Murilo Rubião e o chocolate | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
50807 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FILMES DE TERROR SÃO DESTAQUE NO FESTIVAL LATINO-AMERICANO DE SP
>>> Programa discute as novidades do mercado com a TV sob demanda
>>> Drama "Gosto de Cereja" encerra Ciclo de Cinema Iraniano na TV Brasil
>>> Lançamento da 1ª Jornada Mundial Contra o Racismo Vem Vencer (07/08)
>>> Queime Isso estreia no CCJF
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> George Orwell e o alerta contra o totalitarismo
>>> Influências da década de 1980
>>> Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte final)
>>> O romance do 'e se...'
>>> Xadrez, poesia de Ana Elisa Ribeiro
>>> Espírito e Cura
>>> Precisa-se de empregada feia. Bem feia.
>>> Minha Terra Tem Palmeiras
>>> Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV)
>>> Depois do chover
Colunistas
Últimos Posts
>>> Acabou o governo
>>> O Chileno
>>> Fabio Gomes
>>> Irmãos Amâncio
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Gil e Pepeu em Montreux 1978
>>> Wagner Moura em Narcos
>>> Marcio Acselrad
>>> Mais uma de Leonardo da Vinci
>>> Mr. Sandman
Últimos Posts
>>> A culpa da alegria
>>> Frase da semana
>>> A vitória da pochete
>>> Farmácia popular
>>> Transparência Democrática
>>> Robert Randolph And The Family Band
>>> Agora cava a cova da própria alcova
>>> Das praças das cidades às dos shoppings
>>> O outono
>>> A freira
Mais Recentes
>>> Game of Thrones, Brasil e Ativismo Social
>>> O que você está lendo?
>>> Palavra na Tela - Literatura
>>> Livrarias, bibliotecas e outros paraísos
>>> Estereótipos do Twitter (e do Foursquare)
>>> O Leitor Apaixonado, livro de Ruy Castro
>>> Mário de Andrade pela Agir
>>> Entrevista com Catarse
>>> Um Luis no fim do túnel
>>> Máfia do Dendê
Mais Recentes
>>> Haroldo de campos
>>> aprendendo e ensinado a cuidar da saude
>>> Harry potter
>>> inquisitorial
>>> Deus não é grande
>>> Historia do Suicidio Georges Minois
>>> CLT Comentada
>>> A Poética do Silêncio - João Cabral de Melo Neto e Paul Celan
>>> "Literatura e Sociedade", CANDIDO, Antonio.
>>> "Exercícios de Leitura", de Gilda de Mello.
COLUNAS

Segunda-feira, 30/11/2009
Murilo Rubião e o chocolate
Wellington Machado

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"― Me dá um cigarro?
A voz era sumida, quase um sussurro. Permaneci na mesma posição em que me encontrava, frente ao mar, absorvido com ridículas lembranças.
O importuno pedinte insistia:
― Moço, oh! moço! Moço, me dá um cigarro?
Ainda com os olhos fixos na praia, resmunguei:
― Vá embora, moleque, senão chamo a polícia.
― Está bem moço. Não se zangue. E, por favor, saia da minha frente, que eu também gosto de ver o mar.
Exasperou-me a insolência de quem assim me tratava e virei-me, disposto a escorraçá-lo com um pontapé. Fui desarmado, entretanto. Diante de mim estava um coelhinho cinzento..."


Este pequeno trecho, que vale por uns cem livros de Dan Brown, é o começo do conto "Teleco, o coelhinho", do escritor Murilo Rubião ― um dos precursores do realismo fantástico no Brasil e um dos responsáveis pelo lançamento de uma geração de escritores, quando dirigiu o Suplemento Literário, em Belo Horizonte.

Por sugestão de um amigo, vou relatar um encontro que tive com o Rubião, em meados dos anos 70, quando eu era ainda criança. O meu avô Daniel, apesar de não ser uma celebridade, era uma pessoa de certa forma bem relacionada em vários setores da sociedade belo-horizontina. Funcionário público "faz tudo" (estamos nos anos 60 e 70), tinha livre trânsito entre políticos, médicos, advogados, escritores, atores, e na imprensa em geral. Descendente de portugueses (tinha até sotaque d'além-mar), era amante da política. Autodidata, trocava ideias e aconselhava um caminhão de gente que vinha a nossa casa (morávamos praticamente juntos, em casas contíguas).

Sempre tive uma certa afinidade (ou cumplicidade) com meu avô ― sou o primeiro neto. Não sei explicar exatamente o porquê. Talvez pela infinidade de coisas interessantes que ele me mostrava, ou pela sua verve, ou pela sua indignação com o que achava incorreto. O fato é que eu, vez ou outra, estava a seu lado, a tiracolo. Eu sempre fazendo aquelas perguntas complicadas de criança, e ele sempre me respondendo pacientemente.

Calhou de irmos visitar o Murilo Rubião, de quem meu avô Daniel era amigo ― acho que trabalharam juntos na Imprensa Oficial. Eu nem sabia de quem se tratava, muito menos de sua importância. Tive um grande choque, com momentos de temor, quando entramos no apartamento e eu me deparei com aquele senhor de cara fechada, óculos de grossa armação e corpo rotundo. Um apartamento escuro e silencioso, com livros, móveis antigos e algumas plantas. Via-se que morava ali um senhor solitário, centrado, sério e exigente.

Sempre morei em casa, mas naquele momento tive vontade de morar em apartamento. Mas que fosse igual ao do Rubião, uma "caixa em penumbra", onde o isolamento fosse uma proteção do mundo externo. O apartamento do Murilo era misterioso. Passava-me uma sensação de "exigência de privacidade" ― da qual o escritor nunca abrira mão, pelo que sei.

Um pouco de descontração, pelo menos para mim, foi quando o Murilo nos convidou para ir até a cozinha. Ele abriu um armário, acima da pia, e retirou uma enorme caixa preta, abarrotada de chocolates Diamante Negro. Abriu a caixa e disse para eu me servir. Diante da seriedade daquele "monstro" à minha frente, peguei um chocolate, timidamente. Na verdade eu queria a caixa inteira; não aquela ― pois eu temia o Rubião ―, queria uma caixa de chocolates igual àquela, preta, cheia de Diamantes Negros. Ele disse para eu tirar mais um, mas, pela boa educação, recusei. Ele, então, percebendo a minha timidez e o brilho nos meus olhos, tirou mais um Diamante e colocou-o na minha mão. Tenho nítido em minha memória o olhar paciente daquele senhor; aqueles olhos pequenos, reduzidos pelas lentes dos óculos.

Não comi os chocolates na hora; guardei-os no bolso. Voltamos à sala-escritório e a conversa entre ele e meu avô durou pelo menos umas duas horas. Fiquei sentado, ignorado em uma cadeira antiga, em silêncio, durante todo o período. Não havia um brinquedo para me distrair naquele apartamento lúgubre. Eu olhava os móveis, a máquina de escrever, os papéis, alguns quadros. Como eu era pequeno, minhas pernas balançavam soltas por baixo da cadeira. Uma criança bem comportada, com sapato social, meias, camisa de botão, ouvindo sem entender um diálogo que nunca terminava, já meio afoita para sair dali e saborear os chocolates.

Hoje eu não conseguiria identificar a rua ou bairro onde ficava o apartamento do Murilo Rubião. O escritor morreu em 1991. Não sei se os dois eram grandes amigos, mas percebi uma ponta de tristeza em meu avô Daniel, muito bem disfarçada ― ele tinha a arte de absorver tristezas, só para proteger os seus ―, quando o escritor se foi. Meu avô morreu em 1995 ― em minha memória, restaram os lugares e amigos que visitamos. Foi quando me dei conta da importância do Rubião e passei a ler seus contos com admiração. Fiquei sabendo que ele foi um escritor perfeccionista ao extremo ― chegava a escrever apenas uma frase por dia, bem lapidada. Vai daí a sua reduzida obra (cerca de 50 contos; parece-me que apenas 33 foram organizados em livros).

Não vi o Murilo sorrir naquele encontro com meu avô. Talvez ele tivesse o mau humor irônico e surreal do coelho Teleco. Mas toda vez que vejo um Diamante Negro, lembro do Murilo Rubião.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 30/11/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro
02. Memorial do deserto e das ruínas de Elisa Andrade Buzzo
03. Hosana na Sarjeta, de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
04. O assassinato de Herzog na arte de Jardel Dias Cavalcanti
05. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
05. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2009
15h10min
Bravo! Memorialista e fluente. Gosto muito de textos assim.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS


DIÁLOGO COM UM EXECUTOR
RUBENS SARACENI

De R$ 19,90
Por R$ 9,95
50% off
+ frete grátis



O PODER VERDADEIRO
G. BRASMAN E G. NORRIS

De R$ 29,90
Por R$ 14,95
50% off
+ frete grátis



CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO
ARNALDO LUIS THEODOSIO PAZETTI

De R$ 36,00
Por R$ 18,00
50% off
+ frete grátis



A OUTRA FACE DO DESEJO
LUIS EDUARDO MATTA

De R$ 46,00
Por R$ 23,00
50% off
+ frete grátis



PÁSSARO DA TEMPESTADE
CONN IGGULDEN

De R$ 40,00
Por R$ 20,00
50% off
+ frete grátis



REGIMES MONETÁRIOS
ANDRÉ DE MELO MODENESI

De R$ 87,00
Por R$ 43,50
50% off
+ frete grátis



ÊXODO
WILL ADAMS

De R$ 45,00
Por R$ 22,50
50% off
+ frete grátis



ESPOSA 22
MELANIE GIDEON

De R$ 29,90
Por R$ 14,95
50% off
+ frete grátis



ABC DE JOSÉ LINS DO REGO
BERNARDO BORGES BUARQUE DE HOLLANDA

De R$ 40,00
Por R$ 20,00
50% off
+ frete grátis



TXAKAZUÊ
IGOR MIGUEL PEREIRA

De R$ 30,00
Por R$ 15,00
50% off
+ frete grátis



busca | avançada
50807 visitas/dia
1,5 milhão/mês