Arte em meio à tragédia - Roman Polanski | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 15/4/2003
Arte em meio à tragédia - Roman Polanski
Maurício Dias

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O cineasta Roman Polanski nasceu na França em 1933. Seus pais, judeus, se mudaram para a Polônia quando ele tinha três anos. No futuro, iriam se arrepender desta decisão: imprensada entre a União Soviética Stalinista e a Alemanha Nazista, a Polônia foi o país que mais sofreu com a Segunda Guerra Mundial. Quando Roman tinha oito anos, seus pais foram levados para um campo de concentração, onde sua mãe morreu. O garoto vagou pela zona rural, morando com diferentes famílias católicas. Entre suas lembranças do período está a de soldados alemães disparando na sua direção apenas para vê-lo correr.

Após a guerra, reencontrou o pai. Aos quatorze anos começou a trabalhar como ator no teatro e no cinema. Roman Polanski foi um dos primeiros diretores célebres a ter estudado numa escola de cinema - em Lodz, na Polônia. Podemos traçar muitos paralelos entre sua vida e a do tcheco Milos Forman, diretor de Hair e Amadeus - também perdeu os pais no Holocausto e estudou numa escola de cinema, e ambos teriam uma carreira internacional.

Na escola de Lodz, antes já estudara Andrzej Wajda, diretor altamente politizado e mais conhecido no Brasil por títulos como "Danton, O Processo Da Revolução" e "Um Amor Na Alemanha". Wadja daria as primeiras chances de atuar no cinema a Polanski - o qual, alguns anos mais tarde, dirigiria seus primeiros curta-metragens, algo humorísticos/surrealistas.

A estréia de Polanski no longa-metragem se daria em 1962, com "Faca na Água", filme fortemente influenciado pela nouvelle-vague francesa. Foi o primeiro filme polonês do pós-guerra a não ter a guerra como tema, para se ter uma idéia de quão fortemente o horror do conflito havia ficado gravado no inconsciente coletivo nacional.

A carreira de Polanski logo se tornaria internacional. Em 65, na França, dirigia Catherine Deneuve no esquizofrênico "Repulsa ao Sexo", onde uma mulher reprimida repele violentamente as investidas dos homens. A carreira nômade o levaria para a Inglaterra, onde, no ano seguinte, dirigiria Cul de Sac (por aqui chamado "Armadilha do Destino"; quem bola estes títulos em português?), estrelado pela irmã de Deneuve, Françoise Dorléac. Este interessante filme mostra uma dupla de ladrões que ficam presos numa casa insular com uma família, esperando que a maré baixe para poderem dar o fora do lugar. Os conflitos que se seguem à convivência forçada são de um patético altamente aflitivo, que pode-se determinar como sendo uma marca registrada do diretor. Os dois filmes citados acima ganharam respectivamente o Urso de Prata e o Urso de Ouro em Berlim (primeiro matam a mãe dele, depois lhe dão prêmios).

Seguiu-se o hilário "A Dança dos Vampiros", estrelado por Polanski e pela então sua mulher, Sharon Tate. Os distribuidores americanos reeditaram o filme e o rebatizaram The Fearless Vampire Killers ou Excuse Me, Your Teeth Are On My Neck. Polanski quis que seu nome fosse retirado das cópias americanas - o que era evidentemente inútil e impossível, já que ele era também ator. De que adianta tirar o nome dele e deixar sua a imagem lá?

Já nos EUA, fez "O Bebê de Rosemary" (1968), um dos filmes de terror mais charmosos já feito. O filme é sobre Satanismo, e a encomenda de um bebê por parte do demo, tema que depois seria reexplorado no bom "A Profecia" (Richard Donner, 1976) e geraria todo um filão de filmes de horror, a maioria puro lixo. Mas há todo um folclore em torno de "O Bebê de Rosemary". Problemas no set, a tragédia que aconteceria no ano seguinte - da qual já falaremos -, e o fato de John Lennon ter sido assassinado em 1980 diante do prédio onde ocorreram as filmagens (o famoso edifício Dakota, em Nova York) semearam a idéia de que o filme era amaldiçoado. O mesmo seria atribuído à série "Poltergeist", onde, após cada filme, um ator morria.

Passemos à tragédia: em 1969, Charles Manson e seguidores de seu culto fanático invadiram uma propriedade onde se realizava uma festa, e mataram várias pessoas. Este incidente, assim como o assassinato de um negro no Show dos Rolling Stones em Altamont, são considerados pontos finais do movimento hippie. Entre as vítimas da quadrilha de Manson, estava Sharon Tate, mulher de Polanski. Grávida de oito meses.

Não que eu queira atribuir alguma responsabilidade ao próprio Polanski - ele é a vítima, não um criminoso -, mas mexer com certos temas é arriscado, como percorrer lugares perigosos. "Eu não creio em bruxas, mas que elas existem, existem." - diz um ditado hispânico. Arte e magia caminham juntos pela psiquê humana desde a aurora dos tempos; os homens das cavernas encenavam teatralmente as caçadas, antes de saírem atrás de suas presas, esperando que o ritual lhes trouxesse sorte. Se um diretor roda um filme que é quase uma variação perversa sobre o mito da concepção de Jesus (Há no filme frases como: - Você foi escolhida por ele para ser mãe de seu filho, Rosemary, embora eu esteja citando de memória), e sua mulher é assassinada antes de conceber, isto fornece material para reflexão. Peço que não encarem isto como obscurantismo ou fanatismo de minha parte. Não estou relativizando ou justificando uma barbárie inominável. Manson é um monstro, e mesmo a utilização de seu nome como chamariz por parte de um oportunista, como faz o roqueiro Marylin Manson deveria ser proibida. É um assunto sórdido, mas creio que qualquer ator com formação teatral sólida que tenha interpretado um personagem "do mal" entenderá o que estou falando.

O próprio Polanski escapou da chacina porque na hora não se encontrava ali. E antes de escapar de Charles Manson, já havia escapado de Hitler. Mas estes lhe ceifaram membros familiares.

Além de psicopatas que desprezavam a vida humana, havia algo mais em comum entre Hitler e Charles Manson? Havia. Pretensões artísticas irrealizadas. O primeiro era pintor, o segundo, músico. Embora nenhum dos dois fosse grande coisa como artista, também não eram piores do que a maioria. Mas não conseguiram sucesso, e o ressentimento pode ter desencaminhado qualquer racionalidade que estes homens possam ter tido algum dia. Podemos dizer que, em toda sua vida, Polanski foi vítima dos ressentidos.

Em 1971, faria uma versão de Macbeth bancada pelo dono da revista masculina Penthouse.

Em 1974, realiza o deslumbrante "Chinatown", filme cuja trama é tão complexa, que há o risco do espectador se entediar. Polanski tem todos os méritos, inclusive o de ter senso de humor e aparecer como ator para ser esculhambado pela sua baixa estatura - o que nos remete a Orson Welles, que em seu filme A Marca da Maldade, escuta de Marlene Dietrich: "- Você tem comido muito doce."

A química do casal central Jack Nicholson/Faye Dunaway parece estar sempre a um passo da combustão, e a cena dos tabefes é antológica. Mas em "Chinatown" há que se salientar o talento do roteirista - mais tarde diretor, sem o mesmo brilho - Robert Towne. Há sutilezas no roteiro que só interessam aos muito fanáticos por cultura: a sutil distância de classe entre o detetive, grosso por força da profissão, e a grã-fina, quando ela cita uma frase em francês e ele não tem nem idéia do que ela está falando. E o trocadilho Glass/Grass (óculos/grama), involuntariamente cometido por um jardineiro chinês, que seguindo o estereótipo tradicional, não consegue pronunciar a letra "R".

A fotografia em tons pastéis substitui inteligentemente o preto-e-branco dos filmes de detetive noir tradicionais. A música também dá o maior clima. Uma obra-prima.

Na França, Polanski dirigiria - e estrelaria - o claustrofóbico "O Inquilino" (1976). Há críticos que defendem que este filme, junto com "Repulsa ao Sexo" e "O Bebê de Rosemary", formem uma trilogia de filmes de apartamento. De qualquer forma, há muito em comum entre os três, todos eles angustiantes.

Alguns anos depois, o diretor foi banido dos EUA por um escândalo sexual, como antes Charles Chaplin já havia sido. Bem, pedofilia é algo moralmente indesculpável, mas é tudo muito esquisito. Se todo escândalo sexual fosse ser punido, Hollywood já tinha se mudado pra Tijuana, México.

Daí em diante, diminuiria sua carreira cinematográfica, alternando-a com produções teatrais - chegou a dirigir e interpretar nos palcos a peça Amadeus - que, ao virar filme, seria dirigida por Milos Forman.

Na década de 80, Polanski rodaria uma superprodução na França, com elenco internacional, um projeto acalentado por oito anos e que seria um fracasso: "Piratas". Um filme que não chega a ser chato, mas realmente não diz muito a que veio.

E ele dirigiu o astro Harrison Ford - então no auge do sucesso - no thriller - pretensamente Hitchkockiano - "Busca Frenética", onde aproveitou para revelar ao mundo sua nova mulher, a deslumbrante Emmanuelle Seigner (como antes já havia feito com Nastassia Kinski, em "Tess", de 1979). Já na década de 90, fez uma crônica de perversidades em "Lua De Fel", com o canastrão Peter Coyote.

Fez mais alguns filmes, sem grande repercussão. Seu último grande projeto foi "O Pianista" (2002), sobre um homem que sobrevive ao Gueto de Varsóvia, na Segunda Guerra Mundial.

(Na foto: O diretor anda no 'set', durante a filmagem
de "O Pianista". Ver texto abaixo.)

Este filme ganhou os principais prêmios em Cannes, e recentemente rendeu a Polanski o Oscar de melhor diretor (o qual ele não pôde receber, ou seria preso) e o Oscar de melhor ator para Adrien Brody. Um belo filme, mais um sobre o holocausto nazista, desta vez mais legítimo do que o usual, pois feito por alguém que passou pelos apertos na pele. Imagine a carga psicológica que deva ter recaído sobre Polanski ao fazer esta obra. Curioso que termine com um "final feliz", depois que os nazistas são derrotados, e o personagem-título possa seguir tocando sua música. Na verdade, quem já leu sobre a Polônia no período pós-guerra, sob o jugo do Stalinismo soviético, sabe que a vida ali não justificaria um Allegro.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 15/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
04. Fazendo a coisa certa de Fabio Gomes
05. Eu blogo, tu blogas? de Fabio Gomes


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/7/2003
05h43min
Com este maravilhoso texto podemos conheçer mais sobre a vida do fabuloso e explêndido Roman Polanski. O curioso é saber que sua vida nada mais é que um desconcertante e alusivo roteiro de cinema. Gostaria de parabenizar o autor do artigo, Maurício Dias, que assim como eu conhece e aprecia o insólito trabalho de Polanski.
[Leia outros Comentários de Bruno Araújo Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ADDESTRAMENTO DEL CAVALLO
M BADINO ROSSI
EQUESTRI
(1990)
R$ 27,38



A TERCEIRA GAVETA
ODETTE DE BARROS MOTT
ATUAL
R$ 8,00



GAUCHISMOS A LINGUAGEM DO RIO GRANDE DO SUL INFLUÊNCIA DO CASTELHAN...
A. TENÓRIO DE ALBUQUERQUE
SULINA
R$ 53,69



POR QUE ESTOU ASSIM? OS MOMENTOS DIFÍCEIS DA ADOLESCÊNCIA
CYBELLE WEINBERG
CASA DO PSICÓLOGO
(1999)
R$ 10,00



SISTEMAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE ORGANIZACIONAL
JAMES C. EMERY
INTERCIÊNCIA
(1980)
R$ 10,00



ACESSO À JUSTIÇA
RICARDO CASTILHO
ATLAS
(2006)
R$ 56,00



A GALINHA GANANCIOSA (COLEÇÃO A ESSÊNCIA DAS VIRTUDES)
SHEFALI KAUSHIK
CEDIC BOM BOM BOOKS
(2013)
R$ 24,00



SUPER INTERESSANTE ED. 229 OS SUPERPODERES DO CÉREBRO
VARIOS AUTORES
ABRIL
(2006)
R$ 9,90



ASSASSINATO NO EXPRESSO DO ORIENTE
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1970)
R$ 21,00
+ frete grátis



TRATAMENTO DE EFLUENTES EM INDÚSTRIAS GALVANOTÉCNICAS
JULIO VALENZUELA
PÁGINAS & LETRAS
(1999)
R$ 110,00





busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês