De outra volta ao Brasil | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Atmosphere
Mais Recentes
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras de Joaquim Ferreira dos Santos - organizador pela Objetiva (2007)
>>> O tigre na sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Elza de Zeca Camargo pela Casa da Palavra (2018)
>>> Sexo no cativeiro de Esther Perel pela Objetiva (2007)
>>> O clube do filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> Coisa de Inglês de Geraldo Tollens Linck pela Nova Fronteira (1986)
>>> As mentiras que os mulheres contam de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2015)
>>> Equilíbrio e Recompensa de Lourenço Prado pela Pensamento
>>> Cadernos de História e Filosofia da Ciência de Fátima R. R. Évora (org.) pela Unicamp (2002)
>>> Revista Internacional de Filosofia de Jairo José da Silva (org.) pela Unicamp (2000)
>>> Dewey um gato entre livros de Vicki Myron pela Globo (2008)
>>> Ilha de calor nas metrópoles de Magda Adelaide Lombardo pela Hucitec (1985)
>>> Sua santidade o Dalai Lama de O mesmo pela Sextante (2000)
>>> Meninas da noite de Gilberto Dimenstein pela Ática (1992)
>>> Paulo de Bruno Seabra pela Três (1973)
>>> Grandes Enigmas da Humanidade de Luiz C. Lisboa e Roberto P. Andrade pela Círculo do livro (1969)
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Jonathan Seagull pela Nórdica (1974)
>>> Os Enigmas da Sobrevivência de Jacques Alexander pela Edições 70 (1972)
>>> Mulheres visíveis, mães invisíveis de Laura Gutman pela Best Seller (2018)
>>> Construir o Homem e o Mundo de Michel Quoist pela Duas cidades (1960)
>>> Vida Positiva de Olavinho Drummond pela Olavinho Drummond (1985)
>>> Força para Viver de Jamie Buckingham pela Arthur S. DeMoss (1987)
>>> Consumidos de David Cronemberg pela Alfaguara (2014)
>>> Viver é a melhor opção de André Trigueiro pela Correio Fraterno (2015)
>>> O Caso da Borboleta Atíria de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1987)
>>> Cânticos de Cecília Meireles pela Moderna (1995)
>>> Caminho a Cristo de Ellen G. White pela Cpb - Casa Publicadora Brasileira (2019)
>>> Um Estranho no Espelho de Sidney Sheldon pela Nova Cultural (1986)
>>> Le Divorce de Diane Johnson pela Record (1999)
>>> Trajetória do Silêncio de Maria do Céu Formiga de Oliveira pela Massao Ohno-Roswitha Kempf (1986)
>>> Zezinho, o Dono da Porquinha Preta de Jair Vitória pela Ática (1992)
>>> Aconselhamento Psicológico de Ruth Scheeffer pela Atlas (1981)
>>> Razão e Revolução de Herbert Marcuse pela Paz e Terra (1978)
>>> A Doutrina de Buda de Bukkyo Dendo Kyokai pela Círculo do livro (1987)
>>> Somos Todos Inocentes de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (1997)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (1980)
>>> Vida e Obra de Anália Franco de Maria Cândida Silveira Barros pela Copidart (1982)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/8/2004
De outra volta ao Brasil
Eduardo Carvalho

+ de 3500 Acessos

Acabei de voltar de mais uma viagem pelo Brasil - depois de, coincidentemente, ter escrito as duas colunas passadas sobre outra viagem que fiz. Esta foi mais curta, em tempo e distância: rodamos - eu e meu pai -, de carro, 5.000 km em dez dias. Saímos de São Paulo em direção a Campo Grande, e depois passamos por Cuiabá, Mineiros, Rio Verde, Goiânia, etc. Em resumo, a impressão foi a seguinte: o Brasil está mudando - ou já mudou? - numa velocidade incrível.

É impressionante o que se encontra hoje no interior do Mato Grosso, onde, há uma ou duas décadas, havia apenas pecuária extensiva e desprofissionalizada. Gaúchos e catarinenses, na maioria, estão cultivando um oceano de soja, milho e algodão, com a mais avançada tecnologia do mundo e em parceria com empresas internacionais. As cidades estão crescendo e se organizando, acompanhando o enriquecimento do campo: comércio e serviços estão em ebulição, abrindo espaço ao empreendedorismo honesto.

Esse fenômeno passa quase despercebido por São Paulo, que o acompanha pela televisão e pelo jornal apenas. Pouca gente, a não ser que esteja ligada ao assunto, visita esses lugares, para ver de perto o impacto da macroeconomia na micro. Os exemplos usados para ilustrar a - argh! - "globalização" são normalmente depreciativos, o que distorce a impressão dos mais ingênuos. É no mínimo ilustrativo descobrir que o hectare de terra cultivável pode chegar, no Mato Grosso, a 100 mil reais, enquanto em grandes cidades do interior de São Paulo ele oscila, no alto, em torno de 25 mil. O avanço do agronegócio no Brasil também é resultado da - argh! - globalização.

Esse assunto merece, urgentemente, um documentário completo, para que, com informações e imagens, o paulistano comum se dê conta do que acontece no resto do Brasil - em vez de esgotar sua paciência com caricaturas de pobreza na tela do cinema. Já tem gente de olho, e injetando muito dinheiro nisso, segundo o dono do hotel que me hospedei em Mineiros: "De uns 3 anos pra cá, tem aumentado muito o número de estrangeiros aqui. E, vou te contar, eles não vêm pra cá só por causa da beleza, não". Deu pra perceber. Na semana seguinte, o jornal Valor Econômico publicou uma série de reportagens sobre fundos estrangeiros especializados em investimento no cerrado brasileiro. Esse provavelmente é, no Brasil, o assunto mais importante no momento.

Documentado errado

Sugeri que se faça um documentário sobre as regiões de fronteira agrícola brasileira, que mostre a evolução dessas áreas em relação ao que eram há pouco tempo, mas que, por favor, não seja dirigido pela mesma equipe que foi para a China produzir o Globo Repórter sobre o país. Que os comentários de um programa assim, tão popular, sejam superficiais, é compreensível, mas a última frase da repórter foi arrepiante, começando assim: "Depois de milênios (sic) parada no tempo", e continuava dizendo que agora, talvez, a China emplaque definitivamente.

Reabro Uma História Íntima da Humanidade, de Theodore Zeldin, antes de dormir, e por acaso encontro esta passagem: "É claro que a China teve a sua Revolução Industrial e experimentou a produção em massa, enquanto a Europa permanecia na Idade Média. Mil anos atrás, a China passou por uma revolução financeira e nas comunicações, quando inventou o papel moeda, a impressão e um sistema barato de transporte aquático através de canais, criando um vasto mercado nacional e um indústria de exportação poderosa, que se tornou na principal fonte de produtos do mundo. Provavelmente a China lucrou mais com a descoberta das Américas do que qualquer outro país, pois metade da prata ali minerada antes de 1800 acabou em seus cofres para pagamento de seda, cerâmica e chá, que eram os refrigeradores, televisores e computadores dos dias de hoje".

Outro livro altamente recomendável à repórter é História do Mundo, de J. M. Roberts - que, com apenas 800 páginas, oferece um panorama do que aconteceu na terra desde a pré-história. É agradável e informativo e, se o leitor não decorar tudo - ninguém decora -, pelo menos descobre que nem tudo que se passou na Terra a gente aprende durante o colegial.

Uma história íntima

Uma história íntima da humanidade, de Theodore Zeldin, é um dos livros mais fascinantes que conheço. Talvez o título passe uma idéia distorcida do assunto: a intenção não é apresentar fofocas esquecidas de personalidades históricas - o que também é um assunto curioso, mas batido. A linha de uma História íntima é bem diferente: Theodore Zeldin, no início de cada capítulo, apresenta a situação de uma mulher francesa - seus problemas pessoais, profissionais e emocionais -, com informações coletadas numa ampla pesquisa de campo. E busca no desenvolvimento da civilização ocidental a origem dos problemas dessas mulheres, para depois, comparando hábitos de outros países e civilizações, propor soluções para eles.

O cientificismo histórico e o relativismo cultural barraram, por décadas, iniciativas como a de Zeldin. Uma história íntima é escrito num método incomum para obras acadêmicas, porque inclui opiniões pessoais e comparações entre culturas - duas características inaceitáveis em redações "científicas", principalmente em paises atrasados. Zeldin, porém, é catedrático de Oxford, e acredita no seguinte: que ideologias como o nacionalismo e o marxismo esvaziaram as ambições dos historiadores, que agora se limitam a tentar reproduzir o que aconteceu no passado - em vez de oferecer opções à sociedade contemporânea baseadas em experiências em outras épocas ou em outros lugares.

E cada capitulo começa com uma pergunta ou uma afirmação: "Como homens e mulheres lentamente aprenderam a ter conversas interessantes"; "Como algumas pessoas adiquiriram imunidade à solidão"; "Como as pessoas se libertam do medo ao conhecer medo novos"; "Como a curiosidade se tornou a chave da liberdade"; "Por que as pessoas são incapazes de encontrar tempo para viver várias vidas"; "O que se torna possível quando almas gêmeas se encontram"; e assim por diante. E Zeldin transporta o leitor, num estilo fácil, das particularidades da pessoa descrita para história de civilizações distantes: mostrando que não sofremos sozinhos no mundo, e que soluções encontradas por uma sociedade pode resolver problemas de outras.

O livro não é, porém, um ataque à Civilização Ocidental. Muito ao contrário: em grande parte, é um elogio à capacidade de comunicação e exploração do Ocidente. Mas expõe os seus defeitos: Zeldin insiste que muitos dos nossos costumes precisam ser - e serão - revistos, porque estão em desacordo com a nossa própria condição humana.

Só que, nesse meio tempo, muita gente está sofrendo por isso: mulheres que assumem múltiplas responsabilidades, chefes que abusam de uma autoridade artificial, casais que se desentendem à toa, crianças que são educadas por teorias da moda, etc. Ou seja: em estado invisível, erros cometidos pelos nossos antepassados afetam diretamente a forma como nos relacionamos hoje. Esses erros, no entanto, podem ser corrigidos. Essa é a intenção de Zeldin: apresentar escolhas ao modo como aproveitamos o mundo. Porque ele não precisava ser assim. E pode, portanto, ser diferente.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 13/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Notas sobre a Escola de Dança de São Paulo - I de Elisa Andrade Buzzo
02. O poeta, a pedra e o caminho de Wellington Machado
03. Cognição Estética contra o Logos (Parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. O Guia Prático do Português Correto da L&PM de Marcelo Spalding
05. Esquecendo de mim de Marta Barcellos


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
03. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
04. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ORDEM
HUGH HOWEY
INTRÍNSECA
(2015)
R$ 21,00



CATEGORIAS CONCEITUAIS DA SUBJETIVIDADE
FABIO THÁ
ANNABLUME
(2007)
R$ 18,00



A EQUAÇAO DOS SONHOS
GISELE CHABOUDEZ
CIA DE FREUD
(2000)
R$ 15,00



AJUDE SEU FILHO A CONVERSAR COM VOCÊ - TEORIA E CLÍNICA FONOAUDIOLÓGICA E PSICOMOTORA
HELENA MARINHO
REVINTER
(2012)
R$ 24,90



ENCONTRO COM OS DEUSES
JAIME GUEDES
MANDÁLIA
(1978)
R$ 10,00



A QUEDA PARA O ALTO - HERZER (LITERATURA BRASILEIRA - MEMÓRIAS)
HERZER
VOZES
(1987)
R$ 7,00



PALAVRAS DE UM PROFESSOR
SAN TIAGO DANTAS
FORENSE
(2001)
R$ 130,00



VARIANDO O CARDÁPIO VOL. 1
VÁRIOS AUTORES
NESTLÉ
(1991)
R$ 15,00



INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA FILOSOFIA VOL. 1 DOS PRÉ-SOCRÁTICOS
MARILENA CHAUI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2002)
R$ 60,00



MASTERS OF CINEMA: ALFRED HITCHCOCK
ALFRED HITCHCOCK; BILL KROHN
PHAIDON PRESS
(1972)
R$ 30,00





busca | avançada
47273 visitas/dia
1,3 milhão/mês