Prazeres escondidos | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
Mais Recentes
>>> Olhos Virtuais de 1lucas Diemer pela Abdr (2018)
>>> O Dom Supremo de Paulo Coelho / Henry Drummond pela Rocco (1994)
>>> Supply Chain Trust de Osvaldo de Salles Guerra Cervi pela Dvs (2006)
>>> Licitação - Teoria e Prática de João Carlos Mariense Escobar pela Livraria do Advogado (1999)
>>> 1° Ato de Renan Chiaparini pela Modo (2016)
>>> Manual do Advogado de Valdemar P. da Luz pela Sagra-d. C. Luzzatto
>>> Comece Em Propaganda Com uma Idéia de Alexandre Peralta pela Jaboticaba (2006)
>>> O Cavaleiro da Ilha do Corvo de Joaquim Fernandes pela Bussola (2011)
>>> Os Mandamentos da Qualidade Total de Alvaro José de Almeida Calegare pela Inter Qual
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Defending the History of Economic Thought de Steven Kates pela Edward Elgar (2013)
>>> Desnutrição Intra-uterina de Nóbrega Tonete Trindade pela Panomed Editorial (1982)
>>> Nietzche para Estressados de Allan Percy pela Sextante (2011)
>>> Mensalão de Merval Pereira pela Record (2013)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Nova Cultural (1987)
>>> Um Coach Grego de Eduardo Bomfiglio pela Besourolux (2015)
>>> Jdbc 2 - Guia de Consulta Rápida de Fábio Ramon pela Novatec
>>> O Segredo do Quadro de Carey Roberts pela Nova Cultural (1989)
>>> Terapia - Avareza de Ariel Dorfman pela Objetiva (1999)
>>> Os Trabalhadores do Mar de Victor Hugo pela Nova Cultura
>>> Lula: a Opção Mais Que o Voto de Candido Mendes pela Garamond (2002)
>>> Out of the Blue - Blueprint One Video Workbook de Nick Dawson pela Longman do Brasil (1996)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi; Diversos Autores pela Objetiva (2001)
>>> American Headway 3 - Second Edition - Teachers Pa de Liz Soars; John Soars pela Oxford do Brasil (2010)
>>> As Campânulas Azuis - Crônicas e Poesias de Maria do Céu Coutinho Louzã pela Rumo Editorial (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/6/2004
Prazeres escondidos
Eduardo Carvalho

+ de 6200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Acrescentei à minha biblioteca, nas duas últimas semanas, mais de quarenta novos volumes. É que a livraria ao lado do escritório em que trabalho, no Itaim, está liquidando, porque passará a vender livros de apenas uma editora. Nem todos esses volumes, é verdade, podem ser assim considerados livros. Alguns são relíquias curiosas, como lista de sites para navegar pela Internet de 1996, guias que não pretendo usar em breve, como New Zeland By Bike, e manuais interessantes, como Medical Botany. Mas selecionei também muita coisa boa e útil: como livros difíceis de encontrar, outros que eu enrolava para comprar, ou mesmo algumas raridades das quais nunca tinha ouvido falar.

Trinta volumes, pelo menos, então, podemos considerar livros. Como a antologia de ensaios de Saul Bellow, Tudo faz sentido, que merece uma edição revista e melhor traduzida, mas que contém ensaios sobre assuntos variados como Mozart, um inverno em Toscana e civilização. Saul Bellow é dos poucos escritores vivos que ainda acreditam em literatura. Comprei uma seleção de contos sua, Trocando os pés pelas mãos - Bellow, como um bom escritor americano, sabe escrever contos. Levei também, de tabela, Ravelstein, em que Bellow disseca a personalidade de seu amigo Allan Bloom - dono de uma erudição e de um apartamento fenomenais, foi uma das figuras mais interessantes e influentes no debate de idéias norte-americano.

Outro personagem curioso - para além de sua música - foi Stravinsky, que conviveu com Huxley, Eliot, Auden, Christopher Wood, e quem mais, em sua época, tivesse alguma expressão artística. Seu assistente pessoal, Robert Craft, maestro e crítico de música, escreveu esse Stravinsky - Crônica de uma amizade, resultado do diário que manteve durante mais de 20 anos de relacionamento com o compositor. Os dois circulam de Moscou à California, atravessando o mundo diversas vezes, mas Stravinsky, compreensivelmente, amou Veneza acima de todas as outras cidades - e lá foi enterrado. Como vários espíritos cosmopolitas, Stravinsky foi apaixonado pelo ambiente de Veneza: que, num espaço relativamente pequeno, resume o que é viver civilizadamente: o contato com a água, com o passado, com as artes - e quase todas as obrigações cumpridas de barco ou a pé.

A biografia de Edmund Wilson por Jeffery Meyers parece - ainda não li inteira - competente, com um texto rápido e muitos detalhes pessoais da vida de Wilson. Mas a editora Civilização Brasileira poderia ter escolhido alguém mais preparado para escrever a orelha - e não Fausto Wolf, que ainda reclama da "banalização da mídia" e do "conformismo que tomou conta dos leitores nos últimos vinte anos". Quando foi melhor? Comprei também, de Christopher Sawyer-Lauçanno, Escritores americanos em Paris, do qual Wolf provavelmente também adoraria assinar a orelha - mas não assinou. Gertrude Stein me cansou; Hemingway me fascinou com um ou dois contos, e nada mais; a vida de pessoal de Fitzgerald não me interessa muito, apesar de ter escrito um dos meus romances preferidos, The Great Gatsby. São muitos porres em Paris e poucas idéias dos americanos: valeu, no entanto, o preço que paguei na liquidação.

Eu já tenho a coleção da Globo de Em busca do tempo perdido, de Proust, traduzida, entre outros, por Mário Quintana, Cecília Meireles e Carlos Drummond de Andrade, mas os tomos estão quase se despedaçando. Comprei então a nova, da Ediouro, traduzida por Fernando Py. Pode ser que a tradução, como alguns reclamam, tenha simplificado ou alterado o texto original; ainda assim, a coleção é prática - condensada em apenas três volumes, em vez de sete -, num papel fino e com capas lindas. Outro clássico francês que trouxe para casa, com prefácio de Tarsila do Amaral, é O vermelho e o negro, de Stendhal, uma narrativa longa e às vezes pesada, mas com apuradas observações sociais e psicológicas.

Eu li Os homens preferem as loiras, de Anita Loss, publicado nos anos 20 com o apoio de Mencken, e que depois virou filme com Marilyn Monroe, mas ainda não tinha a continuação: Mas os homens se casam com as morenas. Não é verdade, mas enfim: o subtítulo também é cômico: O revelador diário de uma lady profissional. O livro é divertidíssimo, mas deve ter perdido a graça para quem se acostumou com confissões dessas - como disse um amigo - "escritoras-putas" atuais. É engraçado ainda reparar que, depois de oitenta anos, o modelo satirizado por Anita é apresentado, em livros e seriados, como estereótipo da mulher de sucesso. Não aprenderam nada. Mulher de sucesso é Patricia Highsmith, criadora do personagem Ripley - que, reduzido a um almofadinha homossexual, estrelou recentemente em alguns filmes. O livro está se desintegrando, mas ainda pretendo ler - mesmo que em outra edição - Uma questão de moral, que foi publicado no Brasil em 1989.

O livro de Peter Fleming, Uma aventura no Brasil, é muito lido por estrangeiros que visitam o país - e infelizmente desconhecido pelos brasileiros. Fleming veio para cá nos anos 30, e se enfiou numa expedição pelo interior do país. É o tipo de relato que, suspeito, foi escrito mais vezes por estrangeiros do que por brasileiros. Nessa mesma época, Maurício Nabuco - filho de Joaquim Nabuco - circulava por salões internacionais, e depois escreveu o simpático Drinkologia dos Estrangeiros, traçando as origens e recomendando as melhores combinações do que se oferecia elegante do Hotel dos Estrangeiros, no Rio. O posfácio é de Antonio Houaiss - que, se não entende de economia e política, pelo menos entendia de comida e bebida. Mauricio Nabuco tinha o hábito de, mesmo sozinho, jantar de smoking, e inventou uma engenhosa taça de champanhe: uma taça normal, mas sem a base para ser apoiada numa mesa. Nabuco gostava de seus convidados com o copo sempre na mão - e, portanto, levemente embriagados.

Uma edição com ensaios acadêmicos sobre Huckbelerry Finn, de Mark Twain, parece piada, para quem conhece o autor - que se dispôs a metralhar quem fizesse "interpretações" de seu livro. Huck é um dos personagens mais bacanas da literatura ocidental. Dispenso comparações do Rio Mississipi com a vida, etc., e comprei Adventures on Huckbelerry Finn por cinco páginas: um ensaio de T. S. Eliot sobre o livro. Henry James, porém, praticou um tipo de literatura, digamos assim, oposta à de Mark Twain - e em The Turn of the Screw, dizem, encontrou sua expressão máxima. Ando, ultimamente, distante de romances psicológicos - apesar de encantado com Proust -, e deixarei esse volume na prateleira enquanto leio O ponche dos desejos.

Pouca gente lê Michel Ende - o desconhecido escritor de A história sem fim -, que concentrou sua produção em literatura infantil. O ponche dos desejos é uma história criativa, com um relógio acompanhando as páginas e figuras diferentes das que encontramos em historinhas tradicionais. É o que precisarei para alternar com o conteúdo enciclopédico pesquisado por Alberto Costa e Silva, e publicado em A enxada e a lança, uma densa história da África antes da descoberta portuguesa - comparável, em rigor científico e ambição literária, com os melhores momentos de Gilberto Freyre.

Wilson Martins é o crítico literário mais odiado no Brasil, talvez por ser também o mais cosmopolita. Comprei apenas o segundo volume da sua monumental História de inteligência brasileira - que estranha por ser tão longa. O embaixador Sérgio Correa da Costa, no entanto, preferiu uma forma mais tranqüila e alternativa de narrar a história do Brasil: e descreveu, em Brasil: Segredo de Estado, passagens desconhecidas da história brasileira, que às vezes preferimos esquecer. A bonita Enciclopédia da Literatura Brasileira, de Afrânio Coutinho, deve ter exigido trabalho, pela extensão do seu conteúdo, mas se focou em autores conhecidos e em folclóricos. A impressão é que desafetos dos organizadores foram ignorados, ou injustamente reduzidos a notas muito curtas.

Machado de Assis também tinha inimigos. Josué Montello - que conhece profundamente Machado - selecionou algumas polêmicas do escritor, e publicou os artigos de suas disputas em Os inimigos de Machado de Assis. É bom ver que Machado - hoje unanimidade - nunca agradou a todos, mas também não aceitou passivamente as críticas que recebia. Diz muito, aliás, o fato de que vários de seus inimigos tenham desaparecido na história. O contraponto a Machado e Montello pode ser uma seleção de quadrinhos No One You Know, de Bek. Bek escreveu alguns capítulos de Seinfield, e é o primeiro nome que vários leitores da New Yorker procuram quando abrem a revista.

A idéia da evolução de Platão a Darwin é o subtítulo de Lance de dados - mais uma maravilha de Stephen Jay Gould, um desses escritores que silenciam quem reclama da produção literária atual. É, claro, um livro sobre ciência - e Gould é um cientista erudito -, mas nem por isso pode ser desconsiderado como literatura. Gould escreve de forma leve e agradável, apresentando idéias complexas - quando, digamos, revisa idéias sobre a Teoria da Evolução - usando a habilidade dos rebatedores de baseball como exemplo. City Life - Urban Expectation in a New World, de Witolt Rybczynsk, representa também essa safra de idéias contemporâneas realmente novas, descrita por autores competentes. Outro exemplo dessa tendência é Fiction on Business: Insights on Management From Great Literature, do ex-CEO e professor de literatura Robert A.Brawer. Brawer se limita aos clássicos para oferecer soluções a problemas empresarias, como a submissão dos interesses pessoais aos da corporação. É imperdível para quem divide o mundo em segmentos, e acha que a "vida real" é muito diferente da "dos livros".

Não recomendo, apesar das compras que fiz, que procurem a livraria em que passei horas, nas últimas semanas. Quase tudo se esgotou. Todos os livros que comprei eram exemplares únicos. E nem eu mesmo pretendo ler todos esses livros em breve. Não sou adepto de um método sistemático de leitura. Guardarei a maioria na prateleira, enquanto acabo os que já comecei. Para que, um dia - daqui, digamos, uns vinte anos -, eu esbarre com Patrícia Highsmith de novo, e decida acompanhar a história de um garoto de 15 anos numa pequena cidade no interior dos Estados Unidos. É por acaso que descobrimos prazeres escondidos.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 4/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Internet: uma revolução de Jardel Dias Cavalcanti
02. Promoarte 2001 de Adriana Baggio


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
04. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2009
21h49min
Olha, depois de cinco anos o primeiro comentário a esse texto é: a biografia do Edmund Wilson pelo Jeffrey Meyers, da Civilização Brasileira, foi mal traduzida. Aliás, mal encadernada também, as páginas de fotos estão caindo aqui. Mas a iniciativa de traduzir/publicar a biografia do Wilson merece vários elogios.
[Leia outros Comentários de Guilherme Montana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Aprendiz
Bill Rancic
Landscape
(2005)



A Grammar of Spoken Brazilian Portuguese
Earl W. Thomas
Vanderbilt University Press
(1974)



A Viagem ao Sucesso
Pedro Cardoso
Gente
(2007)



Magnificat iii
Silvia Maria D. Domingos
Scortecci
(2014)



Competindo na Terceira Onda
Jeremy Hope e Tony Hope
Campus



Planos e Adaptações de Deus
Otto S. Joas
Adventista
(1999)



Pânico em Nova Iorque
Irwin Lewis
Edameris
(1966)



Pré-vestibular Matemática - Livro 3
Sistema de Ensino Poliedro
Sistema de Ensino Poliedro
(2015)



Coleção Octa + - Volume 2.
Cassia Cristina S. Pereira e Outros.
Poliedro
(2018)



A Estranha Tia da Rua dos Maracujás
Liliana Iacocca
Ftd
(1991)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês