Receita para fazer filmes | Maurício Dias | Digestivo Cultural

busca | avançada
58588 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Espetáculo teatral Odila chega ao interior de Caxias do Sul
>>> Empresário caxiense que instalou complexo de energia em aldeia indígena no Acre lança documentário
>>> Fernanda Porto lança música e videoclipe em homenagem a Gal Costa
>>> 75% dos líderes de marketing veem a IA generativa como ferramenta criativa essencial
>>> Printed Editions Online Print Fair
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
>>> Ira! no Perdidos na Noite (1988)
>>> Legião Urbana no Perdidos na Noite (1988)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Flip 2005
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> Arte sem limites
>>> BBB, 1984 e FEBEAPÁ
>>> Costume Bárbaro
>>> Infinitely Fascinating People
>>> Era uma vez um inverno
>>> A Auto-desajuda de Nietzsche
Mais Recentes
>>> Os contos de Beedle, o Bardo de J.K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> S.O.S Ong de José Alberto Tozzi pela Gente (2015)
>>> Histórias do Grande Mestre de Ellen G. White pela Cpb (2014)
>>> Trajetorias De Grandes Lideres - Carreira De Pessoas Que Fizeram A Dif de Lucinda Watson pela Negócio (2001)
>>> Everest - escalando a face norte de Matt Dickison pela Gaia (2007)
>>> A Vida do Bebê de Rinaldo de Lamare pela Agir (2014)
>>> A hora da vingança de George Jonas pela Record (2006)
>>> Google Adwords - A Arte Da Guerra de Ricardo Vaz Monteiro pela Brasport (2007)
>>> Manicômios, Prisões E Conventos de Goffman, Erving pela Perspectiva (1987)
>>> Jornada Nas Estrelas - Memorias de William Shatner pela Nova Fronteira (1993)
>>> Sete casos do detetive Xulé de Ulisses Tavares pela Saraiva (2010)
>>> Mudando o seu destino: novos instrumentos dinâmicos de astrologia e de visualização para formar o seu futuro de Richard Zarro pela Summus (1991)
>>> Como Deus cura a dor de Gabriel García Márquez pela Record (1996)
>>> Como Deus cura a dor de Mark Baker pela Sextante (2008)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas de Machado de Assis pela Martin Claret (2008)
>>> The Landmark Dictionary - para estudantes brasileiros de inglês de Richmond pela Richmond (2008)
>>> Sherlock Holmes: Um Estudo em Vermelho de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Sherlock Holmes: O Signo dos Quatro de Sir Arthur Conan Doyle pela Melhoramentos (2011)
>>> Bíblia Sagrada - Ed. de Promessas de Vários pela King's Cross
>>> O Menino do Dedo Verde de Maurice Druon pela José Olympio (2016)
>>> A Casa 7ª edição. de Ronald Claver pela Ed Lê (1998)
>>> Oferenda Lírica - Gitanjali de Rabindranath Tagore pela Coordenada (1969)
>>> Glands Our Invisible Guardians de Glands Our Invisible Guardians M. W. Kapp pela a: Grand Lodge Amorc (1954)
>>> Death in the Afternoon de Ernest Hemingway pela Scribner (2003)
>>> Look at it This Way Capa dura de Justin Cartwright pela McMillan (1990)
COLUNAS

Terça-feira, 2/9/2003
Receita para fazer filmes
Maurício Dias
+ de 6200 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O norte-americano Joseph Campbell (1904 - 1987) foi um estudioso de mitologia. Tomei conhecimento do seu trabalho num curso extra de roteiro para cinema que fiz logo após a conclusão da faculdade. Foi lançado aqui logo em seguida o livro A Jornada do Escritor, de Christopher Vogler, um estudo aplicando ao roteiro de cinema as idéias de Campbell para a concretização da estrutura do mito.

No livro de Vogler, uma série de filmes americanos, especialmente O Mágico de Oz e a série Guerra Nas Estrelas são analisados e vemos que suas estruturas se adequam ao método de Campbell.

Trabalhando com arquétipos como mentores, guardiões do limiar, etc., ali se expõe um esquema básico ideal para a jornada do herói em um mito:

1) Consciência Limitada

2) Aumento da Consciência

3) Relutância à Mudança

4) Superando

5) Compromisso

6) Experimentando

7) Preparando

8) Grande Mudança

9) Conseqüências

10) Nova Dedicação

11) Tentativa Final

12) Domínio

Esta estrutura, com algumas variações, pode ser encontrada em muitos dos filmes americanos. Estou aqui apenas expondo o que é colocado ao longo de 340 páginas. O conhecimento destes elementos é uma chave para se fazer um bom roteiro cinematográfico.

Mas um erro fundamental da maioria dos roteiros de filmes americanos é achar que apenas o conhecimento destes elementos garante qualidade a um roteiro. Não garante. Roteiristas medíocres usam este esquema como receita para bolo. Nem na culinária o fato de se ter um bom livro de receitas garante ao sujeito ser um bom cozinheiro. Imagine então na arte como é.

O diretor francês Jacques Tati dizia que não se pode fazer filmes como pães. Cada obra deveria ter seu tempo de maturação e suas qualidades individuais. Evidentemente, nos filmes da grande indústria isso é uma utopia.

Filmes como Titanic ou Dança com Lobos tem o roteiro todo estruturado para se enquadrar a algum esquema já pré-testado (o de Vogler-Campbell não é o único método, há outros) e de comprovado sucesso.

Os citados acima, como outros, acabaram sendo sucessos de público, em parte por qualidades da produção que nada tem a ver com roteiro (atores carismáticos, cenografia bem cuidada, bons efeitos especiais), em parte por campanhas de marketing bem elaboradas, e em grande parte, bem, em grande parte porque o público é, como se diz, well, burro. Ambos os filmes são bem medíocres. Não são horríveis. Foram pré-elaborados, refeitos, testados em audiências durante muito tempo, dificilmente seriam horríveis. São apenas medíocres. Justamente por quererem agradar a muitos, são esvaziados de qualidade. Roteiros que, originalmente poderiam até ser bons, são escritos e reescritos vezes demais, para agradar a produtores e yes men, esvaziando-se assim qualquer conceito autoral que ali pudesse estar embutido. O processo todo é mostrado de forma satírica em O Jogador, de Robert Altman, em que um diretor iniciante quer fazer um filme trágico sobre uma inocente que morre na câmara de gás. O personagem do diretor frisa várias vezes que quer algo realista e sem "estrelas de Hollywood". No final, os produtores conseguem convencê-lo a mudar a tragédia para um happy end e a usar Julia Roberts e Bruce Willis (ambos "interpretando" a si mesmos). A voz do público é a voz de Deus.

Sei que em Titanic ou Dança com Lobos os finais trágicos são mantidos - se bem que em Titanic o casal de pombinhos ressurja após a morte para ser aplaudido por todos os fantasmas do navio (logo antes de entrar a música da - Argh! - Celine Dion) e em Dança com Lobos o casal branco escape (tinha que haver uma mulher branca na tribo? Não seria mais politicamente correto se Costner se relacionasse com uma índia - opa, quero dizer, "nativo-americana", uma Pocahontas da vida?) e só os índios se ferrem geral. Mas O Jogador, lembremos, é uma sátira, não um filme realista. Como também é uma sátira o melhor filme sobre Hollywood, Crepúsculo dos Deuses (Billy Wilder, 1950), sobre o qual já escrevi, ou a grosseira e divertidíssima série para TV Action, que mostrava os trambiques do fictício produtor de filmes de ação Peter Dragon (durou apenas 12 episódios e foi exibida aqui pelo canal Sony).

Mas tendo conhecimento destes esquemas, você vê como a maioria dos profissionais do roteiro se acomodam, repetem o já-feito e se acovardam. Apesar de a história ser o ponto central de um filme, aqueles que a escrevem são uma classe muito pouco prestigiada, é natural que se retraiam e no final acabem virando funcionários que farão o que for mandado em troca de um cheque no final do mês - cheque este que, muitas vezes, não vem.

Quando atuava no mercado, ouvi de produtores e editores frases que variavam nas palavras, mas cujo sentido era mais ou menos este: - "Eu mesmo escreveria, se tivesse tempo!"

Claro que escreveria. Bastaria para isso que tivesse lido alguns livros (coisa que, em geral, não fazem), visto e revisto certos filmes (idem), e estudado (isso então, nem preciso falar). Para depois, sentar a bunda na cadeira, escrever e reescrever.

Com frases como esta que mostrei acima, pessoas ignorantes, que em geral estão numa boa posição apenas por conexões familiares, diminuem o profissional e ainda mostram que eles próprios, os patrões, são capazes de fazer o serviço, mas preferem se dedicar a algo mais importante. Cheirar cocaína e ir à termas, por exemplo - não que os roteiristas não cultivem os mesmos passatempos. É que em geral não tem dinheiro para isso.

Isto é universal. Mas nos EUA, pelo menos há um mercado vasto, o roteirista pode dar a sorte de trocar o imbecil do seu chefe por outro um pouco menos imbecil. Aqui, com um cinema que é uma ação entre amigos ricos (mas com apoio do governo), e o monopólio de uma única emissora de TV que investe em "qualidade de dramaturgia" - bota aspas nisso, e mesmo assim, numa faixa de horário reduzida de sua grade - o roteirista oscila entre o trabalho para comerciais publicitários e a inanição, até resolver fazer concurso para funcionário público.

Pretendo ainda voltar a falar de Joseph Campbell, seu trabalho com mitologia tem pontos interessantes e não se limita ao ato de escrever roteiros. Mas não é pra usar como auto-ajuda em nossas vidas, como alguns (e o próprio Vogler) querem nos fazer acreditar. Aproveito para indicar um link, onde há um texto mais longo meu sobre o cineasta Stanley Kubrick.


Maurício Dias
Rio de Janeiro, 2/9/2003

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. Festival Chaves no Centro Cultural Vergueiro de Tatiana Cavalcanti
02. Estado de Sítio, de Albert Camus de Ricardo de Mattos


Mais Maurício Dias
Mais Acessadas de Maurcio Dias em 2003
01. A obra-prima de Raymond Chandler - 21/1/2003
02. Picasso e Matisse: documentos - 10/6/2003
03. Uma teoria equivocada - 14/10/2003
04. Quentin Tarantino: violência e humor - 29/7/2003
05. Por onde anda a MPB atualmente? - 20/5/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/9/2003
16h48min
Caro Mauricio.Bons tempos em que se podia se deparar com um produtor como Robert Evans;escoltando com toda boa vontade um roteirista extraordinário como Robert Towe,que saudades de filmes como Chinatown.Escreva mais sobre cinema,que você terá um leitor fiel.Abraços
[Leia outros Comentários de Heraldo Vasconcellos]
10/9/2003
05h09min
Obrigado pela mensagem. O que eu mais fiz foi escrever sobre cinema. Recomendo entrar no texto sobre Quentin Tarantino. Ao final da página há links para outros textos meus. E enquanto não arranjo grana para levar meus roteiros adiante, recomendo minhas histórias em quadrinhos. Tema histórico: a história dos leões de Roma (7 páginas; dependendo da sua conexão, pode demorar um pouco); história politicamente incorreta (5 páginas no total);
[Leia outros Comentários de Mauricio Dias]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sexo, Amor & Sedução
Fátima Moura
Harbra
(2006)



Demain j'arrête!
Gilles Lagardinier
Fleuve Noir
(2013)



Fundamentos de Teosofia
C. Jinarajadasa
Pensamento



Os Pilares da Terra
Ken Follett
Presença
(2007)



Coleção Educação pela Pesquisa
Cedic
Atta
(2009)



Ir e Voltar Vol. 1
José Madureira Pinto e João Queiros
Afrontamento
(2010)



O Sol de Cada Manhã
Mara Brasil
Coma Livros
(2016)



Farmacognosia - da Planta ao Medicamento
Claudia Maria Oliveira Simões e Outros...
Ufrgs
(1999)



O Brasil no Mundo Que Vem Aí
Diversos Autores
Funag
(2007)



/Entenda a Obesidade e Emagreça
Dr. Alfredo Halpern
Mg
(1994)





busca | avançada
58588 visitas/dia
1,7 milhão/mês