Mistério em Moscou | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
>>> O INVISÍVEL
>>> Meu reino por uma webcam
>>> De louco todos temos um pouco
>>> Doces Cariocas
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Weezer & Tears for Fears
Mais Recentes
>>> Administração e Eficaz de Ellen G. White pela Religião
>>> Amor de Perdição de Camilo Castelo Branco pela Martin Claret Pocket (1999)
>>> A Chance de uma Bola de Neve no Inferno da Natureza de Fronhas e Lenço de Fabio Brandi Torres pela Patuá (2014)
>>> Noite-égua de Nelson Rego pela Terceiro Selo (2015)
>>> Direito Constitucional - Décima Nona de Alexandre de Moraes pela Atlas (2006)
>>> Bar Don Juan de Antônio Callado pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Passagem para Ravena de José Ricardo Moreira pela Formato (2004)
>>> Moderna Plus - Geografia - Parte II de Lygia Terra pela Moderna (2011)
>>> Revolução do Caráter de Peter Howard pela Palácio dos Livros (1964)
>>> Pippi Longstocking de Astrid Lindgren; Louis S. Glanzman pela Puffin Usa
>>> Woyzeck. Leonce e Lena de Georg Büchner pela Ediouro
>>> Tanto Barulho por Tullia de Ilaria Borrelli pela Globo
>>> Ratos e Homens - Edição de Bolso - Texto Integral de John Steinbeck pela L&pm Pocket (2007)
>>> Doing Business in Brazil (versão Em Português) de Vários Autores pela Britcham (2007)
>>> Negociação Total de José Augosto Wanderley pela Gente (1998)
>>> A Cama Desfeita de François Sagan pela Circulo do Livro
>>> Minha Vida Indecisa de Jessica Brody pela Novo Seculo (2012)
>>> Seu Léo e o Pintadinho de Odette de Barros Mott pela Atica (1987)
>>> Manual Merck de Informação Médica: Saúde para a Família de Robert Berkow pela Manole (2002)
>>> Aventuras do Cara de Macaco, as - V. 3 de Knife & Packer; Marcia Regina Frai pela Fundamento (2016)
>>> Etica Empresarial - 3ªrevista de Robert Henry Srour pela Campus (2008)
>>> As Digitais das Sombras de Wilker Sousa pela Patuá
>>> Os Pensadores: Wittgenstein de Victor Civita pela Nova Cultura
>>> Uma Canção Nas Trevas de Edgar Wallace pela Abril Cultural (1982)
>>> A Mula de Juan Eslava Galán pela Benvira (2010)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/9/2004
Mistério em Moscou
Eduardo Carvalho

+ de 5000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Moscou é exótica e distante - mas não impressiona apenas por causa disso. Bangkok, por exemplo, é ainda mais longe e diferente, mas - o que acontece? - não tem o mesmo magnetismo. A sensação que tenho é de que o mundo é fascinado por Moscou. É que a capital russa concentra características inimitáveis, culturais e geográficas: está isolada no meio do mundo e foi - é - o centro político de um império curioso. Moscou é uma cidade misteriosa.

Quem construiu tudo aquilo? Ande hoje pela cidade: e - por mais que você conheça, de cabo a rabo, a história daquele povo - fica difícil acreditar. Todas as construções são monstruosas: as bibliotecas, as pontes, as igrejas, a universidade, o Kremlin. Ninguém, agora, parece estar trabalhando - e quando trabalha é com uma ineficiência irritante. Moscou está triste e cansada. A cidade um dia - há poucas décadas - foi o centro do mundo: mesmo que não tenha sido sozinha. Quantas cenas de filmes de sucesso e livros de suspense se passaram, digamos, no Gorky Park?

Os melhores detetives se encontraram, discretamente, sob suas árvores, e trocaram informações que podiam destruir ou salvar o mundo. Muita gente, de Seattle a Curitiba, assistiu, numa noite de inverno, James Bond subindo numa das mais altas rodas gigantes do mundo, no Gorky Park. Aquele foi um lugar importante e inatingível. O que aconteceu? O parque hoje está infestado de policiais desconfiados de terroristas. A roda gigante está caindo aos pedaços - apesar de a vista, lá de cima, ainda ser especial, com o Rio Moscou e a Universidade no fundo.

Moscou é, para os estrangeiros, uma cidade elegante e cosmopolita. Esse espírito permanece, mas é pontual - como em São Paulo. Poucos estrangeiros visitam a cidade, e seus habitantes, em geral, ainda vivem nas margens do Ocidente. Em Moscou, porém, há algo de inexplicável - de silencioso - no ar: e isso cria um clima, em certo sentido, encantador. A impressão, de fora do Kremlin, é que estão bolando, dentro de muros tão altos, novas estratégias para dominar o mundo, enquanto esquecemos deles. Se conseguirão? Deveriam antes lubrificar as engrenagens de sua roda gigante.

Música de criança

Saiu - há um, dois anos - um dos CDs mais agradáveis que conheço: a gravação, de Caio Pagano, das adaptações para o piano de Vila Lobos fez de cantigas brasileiras. Estão lá tesouros que, em uma geração, sumiram do repertório popular brasileiro, para nunca mais voltar - a não ser em iniciativas como esta: "Ciranda, cirandinha", "O Cravo", etc. Pagano precisou gravar o CD na Alemanha e, até onde sei, ainda não conseguiu distribuidora no Brasil. (Onde estão nossos - como dizem? - "mecenas"?) Comprei minha cópia por telefone, na revista Concerto, depois de me encantar, por 30 segundos, na Rádio Cultura, com a abertura de "Samba Lelê", que há pelo menos quinze anos não ouvia. É a minha música preferida. Entrei em outra dimensão.

Conversação

Outro livro fantástico de Theodore Zeldin - autor de Uma História Íntima da Humanidade - é Conversação, que tem o dispensável subtítulo: Como um bom papo pode mudar a sua vida. O volume, pequeno e curto, tem o formato e, por dentro, o tom de auto-ajuda. Algumas passagens podem até confundir o leitor: "O fundamental é coragem", "A especialização precisa ser contrabalançada por seu oposto", "Mas vale a pena tentar falar com pessoas que, aparentemente, nada têm em comum conosco", etc. É preciso um pouco de compreensão: o livro é resultado de uma seqüência de palestras de Zeldin para a rádio BBC. Nem todas as frases, portanto, podem ser diferentes, inesperadas.

O que importa é que, no balanço, Zeldin oferece ao leitor, mais uma vez, uma perspectiva otimista do mundo - sem esbarrar na burrice, o que parece uma tarefa impossível. Conversação funciona, de um lado, como um manual para conversas educadas e estimulantes; mas o livro funciona também, e acima de tudo, como um vermífugo para cacoetes e vícios que, sem perceber, cultivamos durante encontros. Zeldin nos ajuda a rever esses nossos defeitos e, de quebra, compreender ou, pelo menos, saber onde estão os dos outros. A comunicação, escrita ou falada, vale muito pelo que contém mas, de vez em quando, seus buracos podem distorcer idéias e provocar desentendimentos. Como tapar esses buracos?

Zeldin já começa bem, lembrando, na primeira frase do livro, um anúncio da British Telecom, que - para estimular bate-papos no telefone - dizia o seguinte: "Conversar é bom"; Zeldin corrige: "Mas é claro que isso é apenas uma meia verdade".


Eduardo Carvalho
São Paulo, 10/9/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Em busca da adrenalina perdida de Marta Barcellos
02. Baudelaire, um pária genial (parte III) de Jardel Dias Cavalcanti
03. Notas Musicais de Rafael Azevedo


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
03. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
04. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/9/2004
00h51min
Sua coluna está excelente, aliás, como sempre. Gostei, particularmente, do título, que cairia muito bem num romance de espionagem.
[Leia outros Comentários de Luis Eduardo Matta]
13/9/2004
21h08min
Salve Eduardo, conte-nos mais sobre Moscou. Parece-me fascinante todo aquele gelo e a paisagem cinzenta. E a vodca de lá, faz frente à vodca polonesa? Espero poder ler esse "manual" de conversação do Theodore Zeldin. Em tempos tão hostis, nada como um bom papo para nos livrar de algumas modorras e também de alguns preconceitos. Sucesso!
[Leia outros Comentários de Gui]
26/9/2004
23h10min
Caro Eduardo, assim que li sua reportagem corri direto para minha CDteca pois possuo um CD com as cirandas de Villa-Lobos. Pensei ser o mesmo que você citou neste seu artigo. Contudo, comprovei que é um gravado pelo pianista Homero de Magalhães, em gravação original de fevereiro de 1960, reeditado em 2000, pela Dubas Música/Universal Music. O disco apresenta duas capas: a original, de Michel Scharter e Aloísio magalhães, e a da edição de 2000, de Carlos Scliar. Entre as mais conhecidas temos “Terezinha de Jesus”, “A Senhora Dona Sancha”, “O Cravo brigou com a Rosa”, “Passa, passa, gavião”, “Fui no Tororó”, “Nesta rua, nesta rua”, “A canoa virou”. Bem, pelo menos são as que eu ouvia quando garoto. O resto, de um total de 16 cirandas, mostram o belo trabalho de Villa-Lobos em recriar para o piano estes exemplares do cancioneiro popular brasileiro. Eu o adquiri, pasmem, num tabuleiro de CDs a R$ 6,90. Abraços
[Leia outros Comentários de Pedro Paulo Matos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cal - um Diário de Amor e Terrorismo na Irlanda.
Bernard Mac Laverty
Brasiliense
(1986)



Équitation Classique Expliquée (cavalos)
Henri Decelle
Crépin Leblond
(1988)



Concubinato União Estavel
Irineu Antonio Pedrotti
Leud
(1997)



Carta a Proba e a Juliana. Direção espiritual
Santo Agostinho
Paulinas
(1987)



Projeto Universos - História - 9º Ano - 2º
Ediçoes Sm
Sm
(2012)



Revista Careta Nº 2745
Tarso de Castro
Três
(1981)



El Libro de las Tintas
Ruth Rocha e Otávio Roth
Melhoramentos
(1992)



Açucar: Amigo Ou Vilão?
Yotaka Fukuda
Manole
(2004)



Nova Enciclopédia da Família Vol. 5
Diário de São Paulo
Visor
(2004)



A adúltera
Adelaide Carraro
A L Oren





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês