O clássico e a baleia quadrúpede | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Quarta-feira, 9/2/2005
O clássico e a baleia quadrúpede
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Aprendi a ler porque queria alcançar as letras de um outdoor que existia no caminho da escola. Não aprendi a ler porque uma "tia" me obrigou ou porque era o processo natural de quem estava no "prezinho". Aprendi a ler porque quis. E isso acelerou meu aprendizado, a ponto de haver comentário da professora. Se fosse em Matemática, naquela época, teriam chamado minha mãe e aconselhado acompanhamento com psicóloga. "A menina é superdotada, não podemos assumir esse tipo complicado de aluno aqui". Mas era década de 1980, então não valia muito quem estava prestes a gostar de ler e escrever.

Depois que me ensinaram que b+a dava "ba" e as coisas começaram a fazer sentido, iniciei uma odisséia pela leitura que nunca mais parou. Entrei de sola nos livrinhos que ganhava dos estimuladores (nem todos bons leitores, diga-se de passagem).

Minha família não expunha livros nas prateleiras. As obras que minha mãe lia eram cuidadosamente trancafiadas, por conta de uma mania dela de passar chave em tudo (até mesmo nos armários de biscoito). Meu pai só nos aparecia lendo o jornal, o que não foi pouco para formar o hábito de ler esse tipo de texto. No entanto, livro mesmo, do bom, fui encontrar na casa da minha avó.

As casas de avó de que eu ouvia falar, aquelas de sonho, onde existem avozinhas de cabelos brancos que sabem cozinhar bem não existiam na minha vida. A minha avó materna era (e é) uma mulher linda, roliça, alta e que trabalhava fora. Era uma senhora que assistia à tevê, ouvia óperas e comprava livros de capa dura. E a estante que ela deixou na sala tinha prateleiras abertas para que os netos manuseassem os volumes, com cuidado, claro.

Ali eu mirava, lá no alto, um Dom Quixote e um Os Miseráveis, que eram os mais imponentes, mas também havia Admirável Mundo Novo e 1984. E eu queria alcançá-los, para isso, além de saber que b+a dá "ba", dei um jeito de aprender muito mais sobre a língua portuguesa.

Antes de chegar àquele universo da estante da sala, fiz uma turnê pela estante da minha tia, apenas 11 anos mais velha do que eu e tão minha amiga. Era ela quem me emprestava Pimpinela Escarlate e Jane Eyre pra ler. Também foram dela quase todos os livros infanto-juvenis, exceto pela clássica coleção Vaga-Lume, que ganhei de minha mãe.

Depois que terminei a viagem pela estante da tia, achei que dava conta da estante da avó e me meti entre Sancho Pança e o fidalgo mais adorável que jamais conheci. Ai, Deus, eu é. E então passei a ler russos, franceses e portugueses. Sem pestanejar e sempre entrando nos climas.

Enquanto lia Cervantes, com muito fôlego para aguentar todo aquele volume, tive medo. Não dos moinhos ou dos monstros imaginários, mas de ficar louca como aquele cavaleiro. Minha avó paterna, não a dona da estante, mas a outra, me alertava de que "moça que lê muito fica louca". E eu continuava me arriscando entre as traduções universais.

Enfim, comecei a investir na minha própria estante e passei a colecionar as obras que podia comprar nas livrarias. Não me lembro bem de qual foi a primeira, mas me lembro do dia que comprei um Vidas Secas que muito me impressionou. Baleia passou a ser meu bicho de estimação e Fabiano era meu herói. Aquela tartamudez me deixou em silêncio por alguns dias e eu entendi que o Brasil também produzia seus clássicos universais.

E lia, lia, lia, mas também escrevia, com a mesma sofreguidão. Porque ler sem escrever não faz milagre e aprender a escrever não ocorre por osmose. Mas o escritor treinado por mimetizar, quando deseja. E eu fiquei assim. Andando pelos passos dos outros, até achar minha pegada.

Fiquei muito decepcionada quando soube de uma mesa-redonda do Encontros de Interrogação, evento promovido pelo Itaú Cultural, em novembro de 2004, em que alguns ficcionistas da atualidade brandiam fivelas para dizer que não é necessario ler um clássico e que não há relação qualitativa ou quantitativa entre a leitura de um clássico e a produção deles mesmos. Santa prepotência, Batman! Santa pretensão, Robin! Santa ignorância, meu Deus. Mas é bom pra revelar quem é apenas informado e se julga acima do que desconhece, se acha muito bom justamente porque sequer conhece parâmetros, e quem tem formação sólida e sabe por onde anda.

Não é necessário ler um clássico para viver o dia-a-dia. Não é necessário ler um clássico para cortar tomates e nem para picar cebola. Provavelmente um clássico não ensinará sobre hardware de computador e nem dará diploma de pós-graduado em gestão de qualquer coisa. Mas um clássico dá sustância, dá uma experiência que não é a da técnica, mas é a de saber como o escritor enxerga pelas lentes da palavra bem-tratada.

Li porque quis. Aprendi a ler porque tive vontade. Nem a gravidez de meu filho teve essas características e eu o amo tanto. Dá pra entender o que isso significa?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
02. Momento ideal & conciliação de Ana Elisa Ribeiro
03. Thomas Bernhard com espírito curitibano de Franco Caldas Fuchs
04. Palavras impressas de Pilar Fazito
05. Entre os novos autores, uma artista de Rafael Lima


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/2/2005
06h42min
Que artigo este... Só corrobora o que noto no meu dia-a-dia: quanto menos se sabe, mais se pensa que sabe; ou, como diria Sócrates, no outro extremo, o da sabedoria: "Só sei que nada sei..." Parâmetros é coisa que muitos, ao que parece, nem querem; a prepotência lhes camufla o medo de enfrentar um texto mais denso, um clássico, porque estes não se deixam domar facilmente; não são ralos como o que tem (freqüentemente, é triste dizê-lo) passado por literatura atualmente. E o medo? E se estes "sabichões" não conseguirem entender um Dostoiévski, um Shakespeare, um Lima Barreto, um Stendhal (cito só alguns dos que li e dos quais gosto)? Passar atestado de burrice? Confessar que não gostou (direito que todos têm, inalienável)? Explicar o motivo, ter de ter argumentos para tal? Bom, mas aí terá de ter enfrentado páginas e páginas de descrições, ambigüidades, sutilezas (imagina ler um Henry James!) - é pedir muito da inteligência... Percebo: fui irônica e agressiva, o que não é bom. Mas o caso é que me irrita essa pretensão, esse "nivelar por baixo" com ar de sapiência, com ar de "independência" de pensamento; que se leiam os clássicos, primeiro; depois - como já fiz e outros fizeram - se forme opinião. Elejam-se os favoritos, aqueles que nos falam à mente e/ou ao coração, ponham-se de lado aqueles com quem não se consegue comungar - mas que sejam lidos primeiro; porque ler os clássicos pode não ser "útil" nesse mundo "prático" - porém alimenta a alma...
[Leia outros Comentários de Carla]
20/2/2005
22h04min
Prezada Ana Elisa Ribeiro: seu aprendizado na década de 80 foi muito parecido com o meu na década de 50. Lemos muitas coisas em comum, você leu alguns autores que não li e de minha parte li outros que você não mencionou. Concordamos no que é essencial: ler nada faz pelo ser humano, a não ser torná-lo melhor. Por favor, diga quem foram os idiotas que se reuniram para dizer besteiras sob os auspícios do banco Itaú. Cordialmente, Gustavo Aguiar Rocha da Silva
[Leia outros Comentários de Gustavo A.R.Silva]
17/3/2007
18h07min
Só agora, Ana, li seu artigo escrito em 2005. Logo em seguida o li para minha filha de 9 anos. Só agora, aos 42 anos, acabei de ler o Cervantes citado. Só quem leu um bom clássico saberá o que move alguém a escrever como quem crava pistas de civilização para sabe-se lá quem... Que venham os moinhos, pouco importa suas intenções práticas. Eles existem... como moinhos, ao menos. Um abraço. Davi
[Leia outros Comentários de Davi Fazzolari]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SUJEITO E O DISCURSO DA GRAMÁTICA: EMERGINDO POSIÇÕES E CONTRADIÇÕES
SCHEILA PATRÍCIA DE BORBA CURRY
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



FOTOGRAFANDO PELO AVESSO
MÁRIO BRANCO
DO AUTOR
(1983)
R$ 10,71



CONFIE E MIM
HARLAN COBEN
ARQUEIRO
(2009)
R$ 30,00



A VIRGEM E O LIBERTINO 7870
ANÔNIMO
EUROPA AMÉRICA
(1999)
R$ 25,00



COMO LIDAR COM PESSOAS DIFÍCEIS
URSULA MARKHAM
MANDARIM
(1999)
R$ 5,00



PEDAGOGIA DA GESTAO MENTAL
ANTOINE DE LA GARANDERIE; GENEVIEVE CATTAN
LOYOLA
(2006)
R$ 14,00



ESTÓRIAS DE DOR ESPERANÇA E FESTA O BRASIL EM EX VOTOS PORTUGUESE
MAFALDA SOARES DA CUNHA COORD
COMISSÃO NACIONAL PARA AS COME
(1998)
R$ 55,87



AS LIÇÕES DO POMBO A METAMORFOSE DO PROFESSOR
SÉRGIO PEREIRA DE MORAIS
PLÊIADE
(2003)
R$ 4,99



INVENTARIO SUMARIO DOS DOCUMENTOS DA SECRETARIA DO ESTADO DA MARI
HENRI BOULLIER DE BRANCHE
ARQUIVO NACIONAL
(1960)
R$ 25,28



DER AUFSTIEG DES HAUSES ROTHSCHILD 1770 - 1830
EGON CAESAR CONTE CORTI
INSEL
(1927)
R$ 95,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês