na corte significava que, em vez de ser o empregado permanente de um patrono, ele desejava ganhar a vida dele como "artista autônomo", vendendo seu talento e suas criações como músico no mercado livre. Mozart queria ser mais que um subordinado e bem qualificado provedor de divertimento para a corte. Essa opção se baseia no conceito que o artista tinha de sua obra e de si mesmo, ou seja, no alto valor de sua música e de sua própria genialidade.

Mozart é um gênio. Mas o que o distinguia dos artistas da sua época?

Primeiro, sua capacidade de manipular os complexos instrumentos e códigos musicais de seu tempo antes dos sete anos de idade e o fato de Mozart se expressar em padrões sonoros com uma espontaneidade e uma energia que lembram uma força natural. Outra coisa é sua extraordinária facilidade para compor e tocar música conforme o padrão social do seu tempo e de avançar em proposições inusitadas.

Segundo Norbert Elias, Mozart se distinguia por sua capacidade não só de se expressar em combinações dentro da estrutura do seu próprio tempo, perfeitamente assimiladas, mas de ir muito além destas combinações conhecidas e dos sentimentos que despertavam. Ou seja, Mozart sabia dar rédea livre às suas fantasias, à sua imaginação (por isso desrespeitava os cânones da época), amparado num profundo conhecimento das estruturas musicais. Um amplo conhecimento musical e uma consciência altamente desenvolvida estavam indissoluvelmente ligados a sua criação musical. É o que fazia dele um gênio.

Voltando a Stravinsky, para concluir, ele retoma, apesar de seu apelo a Apolo, uma visão romântica da criação artística, de seu obscuro sentido: "Sempre encontraremos na origem da invenção um elemento irracional sobre o qual o espírito de submissão não tem poder, e que escapa a toda restrição". Mozart operava, também, principalmente dentro dessa clave. Se não fosse assim, teríamos centenas de Mozarts andando por aí.

Parafraseando Nietzsche: o homem comum é apenas uma ponte sobre o abismo que separa o animal e o gênio. E para dizer novamente com Kant, "gênio é uma mensagem lançada a outro gênio". Se é que me entendem.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 3/2/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 3. Um Jogo de Poker de Heloisa Pait
02. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
03. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges
04. Bibliotecários de Ricardo de Mattos
05. A terra da bruma, de Arthur Conan Doyle de Ricardo de Mattos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


Mais Especial Gênio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/2/2009
11h22min
Uma viagem rápida pela história que oferece uma visão geral dos conceitos do que é ser gênio. Um texto elucidativo que vale a pena ser conferido. Parabéns.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
6/2/2009
16h36min
Jardel, texto A R R E B A T A D O R. A ele eu digo SIM, SIM, SIM!! Eu quero é mesmo me contradizer, pra sentir que estou vivo! A temática sobre o Gênio parece tornar o Digestivo num autêntico Ágora, ou, contradizendo-me, num autêntico transe dionisíaco! Grato pelo fabuloso texto! Abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é fevereiro de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
18/2/2009
12h53min
Mas será que o Kant tinha cacife para julgar quem é gênio? Com certeza um sujeito inteligente, mas a contribuição dele não se compara com Mozart, Beethoven, Newton, Einstein...
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
5/11/2009
10h35min
Texto muito bem organizado, e com amplitude interdisciplinar. E, com todo respeito ao nosso caro Felipe, não entendi o "Kant não tinha cacife"... A "Crítica da razão pura" é certamente uma das mais importantes, e até agora das menos refutadas, obras no edifício do conhecimento ocidental. Alguém que ajudou a plantar as bases da Teoria do Conhecimento certamente teria subsídios mais que suficientes para opinar - ou postular - sobre o conceito de gênio...
[Leia outros Comentários de Adalgiso Junior]
5/11/2009
16h39min
O conceito de espaço e tempo de Kant foi refutado pela geometria não euclideana do espaço relativístico onde vivemos. O resto... sei lá!
[Leia outros Comentários de felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CRIANÇAS DINAMARQUESAS
JESSICA JOELLE ALEXANDER, IBEN D SANDAHL
FONTANAR
(2017)
R$ 24,00



INTEGRATED ELECTRONICS
MILLMAN- HALKIAS
MCGRAW-HILL
(1972)
R$ 45,00
+ frete grátis



ENCICLOPÉDIA EM CD-ROM 1001 PLANTAS E FLORES (+CD)
NÃO INFORMADO
NATUREZA
R$ 200,00



OS LEOPARDOS DE KAFKA
MOACYR SCLIAR
COMPANHIA DAS LETRAS
(2000)
R$ 46,83



A ILHA CAMPEÕES DE VENDA
ALDOUS HUXLEY
RIO GRÁFICA
(1986)
R$ 20,00



DESENHO GEOMÉTRICO PLANO VOL 2 TOMO 1
HUMBERTO GIOVANNI- LUIZ ABREU- ROBERTO CARVALHO
BIBLIOTECA DO EXERCITO
(1995)
R$ 35,00



BRASIL: UMA DOR QUE NÃO PODE VIRAR SILÊNCIO
FLÁVIO ROTMAN
RECORD
(1986)
R$ 4,00



MITOS DO MARKETING QUE ESTÃO MATANDO SEUS NEGÓCIOS
KEVIN J. CLANCY - ROBERT S. SHULMAN
MAKRON BOOKS
(1994)
R$ 10,00



VALE DO CAOS
FRIEDRICH DÜRRENMATT
COMPANHIA DAS LETRAS
(1991)
R$ 10,90



CIDADE (I)MATERIAL: MUSEOGRAFIAS DO PATRIMÔNIO CULTURAL NO ESPAÇO
DANIEL REIS
MAUAD
(2015)
R$ 29,82





busca | avançada
55507 visitas/dia
1,4 milhão/mês