Por que Harry Potter é boa literatura | Fernanda Prates | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 19/8/2011
Por que Harry Potter é boa literatura
Fernanda Prates

+ de 7200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

"Ler por diversão é o que todos nós deveríamos estar fazendo. Não digo que todos devam ler livros de 'menininha' ou thrillers (embora, caso você queria fazê-lo, tudo bem, porque eis algo que ninguém vai te falar: se você não ler os clássicos ou o romance que ganhou o Booker Prize deste ano, nada de ruim vai acontecer com você; mais importante, nada bom vai acontecer se você lê-los); eu simplesmente digo que virar páginas não deveria ser como atravessar um poço de lama grossa. Todo o propósito dos livros é que sejam lidos, e se você acha que não consegue fazê-lo, a culpa pode não ser da sua inadequação. 'Bons' livros podem ser bem ruins às vezes."
Nick Hornby, em Housekeeping vs. the Dirt

E foi assim, com o mesmo insight despretensioso típico das delícias que são seus livros, que o lindo do Nick Hornby me inspirou a falar sobre o aguardado/lastimado/festejado fim da franquia Harry Potter. A não ser que você more em uma choupana sem acesso a eletricidade e água encanada, deve saber que o último filme inspirado pelos livros de J.K Rowling estreou. E, se você tiver filhos, sobrinhos ou um perfil em qualquer rede social, deve ter observado (e julgado silenciosamente) o luto de milhares de crianças, jovens e uma embaraçosa quantidade de trintões desolados.

Vergonha alheia à parte, a lamúria dos viúvos de Potter desencadeou a implacável fúria dos Harry Haters (perdão pelo estrangeirismo, mas me perco para uma boa aliteração), membros honorários da velha tropa de patrulheiros da "boa literatura". Incumbidos da árdua tarefa de determinar o que podemos ou não podemos apreciar e nos salvar do tão temido abismo da alienação cultural, a tropa aproveitou o ensejo para pregar, mais uma vez, que Harry Potter não é "literatura de verdade", que "não tem valor cultural" e que a terrível J.K Rowling é, basicamente, uma encarnação de satanás enviada à Terra com a única missão de sugar as almas de nossos infantes com sua mal-fadada frivolidade.

Embora deva admitir que a visão de marmanjos de 20 e poucos anos trajando capas e aplaudindo chorosamente um filme sobre bruxos púberes seja mesmo um pouco esquisita, coloquemos as coisas em perspectiva. Não preciso entrar no mérito do "fenômeno cultural", uma vez que estamos todos cientes do arrebatamento que a franquia Harry Potter causou ― em todo caso, o castelo no qual J.K está morando está aí para nos lembrar. A questão é que, a despeito (ou por causa?) de todo este sucesso, Rowling continua sendo um alvo fácil para os nobríssimos defensores da "boa literatura", sempre ágeis na hora de julgar e criticar os livros "de fácil digestão" ― como se isso fosse, sabe-se lá por que, uma coisa ruim. Considerando-se o tratamento histórico dado a produtos culturais de alto faturamento, é bem fácil para o nobre Sr. "Só-fui-lido-por-seis-pessoas-incluindo-minha-mãe" atacar J.K Rowling justamente pelo seu maior trunfo: ter atingido a tantas pessoas. Ser mainstream ― e, por consequência, economicamente viável ― é considerado um demérito cultural, fazendo com que a produção de Rowling tenha se configurado como alvo perfeito para os ataques raivosos da "nata intelectual".

Até aí, nada de muito surpreendente. O fato verdadeiramente curioso do discurso é que os patrulheiros são as mesmas pessoas que vão a público para lamentar os baixíssimos níveis de leitura. São estes mesmos caras que vão apertar o pause em seus CDs de nobres obscuridades do Caetano (nada dessa porcaria popularesca de "Leãozinho"), e bradar o quão vergonhoso é o fato de que nossas crianças simplesmente não leem. É, no mínimo, paradoxal que aqueles que publicamente advogam a favor da disseminação da literatura se portem como se literatura fosse algum tipo de privilégio, fazendo questão de ― perdoem o meu francês ― cagar regras sobre o que vale e não vale como leitura. Será que eles realmente acham que o jeito de atrair o garoto de 11 anos para longe dos robôs zumbis de seu Xbox é expô-lo às vicissitudes da conturbada relação de Capitu e Bentinho? Façam-me o favor. Esta retórica recheada de julgamentos expõe um discurso frágil, digno de um garotinho de 13 anos que simplesmente não quer que todas as crianças do bairro participem de sua exclusivíssima casinha na árvore.

Por outro lado, tornou-se até óbvio comentar que livros "fáceis" como Harry Potter, muitas vezes, abrem as portas para outros livros. No mínimo, mostram para criancinhas amedrontadas que letras não mordem e que trabalhar um pouquinho para construir sua própria fantasia, em vez de recebê-la mastigadinha em HD, pode ser, no fim das contas, um esforço delicioso. Esta noção do livro fácil como "droga de passagem" para a literatura mais pesada é crescentemente aceita até mesmo nas escolas. Contudo, mesmo aqueles pais que encorajam a leitura de produções como Harry Potter e Crepúsculo muitas vezes o fazem com a mesma postura condescendente dos patrulheiros. Agem na esperança de que o filhinho de 10 anos que lê Potter hoje venha a se tornar um adolescente de 18 lendo Crime e Castigo amanhã. Aos 21 anos, sou a prova viva de que isso não é necessariamente verdade. E ― eis a magia de tudo ― quem disse que é uma coisa ruim? Posso afirmar, sem nenhuma vergonha, que nunca li meia página de qualquer produção russa quilométrica. E nem pretendo. Por quê? Simplesmente porque não é de meu interesse. Novamente, uso Nick Hornby aqui: "virar páginas não deveria ser como andar pela lama grossa." E, para muitos de nós, essa é a sensação ao abrir um exemplar de Guerra e Paz. Por que dedicar horas e horas de seu dia a uma tarefa que simplesmente não lhe dá prazer apenas para acrescentar aquele título ao seu currículo quando você poderia estar devorando uma aprazível cópia de, sei lá, O Doce Veneno do Escorpião?

Harry Potter é legal. Simplesmente. É "fácil", e "digerível" e todas essas coisas que, por motivos que desconheço, ganharam um tom tão pejorativo em meio aos olhares atravessados da "elite cultural". Embora não ache que todo e qualquer adulto seja capaz de abrir uma cópia e apreciar ― afinal, a linguagem é de fato voltada para um público mais novo ―, muitos podem se surpreender com o quão cativante é o elaborado universo fantástico que J.K Rowling conseguiu, com competência, criar. Conflitos adolescentes à parte, mesmo o mais amargo dos leitores pode reconhecer a criatividade de J.K, magistral em sua capacidade de nos transportar para uma realidade alternativa ― sem nos deixar em um coma induzido por tédio no meio do caminho. Tratar Harry Potter como um "caminho" é uma injustiça com a obra. Harry Potter é, por que não?, um "fim" também. É um produto elaborado, amarrado e capaz de algo que a grande maioria dos livros não consegue fazer: cativar o leitor. E se isso não é capaz de qualificá-lo como "boa literatura", não sei o que é.

Fenômenos como Harry Potter, de certa forma, servem justamente para lembrar que há, sim, muito preconceito ― e que ele é tão entranhado que muitas vezes sequer notamos. Em sua avidez por julgar, os guardiões da "alta cultura" criam um índex que nós, tolinhos, acatamos. Se por um lado cada vez mais temos pais e professores "aceitando" a "baixa literatura" como uma forma de apresentar livros aos pequenos, por outro os terrivelmente maniqueístas títulos de "bom" e "ruim" continuam sendo propagados como verdades universais. Continuamos nos julgando, culpados, como se estivéssemos cometendo crimes toda vez que apreciamos um capítulo de Dan Brown. Vivemos isso na literatura, na música, no cinema. Simplesmente nos submetemos. Assim como criancinhas obesas contrabandeando sorvete de chocolate para o acampamento de gordos, lemos os Crepúsculos da vida, envergonhados, recheados da satisfação culpada de quem está corrompendo alguma regra. Quanta perda de tempo. Nessas horas, tenho que concordar com certa autora controversa: "Acho que há muita hipocrisia e um pouco de medo." Quem diria que Raquel Pacheco, vulgo Bruna Surfistinha, estaria tão certa? Nós é que estamos equivocados.

Nota do Editor
Leia também "Em defesa de Harry Potter"


Fernanda Prates
Rio de Janeiro, 19/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fake na art e a pet humana de Gian Danton
02. Digam a Satã que estreei de Luiz Rebinski Junior
03. O direito autoral vai sobreviver à internet? de Marta Barcellos
04. Ascese, uma instalação do artista Eduardo Faria de Jardel Dias Cavalcanti
05. Entretenimento dá dinheiro, sim! de Pilar Fazito


Mais Fernanda Prates
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/8/2011
16h29min
Eu sou professora de Literatura e quando meus alunos me dizem que estão lendo Harry Potter, Percy Jackson, Crepúsculo, Guerra dos Tronos... etc etc etc... sempre os parabenizo. Independente da "importância" que determinados autores têm sobre outros [e essa importância deve ser questionada na maioria das vezes] eles estão LENDO. Consumindo letras. Alimentando-se de letras. Mergulhando em algo que não seja apenas a recepção passiva de informações e imagens manipuladoras [como na televisão, por exemplo]. Marisa Lajolo questiona muito essa questão do que é literatura ou não. Leyla Perrone-Moisés explicita como se contróem os cânones literários... e há muito o que devemos discutir e re-pensar [e re-pensar e re re re re re pensar sobre o assunto] quando se trata de literatura. Adorei ler e amanhã em minha aula de Literatura utilizarei este texto pra discussão sobre como se contróem os canônes na literatura. Vai ser um ótimo mote pra abrir as discussões sobre o tema. Abçs!
[Leia outros Comentários de Milena Campello]
23/8/2011
08h29min
O problema é quando a mente estaciona neste livrinhos e não avança em relação a linguagens mais sofisticadas de criação. Pois a questão não é o tema, mas a linguagem da obra, ela é que modifica nossa percepção do mundo. E Harry Potter, nesse sentido, não vai além da esquina, quando há mundos a serem explorados além da esquina.
[Leia outros Comentários de jardel dias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUPERINTERESSANTE DALAI LAMA Nº 8
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2001)
R$ 6,50



ONDE VIVE O ARCO-ÍRIS
WALMIR AYALA
LEITURA
(2011)
R$ 10,00



INDUSTRIELÄNDER, ENTWICKLUNGSLÄNDER
RUDOLF H. STRAHM
LAETAREIMBA
(1972)
R$ 15,28



DECAMERÃO 2VOLS.
GIOVANNI BOCCACCIO
ABRIL CULTURAL
(1979)
R$ 31,22
+ frete grátis



A ADUBAÇÃO DA HORTA E DO POMAR
JULES JOLY
EUROPA-AMÉRICA
(1998)
R$ 67,78



MEMÓRIAS DA BEM-AMADA MARIA MÃE DE JESUS
THOMAS PRINTZ (APRESENTADO POR)
PONTE PARA A LIBERDADE
(1975)
R$ 15,00



FISICA EM MODULOS DE ENSINO - OPTICA, ONDAS, CALOR
VASCO PEDRO MORETTO
ATICA
(1979)
R$ 17,00



A PEDAGOGIA DE RUI BARBOSA
LOURENÇO FILHO
MELHORAMENTOS
(1954)
R$ 14,98



CONTRACEPÇÃO: MANUAL PARA MULHERES E HOMENS
ANNE SZAREWSKI E JOHN GUILLEBAUD
CLIMEPSI
(2000)
R$ 53,60



A VERDADEIRA NATUREZA DO GENE VOL. 2 DO TRATADO DO SER VIVO
JACQUES RUFFIÉ
FRAGMENTOS
(1982)
R$ 39,66





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês