Retrato do Leitor enquanto Anotação | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 20/5/2014
Retrato do Leitor enquanto Anotação
Duanne Ribeiro

+ de 3000 Acessos

Será que posso atravessar a página deste Macbeth e encontrar seu leitor anterior do outro lado? Há vestígios de sua passagem: anotações à lápis nas bordas das folhas. O que é que buscava ou o que é que descobriu na obra de Shakespeare? Parece um sujeito aplicado. No prefácio, escrito por Manuel Bandeira, anota referências que deram origem ao livro e definições gerais:

-> Shakespeare modifica e mantém de Holinshed

Isto é, das Crônicas de Inglaterra, Escócia e Irlanda, de Raphael Holinshed. Também faz nota do Discurso de Feitiçaria, de Reginald Scott (e não da Demonologia, de Jaime I, citado logo depois). Mais importante, destaca que Macbeth é

-> A mais sinistra e sanguinária tragédia do autor -> Só 2 sobrevivem

Após essas considerações da procedência e da posição do livro em relação aos outros do bardo, chega a vez da visão da crítica:

-> Para Schlegel, Macbeth só fica atrás de Oréstia, de Ésquilo, na combinação entre o grandioso e o terrível

Por fim, ressalta ao fim do texto de Bandeira:

-> A poesia de Macbeth

Eis um primeiro padrão: este leitor oculto se fascina, por um lado, pela violência da peça; por outro, pelo lirismo dela. O que não nos diz muito, nem mesmo esse cuidado às portas do texto de fato - é Shakespeare, e a sombra dos grandes autores assusta como a placa de "cão bravo". Talvez tenhamos uma pista mais concreta no fato de que, da lista de personagem, ele separa:

-> Aparições

Por que? Por que dentre o rei, sua mulher, seus filhos, seus generais, os nobres de sua corte, seus servidores, as bruxas - por que as aparições, essas entidades que surgem à Macbeth na iminência de sua queda e lhe concedem as três profecias que terminarão de arruiná-lo?

-> O Bem e o Mal,

- É tudo igual.


É o que as bruxas, em uníssono, dizem, logo no início. O que está em jogo aqui é aquela poética que nosso desconhecido se preparou para perceber no texto. Uma diluição de opostos, negação da moral, nem tanto um relativismo porque não afirma qualquer ponto de vista. As feiticeiras do Macbeth de Orson Welles são, seguindo a tradição medieval, malevolentes ferramentas do diabo - porém por esses versos o que vemos é uma profunda indiferença, seja pelo demoníaco, seja pelo angélico. Na anotação seguinte, o gosto pelo agressivo se sobrepõe:

-> Descose-o de um só golpe desde o umbigo

Até às queixadas, corta-lhe a cabeça


Uma cena que não estaria deslocada em Game of Thrones. Voltemos à poesia:

-> Antítese da boca de Macbeth

Um dia assim tão feio e tão bonito

Não vi jamais


Beleza e feiura, por sua vez, também se diluem. Essas "antíteses", como chama este leitor, serão anotadas ao longo da obra. "Menos que Macbeth e maior do que ele". "Não tão feliz e todavia muito mais feliz". "Esta insinuação sobrenatural não pode ser má, não pode ser boa". "E nada existe mais senão aquilo que não existe". "Obra que não tem nome". É, em suma, um interesse pelo indefinido. Isto o que lhe atrai nas aparições? Será coerente com o gosto pela violência?

-> Poético: "[...] se o dom tendes de ler / nas sementes do tempo e de dizerdes / qual há de germinar e qual não há de, / Falai-me então a mim [...]

O indefinido aqui transparece pelo seu negativo: aquilo que pode atravessá-lo e encontrar uma resposta do outro lado. Uma busca pelo definido, então? Frente às profecias das bruxas, começo da ruína do protagonista, nosso amigo não deixa de ressaltar:

-> Previsões

A recepção desses prognósticos faz surgir outra palavra. Quando o companheiro de Macbeth se questiona se as bruxas estiverem de fato ali, se eles ouviram o que ouviram, e quando o próprio avalia em seu íntimo qual o valor das promessas que aquelas mulheres lhe fizeram, ele escreve:

-> Dúvida

Nosso percurso até aqui vai então tornando menos opaco esse retrato do leitor enquanto nota. Enquadram-se simplesmente no mesmo quadro de interpretação aquela inscrição "aparições" - que será repetida mais a frente, quando elas aparecerem de fato - e duas intervenções de Lady Macbeth: os termos "ajuda sobrenatural" registrados quando se enleva de ambição frente às possibilidades de ascensão social do marido; e a descrição dos guardas que havia dopado:

-> Natureza e morte altercam sobre / se estão vivos ou mortos.

Funciona igualmente a seguinte anotação, porém introduz ainda outro conceito:

-> Sobre nós pesam dúvidas e medos

Que possui uma representação alguns graus diferente em:

-> Oh, cheia de escorpiões trago a minh'alma!

Deveras, se estamos engolidos pelo indefinido, o sentimento que aflora é o medo, uma palavra que aparece reanotada mais duas vezes, uma delas contornada por um retângulo, e também é referida no apelo de Lady Macbeth ao autocontrole de seu marido:

-> Tudo são imagens / filhos do vosso medo

-> Ridículos disfarces / do medo verdadeiro


O que ele reconhecerá:

-> Minha estranha ilusão foi fruto de meu medo

Medo, dúvida, pretensão de saber e guiar o futuro: tudo isso se coaduna com a violência antes referida quando essas formas do indefinido atingem o corpo, violentam-no com a lembrança:

-> Vai e lava e mãos

-> Que mãos são estas? / Oh, elas horrorizam-me! me arrancam / os olhos!

-> Lavaria o grande oceano / De Netuno esta mão ensanguentada? Não! Esta minha mão é que faria vermelho o verde mar de polo a polo!

-> Fui tão longe neste rio de sangue, que, a vadeá-lo, (...)


O personagem "morria a cada dia de sua vida", como ele também anota. A memória é o sangue, a mancha, a atmosfera. Ainda mais, essa memória acusativa é como uma definição brutal, que esmaga o indivíduo e conspurca até os imensos indefinidos, como o mar. É nesse sentido que podemos enxergar mais essa mensagem feita à lápis, referindo-se aos céus:

-> TURBADOS PELO HUMANO

Enfim, o que este qualquer descobriu da sua leitura de Macbeth é esse percurso do neutro, do possível, ao definitivo, ao inescapável. Ele anota de novo "mãos", percebendo outra vez a marca do crime; ele anota "ambição", indicando a causa. Outras palavras anotadas: "sepultura" - é a morte outro definitivo; "céus?" - adoro esse ponto de interrogação, como se o leitor admirasse que esse termo surgisse neste Shakespeare: que céus?; "cristandade" - que me leva à última hipótese. Esse sinal que define para sempre não precisa ser o de um caminho maligno. E é por isso que, na página derradeira:

-> Executar, com a graça de Deus

Se estamos corretos, é uma interpretação muito diversa da minha. O que me interessa é como Macbeth usurpa tamanho poder e se encaminha à autodestruição com o estímulo de uma ideia, uma sugestão minúscula que põe em movimento todas essas peças. O ato de bruxaria como o ponto de apoio ou a alavanca que transtornam o mundo. O que me interesse é como o poder se baseia, como percebe Hannah Arendt, em um consentimento geral, e Macbeth é menos rei, é rei nenhum, antes mesmo de perder a coroa, pois o povo se descolara dele (Throne of Blood, a versão de Akira Kurosawa, capta isso com destreza). Mas nos identificamos na admiração por esse trecho:

-> Significando nada

A conclusão do rei assassino prestes a cair quanto ao mundo e o som e a fúria que o constituem.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 20/5/2014


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014
05. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM CRIME ENTRE CAVALHEIROS
JOHN LECARRÉ
RECORD
(1985)
R$ 7,90



A FACE OCULTA DA INFÂNCIA
O CORREIO DA UNESCO, Nº 3, ANO 7 DE 1979
FGV
(1979)
R$ 26,82



OS TRÊS SEGREDOS
JOSÉ HAMILTON RIBEIRO
NOSSA
(1987)
R$ 7,00



MORREU TIO EURICO! RUBIÃO FICOU RICO!
LILIAN SYPRIANO
FORMATO
(2007)
R$ 22,00



O CONHECIMENTO DO POÉTICO EM JORGE DE LIMA
ÂNGELO MONTEIRO
CALIBÁN- EDUFAL
(2003)
R$ 29,90



OS CAMINHOS DO SÃO FRANCISCO
FLÁVIO GUERRA
RECIFE
(1974)
R$ 68,00



ANJOS DO MEU ALTAR
IRIS DE CARVALHO
RAZÃO CULTURAL
(1988)
R$ 24,00



O PASSAPORTE
IVÃ TURGUENIEV
CLUBE DO LIVRO
(1963)
R$ 7,00



FINIS MUNDI
LAURA GALLEGO GARCÍA
SM
(2006)
R$ 15,00



CIÊNCIA ÁS SUAS ORDENS VOL 1
PROFESSOR FRANK GEORGE
EDIBOLSO
(1977)
R$ 12,00





busca | avançada
39554 visitas/dia
1,3 milhão/mês