Amando quem não existe | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/7/2002
Amando quem não existe
Alexandre Soares Silva

+ de 7500 Acessos
+ 14 Comentário(s)

Para mostrar o quanto era pecador no passado, Santo Agostinho diz (logo no início das "Confissões") que quando jovem não chorava nunca pela própria morte espiritual em que vivia, mas que era capaz de chorar pela morte de um personagem de ficção saído da Eneida de Virgílio. "Nada mais digno de compaixão do que o infeliz que derrama lágrimas pela morte de Dido, (...), sem se compadecer de si mesmo nem chorar a própria morte por falta de amor para convosco, ó meu Deus, luz da minha alma..." ("Confissões", Livro Um).

Bom, me lembrei disso outro dia ao quase chorar (quase, quase) a morte de um detetive melômano e alcólatra chamado Inspetor Morse. Que jamais existiu no mesmo universo em que eu existo; que, em outras palavras, é um personagem de ficção. Mas ele morreu no livro, e as lágrimas ameaçaram sair. As luzes da cidade lá fora chegaram a virar cruzinhas. "É só um livro", eu pensei, olhando para a capa; "é só um livro, feito de papel." Olhei a cara do autor, Colin Dexter, na contracapa: um homem gordinho, sexagenário, num pub, sorrindo com um copo de cerveja na mão. Me forcei a lembrar que aquele homem tinha pensado num inglês imaginário, um detetive ríspido e presunçoso, e depois tinha pensado na morte dele; tudo tinha se passado dentro daquela cabeça redonda, e se repetido dentro da minha cabeça oval; e ninguém tinha morrido de fato. Mas eu não sentia que isso era assim.

Amamos alguns personagens. Santo Agostinho amou Dido, ou não teria chorado a morte dela. Há quem ame personagens de novela e chore quando a novela acaba. Paulo Francis, como todos nós que lemos Guerra e Paz e Suave é a Noite, amou Natascha Rostov e Nicole Diver. E eu também tenho a minha lista - começando com Hercule Poirot, que foi o primeiro personagem que eu amei. Emília, Don Quixote, Pedro Bezúkov, Tom Ripley, Philip Marlowe, Emma Woodehouse, Sherlock Holmes, Aslan. Que essas pessoas não existam é um detalhe irrelevante, e ficar insistindo nesse ponto é tão grosseiro quanto não gostar de uma pessoa porque ela tem hemorróidas. É um pequeno defeito; a polidez manda que não se mencione o assunto.

Mas há um ponto em que existir ou não existir, no objeto amado, faz muita diferença; há um ponto em que não existir é definitivamente uma vantagem no objeto amado. Morreu alguém que você ama - e tudo o que você tem é a lembrança. Lembrança é bom, mas não é a mesma coisa que a pessoa em si. Aquele clichê de fulano ou fulana que "viverá em nossos corações" é um consolo, mas um consolo pobre. A pessoa "que vive em nossos corações" é uma cópia pálida - não tem de modo algum a mesma natureza da pessoa que de fato viveu. Não é só uma questão de intensidade de existência - é uma questão de natureza de existência. Um era uma pessoa, o outro é uma lembrança de uma pessoa.

Mas veja o caso de alguém que nunca existiu. Veja o caso do bom e velho e ríspido Inspetor Endeavour Morse. Ele morreu na página 420 do romance "The Remorseful Day", "e eu aceitei que ele tivesse morrido. Minutos depois, no entanto, já com saudades, abri o livro na página 7, e lá estava Morse na sala dele, de noitinha, ouvindo Schubert. E o Morse que agora ouvia Schubert não era uma lembrança de Morse, mas o verdadeiro Morse, em nada modificado na sua natureza, e tão verdadeiramente vivo quanto jamais tinha estado.

Melhor ainda: a qualquer momento posso pegar o primeiro livro em que Morse apareceu ("Last Bus to Woodstock", 1975), e vê-lo lá, bebendo cerveja, resolvendo palavras cruzadas - inteiramente vivo, vivo de verdade, tanto quanto a ficção permite, e tanto quanto ele jamais esteve - e a décadas da própria morte.

A Série
Há uma série sobre o Inspetor Morse passando atualmente no canal Film & Arts, com John Thaw no papel de Morse. A série é boa - não tão boa quanto os livros, mas é boa. Vários diretores ingleses agora famosos começaram as carreiras por lá (Danny Boyle, Anthony Minghella, etc). E é impossível imaginar agora o Inspetor Morse com outra cara ou outra voz que não a de John Thaw (1942-2002).

No Love
Passemos rapidamente por um livro chamado "Personae" (Ed. Senac, Org. por Lourenço Dantas Mota e Benjamim Abdala Junior). Neste livro, doze professores e escritores falam sobre as vidas de doze personagens de romances brasileiros: Iracema, Capitu, etc. Mas é sem amor. Está certo que deve ser difícil amar um chato como Paulo Honório, o protagonista de São Bernardo, de Graciliano Ramos. É um grande personagem; mas inamável. Não há quem ame aquela besta, e o escritor que escreve sobre ele nem tenta fingir. Só Marisa Lajolo parece escrever com o amor do qual eu estava falando lá em cima - e o ensaio dela sobre a Emília quase vale pelo livro todo.

Quase. Para um livro de introdução aos personagens, não há sentido em que os ensaios introdutórios sejam mais chatos do que os livros em que os personagens aparecem. Não há entusiasmo algum. Por algum motivo, professores brasileiros de literatura sentem vergonha de amar personagens. Parece simplório demais; um "nível de leitura" (argh) primitivo. Lembro bem de uma enquete feita pela Folha, faz pouco, entre professores de literatura, para saber quais os personagens preferidos deles na literatura nacional. A maioria pareceu responder com um certo nojo; diziam algum nome, mas também diziam algo do tipo "não penso em termos de personagem, penso em termos de estrutura verbal, o jogo lúdico autor-leitor", etc. O resultado de tanto desamor é este livro; e a única criatura amada neste livro é uma bonequinha recheada de macela, malvada e petulante, cujas primeiras palavras na vida são as que eu quero dizer também, depois de ter lido este livro: Estou com um horrível gosto de sapo na boca.

No Mundo da Muóda
O que eu não entendo no mundo da moda é o seguinte.

Bom, muita coisa. Mas principalmente isto. Fui no tal do São Paulo (desculpe) Fashion Week, para ver um desfile de biquíni, com a vaga esperança de que as modelos de biquíni fossem mais cheínhas. Não eram, é claro; as brancas, especialmente, eram um pouquinho aflitivas. Digamos que se uma delas estivesse na cama com você numa manhã fria, e você tocasse no ombro dela para acordá-la, machucaria a mão. (Ou se ela se virasse e o joelho dela batesse no seu. Dói só de pensar.) Mas não é da magreza delas que quero falar, porque todo mundo sabe que elas são horrivelmente magras. Às vezes, com uma roupa cobrindo os feixinhos, elas ficam bem; se não fosse o rosto quase sempre vazio de quem não tem propriamente um espírito, mas mais algo parecido com um princípio vital ou algo assim - como uma trepadeira ou uma baratinha. Mas vá lá, algumas delas até tem espírito. Tenho certeza que algumas delas devem ser interessantes, devem ter lido Milton, devem ouvir Wagner. Sou otimista. Pense em Lauren Hutton.

E andam mal. Usavam salto alto e quase todas elas mancavam. Se ninguém tivesse dado para elas a maldita aula de andar, elas andariam melhor. Mas chega, este não é um texto anti-modelo. Até porque acho ridículos esses textos em que nerds ridicularizam a Gisele Bündchen, quando é óbvio que se ela desse bola pra eles na vida real eles cairiam de joelhos agradecidos. Eu cairia. (Mas pode ser que em algum momento da noite eu me assustasse ao agarrar desavisadamente a canela dela).

Não, é a moda em si que eu não entendo. Os biquínis. Como todo mundo, prestei atenção neles, porque não havia muito o que ver nas modelos. E eram só biquínis. Não eram "malucos"; não eram feito de cacos de vidro, nem de tentáculos de polvo, nem de testículos de iguana, nem nada assim. Eram iguais a centenas de outros que se vê nas praias. Não posso acreditar que a mulher que desenhou aquilo (Paola Anita Robba, da Poko Pano) tenha sido a primeira a inventar faixas horizontais em laranja e amarelo. Ou que só ela tenha criado aquelas faixas naquela proporção específica. Não; necessariamente, aquilo já foi feito milhares de vezes ao longo dos últimos quarenta anos.

É como se todos os pintores, por exemplo, fossem reduzidos a copiar Mondrian, só variando sutilmente o tamanho dos quadrados. Do jeito que a pintura está, isso seria até um avanço; mas dificilmente despertaria algum entusiasmo genuíno. E no entanto, acabado o desfile, dezenas de pessoas deram urros de entusiasmo epiceno. Juro, urros. Não entendi. Não entendo. Nunca vou entender.

Mas me diverti. A certa altura tirei os óculos e as modelos viraram ovóides de luz branca. Desapareceram as expressões de tédio e nem dava pra perceber que os ovóides mancavam. Eu só via uma larga faixa laranja, que era a passarela, com os ovóides andando em cima. Muito bonito. Recomendo o mundo da moda a todos os míopes.

Jolly Good!



(Agradecimento: ao meu amigo Fabio Danesi - ex-Digestivo, atualmente escrevendo o FDR - pela companhia; e à Milene Chaves, da Elle - que, além do charme, nos contrabandeou para dentro daquele prédio alienígena no Ibirapuera...)


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 26/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
02. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
05. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva em 2002
01. Polêmicas - 29/11/2002
02. Filhos de Francis - 15/11/2002
03. Quem Não Lê Não É Humano - 3/5/2002
04. Psiquiatra declara Japão Oficialmente Maluco - 31/5/2002
05. Grandes Carcamanos da História - 21/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2002
1.
11h40min
Ola Alexandre! Seu texto me confortou! Sempre achei que eu fosse meio, bem, esquisita, pela maneira como me envolvo com os livros que leio e os filmes que assisto. Eu me apaixono pelos personagens (veja so voce o que tenho passado ultimamente, depois de assistir Lilo and Stitch... aiaiai, aquele monstrinho azul... preciso ir ao Havai), choro por eles (tinha 9 anos quando chorei a morte de Jack, o cachorrinho de Laura Ingalls) e, pra sair da tristeza, so repetindo incessantemente: "Eh so um livro, eh so um livro...". Quantas vezes me senti ridicula por causa disto! Quanto aos ovoides... Tem certeza que eram ovoides? Nao seriam longas linhas verticais? Nao? Tenho estado sem internet ultimamente, resultado de uma mudanca de casa, de micro, de ares, enfim... e senti muita falta de seus textos. Definitivamente, preciso comprar "A Coisa não Deus". Para nao sofrer de crise de abstinencia quando estiver sem internet. Beijos. Kelly.
[Leia outros Comentários de Kelly Hatanaka]
26/7/2002
2.
23h21min
Adorei o texto, pois eu também me envolvo de maneira absoluta com personagens de filmes e de livros. Alías além do amor que chegamos a sentir como não comentar do ódio que certos personagens nos causam e, em analogia ao texto, quando e se morrem em algum momento do livro/filme sentimos uma satisfação tão intensa que voltamos a ler/ver o trecho só para satisfazer nossos instintos?? ROmulo
[Leia outros Comentários de Romulo Provinzano]
27/7/2002
03h41min
Olá, Kelly! Como foi de viagem? A Rive Gauche continua do lado esquerdo, a Droite do direito? A cúpula dos Invalides continua brilhando sob o sol? Quanto aos ovóides, esse é o benefício de ser bem míope...Kelly, bem-vinda de volta, apareça sempre; e se algum dia você ler o "A Coisa Não-Deus", espero que não se desaponte e me diga, depois, o que achou. Está bem? Beijos, Alexandre.- PS: Meus modos! Nem agradeci a sua mensagem simpática! Obrigado, Kelly!
[Leia outros Comentários de Alexandre]
27/7/2002
03h49min
Romulo, é verdade, acontece comigo também; me lembro de ter relido certas passagens de pulps algumas vezes para ver de novo alguém partindo desta para a (supostamente) melhor...Isso não deve ser um bom sinal sobre as nossas personalidades, deve? O que isso significa? Fizemos mal em confessar? ;>)Um abraço, volte sempre- Alexandre.
[Leia outros Comentários de Alexandre]
27/7/2002
14h33min
nunca vi descrição tão lúcida do mundo da moda!
[Leia outros Comentários de el guapo]
27/7/2002
16h02min
Vou fazer uma analogia macabra, mas meu envolvimento literário vai ao ponto da de terminar a obra e sentir o mesmo vazio de quando retornamos de um enterro de algum parente, fica aquela sensação de tristeza e ao mesmo tempo a necessidade de se voltar a viver sem aquilo que se foi. O envolvimento emocional com a obra é proporcional a inteligência expressa nela, duvido que alguém se importe de eliminar o personagem que anda pelo deserto em busca de sei lá o que, em o Diário de um Mago.....
[Leia outros Comentários de Eduardo Vianna]
31/7/2002
18h59min
Caro Alexandre, eu sou igualmente sensível aos altos e baixos dos personagens de ficção; sofro com eles, fico irritado, indignado, alegre, tristíssimo e, quando algum deles (no grupo dos mais chegados) comete a suprema indelicadeza de morrer... ah, ponho-me de luto, claro. Adorei todo o texto, Alexandre. Também li as 'Confissões de Santo Agostinho' e fiquei meio deprimido, "confesso". Quanto ao trôpego andar das modelos, ele se deve também ao que chamam de 'distúrbio motor dos membros inferiores' no estágio avançado da anorexia nervosa ou da bulimia crônica. Pode reparar, nos shoppings da vida, que muitas garotas com pernas de "Palitos Gina" têm dificuldades para caminhar e seus passos claudicantes se assemelham aos daquela atleta burra (não me lembro do nome) que ficou famosa por chegar ao fim de uma maratona parecendo o corcunda de Notre Dame depois do linchamento. E o povo ainda apludiu aquele ato de pura imbecilidade e desrespeito aos limites do próprio corpo. Alexandre, parabéns pelo texto, e obrigado pela dica dos óculos! Quem é miope, como nós, tem a alternativa de recriar visualmente o mundo. Abração! / Dennis
[Leia outros Comentários de Dennis]
1/8/2002
14h20min
Eh exatamente assim que me sinto, me envolvo a tal ponto com os personagens de livros que muitas vezes a noite, depois de ler, fico imaginando que o personagem devesse agir diferente, fico brava as vezes com as atitudes dele (a), fico triste...O meu envolvimento eh tanto que chego a ter vontade de dar conselhos em algumas ocasioes...beijos
[Leia outros Comentários de Carol]
2/8/2002
10h16min
Alexandre, Essas mulheres não tem charme Catherine Denueve, o sorriso da Malyn Moore, os cabelos enrolados da Ana Paula Arósio ou os defeitos daquela mulher que você amou por alguns instantes. Elas não são reais. Talvez faltam os defeitos das nossas namoradas. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Otavio]
4/8/2002
10. Thanks
00h16min
Ao misterioso "El Guapo", ao Eduardo, Cathi, Überdennis, Carol e Otavio - obrigado pelas mensagens. Não, digo mais: obrigado por me lerem. Um abraço, e beijos (quando for o caso...), do Alexandre.
[Leia outros Comentários de Alexandre]
6/8/2002
15h45min
Olá, Grande Alexandre Na adolescência me ensinaram o seguinte: namore uma mulher magra, pois se você chegar a se casar com ela, terá a mulher ideal. O fato é que elas costumam engordar depois do casamento. Então é bom dar o desconto quando ainda são jovens. Quanto à relação que se estabelece entre leitor e personagem, acontece algo perigoso comigo: envolvo-me facilmente na atmosfera do texto. Mordi até sangrar os lábios enquanto lia O Processo. Raskólnikov me lançou numa turbilhão angustiante. Orwel me deixou sem fôlego com a opressão de 1984. O vôo de passarola ao lado de Baltasar Sete-Sóis e Blimunda me fez sentir no rosto a suave brisa da liberdade (apesar de Memorial do Convento ter sido escrito por um comunista). Enfim... como é bom esse negócio de ler, né?
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
9/8/2002
17h07min
Alexandre, meu caro, você anda bastante seduzido pelo mundo fashon. Deve andar lendo muito os cadernos de cultura da Folha, Estadão etc. Deixa disso, meu jovem! Continue amando os "não vivos", nunca são tão magros assim e não machucariam personagens da sua estirpe (de manhã)... Beijinhos.
[Leia outros Comentários de Zuleide Hoffmann]
12/8/2002
13.
17h20min
Sempre um prazer,ler estes saborosos e engraçados textos teus. Um beijão, C.
[Leia outros Comentários de Cynthia]
15/8/2002
22h07min
Se assim podem, quero voltar para as páginas do início dos anos 70, ali estava toda a vida que hoje são só lembranças. Com saudades, MM
[Leia outros Comentários de Marisa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PIRÂMIDE MALDITA
THOMAS BREZINA / WERNER HEYMANN ILUSTRAÇÕES
ÁTICA
(2006)
R$ 19,00



CONFISSÕES DE UM COMEDOR DE ÓPIO
THOMAS DE QUINCEY
EDIOURO
(2005)
R$ 25,00



LESSÉ ORIXÁ NOS PÉS DO SANTO - 1ª EDIÇÃO
VIVALDO DA COSTA LIMA
CORRUPIO
(2010)
R$ 64,95



RESTAURAÇÃO DA QUALIDADE DA VIDA
DR. J. TREIGER
DO AUTOR
(1982)
R$ 10,00



A TRINTA-DIABOS
ENID BLYTON
LIVRARIA CLÁSSICA
(1969)
R$ 10,00



O PÊNDULO DE CRISTAL
MARIA LÚCIA FERREIRA
IDÉIAS & LETRAS
(2004)
R$ 11,00



OS MISTÉRIOS DE PARIS
EUGÈNE SUE
ELI
R$ 200,00



O CASO DOS EXPLORADORES DE CAVERNAS
LON L. FULLER
SERGIO ANTONIO FABRIS
(1999)
R$ 9,00



UM RAIO DE SOL
CÍCERO SÁ RAMALHO
PAULINAS
(1983)
R$ 4,00



SUPERMAN: NASCE UM NOVO MUNDO VOL. 86
DC COMICS
PANINI
(2010)
R$ 10,00





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês