Murilo Rubião e o chocolate | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
20751 visitas/dia
635 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil apresenta show do Nação Zumbi no programa Todas as Bossas
>>> TV Brasil apresenta final da série O Tempo entre Costuras nesta sexta (13/1)
>>> TV Brasil homenageia Zygmunt Bauman nesta sexta (13/1)
>>> Teatro do Incêndio promove oficina cênica grátis com Kleber Montanheiro
>>> Valadão Muda o Mundo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
>>> O Natal de Charles Dickens
>>> Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso
>>> Gerald Thomas: uma autobiografia
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> 'Hysteria' Revisitada
>>> O tremor na poesia, Fábio Weintraub
>>> Lançamento de Viktor Frankl
>>> E por falar em aposentadoria
>>> O quanto podemos compreender
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
Últimos Posts
>>> Abraço
>>> Paralamas do Sucesso: Novo álbum e shows em SP
>>> Lô Borges ou a estreia 45 anos depois
>>> Águas abertas ao mito
>>> Arranha-céu
>>> Da população ao empoderamento de Brasília
>>> Belém do Pará, ano um. 401.
>>> Na trilha de um corredor
>>> Entropias
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O filho eterno e seus prêmios literários
>>> 21º de Mozart: Pollini e Muti
>>> Software Programs the World
>>> Fudeus existe
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (V)
>>> Por que os blogs de jornalistas não funcionam
>>> Poesia para jovens
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Eu nunca fui nerd
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (IV)
Mais Recentes
>>> Autoconocimiento transformador- Los Eneatipos en la Vida, La Literatura y la Clinica
>>> Gente de la Puszta - Gyula Illyes (Literatura Húngara) - Em Espanhol
>>> Sol e Aço - Yukio Mishima (Literatura Japonesa)
>>> Morte em pleno Verão - Yukio Mishima (Literatura Japonesa)
>>> O Evangelho Segundo Jesus Cristo - José Saramago (Literatura Portuguesa)
>>> O Diário de Anne Frank
>>> The Brontë Sisters
>>> As Pelejas de Ojuara - Neil de Castro (Romance Brasileiro)
>>> Vício Inerente
>>> Rebecca - A Mulher Inesquecível - Daphne du Maurier (Literatura Norte-Americana)
>>> Água Para Elefantes
>>> Escritores em Ação - (Entrevistas) - Literatura Estrangeira
>>> The Wolf of Wall Street
>>> Cuentos Cubanos del Siglo XIX (Literatura Cubana) - Em Espanhol
>>> O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares
>>> O sofá - Crébillon Fils (Literatura Francesa)
>>> E Não Sobrou Nenhum
>>> A Balada de Adam Henry
>>> The Chaperone
>>> Vocação Para o Mal
>>> As Aventuras de Sherlock Holmes: Volume 1
>>> Solar
>>> Morte Súbita
>>> O Jardim de Cimento
>>> Eu, Malika Oufkir, prisioneira do Rei
>>> O Cinema, Invenção do Século
>>> Gone Girl
>>> Indian Summer - The Secret History of the End of an Empire
>>> O Homem do Castelo Alto
>>> O Vendedor de Histórias
>>> Sapatólatras Anônimas 1041
>>> Deus esta Nas Pequenas Coisas do Casamento 985
>>> Classicos da Poesia Brasileira 776, 777 , 792
>>> Resgate no Tempo - 572
>>> Infância e Adolescência - 609
>>> O Poder do Super Bicho - 573
>>> Filosofia, Ciência e Vida - 89 - DEZ/2013
>>> Filosofia, Ciência e Vida - 93 - ABR/2014
>>> Filosofia, Ciência e Vida - 91 - FEV/2014
>>> Filosofia, Ciência e Vida - 08
>>> Abaixo a Ditadura
>>> O aniversario do seu Alfabeto
>>> Filosofia, Ciência e Vida - 07
>>> Cuidado Dona Mata
>>> Carta da Terra
>>> O Filho do cacador
>>> Sonhos, Grilos e Paixoes
>>> Filosofia, Ciência e Vida - 10
>>> O menino do pijama listrado
>>> Historias de Fantasmas
COLUNAS

Segunda-feira, 30/11/2009
Murilo Rubião e o chocolate
Wellington Machado

+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"― Me dá um cigarro?
A voz era sumida, quase um sussurro. Permaneci na mesma posição em que me encontrava, frente ao mar, absorvido com ridículas lembranças.
O importuno pedinte insistia:
― Moço, oh! moço! Moço, me dá um cigarro?
Ainda com os olhos fixos na praia, resmunguei:
― Vá embora, moleque, senão chamo a polícia.
― Está bem moço. Não se zangue. E, por favor, saia da minha frente, que eu também gosto de ver o mar.
Exasperou-me a insolência de quem assim me tratava e virei-me, disposto a escorraçá-lo com um pontapé. Fui desarmado, entretanto. Diante de mim estava um coelhinho cinzento..."


Este pequeno trecho, que vale por uns cem livros de Dan Brown, é o começo do conto "Teleco, o coelhinho", do escritor Murilo Rubião ― um dos precursores do realismo fantástico no Brasil e um dos responsáveis pelo lançamento de uma geração de escritores, quando dirigiu o Suplemento Literário, em Belo Horizonte.

Por sugestão de um amigo, vou relatar um encontro que tive com o Rubião, em meados dos anos 70, quando eu era ainda criança. O meu avô Daniel, apesar de não ser uma celebridade, era uma pessoa de certa forma bem relacionada em vários setores da sociedade belo-horizontina. Funcionário público "faz tudo" (estamos nos anos 60 e 70), tinha livre trânsito entre políticos, médicos, advogados, escritores, atores, e na imprensa em geral. Descendente de portugueses (tinha até sotaque d'além-mar), era amante da política. Autodidata, trocava ideias e aconselhava um caminhão de gente que vinha a nossa casa (morávamos praticamente juntos, em casas contíguas).

Sempre tive uma certa afinidade (ou cumplicidade) com meu avô ― sou o primeiro neto. Não sei explicar exatamente o porquê. Talvez pela infinidade de coisas interessantes que ele me mostrava, ou pela sua verve, ou pela sua indignação com o que achava incorreto. O fato é que eu, vez ou outra, estava a seu lado, a tiracolo. Eu sempre fazendo aquelas perguntas complicadas de criança, e ele sempre me respondendo pacientemente.

Calhou de irmos visitar o Murilo Rubião, de quem meu avô Daniel era amigo ― acho que trabalharam juntos na Imprensa Oficial. Eu nem sabia de quem se tratava, muito menos de sua importância. Tive um grande choque, com momentos de temor, quando entramos no apartamento e eu me deparei com aquele senhor de cara fechada, óculos de grossa armação e corpo rotundo. Um apartamento escuro e silencioso, com livros, móveis antigos e algumas plantas. Via-se que morava ali um senhor solitário, centrado, sério e exigente.

Sempre morei em casa, mas naquele momento tive vontade de morar em apartamento. Mas que fosse igual ao do Rubião, uma "caixa em penumbra", onde o isolamento fosse uma proteção do mundo externo. O apartamento do Murilo era misterioso. Passava-me uma sensação de "exigência de privacidade" ― da qual o escritor nunca abrira mão, pelo que sei.

Um pouco de descontração, pelo menos para mim, foi quando o Murilo nos convidou para ir até a cozinha. Ele abriu um armário, acima da pia, e retirou uma enorme caixa preta, abarrotada de chocolates Diamante Negro. Abriu a caixa e disse para eu me servir. Diante da seriedade daquele "monstro" à minha frente, peguei um chocolate, timidamente. Na verdade eu queria a caixa inteira; não aquela ― pois eu temia o Rubião ―, queria uma caixa de chocolates igual àquela, preta, cheia de Diamantes Negros. Ele disse para eu tirar mais um, mas, pela boa educação, recusei. Ele, então, percebendo a minha timidez e o brilho nos meus olhos, tirou mais um Diamante e colocou-o na minha mão. Tenho nítido em minha memória o olhar paciente daquele senhor; aqueles olhos pequenos, reduzidos pelas lentes dos óculos.

Não comi os chocolates na hora; guardei-os no bolso. Voltamos à sala-escritório e a conversa entre ele e meu avô durou pelo menos umas duas horas. Fiquei sentado, ignorado em uma cadeira antiga, em silêncio, durante todo o período. Não havia um brinquedo para me distrair naquele apartamento lúgubre. Eu olhava os móveis, a máquina de escrever, os papéis, alguns quadros. Como eu era pequeno, minhas pernas balançavam soltas por baixo da cadeira. Uma criança bem comportada, com sapato social, meias, camisa de botão, ouvindo sem entender um diálogo que nunca terminava, já meio afoita para sair dali e saborear os chocolates.

Hoje eu não conseguiria identificar a rua ou bairro onde ficava o apartamento do Murilo Rubião. O escritor morreu em 1991. Não sei se os dois eram grandes amigos, mas percebi uma ponta de tristeza em meu avô Daniel, muito bem disfarçada ― ele tinha a arte de absorver tristezas, só para proteger os seus ―, quando o escritor se foi. Meu avô morreu em 1995 ― em minha memória, restaram os lugares e amigos que visitamos. Foi quando me dei conta da importância do Rubião e passei a ler seus contos com admiração. Fiquei sabendo que ele foi um escritor perfeccionista ao extremo ― chegava a escrever apenas uma frase por dia, bem lapidada. Vai daí a sua reduzida obra (cerca de 50 contos; parece-me que apenas 33 foram organizados em livros).

Não vi o Murilo sorrir naquele encontro com meu avô. Talvez ele tivesse o mau humor irônico e surreal do coelho Teleco. Mas toda vez que vejo um Diamante Negro, lembro do Murilo Rubião.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 30/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Amor é Sexualmente Transmissível de Isabella Ypiranga Monteiro
02. Excessos de Marta Barcellos
03. Marketing de cabras de Wellington Machado
04. Em busca da adrenalina perdida de Marta Barcellos
05. História da leitura (I): as tábuas da lei e o rolo de Marcelo Spalding


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
05. Marcador de página inteligente - 3/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2009
15h10min
Bravo! Memorialista e fluente. Gosto muito de textos assim.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ANÚNCIO DE CRISTO NOS EVANGELHOS SINÓTICOS
W. TRILLING
PAULINAS
(1981)
R$ 65,20



ATOR E MÉTODO - EUGÊNIO KUSNET
EUGÊNIO KUSNET
HUCITEC
(1992)
R$ 75,00



STAR WARS Nº13 KINIGHTS OF THE OLD REPUBLIC / DARK TIMES/ REBELLION E LEGACY.
LUCAS FILMES
ON LINE
(2010)
R$ 7,00



CAÇADA MORTAL
LAWRENCE BLOCK
RECORD
(2014)
R$ 32,00



EU, DETETIVE O ENIGMA DO QUADRO ROUBADO
LAÍS CARR RIBEIRO / STELLA CARR
MODERNA
(2003)
R$ 7,00



A CHAVE DE REBECCA
KEN FOLLETT
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 12,00
+ frete grátis



EDU LOBO - SÃO BONITAS AS CANÇÕES
ERIC NEPOMUCENO
EDIÇÕES DE JANEIRO
(2014)
R$ 59,90



LETTERS OF JOHN CALVIN VOL2 - 1858
JEAN BONNET JULES GILCHRIST MARCUS ROBE
PRESBYTERIAN BOARD OF PUB
(1858)
R$ 8.136,00



HISTÓRIA UNIVERSAL DA MÚSICA
KURT PAHLEN
MELHORAMENTOS
R$ 15,00



NIEZSTCHE O PROFESSOR
ELENILTONNEUKAMP
NOVA HARMONIA
(2008)
R$ 20,00





busca | avançada
20751 visitas/dia
635 mil/mês