Murilo Rubião e o chocolate | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
33471 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Esquina: Conversas sobre o Centro
>>> Leilão de arte pelo contragolpe acontece amanhã na Funarte SP
>>> Caminhos da Reportagem discute o empreendedorismo em tempos de crise
>>> Leda Nagle entrevista Ney Latorraca e Ignácio de Loyola Brandão no Sem Censura
>>> Santa Cruz Shopping promove Campanha de Adoção de Cães e Gatos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas confessionais de um angustiado (IV)
>>> A Imagem do Som
>>> A noite do meu bem, de Ruy Castro
>>> Quando (não) li Ana Cristina César
>>> Elon Musk
>>> Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês
>>> Eu blogo, tu blogas?
>>> A melhor Flip
>>> Brasil em Cannes
>>> Radiohead e sua piscina em forma de lua
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
>>> The Sharing Economy
>>> Kevin Kelly por Tim Ferriss
>>> Deepak Chopra Speaker Series
>>> Nick Denton sobre Peter Thiel
>>> Bill & Melinda Gates #Code2016
>>> Elon Musk Code Conference 2016
Últimos Posts
>>> A história da canção: entrevista Paulinho Moska
>>> O chato
>>> *Black flag*, etapas da criação em GIF
>>> Amor de A, a Z - Poema
>>> Filme: Um dia Perfeito - Fernando Léon Aranoa
>>> Escrever sobre o quê?
>>> O quadro
>>> Meta linguagem nisso
>>> Muralha de 8 bits, pintura digital
>>> Individualismo do bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Moda e modismos prêt-à-porter
>>> Questões de Honra
>>> Valsa para Bruno Stein
>>> Curriculum vitae
>>> Um estranho incidente literário
>>> Cheio de dedos
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> O feitiço das letras
>>> Glenn Gould: caso de amor com o microfone
>>> Homenagem à Coelhinha Ruiva
Mais Recentes
>>> Necrotério
>>> A longa noite
>>> A quinta mulher
>>> O lobo-do-mar
>>> Restos mortais
>>> Corpo de delito
>>> O fator Scarpetta
>>> A lista
>>> Pedaço do meu coração
>>> Nas Asas do Efeito Borboleta- O Despertar do Novo Espírito Científico
>>> Perto de casa
>>> Todas as cores da escuridão
>>> Filosofia da Religião- curso moderno de filosofia
>>> 1 e 2 Timóteo, Tito, Filemon
>>> A Ordem dos Livros- Leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVII
>>> A interpretação dos Sonhos
>>> Reflexos Condicionados, Inibição e Outros Textos
>>> Minhas memórias de Lobato (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Los tres mosqueteros (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> A vida acidentada de um Vampirinho (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> O fantástico mistério de Feiurinha (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Teatro e Política: Arena, Oficina e Opinião - Uma interpretação da cultura de esquerda
>>> Minervino Francisco Silva (Literatura de Cordel)
>>> Se correr o bicho pega, Se ficar o bicho come (Obra teatral)
>>> Reich 1980 - José Angelo Gaiarsa
>>> A terra dos meninos pelados - Graciliano Ramos (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> O menino do dedo verde (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Rick e a Girafa - Carlos Drummond de Andrade (Literatura Infanto-Juvenil)
>>> Darcy Ribeiro (Coleção: Pensamento Americano)
>>> José Martí (Coleção: Pensamento Americano)
>>> Cem Poemas Chineses
>>> Viejas Historias contadas hace poco tiempo (Foclore Colombiano)
>>> Genocídio Americano: A guerra do Paraguai
>>> Arte Retórica e Arte Poética - Aristóteles
>>> Correspondência de Abelardo e Heloísa
>>> Calafrios
>>> Face a Face - Ingmar Bergman
>>> Sonata de Outono - Ingmar Bergman
>>> AMACORD - Federico Fellini
>>> Alegorias do subdesenvolvimento (Cinema Novo, Tropicalismo, Cinema Marginal)
>>> Deuses, Túmulos e Sábios (O romance da arqueologia)
>>> O Supermacho - Alfred Jarry
>>> O canto do Pajé - Villa-Lobos e a música popular brasileira
>>> O diário de ZLATA - A vida de uma menina na guerra
>>> BÁBI IAR - Documentário sobre os horrores do Nazismo
>>> GRETA GARBO - Su historia
>>> Poesia Completa de JOSÉ MARTÍ (Edición Crítica) - 2 volumes
>>> Os milionários
>>> O jogo
>>> Teatro Popular y Cambio Social en America Latina
COLUNAS

Segunda-feira, 30/11/2009
Murilo Rubião e o chocolate
Wellington Machado

+ de 3300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"― Me dá um cigarro?
A voz era sumida, quase um sussurro. Permaneci na mesma posição em que me encontrava, frente ao mar, absorvido com ridículas lembranças.
O importuno pedinte insistia:
― Moço, oh! moço! Moço, me dá um cigarro?
Ainda com os olhos fixos na praia, resmunguei:
― Vá embora, moleque, senão chamo a polícia.
― Está bem moço. Não se zangue. E, por favor, saia da minha frente, que eu também gosto de ver o mar.
Exasperou-me a insolência de quem assim me tratava e virei-me, disposto a escorraçá-lo com um pontapé. Fui desarmado, entretanto. Diante de mim estava um coelhinho cinzento..."


Este pequeno trecho, que vale por uns cem livros de Dan Brown, é o começo do conto "Teleco, o coelhinho", do escritor Murilo Rubião ― um dos precursores do realismo fantástico no Brasil e um dos responsáveis pelo lançamento de uma geração de escritores, quando dirigiu o Suplemento Literário, em Belo Horizonte.

Por sugestão de um amigo, vou relatar um encontro que tive com o Rubião, em meados dos anos 70, quando eu era ainda criança. O meu avô Daniel, apesar de não ser uma celebridade, era uma pessoa de certa forma bem relacionada em vários setores da sociedade belo-horizontina. Funcionário público "faz tudo" (estamos nos anos 60 e 70), tinha livre trânsito entre políticos, médicos, advogados, escritores, atores, e na imprensa em geral. Descendente de portugueses (tinha até sotaque d'além-mar), era amante da política. Autodidata, trocava ideias e aconselhava um caminhão de gente que vinha a nossa casa (morávamos praticamente juntos, em casas contíguas).

Sempre tive uma certa afinidade (ou cumplicidade) com meu avô ― sou o primeiro neto. Não sei explicar exatamente o porquê. Talvez pela infinidade de coisas interessantes que ele me mostrava, ou pela sua verve, ou pela sua indignação com o que achava incorreto. O fato é que eu, vez ou outra, estava a seu lado, a tiracolo. Eu sempre fazendo aquelas perguntas complicadas de criança, e ele sempre me respondendo pacientemente.

Calhou de irmos visitar o Murilo Rubião, de quem meu avô Daniel era amigo ― acho que trabalharam juntos na Imprensa Oficial. Eu nem sabia de quem se tratava, muito menos de sua importância. Tive um grande choque, com momentos de temor, quando entramos no apartamento e eu me deparei com aquele senhor de cara fechada, óculos de grossa armação e corpo rotundo. Um apartamento escuro e silencioso, com livros, móveis antigos e algumas plantas. Via-se que morava ali um senhor solitário, centrado, sério e exigente.

Sempre morei em casa, mas naquele momento tive vontade de morar em apartamento. Mas que fosse igual ao do Rubião, uma "caixa em penumbra", onde o isolamento fosse uma proteção do mundo externo. O apartamento do Murilo era misterioso. Passava-me uma sensação de "exigência de privacidade" ― da qual o escritor nunca abrira mão, pelo que sei.

Um pouco de descontração, pelo menos para mim, foi quando o Murilo nos convidou para ir até a cozinha. Ele abriu um armário, acima da pia, e retirou uma enorme caixa preta, abarrotada de chocolates Diamante Negro. Abriu a caixa e disse para eu me servir. Diante da seriedade daquele "monstro" à minha frente, peguei um chocolate, timidamente. Na verdade eu queria a caixa inteira; não aquela ― pois eu temia o Rubião ―, queria uma caixa de chocolates igual àquela, preta, cheia de Diamantes Negros. Ele disse para eu tirar mais um, mas, pela boa educação, recusei. Ele, então, percebendo a minha timidez e o brilho nos meus olhos, tirou mais um Diamante e colocou-o na minha mão. Tenho nítido em minha memória o olhar paciente daquele senhor; aqueles olhos pequenos, reduzidos pelas lentes dos óculos.

Não comi os chocolates na hora; guardei-os no bolso. Voltamos à sala-escritório e a conversa entre ele e meu avô durou pelo menos umas duas horas. Fiquei sentado, ignorado em uma cadeira antiga, em silêncio, durante todo o período. Não havia um brinquedo para me distrair naquele apartamento lúgubre. Eu olhava os móveis, a máquina de escrever, os papéis, alguns quadros. Como eu era pequeno, minhas pernas balançavam soltas por baixo da cadeira. Uma criança bem comportada, com sapato social, meias, camisa de botão, ouvindo sem entender um diálogo que nunca terminava, já meio afoita para sair dali e saborear os chocolates.

Hoje eu não conseguiria identificar a rua ou bairro onde ficava o apartamento do Murilo Rubião. O escritor morreu em 1991. Não sei se os dois eram grandes amigos, mas percebi uma ponta de tristeza em meu avô Daniel, muito bem disfarçada ― ele tinha a arte de absorver tristezas, só para proteger os seus ―, quando o escritor se foi. Meu avô morreu em 1995 ― em minha memória, restaram os lugares e amigos que visitamos. Foi quando me dei conta da importância do Rubião e passei a ler seus contos com admiração. Fiquei sabendo que ele foi um escritor perfeccionista ao extremo ― chegava a escrever apenas uma frase por dia, bem lapidada. Vai daí a sua reduzida obra (cerca de 50 contos; parece-me que apenas 33 foram organizados em livros).

Não vi o Murilo sorrir naquele encontro com meu avô. Talvez ele tivesse o mau humor irônico e surreal do coelho Teleco. Mas toda vez que vejo um Diamante Negro, lembro do Murilo Rubião.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 30/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
02. Tricordiano, o futebol é cardíaco de Luís Fernando Amâncio
03. Ação Social de Ricardo de Mattos
04. 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton de Celso A. Uequed Pitol
05. Agora o mundo perde cotidianamente os seus ídolos de Guilherme Carvalhal


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
05. Marcador de página inteligente - 3/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2009
15h10min
Bravo! Memorialista e fluente. Gosto muito de textos assim.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM ANO
JUAN EMAR
ROCCO
(2015)



BRASIL EM TEMPO DE CINEMA
JEAN-CLAUDE BERNARDET
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1967)



A FILOSOFIA NA ANTIGUIDADE CRISTÃ
CHRISTOPHER STEAD
PAULUS
(1999)



A BRUXA MAIS VELHA DO MUNDO--LIVRO TAMBEM EM BRAILE.
ELIZETE LISBOA.
PAULINAS
(2005)
+ frete grátis



AS PÉROLAS SÃO UM ESTORVO E OUTRAS HISTÓRIAS
RAYMOND CHANDLER
AFRONTAMENTO PORTUGAL
(1987)
+ frete grátis



ENCONTRO COM O MESTRE
MESTRE DE ROSE
MATRIX
(2002)
+ frete grátis



THE MARBLE QUILT
DAVID LEAVITT
HOUGHTON MIFFLIN
(2015)
+ frete grátis



CORDEL: A TRADIÇÃO POR UM FIO
ZACARIAS JOSÉ DOS SANTOS
CONFRARIA DA PAIXÃO
(2015)
+ frete grátis



PAZ INTERIOR
GEORGE A. MALONEY, S.J.
LOYOLA
(1985)
+ frete grátis



ASCENSÃO E QUEDA DAS GRANDES POTÊNCIAS
PAUL KENNEDY
CAMPUS
(1989)
+ frete grátis





busca | avançada
33471 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server