Murilo Rubião e o chocolate | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
43554 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> ARTE DA FELICIDADE, A - UM MANUAL PARA A VIDA
>>> TV Brasil transmite Desfile das Campeãs de São Paulo nesta sexta (12)
>>> Shopping Bay Market realiza programação infantil aos domingos
>>> A ARTE DE SER FELIZ,
>>> O ARQUITETO,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Fui pra Cuba
>>> Agora o mundo perde cotidianamente os seus ídolos
>>> Proibir ou não proibir?
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> A proposta libertária
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> E Foram Felizes Para Sempre
>>> O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> Uma cidade se inventa
Últimos Posts
>>> Correndo por um banheiro
>>> Movimento
>>> Recicláveis
>>> Conto e romance
>>> Um muro para pichar
>>> Para que serve um violino?
>>> Qual é o seu nome?
>>> Entrevista Anti Crise -
>>> ARQUITETURA ONÍRICA
>>> Sem pesos de consciência
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Oiticica e a Tropicalondon
>>> O mal que o Lula fez
>>> Beijo surdo
>>> O Pesadelo De Moravec
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> A crise dos 28
>>> Um estranho incidente literário
>>> O Candomblé de Verger e Bastide
>>> A Empulhação Esportiva
>>> Dois mil e cinco: o primeiro ano pós-esperança
Mais Recentes
>>> LIções básicas sobre aspectos práticos da vida cristã Volume 2- A Boa Confissão, Não deixemos de congregar-nos, Vol 3
>>> DEUS FALA AO TEU CORAÇÃO- Temas Bíblicos Espirituais
>>> Admirável Mundo Novo
>>> Brisingr
>>> Eldest
>>> Eragon
>>> Assim Falou Zaratustra
>>> O Recurso
>>> O homem
>>> A confissão
>>> Ode ao Crepúsculo - Autografado
>>> Casa Dividida - Coleção Catavento
>>> No Verão, a Primavera
>>> Doutrina Militar Soviética (1º Volume)
>>> Capoeira: Pequeno Manual do Jogador - 4ª Edição Revista e Atualizada
>>> Ben-Hur
>>> Decamerão - Coleção Obras Primas - Grandes Autores - Suzano
>>> Boletim - Ano I - Nº 1 - Biblioteca de Cultura Militar
>>> Árvores Brasileiras - Volume 01 - 5ª Edição
>>> Contos - Coleção Obras Primas - Grandes Autores - Suzano
>>> Lacan e a Filosofia
>>> O Livro do Inexplicável
>>> Serviço em Campanha: Operações - Manual de Campanha
>>> Babbitt - Coleção Obras Primas - Grandes Autores - Suzano
>>> Flâmulas - 20 Sonetos de Estréia
>>> Die Kultur Der Antiken
>>> AS RELIGIÕES DO ANTIGO ORIENTE
>>> A REVELAÇÃO BÁSICA NAS ESCRITURAS SAGRADAS
>>> O PAPADO E O DOGMA DE MARIA à luz da Bíblia e da história
>>> BAKHTIN- DA TEORIA LITERÁRIA À CULTURA DE MASSA
>>> A CONCÓRDIA E A PAZ - textos de João Cassiano, Agostinho, João Crisóstomo, Cipriano, Ambrósio, Fulgêncio de Ruspe, Jerônimo
>>> HUMANISMO INTEGRAL-Uma visão nova da ordem cristã
>>> Arlequim, Servidor de Dois Amos
>>> O Grande Deflorador
>>> Mar de Histórias Volume 6
>>> O Conto da Ilha Desconhecida
>>> Cinco Munutos/A viuvinha
>>> A Revoada
>>> História da Literatura Brasileira Simbolismo
>>> História da Literatura Brasileira Realismo
>>> Um Capitão de Quinze Anos
>>> O Castelo
>>> Muito Barulho Para Nada e Bem Está o Que Bem Acaba
>>> Os Subterrâneos da Liberdade
>>> Os Ásperos Tempos
>>> Esquecer o Natal
>>> A GLÓRIA DE DEUS É O HOMEM VIVO- a profissão de fé de santo Irineu
>>> A VOLTA DO FILHO PRÓDIGO- A história de um retorno para casa
>>> A Bíblia- O FILHO DE DEUS
>>> Manual do Guerreiro da Luz
COLUNAS

Segunda-feira, 30/11/2009
Murilo Rubião e o chocolate
Wellington Machado

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"― Me dá um cigarro?
A voz era sumida, quase um sussurro. Permaneci na mesma posição em que me encontrava, frente ao mar, absorvido com ridículas lembranças.
O importuno pedinte insistia:
― Moço, oh! moço! Moço, me dá um cigarro?
Ainda com os olhos fixos na praia, resmunguei:
― Vá embora, moleque, senão chamo a polícia.
― Está bem moço. Não se zangue. E, por favor, saia da minha frente, que eu também gosto de ver o mar.
Exasperou-me a insolência de quem assim me tratava e virei-me, disposto a escorraçá-lo com um pontapé. Fui desarmado, entretanto. Diante de mim estava um coelhinho cinzento..."


Este pequeno trecho, que vale por uns cem livros de Dan Brown, é o começo do conto "Teleco, o coelhinho", do escritor Murilo Rubião ― um dos precursores do realismo fantástico no Brasil e um dos responsáveis pelo lançamento de uma geração de escritores, quando dirigiu o Suplemento Literário, em Belo Horizonte.

Por sugestão de um amigo, vou relatar um encontro que tive com o Rubião, em meados dos anos 70, quando eu era ainda criança. O meu avô Daniel, apesar de não ser uma celebridade, era uma pessoa de certa forma bem relacionada em vários setores da sociedade belo-horizontina. Funcionário público "faz tudo" (estamos nos anos 60 e 70), tinha livre trânsito entre políticos, médicos, advogados, escritores, atores, e na imprensa em geral. Descendente de portugueses (tinha até sotaque d'além-mar), era amante da política. Autodidata, trocava ideias e aconselhava um caminhão de gente que vinha a nossa casa (morávamos praticamente juntos, em casas contíguas).

Sempre tive uma certa afinidade (ou cumplicidade) com meu avô ― sou o primeiro neto. Não sei explicar exatamente o porquê. Talvez pela infinidade de coisas interessantes que ele me mostrava, ou pela sua verve, ou pela sua indignação com o que achava incorreto. O fato é que eu, vez ou outra, estava a seu lado, a tiracolo. Eu sempre fazendo aquelas perguntas complicadas de criança, e ele sempre me respondendo pacientemente.

Calhou de irmos visitar o Murilo Rubião, de quem meu avô Daniel era amigo ― acho que trabalharam juntos na Imprensa Oficial. Eu nem sabia de quem se tratava, muito menos de sua importância. Tive um grande choque, com momentos de temor, quando entramos no apartamento e eu me deparei com aquele senhor de cara fechada, óculos de grossa armação e corpo rotundo. Um apartamento escuro e silencioso, com livros, móveis antigos e algumas plantas. Via-se que morava ali um senhor solitário, centrado, sério e exigente.

Sempre morei em casa, mas naquele momento tive vontade de morar em apartamento. Mas que fosse igual ao do Rubião, uma "caixa em penumbra", onde o isolamento fosse uma proteção do mundo externo. O apartamento do Murilo era misterioso. Passava-me uma sensação de "exigência de privacidade" ― da qual o escritor nunca abrira mão, pelo que sei.

Um pouco de descontração, pelo menos para mim, foi quando o Murilo nos convidou para ir até a cozinha. Ele abriu um armário, acima da pia, e retirou uma enorme caixa preta, abarrotada de chocolates Diamante Negro. Abriu a caixa e disse para eu me servir. Diante da seriedade daquele "monstro" à minha frente, peguei um chocolate, timidamente. Na verdade eu queria a caixa inteira; não aquela ― pois eu temia o Rubião ―, queria uma caixa de chocolates igual àquela, preta, cheia de Diamantes Negros. Ele disse para eu tirar mais um, mas, pela boa educação, recusei. Ele, então, percebendo a minha timidez e o brilho nos meus olhos, tirou mais um Diamante e colocou-o na minha mão. Tenho nítido em minha memória o olhar paciente daquele senhor; aqueles olhos pequenos, reduzidos pelas lentes dos óculos.

Não comi os chocolates na hora; guardei-os no bolso. Voltamos à sala-escritório e a conversa entre ele e meu avô durou pelo menos umas duas horas. Fiquei sentado, ignorado em uma cadeira antiga, em silêncio, durante todo o período. Não havia um brinquedo para me distrair naquele apartamento lúgubre. Eu olhava os móveis, a máquina de escrever, os papéis, alguns quadros. Como eu era pequeno, minhas pernas balançavam soltas por baixo da cadeira. Uma criança bem comportada, com sapato social, meias, camisa de botão, ouvindo sem entender um diálogo que nunca terminava, já meio afoita para sair dali e saborear os chocolates.

Hoje eu não conseguiria identificar a rua ou bairro onde ficava o apartamento do Murilo Rubião. O escritor morreu em 1991. Não sei se os dois eram grandes amigos, mas percebi uma ponta de tristeza em meu avô Daniel, muito bem disfarçada ― ele tinha a arte de absorver tristezas, só para proteger os seus ―, quando o escritor se foi. Meu avô morreu em 1995 ― em minha memória, restaram os lugares e amigos que visitamos. Foi quando me dei conta da importância do Rubião e passei a ler seus contos com admiração. Fiquei sabendo que ele foi um escritor perfeccionista ao extremo ― chegava a escrever apenas uma frase por dia, bem lapidada. Vai daí a sua reduzida obra (cerca de 50 contos; parece-me que apenas 33 foram organizados em livros).

Não vi o Murilo sorrir naquele encontro com meu avô. Talvez ele tivesse o mau humor irônico e surreal do coelho Teleco. Mas toda vez que vejo um Diamante Negro, lembro do Murilo Rubião.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 30/11/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
02. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
03. Desbloqueie seu cartão, aumente seu pênis de Luís Fernando Amâncio
04. Esboços de uma biografia precoce não autorizada de Cassionei Niches Petry
05. Guilherme Carvalhal de Guilherme Carvalhal


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. Marcador de página inteligente - 3/9/2014
05. Ascensão e queda do cinema iraniano - 8/2/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/11/2009
15h10min
Bravo! Memorialista e fluente. Gosto muito de textos assim.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NOW, DISCOVER YOUR STRENGTHS
MARCUS BUCKINGHAM & DONALD O. CLIFTON, PH.D
FREE PRESS
(2001)



REVISTA 100 GÊNIOS QUE MUDARAM O MUNDO
DIVERSOS
ALTO ASTRAL
(2014)



DIÁLOGOS - EUTÍFRON - APOLOGIA DE SÓCRATES - CRÍTON - FÉDON
PLATÃO
NOVA CULTURAL
(1999)



ARTE DA GUERRA, DOMINANDO - COMENTÁRIOS SOBRE O CLÁSSICO DE SUN TZU
JI, LIU E LIANG, ZHUGE
MADRAS
(2008)
+ frete grátis



POLEGARES E LÁGRIMAS E OUTRAS PECULIARIDADES QUE NOS TORNAM HUMANOS
CHIP WALTER
RECORD
(2009)
+ frete grátis



TELENOVELA BRASILEIRA - MEMÓRIA
ISMAEL FERNANDES
BRASILIENSE
(1994)
+ frete grátis



AS SANDÁLIAS DO PESCADOR
MORRIS WEST
RECORD
(1963)
+ frete grátis



O ENSINAMENTO DE IESCHUA DE NAZARÉ
CLAUDE TRESMONTANT
PAULINAS
(1972)
+ frete grátis



A EXPERIÊNCIA DO EVANGELHO- A COMUNIDADE CRISTÃ NO SÉCULO I
HENRI HOLSTEIN
PAULINAS
(1977)
+ frete grátis



UM CORPO PARA O CRIME
VAL MCDERMID
BERTRAND BRASIL
(2006)
+ frete grátis





busca | avançada
43554 visitas/dia
1,5 milhão/mês