Mistério em Moscou | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
57030 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Hebraica recebe exposição de Victor Brecheret
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA TRAZ GUI MONTEIRO E CONVIDADOS ESPECIAIS PARA A PROGRAMAÇÃO DO SOM NA PRAÇA
>>> Omodé: O Pequeno Herói Preto no Sesc Bom Retiro
>>> Estímulo Mostra de Dança do 40 Festival de Dança de Joinville trará para o palco do Juarez Machado
>>> Sesc Sorocaba apresenta Nas Águas do Imaginar com a Companhia de Danças de Diadema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
>>> Diogo Salles no Roda Viva
>>> Pulp Fiction e seus traços em Cocaine Bear
>>> Rabhia: 1 romance policial moçambicano
>>> Nélio Silzantov e a pátria que (n)os pariu
>>> Palavras/Imagens: A Arte de Walter Sebastião
>>> Rita Lee Jones (1947-2023)
>>> Kafka: esse estranho
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> O batom na cueca do Jair
Colunistas
Últimos Posts
>>> Interney sobre inteligência artificial (2023)
>>> Uma história do Yahoo! (2014)
>>> O Lado B da MTVê
>>> A história de Roberto Vinháes (2023)
>>> Something About You (Cary Brothers & Laura Jansen)
>>> Uma história do Airbnb (2023)
>>> Vias da dialética em Platão
>>> Uma aula sobre MercadoLivre (2023)
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
Últimos Posts
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
>>> Belém, entre a cidade política, a loja e a calçada
>>> Minha Mãe
>>> Pelé, eterno e sublime
>>> Atire a poeira
>>> A Ti
>>> Nem o ontem, nem o amanhã, viva o hoje
>>> Igualdade
>>> A baleia, entre o fim e a redenção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As fitas cassete do falecido tio Nelson
>>> One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt
>>> Vamos Banir os Aplausos
>>> A crise segundo Marcel Telles
>>> Seis vezes Caetano Veloso, por Tom Cardoso
>>> Sobre caramujos e Omolu
>>> Dialogando com o público leitor
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O Filho da Noiva
>>> Os superdotados
Mais Recentes
>>> The American Woman's Garden de Rosemary Verey e Ellen Samuels pela New York Graphic Society (1984)
>>> Europe: A History de Norman Davies pela Pimlico (1997)
>>> A Gênese de Nova Friburgo - Emigração e Colonização Suíça no Brasil de Martin Nicoulin pela Biblioteca Nacional (1996)
>>> Psicomotricidade : da Educação Infantil À Gerontologia - Teoria & Prática de Carlos Alberto Mattos (organizador) pela Lovise (2000)
>>> M, o Filho do Século de Antonio Scurati pela Intrinseca (2019)
>>> State and Opposition in Military Brazil de Maria Helena Moreira Alves pela University Texas Press (1988)
>>> Psicomotricidade Relacional Pratica Clinica e Escolar de Suzana Veloso Cabral pela Revinter (2001)
>>> Alegria e Triunfo de Lourenco Prado pela Pensamento (1989)
>>> Os Elefantes não esquecem capa dura de Agatha Christie pela Circulo do Livro (1999)
>>> Assassins Cred Irmandade de Oliver Bowden pela Galera (2013)
>>> Atenção Plena: Mindfulness de Mark Williams e Danny Penman pela Sextante (2015)
>>> O Casório de Marian Keyes pela Bertrand Brasil (2005)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2002)
>>> Madame Bovary (foto Ilustrativa) de Gustave Flaubert pela Nova Alexandria (2007)
>>> A Ilha Perdida de Maria José Dupré pela Ática (1980)
>>> A Cabana de William P Young pela Sextante (2008)
>>> O repouso do Guerreiro de C Rochefort pela Abril (1980)
>>> Na cortina do Tempo de Edgard Armond pela Aliança (1978)
>>> Guia de Passeios São Francisco de Publifolha pela Publifolha (2010)
>>> Entropia de Alexandre Marques Rodrigues pela Record (2016)
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Gaudi (2011)
>>> Introdução a administração de Antonio Cesar Amaru Maximiano pela Atlas (2000)
>>> Metodologia Científica de Marina de Andrade Marconi e Eva Maria Lakatos pela Atlas (2004)
>>> Tratado de Metodologia Cientifica de Silvio Luiz de Oliveira pela Pioneira (1999)
>>> Luz Fria de Marcos Gomes pela Patua (2005)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/9/2004
Mistério em Moscou
Eduardo Carvalho
+ de 5300 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Moscou é exótica e distante - mas não impressiona apenas por causa disso. Bangkok, por exemplo, é ainda mais longe e diferente, mas - o que acontece? - não tem o mesmo magnetismo. A sensação que tenho é de que o mundo é fascinado por Moscou. É que a capital russa concentra características inimitáveis, culturais e geográficas: está isolada no meio do mundo e foi - é - o centro político de um império curioso. Moscou é uma cidade misteriosa.

Quem construiu tudo aquilo? Ande hoje pela cidade: e - por mais que você conheça, de cabo a rabo, a história daquele povo - fica difícil acreditar. Todas as construções são monstruosas: as bibliotecas, as pontes, as igrejas, a universidade, o Kremlin. Ninguém, agora, parece estar trabalhando - e quando trabalha é com uma ineficiência irritante. Moscou está triste e cansada. A cidade um dia - há poucas décadas - foi o centro do mundo: mesmo que não tenha sido sozinha. Quantas cenas de filmes de sucesso e livros de suspense se passaram, digamos, no Gorky Park?

Os melhores detetives se encontraram, discretamente, sob suas árvores, e trocaram informações que podiam destruir ou salvar o mundo. Muita gente, de Seattle a Curitiba, assistiu, numa noite de inverno, James Bond subindo numa das mais altas rodas gigantes do mundo, no Gorky Park. Aquele foi um lugar importante e inatingível. O que aconteceu? O parque hoje está infestado de policiais desconfiados de terroristas. A roda gigante está caindo aos pedaços - apesar de a vista, lá de cima, ainda ser especial, com o Rio Moscou e a Universidade no fundo.

Moscou é, para os estrangeiros, uma cidade elegante e cosmopolita. Esse espírito permanece, mas é pontual - como em São Paulo. Poucos estrangeiros visitam a cidade, e seus habitantes, em geral, ainda vivem nas margens do Ocidente. Em Moscou, porém, há algo de inexplicável - de silencioso - no ar: e isso cria um clima, em certo sentido, encantador. A impressão, de fora do Kremlin, é que estão bolando, dentro de muros tão altos, novas estratégias para dominar o mundo, enquanto esquecemos deles. Se conseguirão? Deveriam antes lubrificar as engrenagens de sua roda gigante.

Música de criança

Saiu - há um, dois anos - um dos CDs mais agradáveis que conheço: a gravação, de Caio Pagano, das adaptações para o piano de Vila Lobos fez de cantigas brasileiras. Estão lá tesouros que, em uma geração, sumiram do repertório popular brasileiro, para nunca mais voltar - a não ser em iniciativas como esta: "Ciranda, cirandinha", "O Cravo", etc. Pagano precisou gravar o CD na Alemanha e, até onde sei, ainda não conseguiu distribuidora no Brasil. (Onde estão nossos - como dizem? - "mecenas"?) Comprei minha cópia por telefone, na revista Concerto, depois de me encantar, por 30 segundos, na Rádio Cultura, com a abertura de "Samba Lelê", que há pelo menos quinze anos não ouvia. É a minha música preferida. Entrei em outra dimensão.

Conversação

Outro livro fantástico de Theodore Zeldin - autor de Uma História Íntima da Humanidade - é Conversação, que tem o dispensável subtítulo: Como um bom papo pode mudar a sua vida. O volume, pequeno e curto, tem o formato e, por dentro, o tom de auto-ajuda. Algumas passagens podem até confundir o leitor: "O fundamental é coragem", "A especialização precisa ser contrabalançada por seu oposto", "Mas vale a pena tentar falar com pessoas que, aparentemente, nada têm em comum conosco", etc. É preciso um pouco de compreensão: o livro é resultado de uma seqüência de palestras de Zeldin para a rádio BBC. Nem todas as frases, portanto, podem ser diferentes, inesperadas.

O que importa é que, no balanço, Zeldin oferece ao leitor, mais uma vez, uma perspectiva otimista do mundo - sem esbarrar na burrice, o que parece uma tarefa impossível. Conversação funciona, de um lado, como um manual para conversas educadas e estimulantes; mas o livro funciona também, e acima de tudo, como um vermífugo para cacoetes e vícios que, sem perceber, cultivamos durante encontros. Zeldin nos ajuda a rever esses nossos defeitos e, de quebra, compreender ou, pelo menos, saber onde estão os dos outros. A comunicação, escrita ou falada, vale muito pelo que contém mas, de vez em quando, seus buracos podem distorcer idéias e provocar desentendimentos. Como tapar esses buracos?

Zeldin já começa bem, lembrando, na primeira frase do livro, um anúncio da British Telecom, que - para estimular bate-papos no telefone - dizia o seguinte: "Conversar é bom"; Zeldin corrige: "Mas é claro que isso é apenas uma meia verdade".


Eduardo Carvalho
São Paulo, 10/9/2004

Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004
04. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
05. O chinês do yakissoba - 5/3/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/9/2004
00h51min
Sua coluna está excelente, aliás, como sempre. Gostei, particularmente, do título, que cairia muito bem num romance de espionagem.
[Leia outros Comentários de Luis Eduardo Matta]
13/9/2004
21h08min
Salve Eduardo, conte-nos mais sobre Moscou. Parece-me fascinante todo aquele gelo e a paisagem cinzenta. E a vodca de lá, faz frente à vodca polonesa? Espero poder ler esse "manual" de conversação do Theodore Zeldin. Em tempos tão hostis, nada como um bom papo para nos livrar de algumas modorras e também de alguns preconceitos. Sucesso!
[Leia outros Comentários de Gui]
26/9/2004
23h10min
Caro Eduardo, assim que li sua reportagem corri direto para minha CDteca pois possuo um CD com as cirandas de Villa-Lobos. Pensei ser o mesmo que você citou neste seu artigo. Contudo, comprovei que é um gravado pelo pianista Homero de Magalhães, em gravação original de fevereiro de 1960, reeditado em 2000, pela Dubas Música/Universal Music. O disco apresenta duas capas: a original, de Michel Scharter e Aloísio magalhães, e a da edição de 2000, de Carlos Scliar. Entre as mais conhecidas temos Terezinha de Jesus, A Senhora Dona Sancha, O Cravo brigou com a Rosa, Passa, passa, gavião, Fui no Tororó, Nesta rua, nesta rua, A canoa virou. Bem, pelo menos são as que eu ouvia quando garoto. O resto, de um total de 16 cirandas, mostram o belo trabalho de Villa-Lobos em recriar para o piano estes exemplares do cancioneiro popular brasileiro. Eu o adquiri, pasmem, num tabuleiro de CDs a R$ 6,90. Abraços
[Leia outros Comentários de Pedro Paulo Matos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diálogos Com a Calçada
Flávio Prada
Terra Molhada
(2012)



A Execução de Sentença no Acidente do Trabalho
Lauro Santo de Camargo
Saraiva
(1994)



Seus Pontos Fracos
Wayne W. Dyer
Nova Era
(2007)



Meu Nome é Memória
Ann Brashares
Suma de Letras
(2014)



Entre o Agora e o Sempre
J. A. Redmerski
Suma de Letras
(2014)



O Que é justiça
Julio Cesar Tadeu Barbosa
Abril Cultura Brasiliense
(1984)



Amor Impossível Possível Amor
Pedro Bandeira
Ftd
(1997)



História Económica da Europa Pré Industrial
Carlo M. Cipolla
Edições 70
(1988)



Atlas construcción 4
G. D. Jerie
Labor
(1957)



Vivendo de Cinema
Tony de Sousa
Lcte
(2009)





busca | avançada
57030 visitas/dia
1,3 milhão/mês