Arte em meio à tragédia - Roman Polanski | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> Controlando o acesso à Web
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
Mais Recentes
>>> 4 Vols. Elric - Navegante nos Mares do Destino de Michael Moorcock; Roy Thomas; M. Gilbert pela Abril (1991)
>>> África, Missão Possível: Uma Fantástica Aventura Missionária Pelos Países Da Janela 10/40 de Davi Tavares; Ângela Tavares pela Paradigma (2013)
>>> Victor Hugo - Poèmes de Isabelle Jan, Emmanuel Fraisse pela Nathan (1985)
>>> Talvez Agora de Colleen Hoover pela Galera (2023)
>>> Relações Étnico-raciais Para o Ensino da Identidade e da Diversidade Cultural Brasileira de Mario Sergio Michaliszyn pela InterSaberes (2014)
>>> The postal history research magazine 13 - Chinese de Varios Autores pela Chinesa (1910)
>>> Livro Literatura Brasileira Um Exu Em Nova York de Cidinha da Silva pela Pallas (2018)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Do fracasso ao sucesso na arte de vender de Frank Bettger pela Ibrasa (1978)
>>> Livro Administração A Nova Gestão na era do Conhecimento Visão 16 Mentes Influentes de Marcello Beltrand - Coord. pela Leader (2016)
>>> Bibliocollège - Andromaque, Racine de Jean Racine pela Hachette (2000)
>>> Livro Medicina Laboratorial Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar de Adagmar Andriolo pela Manole (2005)
>>> Direito e Justiça Em Terras D El Rei na São Paulo Colonial 1709 - 1822 de Adelto Gonçalves pela Imprensa Oficial (2015)
>>> Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter de Sarah Maclean pela Arqueiro (2016)
>>> Livro Administração Building Public Trust the Future of Corporate Reporting de Samuel A. Dipiazza Jr. & Robert G. Eccles pela John Wiley & Sons (2002)
>>> Maior Espetaculo Da Terra, O: 30 Anos De Sambodromo de Luiz Carlos Prestes Filho pela Lacre (2015)
>>> Miles Morales: Homem - Aranha Cai dentro! de Ahmed Garron pela Panini Comics
>>> Esthétique du Cinéma de Gerard Betton pela Presses Universitaires De France (1994)
>>> Livro Administração Fazer Acontecer de Júlio Ribeiro pela Cultura Editores Associados (1994)
>>> Livro Literatura Brasileira Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1992)
>>> As Coisas Que Nunca Superamos de Lucy Score pela AltaNovel (2023)
>>> O Paciente de Jasper DeWitt pela Planeta Minotauro (2021)
>>> Spy Dog - Volume 2 de Andrew Cope pela Fundamento
>>> Reverbero constitucional fluminense edição fac-similar 1821-1822 3 Volumes de N/a pela Biblioteca Nacional
>>> Livro Literatura Estrangeira O Lado Bom da Vida de Matthew Quick; Alexandre Raposo pela Intrinseca (2012)
COLUNAS

Terça-feira, 15/4/2003
Arte em meio à tragédia - Roman Polanski
Maurício Dias
+ de 7000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O cineasta Roman Polanski nasceu na França em 1933. Seus pais, judeus, se mudaram para a Polônia quando ele tinha três anos. No futuro, iriam se arrepender desta decisão: imprensada entre a União Soviética Stalinista e a Alemanha Nazista, a Polônia foi o país que mais sofreu com a Segunda Guerra Mundial. Quando Roman tinha oito anos, seus pais foram levados para um campo de concentração, onde sua mãe morreu. O garoto vagou pela zona rural, morando com diferentes famílias católicas. Entre suas lembranças do período está a de soldados alemães disparando na sua direção apenas para vê-lo correr.

Após a guerra, reencontrou o pai. Aos quatorze anos começou a trabalhar como ator no teatro e no cinema. Roman Polanski foi um dos primeiros diretores célebres a ter estudado numa escola de cinema - em Lodz, na Polônia. Podemos traçar muitos paralelos entre sua vida e a do tcheco Milos Forman, diretor de Hair e Amadeus - também perdeu os pais no Holocausto e estudou numa escola de cinema, e ambos teriam uma carreira internacional.

Na escola de Lodz, antes já estudara Andrzej Wajda, diretor altamente politizado e mais conhecido no Brasil por títulos como "Danton, O Processo Da Revolução" e "Um Amor Na Alemanha". Wadja daria as primeiras chances de atuar no cinema a Polanski - o qual, alguns anos mais tarde, dirigiria seus primeiros curta-metragens, algo humorísticos/surrealistas.

A estréia de Polanski no longa-metragem se daria em 1962, com "Faca na Água", filme fortemente influenciado pela nouvelle-vague francesa. Foi o primeiro filme polonês do pós-guerra a não ter a guerra como tema, para se ter uma idéia de quão fortemente o horror do conflito havia ficado gravado no inconsciente coletivo nacional.

A carreira de Polanski logo se tornaria internacional. Em 65, na França, dirigia Catherine Deneuve no esquizofrênico "Repulsa ao Sexo", onde uma mulher reprimida repele violentamente as investidas dos homens. A carreira nômade o levaria para a Inglaterra, onde, no ano seguinte, dirigiria Cul de Sac (por aqui chamado "Armadilha do Destino"; quem bola estes títulos em português?), estrelado pela irmã de Deneuve, Françoise Dorléac. Este interessante filme mostra uma dupla de ladrões que ficam presos numa casa insular com uma família, esperando que a maré baixe para poderem dar o fora do lugar. Os conflitos que se seguem à convivência forçada são de um patético altamente aflitivo, que pode-se determinar como sendo uma marca registrada do diretor. Os dois filmes citados acima ganharam respectivamente o Urso de Prata e o Urso de Ouro em Berlim (primeiro matam a mãe dele, depois lhe dão prêmios).

Seguiu-se o hilário "A Dança dos Vampiros", estrelado por Polanski e pela então sua mulher, Sharon Tate. Os distribuidores americanos reeditaram o filme e o rebatizaram The Fearless Vampire Killers ou Excuse Me, Your Teeth Are On My Neck. Polanski quis que seu nome fosse retirado das cópias americanas - o que era evidentemente inútil e impossível, já que ele era também ator. De que adianta tirar o nome dele e deixar sua a imagem lá?

Já nos EUA, fez "O Bebê de Rosemary" (1968), um dos filmes de terror mais charmosos já feito. O filme é sobre Satanismo, e a encomenda de um bebê por parte do demo, tema que depois seria reexplorado no bom "A Profecia" (Richard Donner, 1976) e geraria todo um filão de filmes de horror, a maioria puro lixo. Mas há todo um folclore em torno de "O Bebê de Rosemary". Problemas no set, a tragédia que aconteceria no ano seguinte - da qual já falaremos -, e o fato de John Lennon ter sido assassinado em 1980 diante do prédio onde ocorreram as filmagens (o famoso edifício Dakota, em Nova York) semearam a idéia de que o filme era amaldiçoado. O mesmo seria atribuído à série "Poltergeist", onde, após cada filme, um ator morria.

Passemos à tragédia: em 1969, Charles Manson e seguidores de seu culto fanático invadiram uma propriedade onde se realizava uma festa, e mataram várias pessoas. Este incidente, assim como o assassinato de um negro no Show dos Rolling Stones em Altamont, são considerados pontos finais do movimento hippie. Entre as vítimas da quadrilha de Manson, estava Sharon Tate, mulher de Polanski. Grávida de oito meses.

Não que eu queira atribuir alguma responsabilidade ao próprio Polanski - ele é a vítima, não um criminoso -, mas mexer com certos temas é arriscado, como percorrer lugares perigosos. "Eu não creio em bruxas, mas que elas existem, existem." - diz um ditado hispânico. Arte e magia caminham juntos pela psiquê humana desde a aurora dos tempos; os homens das cavernas encenavam teatralmente as caçadas, antes de saírem atrás de suas presas, esperando que o ritual lhes trouxesse sorte. Se um diretor roda um filme que é quase uma variação perversa sobre o mito da concepção de Jesus (Há no filme frases como: - Você foi escolhida por ele para ser mãe de seu filho, Rosemary, embora eu esteja citando de memória), e sua mulher é assassinada antes de conceber, isto fornece material para reflexão. Peço que não encarem isto como obscurantismo ou fanatismo de minha parte. Não estou relativizando ou justificando uma barbárie inominável. Manson é um monstro, e mesmo a utilização de seu nome como chamariz por parte de um oportunista, como faz o roqueiro Marylin Manson deveria ser proibida. É um assunto sórdido, mas creio que qualquer ator com formação teatral sólida que tenha interpretado um personagem "do mal" entenderá o que estou falando.

O próprio Polanski escapou da chacina porque na hora não se encontrava ali. E antes de escapar de Charles Manson, já havia escapado de Hitler. Mas estes lhe ceifaram membros familiares.

Além de psicopatas que desprezavam a vida humana, havia algo mais em comum entre Hitler e Charles Manson? Havia. Pretensões artísticas irrealizadas. O primeiro era pintor, o segundo, músico. Embora nenhum dos dois fosse grande coisa como artista, também não eram piores do que a maioria. Mas não conseguiram sucesso, e o ressentimento pode ter desencaminhado qualquer racionalidade que estes homens possam ter tido algum dia. Podemos dizer que, em toda sua vida, Polanski foi vítima dos ressentidos.

Em 1971, faria uma versão de Macbeth bancada pelo dono da revista masculina Penthouse.

Em 1974, realiza o deslumbrante "Chinatown", filme cuja trama é tão complexa, que há o risco do espectador se entediar. Polanski tem todos os méritos, inclusive o de ter senso de humor e aparecer como ator para ser esculhambado pela sua baixa estatura - o que nos remete a Orson Welles, que em seu filme A Marca da Maldade, escuta de Marlene Dietrich: "- Você tem comido muito doce."

A química do casal central Jack Nicholson/Faye Dunaway parece estar sempre a um passo da combustão, e a cena dos tabefes é antológica. Mas em "Chinatown" há que se salientar o talento do roteirista - mais tarde diretor, sem o mesmo brilho - Robert Towne. Há sutilezas no roteiro que só interessam aos muito fanáticos por cultura: a sutil distância de classe entre o detetive, grosso por força da profissão, e a grã-fina, quando ela cita uma frase em francês e ele não tem nem idéia do que ela está falando. E o trocadilho Glass/Grass (óculos/grama), involuntariamente cometido por um jardineiro chinês, que seguindo o estereótipo tradicional, não consegue pronunciar a letra "R".

A fotografia em tons pastéis substitui inteligentemente o preto-e-branco dos filmes de detetive noir tradicionais. A música também dá o maior clima. Uma obra-prima.

Na França, Polanski dirigiria - e estrelaria - o claustrofóbico "O Inquilino" (1976). Há críticos que defendem que este filme, junto com "Repulsa ao Sexo" e "O Bebê de Rosemary", formem uma trilogia de filmes de apartamento. De qualquer forma, há muito em comum entre os três, todos eles angustiantes.

Alguns anos depois, o diretor foi banido dos EUA por um escândalo sexual, como antes Charles Chaplin já havia sido. Bem, pedofilia é algo moralmente indesculpável, mas é tudo muito esquisito. Se todo escândalo sexual fosse ser punido, Hollywood já tinha se mudado pra Tijuana, México.

Daí em diante, diminuiria sua carreira cinematográfica, alternando-a com produções teatrais - chegou a dirigir e interpretar nos palcos a peça Amadeus - que, ao virar filme, seria dirigida por Milos Forman.

Na década de 80, Polanski rodaria uma superprodução na França, com elenco internacional, um projeto acalentado por oito anos e que seria um fracasso: "Piratas". Um filme que não chega a ser chato, mas realmente não diz muito a que veio.

E ele dirigiu o astro Harrison Ford - então no auge do sucesso - no thriller - pretensamente Hitchkockiano - "Busca Frenética", onde aproveitou para revelar ao mundo sua nova mulher, a deslumbrante Emmanuelle Seigner (como antes já havia feito com Nastassia Kinski, em "Tess", de 1979). Já na década de 90, fez uma crônica de perversidades em "Lua De Fel", com o canastrão Peter Coyote.

Fez mais alguns filmes, sem grande repercussão. Seu último grande projeto foi "O Pianista" (2002), sobre um homem que sobrevive ao Gueto de Varsóvia, na Segunda Guerra Mundial.

(Na foto: O diretor anda no 'set', durante a filmagem
de "O Pianista". Ver texto abaixo.)

Este filme ganhou os principais prêmios em Cannes, e recentemente rendeu a Polanski o Oscar de melhor diretor (o qual ele não pôde receber, ou seria preso) e o Oscar de melhor ator para Adrien Brody. Um belo filme, mais um sobre o holocausto nazista, desta vez mais legítimo do que o usual, pois feito por alguém que passou pelos apertos na pele. Imagine a carga psicológica que deva ter recaído sobre Polanski ao fazer esta obra. Curioso que termine com um "final feliz", depois que os nazistas são derrotados, e o personagem-título possa seguir tocando sua música. Na verdade, quem já leu sobre a Polônia no período pós-guerra, sob o jugo do Stalinismo soviético, sabe que a vida ali não justificaria um Allegro.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 15/4/2003

Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurício Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/7/2003
05h43min
Com este maravilhoso texto podemos conheçer mais sobre a vida do fabuloso e explêndido Roman Polanski. O curioso é saber que sua vida nada mais é que um desconcertante e alusivo roteiro de cinema. Gostaria de parabenizar o autor do artigo, Maurício Dias, que assim como eu conhece e aprecia o insólito trabalho de Polanski.
[Leia outros Comentários de Bruno Araújo Lima]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Meals For Good Health
Karen Graham
Canadian Diabetes Association
(1998)



Às Margens do Sena
Reali Jr.
Ediouro
(2007)



Milho pra Galinha, Mariquinha
Marisa Raja Gabaglia
Sabiá
(1972)



Pérola e a Bolsa Perdida
Wendy Harmer
Fundamento
(2006)



A Revolução Dos Bichos
George Orwell
Companhia Das Letras
(2007)



Cultura e Comunicação
Edmund Leach
Edições 70
(2009)



O Primo do Amigo do meu Irmão
Angela CArneiro
Quinteto
(1994)



Arbitragem e Poder Judiciário - Proposta para um Diálogo
Maria Carolina Nery
Revista dos Tribunais
(2020)



Passageiro do Fim do Dia
Rubens Figueiredo
Companhia das Letras
(2010)



Livro Literatura Brasileira Surpresa
Fernando Alberto
Mente Cerebro
(2010)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês