Histórias de quando eu tinha tempo livre de sobra | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 3/7/2001
Histórias de quando eu tinha tempo livre de sobra
Rafael Lima

+ de 5200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Em sociedade não há mal educados, há excêntricos

Em 1994 o Castelinho, uma construção histórica na Praia do Flamengo, mostrou que os difíceis anos de sobrevivência da década de 80, quando esteve ameaçado até de ser demolido, não foram à toa, ao sediar uma convenção que trouxe pela segunda vez ao Rio o Bill Sienkievicz. Quando o pessoal da Panacea (uma revista de "cultura jovem" que não existe mais) me ligou pedindo uma entrevista, eu fiz as contas e vi que era terça-feira, eu tinha duas provas até sexta, o Bill chegava na quinta e ia embora domingo de tarde. Apesar dele falar muito bem, eu não estava seguro do meu inglês, nem tinha gravador. Quer dizer: topei sem hesitar. As coisas se movem de maneira meio estranha para mim quando se trata de histórias em quadrinhos. Descolei um gravador emprestado, comprei uma fita, colei no gringo e marcamos uma entrevista no fim da tarde de sexta-feira, no bar anexo ao Castelinho. Estava até parecendo fácil. Como sói acontecer nessas situações, o Ota, editor da Record, tinha o seqüestrado (volta e meia o Ota seqüestra um quadrinhista estrangeiro que esteja por essas bandas) para um tradicional passeio ao Pão-de-Açúcar, que teria sido o máximo -- não fosse aquele o dia mais nublado do ano... Como se isso fosse pouco, ainda me aparece, simplesmente do nada, uma repórter-nunca-vi-antes, correspondente de um diário de Campinas (Campinas! Não podia ser mais longe, pra dar mais chance do avião cair no caminho!) com seu gravadorzinho e estoque de perguntas imbecis... (o editor da Panacea tinha me passado por telefone umas perguntas beeeem cabeça na véspera). Para completar a cena, uma mesa com oito pessoas conversando em clima de happy hour total ao fundo proporcionavam uma versão turbinada do que o vulgo chama por aí de ruído fundo para o tom pausado e educado da voz de Sienkievicz, fatalmente o que menos se ouvia na fita cassete... Eu devo ter inventado metade do que ele disse. A outra metade eu tive que deduzir. Mas mesmo assim foi um fim de semana excepcional: apesar da celebridade, Bill se mostrou extremamente paciente e atencioso, e nem desconfiou que suas roupas, especialmente as botinhas com bico metálico no pior estilo jeca-texano-que-acha-que-é-hype, tinham sido responsáveis por criar, nos termos de Carlos Maçaranduba, "dúvidas acerca de sua masculinidade" entre alguns fãs maledicentes. Pude vê-lo declarar paixão por canetas esferográficas, falar sobre sua adaptação para os quadrinhos de Moby Dick, ensinar o povo a pronunciar seu sobrenome, conhecer em primeiríssima mão a xerox da biografia de Jimi Hendrix em quadrinhos que ele acabara de concluir, mas acho que o grande momento foi a resposta que deu à inocente pergunta de um fã sobre sua idade:

- Tenho idade suficiente para beber bebidas alcoólicas, dirigir e fazer sexo seguro consensual.

Ave, César!

Uma das presenças mais aguardadas na segunda Bienal de Quadrinhos era a de Gaetano "Tanino" Liberatore, o brilhante desenhista de Ranxerox, provavelmente o quadrinho mais violento da década de 80 - e olha que a disputa pelo título era briga de cachorro grande. Italiano e profundo conhecedor de anatomia humana, como Milo Manara (que, assim como os sutiãs, é mais chegado à anatomia feminina), a exposição dos seus originais criou uma espécie de concurso informal entre os desenhistas profissionais e wannabe para tentar descobrir as técnicas utilizadas para capturar todo aquele realismo. Dizia-se que até batom e maquiagem ele colocava no papel para conseguir certos efeitos. Em uma palestra, Lourenço Mutarelli, ganhador do prêmio de melhor história da primeira Bienal, perguntou:

- Quando você termina de desenhar uma página, também dá um murro em cima do papel e grita, 'Parla, parla!'?

Mas isso foi depois que todo mundo sacou que ele era sangue bom. Antes, apesar do belo bronzeado e do ar de folgada simpatia transmitido por um sorriso largo, ainda tínhamos um pé atrás, afinal, tratava-se do autor de uma história em que um ciborgue espanca metade de um bar com um telefone público recém-arrancado da parede... Enquanto procurávamos a melhor hora de pegar seu autógrafo, vi-o entrar num botequim em frente ao Centro Cultural dos Correios, sede do evento. Ferrou, pensei com as minhas revistas, desenhando os quadrinhos que desenha, no mínimo ele vai sair lá de dentro com uma caipirinha, se não vier coisa pior, e aí melou o autógrafo. Para nossa surpresa e felicidade, saiu com um guaraná, chupando de canudinho! Poucas vezes lembro de ter mudado tão rápido minha idéia sobre alguém, e como Liberatore já se adaptara completamente ao gentio local, pouco depois estava de papo na nossa rodinha, na escadaria em frente aos Correios... Voltamos correndo para mostrar o troféu reluzente a um amigo, dono de uma loja de quadrinhos aberta naquele ano, e que tinha um stand na Bienal: "Liberatore, cara, Liberatore!". Pô, legal, hein, dizia ele, enquanto fazia que sim com a cabeça, o beiço esticado para frente. Foi a gente desviar para a esquerda, saindo do seu alcance, que ele perguntou à quem estava mais à mão:

- Quem é esse Liberatore?

A melhor resposta tinha sido dada pelo próprio, naquela mesma palestra:

- Io sono una personna piu dolce.

O velhinho é demais

Os produtores do documentário em 3 partes sobre Will Eisner seria exibido pela Tv Senac acharam por bem trazê-lo para a pré-estréia, haja vista a imensa amizade que se estabelecera entre eles e o cartunista norte-americano, e o gosto que Eisner não era de hoje nutria pelo Brasil (era a quarta ou quinta vez que ele nos visitava). Nada disso seria de se admirar se Eisner fosse um músico novato estreando em Free Jazz, ou um videomaker dinamarquês só conhecido por quem lê suplemento cultural de jornal paulistano com lupa, e não o maior verbete de qualquer enciclopédia de histórias em quadrinhos publicada nos EUA - e em mais algumas da Europa. Costuma-se compará-lo a Orson Welles, pela revolução da narrativa que ambos realizaram em seus respectivos campos de trabalho, Welles com Citizen Kane; Will Eisner com The Spirit, mas eu diria que Eisner vai mais longe: ele seria o Chaplin dos quadrinhos, alguém que atuou nos primórdios, tanto ajudando a definir o próprio caráter - e a cara - do meio quanto subvertendo-o ao mesmo tempo, descobrindo todas as possibilidades que ele oferecia. Eisner criou The Spirit mais como um comentário do que propriamente um modelo de super-herói em 1940 e produziu histórias semanais de 7 páginas até 1952, contando com a ajuda de um estúdio no período em que esteve na guerra. Largou os quadrinhos para só voltar em 77, quando ajudou a formatar o mercado para um novo gênero, o graphic novel. Desde então, criou umas 20 graphic novels, algumas com mais de 100 páginas, entre elas seu livro de memórias. Aos 83 anos, lépido, bem humorado, ainda produzindo uma página completa por dia (roteiro, desenho, arte-final e letras!), é um prazer para Eisner dar autógrafos à uma das poucas filas em que estive onde dizer que havia gente de todas as idades não era mera figura de linguagem. Disse-lhe que faziam 8 anos que eu havia pego seu primeiro autógrafo.

- Oito anos!... você não parece oito anos mais velho!

Não deixei por menos:

- A gente deveria marcar de se encontrar a cada 8 anos para eu pegar o seu autógrafo...


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 3/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hilda Hilst de Helena Vasconcelos


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/3/2002
16h10min
parabens por sua home page tchau
[Leia outros Comentários de rafael f. de almeida]
5/1/2004
17h57min
Procurando um Rafael Lima...Cantor e compositor Paraense...amigo, sumido para a Suiça ou nesse mundo de meu Deus...acabei achando um outro Rafael Lima....Parabéns para este...muito interessante o "site"...não conhecia...mas, realmente gostei muito. Irei consulta-lo...sempre. Quem sabe um dia tangencie com o outro Rafael...um homem das áquas do Amazonas...inteligente e de muita musicalidade,,,um "gênio" perdido neste mundo pasteurizado e coisificado...o que é uma pena! Bem , de qualquer forma...tanto faz dar na cabeça...como na cabeça dá!...rss Quem sabe alguém saiba do paradeiro do meu amigo...
[Leia outros Comentários de Bosco Costa]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEDIÇÃO E SERVIÇO SOCIAL - 8ª EDIÇÃO - OBRA REVISTA E AMPLIADA
REINALDO NOBRE PONTES
CORTEZ
(2016)
R$ 46,95



PÁRABOLA DO REI SALOMÃO PRO FILIS SECUNDUM
LUÍS NOVO
APPACDM
(1999)
R$ 33,49



INTRODUÇÃO À FILOSOFIA
MIGUEL REALE
SARAIVA
(2012)
R$ 55,00



DESEMBARCANDO O SEDENTARISMO - 9333
DR. FERNANDO LUCCHESE E CLÁUDIO N. DE CASTRO
L&PM POCKET
(2006)
R$ 10,00



O DIARIO DE ANA MARIA COLEÇÃO JUVENTUDE
MICHEL QUOIT
AGIR
(1964)
R$ 9,00



CLAREANDO
MARIA ROSA TEIXEIRA
IE
(2003)
R$ 17,87



ATLAS VISUAL DA CIÊNCIA - MAMÍFEROS
FABIÁN CASSAN
SOL 90
(2007)
R$ 9,90



RENÉ DANIELS
STEDELIJK VAN ABBEMUSEUM EINDHOVEN KUNSTMUSEUM ...
STEDELIJK VAN ABBEMUSEUM EINDH
(1986)
R$ 37,96



CAFELÂNDIA OU TERRAS DAS GLEBAS DE OURO: IMPRESSÕES DE VIAGENS
ROMARIO MARTINS
EDUEL
(2013)
R$ 29,82



LURBANISME CONTEMPORAIN: TENDANCES ACTUELLES
WACLAW OSTROWSKI
CENTRE RECHERCHE URBANISME
(1970)
R$ 72,82





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês