Murilo Rubião e o chocolate | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
27897 visitas/dia
846 mil/mês
Mais Recentes
>>> Especialistas apresentam a relação entre tradução e edição
>>> Com direção de Vivien Buckup, Ney Piacentini estreia solo com contos de Machado de Assis e Guimarães
>>> Teatro do Incêndio comemora 20 anos com nova temporada de O Santo Dialético
>>> Shopping D recebe a "Casa do Medo"
>>> Projeto com estudantes e grafiteiros destaca a importância do campo para a cidade
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aqui sempre alguém morou
>>> Breve resenha sobre um livro hediondo
>>> Alice in Chains, por David De Sola
>>> Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho
>>> Afinidade, maestria e demanda
>>> O Quixote de Will Eisner
>>> Era uma vez um inverno
>>> Caindo as fichas do machismo
>>> Uma livrada na cara
>>> YouTube, lá vou eu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Últimos Posts
>>> Último debate dos candidatos à prefeitura na Globo
>>> Olhar perdido
>>> O que está acontecendo com elas ?
>>> Armaduras
>>> Etapas de uma pintura III (movie)
>>> Origâmis
>>> Eleições Municipais e o Efeito DunDum!
>>> Dente-de-leão
>>> MARINHA
>>> O que dizer depois da reunião de orientação
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> 89 FM, o fim da rádio rock
>>> Solteirice
>>> Os desajustados
>>> Havona, por Jaco Pastorius
>>> Livro de leitura
>>> Homens x Mulheres, ainda
>>> Entrevista com João Pereira Coutinho
>>> Manual do Publicitário
>>> Paixão e sucata
Mais Recentes
>>> A Ação do Espírito Santo na Alma
>>> A Montanha Mágica (NOVO)
>>> Como um Anjo Canibal
>>> Optimal A1 Arbeitsbuch
>>> Tem um Garoto no Meu Quarto
>>> O Caçador de Pipas
>>> A Anatomia de uma Dor- Um Luto em Observação
>>> Um Sonho na Amazônia - Volume 3
>>> Teorias da Psicopatologia e Personalidade-Ensaios e Críticas
>>> Natureza e Seres Vivos 4º edição
>>> Planejamento e Estratégia Empresarial
>>> Estação Carandiru
>>> Planejamento Estratégico: Conceitos, Metodologia e Práticas
>>> O Silêncio Amoroso de Deus
>>> Mestre Dos Mares
>>> Balzac E A Costureirinha Chinesa
>>> Che Guevara: A Vida em Vermelho
>>> Samuel Klein e Casas Bahia - Uma Trajetória de Sucesso
>>> Base teórica de crítica textual - 2ª ed.
>>> Quando A Vida Escolhe
>>> Educação, Teatro e Matemática Medievais
>>> Chá das cinco com Aristóteles e outros artigos
>>> Revolucione seu negócios
>>> O menino no espelho
>>> Factotum
>>> A condição judaica
>>> Radiônica e Radiestesia
>>> A vida na ponta dos pés
>>> Corinthians x Outros
>>> História da Música Brasileira
>>> Manual do candidato as eleições- Carta do bom administrador Público-Pensamentos Políticos
>>> Pesquisa operacional na tomada de decisões
>>> Deixados para Trás Teen - Vol. 2 - Segunda Chance
>>> Uma História De Trabalho E Superação - Votorantim 90 Anos
>>> Anjos e Demônios - A Primeira Aventura de Robert Langdon
>>> Dicionário de Nomes
>>> Memórias eróticas de Paris na Belle Epoque
>>> Ser Negro no Brasil Hoje
>>> Contos do dia a dia
>>> Direito de ser Feliz
>>> Só o Amor Consegue
>>> Giselle - A amante do inquisidor
>>> O Código da Vinci
>>> Os Homens que Não Amavam as Mulheres
>>> Primeiras Estórias
>>> Histórias e Conversas de Mulher
>>> De Moto Pela América Do Sul
>>> Humilhados E Ofendidos
>>> Memórias Perdidas
>>> Coraline
COLUNAS

Segunda-feira, 30/11/2009
Murilo Rubião e o chocolate
Wellington Machado

+ de 3400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"― Me dá um cigarro?
A voz era sumida, quase um sussurro. Permaneci na mesma posição em que me encontrava, frente ao mar, absorvido com ridículas lembranças.
O importuno pedinte insistia:
― Moço, oh! moço! Moço, me dá um cigarro?
Ainda com os olhos fixos na praia, resmunguei:
― Vá embora, moleque, senão chamo a polícia.
― Está bem moço. Não se zangue. E, por favor, saia da minha frente, que eu também gosto de ver o mar.
Exasperou-me a insolência de quem assim me tratava e virei-me, disposto a escorraçá-lo com um pontapé. Fui desarmado, entretanto. Diante de mim estava um coelhinho cinzento..."


Este pequeno trecho, que vale por uns cem livros de Dan Brown, é o começo do conto "Teleco, o coelhinho", do escritor Murilo Rubião ― um dos precursores do realismo fantástico no Brasil e um dos responsáveis pelo lançamento de uma geração de escritores, quando dirigiu o Suplemento Literário, em Belo Horizonte.

Por sugestão de um amigo, vou relatar um encontro que tive com o Rubião, em meados dos anos 70, quando eu era ainda criança. O meu avô Daniel, apesar de não ser uma celebridade, era uma pessoa de certa forma bem relacionada em vários setores da sociedade belo-horizontina. Funcionário público "faz tudo" (estamos nos anos 60 e 70), tinha livre trânsito entre políticos, médicos, advogados, escritores, atores, e na imprensa em geral. Descendente de portugueses (tinha até sotaque d'além-mar), era amante da política. Autodidata, trocava ideias e aconselhava um caminhão de gente que vinha a nossa casa (morávamos praticamente juntos, em casas contíguas).

Sempre tive uma certa afinidade (ou cumplicidade) com meu avô ― sou o primeiro neto. Não sei explicar exatamente o porquê. Talvez pela infinidade de coisas interessantes que ele me mostrava, ou pela sua verve, ou pela sua indignação com o que achava incorreto. O fato é que eu, vez ou outra, estava a seu lado, a tiracolo. Eu sempre fazendo aquelas perguntas complicadas de criança, e ele sempre me respondendo pacientemente.

Calhou de irmos visitar o Murilo Rubião, de quem meu avô Daniel era amigo ― acho que trabalharam juntos na Imprensa Oficial. Eu nem sabia de quem se tratava, muito menos de sua importância. Tive um grande choque, com momentos de temor, quando entramos no apartamento e eu me deparei com aquele senhor de cara fechada, óculos de grossa armação e corpo rotundo. Um apartamento escuro e silencioso, com livros, móveis antigos e algumas plantas. Via-se que morava ali um senhor solitário, centrado, sério e exigente.

Sempre morei em casa, mas naquele momento tive vontade de morar em apartamento. Mas que fosse igual ao do Rubião, uma "caixa em penumbra", onde o isolamento fosse uma proteção do mundo externo. O apartamento do Murilo era misterioso. Passava-me uma sensação de "exigência de privacidade" ― da qual o escritor nunca abrira mão, pelo que sei.

Um pouco de descontração, pelo menos para mim, foi quando o Murilo nos convidou para ir até a cozinha. Ele abriu um armário, acima da pia, e retirou uma enorme caixa preta, abarrotada de chocolates Diamante Negro. Abriu a caixa e disse para eu me servir. Diante da seriedade daquele "monstro" à minha frente, peguei um chocolate, timidamente. Na verdade eu queria a caixa inteira; não aquela ― pois eu temia o Rubião ―, queria uma caixa de chocolates igual àquela, preta, cheia de Diamantes Negros. Ele disse para eu tirar mais um, mas, pela boa educação, recusei. Ele, então, percebendo a minha timidez e o brilho nos meus olhos, tirou mais um Diamante e colocou-o na minha mão. Tenho nítido em minha memória o olhar paciente daquele senhor; aqueles olhos pequenos, reduzidos pelas lentes dos óculos.

Não comi os chocolates na hora; guardei-os no bolso. Voltamos à sala-escritório e a conversa entre ele e meu avô durou pelo menos umas duas horas. Fiquei sentado, ignorado em uma cadeira antiga, em silêncio, durante todo o período. Não havia um brinquedo para me distrair naquele apartamento lúgubre. Eu olhava os móveis, a máquina de escrever, os papéis, alguns quadros. Como eu era pequeno, minhas pernas balançavam soltas por baixo da cadeira. Uma criança bem comportada, com sapato social, meias, camisa de botão, ouvindo sem entender um diálogo que nunca terminava, já meio afoita para sair dali e saborear os chocolates.

Hoje eu não conseguiria identificar a rua ou bairro onde ficava o apartamento do Murilo Rubião. O escritor morreu em 1991. Não sei se os dois eram grandes amigos, mas percebi uma ponta de tristeza em meu avô Daniel, muito bem disfarçada ― ele tinha a arte de absorver tristezas, só para proteger os seus ―, quando o escritor se foi. Meu avô morreu em 1995 ― em minha memória, restaram os lugares e amigos que visitamos. Foi quando me dei conta da importância do Rubião e passei a ler seus contos com admiração. Fiquei sabendo que ele foi um escritor perfeccionista ao extremo ― chegava a escrever apenas uma frase por dia, bem lapidada. Vai daí a sua reduzida obra (cerca de 50 contos; parece-me que apenas 33 foram organizados em livros).

Não vi o Murilo sorrir naquele encontro com meu avô. Talvez ele tivesse o mau humor irônico e surreal do coelho Teleco. Mas toda vez que vejo um Diamante Negro, lembro do Murilo Rubião.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 30/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti
02. Livrarias de Ricardo de Mattos
03. Etapas em combustão de Fabio Gomes
04. O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta de Heloisa Pait
05. 'A Imaginação Liberal', de Lionel Trilling de Celso A. Uequed Pitol


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
05. Marcador de página inteligente - 3/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2009
15h10min
Bravo! Memorialista e fluente. Gosto muito de textos assim.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRADE, GROWTH, AND INEQUALITY
CHRISTOPHER BLISS
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2008)
+ frete grátis



TÃO LONGE DE CASA
DANNION E KATHRYN BRINKLEY
LAROUSSE
(2010)
+ frete grátis



LE GRAND PASSAGE
JEANNE GUESNÉ
L'ESPACE BLEU
(1994)
+ frete grátis



ESAÚ E JACÓ
MACHADO DE ASSIS
MARTIN CLARET
(2001)
+ frete grátis



TORTURED FOR CHRIST
RICHARD WURMBRAND
DIANE BOOKS
(1969)
+ frete grátis



A VERDADE SOBRE A MENTIRA - APRENDA A IDENTIFICAR MENTIRAS E A NÃO SER ENGANADO
STAN B. WALTERS
BEST SELLER
(2010)
+ frete grátis



O AGENTE BRITÂNICO
W. SOMERSET MAUGHAM
GLOBO
(1996)
+ frete grátis



SURTANDO EM WALL STREET
JARED DILLIAN
ZAHAR
(2014)
+ frete grátis



ENTRE OS MUROS DA ESCOLA
FRANÇOIS BÉGAUDEAU
MARTINS FONTES
(2009)
+ frete grátis



A COMUNICAÇÃO NÃO-VERBAL
FLORA DAVIS
SUMMUS
(1979)
+ frete grátis





busca | avançada
27897 visitas/dia
846 mil/mês