Murilo Rubião e o chocolate | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
26563 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Cursinho da Poli oferece curso gratuito de matemática
>>> Núcleo de Dança e Performance Marcos Sobrinho estreia "Prelúdio", um outro Rito de Carnaval
>>> Teatro do Incêndio promove Rodas de Conversa com mestres e comunidades tradicionais
>>> RELEASE ESPETÁCULO INFANTIL 'VOAR - UM MUSICLOWN'
>>> Êxodos: mostra sobre a luta dos refugiados, de Sebastião Salgado, retorna à Ampliart
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
>>> O Natal de Charles Dickens
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
>>> O sapo e a princesa
>>> Ato reflexo
>>> Do remoto (série: sonetos)
>>> @nuvens.
>>> "Trocatrilhos" existenciais
>>> Do nó ao laço
>>> Não terá a grandeza de Getúlio.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A pirataria, a numeração e o mercado da música
>>> Curitiba Literária
>>> Textos movediços
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> Esse Caro Objeto do Desejo
>>> Underground Grammarian
>>> Além do Mais
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Cartas a um jovem escritor
>>> Trabalhar e cantar
Mais Recentes
>>> Crianças da Noite
>>> Poderes Paranormais
>>> À Primeira Vista
>>> Uma Carta de Amor
>>> A Última Música - 20ª Impressão
>>> Querido John - 26ª Impressão
>>> O Casamento
>>> O Guardião
>>> O Resgate
>>> Um Homem de Sorte - 16ª Impressão
>>> Coleção Nicholas Sparks - 4 Volumes - a Escolha; Diário de uma Paixão
>>> Jogos Vorazes: Box da Trilogia
>>> Projeto Prosa História (Ensino Fundamental ) - 5 ano
>>> Projeto Prosa História (Ensino Fundamental ) - 5 ano
>>> Meninas do Brasil
>>> A Cidade do Homem Nú
>>> Numerologia Prática
>>> Meninas Inseparáveis
>>> O Testamento
>>> A Auto-estimulação Precoce do Bebê
>>> Lorde do Deserto
>>> Sob o Sol da Toscana
>>> Formação Continuada de Docentes da Educação Básica
>>> Formação Continuada de Docentes da Educação Básica
>>> História Econômica e Administrativa do Brasil
>>> Memórias do Patrimônio
>>> Albert Einstein e Seu Universo Inflável
>>> Ciúme Zelo Doentio
>>> Ciúme Zelo Doentio
>>> Ratos
>>> O Casamento de Mentirinha de Katie Simpson
>>> Querido Diário Otário - Pois é, Acho Que Eu Tenho Superpoderes
>>> The Snoopy Ant - Story Telling Collection
>>> O Cortiço
>>> Era uma Vez no Brasil Holandês
>>> Sr. Gum e os Cristais de Poder
>>> O Chamado do Cuco
>>> Histórias Que o Rádio Não Contou
>>> Literatura de Cordel - Antologia
>>> Lunivers des Connaissances - Sociologie de Linformation
>>> Introdução ao Mundo do Romance
>>> Tarsila do Amaral - Mestres das Artes do Brasil
>>> Madame Bovary - Grandes Clássicos da Literatura Em Quadrinhos
>>> Procura-se! Galeria de Animais Ameaçados de Extinção
>>> A Menina Que Descobriu o Brasil
>>> Cartilha do Dólar
>>> O Jargão Comunista
>>> Comunicaçção, Igreja e Estado na América Latina
>>> Meu Tataravô era Africano
>>> 321 Fast Comics Vol. II
COLUNAS

Segunda-feira, 30/11/2009
Murilo Rubião e o chocolate
Wellington Machado

+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"― Me dá um cigarro?
A voz era sumida, quase um sussurro. Permaneci na mesma posição em que me encontrava, frente ao mar, absorvido com ridículas lembranças.
O importuno pedinte insistia:
― Moço, oh! moço! Moço, me dá um cigarro?
Ainda com os olhos fixos na praia, resmunguei:
― Vá embora, moleque, senão chamo a polícia.
― Está bem moço. Não se zangue. E, por favor, saia da minha frente, que eu também gosto de ver o mar.
Exasperou-me a insolência de quem assim me tratava e virei-me, disposto a escorraçá-lo com um pontapé. Fui desarmado, entretanto. Diante de mim estava um coelhinho cinzento..."


Este pequeno trecho, que vale por uns cem livros de Dan Brown, é o começo do conto "Teleco, o coelhinho", do escritor Murilo Rubião ― um dos precursores do realismo fantástico no Brasil e um dos responsáveis pelo lançamento de uma geração de escritores, quando dirigiu o Suplemento Literário, em Belo Horizonte.

Por sugestão de um amigo, vou relatar um encontro que tive com o Rubião, em meados dos anos 70, quando eu era ainda criança. O meu avô Daniel, apesar de não ser uma celebridade, era uma pessoa de certa forma bem relacionada em vários setores da sociedade belo-horizontina. Funcionário público "faz tudo" (estamos nos anos 60 e 70), tinha livre trânsito entre políticos, médicos, advogados, escritores, atores, e na imprensa em geral. Descendente de portugueses (tinha até sotaque d'além-mar), era amante da política. Autodidata, trocava ideias e aconselhava um caminhão de gente que vinha a nossa casa (morávamos praticamente juntos, em casas contíguas).

Sempre tive uma certa afinidade (ou cumplicidade) com meu avô ― sou o primeiro neto. Não sei explicar exatamente o porquê. Talvez pela infinidade de coisas interessantes que ele me mostrava, ou pela sua verve, ou pela sua indignação com o que achava incorreto. O fato é que eu, vez ou outra, estava a seu lado, a tiracolo. Eu sempre fazendo aquelas perguntas complicadas de criança, e ele sempre me respondendo pacientemente.

Calhou de irmos visitar o Murilo Rubião, de quem meu avô Daniel era amigo ― acho que trabalharam juntos na Imprensa Oficial. Eu nem sabia de quem se tratava, muito menos de sua importância. Tive um grande choque, com momentos de temor, quando entramos no apartamento e eu me deparei com aquele senhor de cara fechada, óculos de grossa armação e corpo rotundo. Um apartamento escuro e silencioso, com livros, móveis antigos e algumas plantas. Via-se que morava ali um senhor solitário, centrado, sério e exigente.

Sempre morei em casa, mas naquele momento tive vontade de morar em apartamento. Mas que fosse igual ao do Rubião, uma "caixa em penumbra", onde o isolamento fosse uma proteção do mundo externo. O apartamento do Murilo era misterioso. Passava-me uma sensação de "exigência de privacidade" ― da qual o escritor nunca abrira mão, pelo que sei.

Um pouco de descontração, pelo menos para mim, foi quando o Murilo nos convidou para ir até a cozinha. Ele abriu um armário, acima da pia, e retirou uma enorme caixa preta, abarrotada de chocolates Diamante Negro. Abriu a caixa e disse para eu me servir. Diante da seriedade daquele "monstro" à minha frente, peguei um chocolate, timidamente. Na verdade eu queria a caixa inteira; não aquela ― pois eu temia o Rubião ―, queria uma caixa de chocolates igual àquela, preta, cheia de Diamantes Negros. Ele disse para eu tirar mais um, mas, pela boa educação, recusei. Ele, então, percebendo a minha timidez e o brilho nos meus olhos, tirou mais um Diamante e colocou-o na minha mão. Tenho nítido em minha memória o olhar paciente daquele senhor; aqueles olhos pequenos, reduzidos pelas lentes dos óculos.

Não comi os chocolates na hora; guardei-os no bolso. Voltamos à sala-escritório e a conversa entre ele e meu avô durou pelo menos umas duas horas. Fiquei sentado, ignorado em uma cadeira antiga, em silêncio, durante todo o período. Não havia um brinquedo para me distrair naquele apartamento lúgubre. Eu olhava os móveis, a máquina de escrever, os papéis, alguns quadros. Como eu era pequeno, minhas pernas balançavam soltas por baixo da cadeira. Uma criança bem comportada, com sapato social, meias, camisa de botão, ouvindo sem entender um diálogo que nunca terminava, já meio afoita para sair dali e saborear os chocolates.

Hoje eu não conseguiria identificar a rua ou bairro onde ficava o apartamento do Murilo Rubião. O escritor morreu em 1991. Não sei se os dois eram grandes amigos, mas percebi uma ponta de tristeza em meu avô Daniel, muito bem disfarçada ― ele tinha a arte de absorver tristezas, só para proteger os seus ―, quando o escritor se foi. Meu avô morreu em 1995 ― em minha memória, restaram os lugares e amigos que visitamos. Foi quando me dei conta da importância do Rubião e passei a ler seus contos com admiração. Fiquei sabendo que ele foi um escritor perfeccionista ao extremo ― chegava a escrever apenas uma frase por dia, bem lapidada. Vai daí a sua reduzida obra (cerca de 50 contos; parece-me que apenas 33 foram organizados em livros).

Não vi o Murilo sorrir naquele encontro com meu avô. Talvez ele tivesse o mau humor irônico e surreal do coelho Teleco. Mas toda vez que vejo um Diamante Negro, lembro do Murilo Rubião.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 30/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol
02. O que vai ser das minhas fotos? de Ana Elisa Ribeiro
03. Quando (não) li Ana Cristina César de Ana Elisa Ribeiro
04. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
05. Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil de Adriane Pasa


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
05. Marcador de página inteligente - 3/9/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2009
15h10min
Bravo! Memorialista e fluente. Gosto muito de textos assim.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VEN2 LIBRO DEL ALUMNO
F. CASTRO E F. MARIN E R. MORALES E S. ROSA
EDELSA GRUPO DIDASCALIA
(2000)
R$ 25,00



VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2002)
R$ 6,00



ÚLTIMO ROUND (TOMO II)
JULIO CORTÁZAR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2008)
R$ 25,00



SOLIDÃO - JOSÉ MARIA MAYRINK (PSICOLOGIA/SOCIOLOGIA)
JOSÉ MARIA MAYRINK
EMW EDITORES
(1983)
R$ 10,00



O ZAHIR - PAULO COELHO
PAULO COELHO
ROCCO
(2005)
R$ 10,00



A CIENTISTA QUE CUROU SEU PRÓPRIO CÉREBRO
TAYLO. JILL BOLTE
EDIOURO
(2008)
R$ 20,00



CINCO MINUTOS E A VIUVINHA
JOSÉ DE ALENCAR
CIRANDA CULTURAL
(2016)
R$ 7,00



RITOS MÁGICOS E OCULTOS
IDRIES SHAH
PLANETA/TRÊS
(1973)
R$ 33,00
+ frete grátis



FRANCISCO E OS PÁSSAROS
ANA VIEIRA PEREIRA
BOOKS AND WRITERS
(2016)
R$ 7,00



IMPÉRIO
GORE VIDAL
ROCCO
(1989)
R$ 26,60





busca | avançada
26563 visitas/dia
586 mil/mês