Apologia dos Cães | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
>>> Ana Cañas e Raíces de América abrem a programação musical de junho, no Sesc Santo André
>>> Sesc Santo André recebe Cia. Vagalum Tum Tum, em junho
>>> 3º K-Pop Joinville Festival já está com inscrições abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> La Cena
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Uma história da Sambatech
>>> The Shallows chegou
>>> Ceifadores
>>> É hoje (de novo)!
>>> Trump e adjacências
>>> Entrevista com Pollyana Ferrari
>>> O novo sempre vem
>>> O estilo de Freddie Hubbard
Mais Recentes
>>> Zé Carioca Nº 1821 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> The Theory of Economic Development de Lord Robbins pela Macmillan (1968)
>>> Matemática - Magistério 1 de Ruy Madsen Barbosa pela Atual (1985)
>>> Do alto da tribuna de Ademar rigueira neto pela Lumen juris (2017)
>>> A Vida de D. Pedro I - Tomo I de Octávio Tarquínio de Sousa pela José Olympio (1972)
>>> Novos Canticos de Dolares Bacelar Espíritos Diversos pela Não Informada (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour; Luciano Trigo pela Intrinseca (2009)
>>> Zé Carioca Nº 1820 de Walt Disney pela Abril (1988)
>>> Cozinha do Mundo: Itália Vol. 1 de Abril Coleções pela Abril Coleçoes (2010)
>>> Who's Best? de Varios Autores pela Foundations Reading Library (2006)
>>> The Elements of Typographic Style de Robert Bringhurst pela Hartley & Marks (1997)
>>> Doctor Who: Adventures in time and space de Vários autores pela Bbc (2009)
>>> Cálculos Trabalhistas de Adalberto José do Amaral Filho pela Ltr (2002)
>>> A Fenda do Tempo de Dionísio Jacob pela Infanto Juvenis (2005)
>>> Lobo Solitário 8 de Kazuo Koike e Goseki Kojima pela Cedibra (1989)
>>> Macunaíma, o Herói sem Nenhum Caráter de Mário de Andrade pela Penguin Companhia (2016)
>>> Oficina de História - Volume único de Flávio Campos pela Leya (2012)
>>> Zé Carioca Nº 1818 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Romance Senzala de Salvador Gentile pela Instituto Difusão Espirita (1993)
>>> Cartas Chilenas de Tomás Antônio Gonzaga pela Martin Claret (2007)
>>> Skate - Guia Passo a Passo Ilustrado de Clive Gifford pela Zastras (2008)
>>> Mensagens de Matthew Mckay; Martha Davis; Patrick Fanning pela Summus (1999)
>>> Zé Carioca Nº 1798 de Walt Disney pela Abril (1987)
>>> Ente Osso agora de Maitê Proença pela Record (2015)
>>> Aprendi com meu pai - 54 pessoas bem-sucedidas contam a maior lição que receberam do seu pai de Luís Colombini pela Virsar (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 3/10/2003
Apologia dos Cães
Ricardo de Mattos

+ de 9500 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Havia também um mendigo chamado Lázaro, o qual, coberto de chagas, estava deitado a sua porta, desejando saciar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; porém até os cães vinham lamber-lhe as chagas.” (Lc 16, 20-21)

O dia dezassete de setembro de 2.003 foi o último da minha pobre Úrsula – vulgo Ursa – neste mundo. Morreu após a longa alegria que nos proporcionou e uma breve agonia. Tinha doze anos completos e ficamos com dois dos nove filhotes paridos após a única prenhez. Duas, na verdade: Serena e Cigana. Ursa era uma cadela de raça pastor-alemão relativamente apurada. Detestava, como eu detesto, fogos de artifício, por vezes sendo necessário recorrer a tranqüilizantes. Transmitiu esta aversão a pelo menos duas filhas. Escolheu meu pai como dono – ou membro alfa de sua matilha, como preferem os estudiosos – mas atendia a todos e a todos recorria em sua eterna carência. Falta de agrado não era, pois vivíamos aos abraços. De todas as pessoas de casa, apenas nossa faxineira fugia-lhe da predileção. Qualquer um poderia ser seu predileto, mesmo as pessoas vistas uma vez na rua e nunca mais. Um afago era suficiente. Seu posto era a porta do quintal, defronte a qual se deitava e no melhor da sesta virava-se com a barriga para cima apoiando nela – na porta – suas pernas. Abríamos a porta e ela tombava com as patas para dentro, acordava e balançava a cauda, ainda com os olhos pejados de sono. Logo, porém, corria latindo em busca das outras.

Suas filhas saíram sui generis por herança paterna, um pastor heterodoxo. Serena é menor que um pastor alemão n’um palmo de altura e junto a outros dois, nasceu com meia cauda; a Cigana consegue disfarçar bem sua mestiçagem. A ninhada nasceu na madrugada do dia sete de abril de 1.994. Uma semana antes preparei o canil, embora a Ursa já tomasse providência autónoma, cavando um buraco entre as azaléias, muito antes do prazo previsto. Deitou-se sobre a cama arrumada e encarou-me como a dizer: “Não é que sua ideia é melhor”? Desistiu do buraco e recolheu-se neste ninho mais protegido. Mesmo assim, uma ou duas noites depois precisei recolher filhotes espalhados pelo quintal. Dois meses após saía pelo gramado acompanhada do batalhão sempre faminto. Em caso de briga, separava os adversários daquela maneira típica de mamífero levantar o filhote pelo pescoço. Apesar de Serena e Cigana atingirem a idade adulta, ainda tentava içá-las. Depois passou a prendê-las pelo focinho, entre a noz e os olhos. Este acto, soube-o depois, tinha a finalidade de reafirmar seu domínio sobre elas.

Adorava brinquedos, bastando-lhe qualquer caco de tijolo encontrado no quintal. Nunca bebeu água sem molhar tudo ao redor e comia deitada. Teve também seus actos de vandalismo no arranhar a porta, matar meu garnisé branco e vários outros animais vindos dos terrenos vizinhos, como galinhas e gambás. Seu “hobby” era cavar trincheiras no quintal, talvez reminiscência dos seus antepassados utilizados em batalhas. Pensei tratar-se de vermes e várias vezes vermifuguei-a, variando a medicação. Dizem ser mau agouro o cão cavar buracos, pois profetizaria a morte dos donos. De qualquer forma, nós ficamos e ela partiu. Sendo uma eterna criança, foi o flagelo de Diana, outra pastora bem mais velha, morta em 1.996. Esta contraiu cinomose, resistiu, mas perdeu boa parte dos movimentos das pernas traseiras, passando alguns meses a arrastar-se até conseguir andar novamente. Teve mais esforço e determinação que muita gente, já pude perceber. Certo dia, foi empurrada dentro da piscina pela Ursa, durante uma correria desta.

Não posso deixar de afeiçoar-me a estas criaturas e reconhecer-lhes os méritos e os problemas que causamos com nossa convivência nem sempre saudável. Tornamo-los, não sem certa dose de irresponsabilidade, dependentes de nós. Esta dependência até pode ser afastada n’uma geração, mesmo em centros urbanos, entretanto passamos a perseguir aqueles que descuidamos. Um animal incómodo pode ser condenado a um canil municipal, donde não sairá vivo na maioria dos casos. Na rua o cão sofre sem amparo e isso não lhe impede a nobreza de aproximar-se do mendigo, apegar-se, acompanhá-lo e defendê-lo. Não faço distinção: na rua paro e afago qualquer Merimbico que me passe pela frente. Todos têm minha consideração, seja um vira-lata puído de sarna, seja um puro-sangue premiado. Tive dois vira-latas sempre sorridentes com a minha chegada. Corriam na minha direcção com os dentes à mostra e gemendo, orelhas encolhidas e cauda balançando. Onde e quando aprenderam isso, ignoro.

Dois os santos católicos sempre representados com cães: São Lázaro e São Roque. São Lázaro é homenageado a dezassete de dezembro. Muito confundido com o irmão de Marta e Maria ressuscitado por Jesus Cristo. Contudo, toda representação traz o santo atacado de lepra (daí lazarento e lazareto) e acompanhado d’estes animais. São Roque é santo de origem francesa ao qual foi dedicado o dia dezasseis de agosto. Quando viajava de Montpellier para Roma, fez escala na cidade de Piacenza, fustigada pela peste, e aí dedicou-se ao tratamento dos doentes. Devido ao contacto, contraiu a doença e refugiou-se n’uma cabana a fim de a ninguém incomodar. Um cão mantinha o santo alimentado ao levar-lhe diariamente um pão furtado à mesa do dono. Ainda persiste no Nordeste e no Amazonas a promessa do jantar dos cães. No caso de ferida grave ou úlcera o doente faz, ou a São Lázaro ou a São Roque, a promessa de oferecer, se curado, um jantar aos cães de rua.

Câmara Cascudo, no excelente Coisas Que O Povo Diz, transmite uma lenda envolvendo os santos e seus animais preferidos. Registrada inicialmente pelo folclorista Daniel Gouveia, ensina que

Não se deve cuspir nos cães, porque depois da nossa morte, na longa travessia que se fará até chegar à casa de São Miguel, onde serão julgadas as nossas almas, sentimos uma grande sede, e neste longo percurso só encontramos a casa de São Lázaro; aí, se não cuspimos nos cães, somos servidos com água boa e fria, e ao contrário, somos acossados por dentadas implacáveis.

Curioso que o cronista Humberto de Campos dedica um dos capítulos de suas Memórias Inacabadas ao cão “Pensamento”. Conta que ao conhece-lo na casa de um parente, quase cuspiu-lhe. Quem sabe a singular celeuma após sua morte, concernente à autenticidade ou não de textos psicografados, não seja a confirmação da lenda, no sentido de um post mortem perturbado?

Duas vezes foi objecto de resenha n’este Digestivo Cultural o livro de Roger Grénier, Da Dificuldade de Ser Cão, lido por mim n’um dia. Cães são óptimos companheiros de leitura, caso compartilhem o gosto. A Ursa preferia jornais e revistas, inclinação transmitida à Serena. Há no cão César, pertencente a José Bonifácio, um antecedente para este gosto pela leitura informativa. O dito “Patriarca” conta que seu cão destroçava e mijava sobre os jornais com más notícias. Já a Cigana prefere os livros, embora mantenha-se sempre actualizada.

Dependendo da raça, um cão vive em torno de quinze anos. O filhote apega-se à pessoa e mantém-se fiel a ela por toda sua existência. Os dedos de uma só mão talvez sejam excessivos para alguém enumerar quantas de suas amizades humanas duraram tanto e com a mesma sinceridade.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 3/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Você viveria sua vida de novo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Meu Marido, de Livia Garcia-Roza de Ricardo de Mattos
03. Dez pessoas para se seguir de Jardel Dias Cavalcanti
04. O romance da década de Luiz Rebinski Junior
05. Igual, mas diferente: a Bienal de Minas de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2003
01. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
02. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003
03. Da Biografia de Lima Barreto - 26/6/2003
04. Estado de Sítio, de Albert Camus - 4/9/2003
05. Stabat Mater, de Giovanni Battista Pergolesi - 27/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/10/2003
02h40min
Belo texto. Sinto perfeitamente essa sensação. Minha Yorkshire Potira tem doze anos. Abraços Isnard - Taubaté
[Leia outros Comentários de Isnard]
5/10/2003
20h49min
Parabéns pelo lindo texto. não pude deixar de me emocionar. Tenho 3 cães e sei que a minha vida seria muito mais vazia e triste sem estes meus queridos e leais amigos.
[Leia outros Comentários de Jose Vieira]
6/10/2003
10h45min
Adorei o texto. Parabéns! Venho me dedicando a este tema em meus trabalhos desde 2002. Além de grandes companheiros e da incrível cumplicidade que criamos com o passar do tempo, considero sua imagem extremamente expressiva podendo através deles representar as mais distintas situações. Saudações Rosana Almendares
[Leia outros Comentários de Rosana Almendares]
6/10/2003
18h48min
Srs. Isnard e José Vieira, Sra. Rosana, agradeço a todos pelo acesso e apreciação do texto. É um assunto sobre o qual só se pode acescentar. Muito obrigado, recomendo o sítio de pintura da Sra Rosana.
[Leia outros Comentários de Ricardo]
6/10/2003
21h21min
Ricardo, Parabéns pelo texto..... Me lembrou muito a minha amada Laika, também pastor alemão que foi minha companheira durante 10 anos. Também como a Ursula, só nos deu alegria e partiu após uma breve agonia de 7 dias. Sofri muito com a sua morte, mas esse sofrimento serviu para eu ver o quanto os animais são superiores, são verdadeiros anjos da guarda, capazes de amar de forma incondicional. Aprendi com a Laika a amar os animais... Também hoje quando vejo na rua um cãozinho abandonado, tenho que parar pelo menos para dar um afago, um pouquinho de ração, água e depois seguir o meu caminho. É muito triste o destino dos animais em nosso país. Infelizmente o ser humano ainda enxerga os animais como um brinquedo, um objeto descartável. São poucos os que têm a sorte de encontrar um lar, um dono que lhe dê amor, e possa garantir uma vida digna. Voce disse tudo: um animal incomodo pode ser condenado a um canil municipal ou servir como cobaia em algum laboratório, hospitais e faculdades. Ou ainda, se tiver a sorte de não ir para em algum canil, viver abandonado pelas ruas, ficando à mercê da ignorância de seres humanos que os maltratam, mutilam, envenenam e deixam morrer à própria sorte. Durante muito tempo vivi em conflito, sofri por ver essa situação e me sentir impotente! Acabei me envolvendo com a causa da proteção animal e hoje cuido de 200 cãezinhos abandonados. Esses cães foram resgatados por uma protetora ao longo de 5 anos em um sítio. Temos vira-latas puríssimos, Poodle, Dog Argentino, Pintcher, Lulu da Pomerânia entre outros, com idades que variam entre 6 e 12 anos de idade. Muitos com certeza já tiveram um dono, mas foram abandonados à própria sorte. Porém a Célia (protetora que os recolheu) faleceu em 22/06/03 e esses cãezinhos seriam sacrificados. Formamos um grupo e conseguimos impedir essa tragédia. Desde o dia 07/07/03, estamos administrando esse sítio, todos os finais de semanas abandonamos nossas famílias e ficamos ao lado desses filhotinhos. A alegria desses animais quando nos vêem, não tem preço, é muito gratificante. Eles estão em um abrigo, é verdade, poderiam ter um dono, mas infelizmente não tem. Estamos tentando conseguir lares para esses cãezinhos. Apesar da tristeza de ver tanta injustiça, de não conseguir mudar essa situação, hoje sou uma pessoa feliz e os melhores momentos da minha vida tenho passado ao lado deles. Marli Scaramella
[Leia outros Comentários de Marli Scaramella]
21/8/2004
21h36min
Fenomenal. Não há ser na Terra que se equivala aos K9s. Neles eu confio. Texto nota 1000. Obrigado.
[Leia outros Comentários de Claudio Buchholz ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1/3 Reflexões do Mundo Corporativo
Pedro Pereira Fernandes Neto
Baraúna
(2015)



O Veu Rasgado, - Mulher Muculmana descobre o Evangelho -Religiao
Gulshan Escher e Chelma Sangster
Vida
(1994)



O Advogado
John Grisham
Rocco
(1998)



Starting Out in the Afternoon
Jill Frayne
Random House Canada
(2002)



Ate Que Nada Mais Importe
Trad. Jerry o Dell Renata B. Coelho
Graça Editorial
(2001)



Alucinações Parciais
Frédéric Paul (cur.)
Inst. Tomie Ohtake/c. Pompidou
(2018)



Fundação Oswaldo Cruz - Oswaldo Cruz Foundation
Fiocruz
Fiocruz



Prometeu
Jorg Rasche
Cultrix
(2017)



O Cortiço
Aluizo de Azevedo e Douglas Tufano
Moderna
(2015)



Tomas Ender Pintor Austriaco na Corte de D. Joao Vi no Rio de Janeiro
J. F. de Almeida Prado
Companhianacional
(1955)





busca | avançada
51627 visitas/dia
1,8 milhão/mês