O clássico e a baleia quadrúpede | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Quarta-feira, 9/2/2005
O clássico e a baleia quadrúpede
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Aprendi a ler porque queria alcançar as letras de um outdoor que existia no caminho da escola. Não aprendi a ler porque uma "tia" me obrigou ou porque era o processo natural de quem estava no "prezinho". Aprendi a ler porque quis. E isso acelerou meu aprendizado, a ponto de haver comentário da professora. Se fosse em Matemática, naquela época, teriam chamado minha mãe e aconselhado acompanhamento com psicóloga. "A menina é superdotada, não podemos assumir esse tipo complicado de aluno aqui". Mas era década de 1980, então não valia muito quem estava prestes a gostar de ler e escrever.

Depois que me ensinaram que b+a dava "ba" e as coisas começaram a fazer sentido, iniciei uma odisséia pela leitura que nunca mais parou. Entrei de sola nos livrinhos que ganhava dos estimuladores (nem todos bons leitores, diga-se de passagem).

Minha família não expunha livros nas prateleiras. As obras que minha mãe lia eram cuidadosamente trancafiadas, por conta de uma mania dela de passar chave em tudo (até mesmo nos armários de biscoito). Meu pai só nos aparecia lendo o jornal, o que não foi pouco para formar o hábito de ler esse tipo de texto. No entanto, livro mesmo, do bom, fui encontrar na casa da minha avó.

As casas de avó de que eu ouvia falar, aquelas de sonho, onde existem avozinhas de cabelos brancos que sabem cozinhar bem não existiam na minha vida. A minha avó materna era (e é) uma mulher linda, roliça, alta e que trabalhava fora. Era uma senhora que assistia à tevê, ouvia óperas e comprava livros de capa dura. E a estante que ela deixou na sala tinha prateleiras abertas para que os netos manuseassem os volumes, com cuidado, claro.

Ali eu mirava, lá no alto, um Dom Quixote e um Os Miseráveis, que eram os mais imponentes, mas também havia Admirável Mundo Novo e 1984. E eu queria alcançá-los, para isso, além de saber que b+a dá "ba", dei um jeito de aprender muito mais sobre a língua portuguesa.

Antes de chegar àquele universo da estante da sala, fiz uma turnê pela estante da minha tia, apenas 11 anos mais velha do que eu e tão minha amiga. Era ela quem me emprestava Pimpinela Escarlate e Jane Eyre pra ler. Também foram dela quase todos os livros infanto-juvenis, exceto pela clássica coleção Vaga-Lume, que ganhei de minha mãe.

Depois que terminei a viagem pela estante da tia, achei que dava conta da estante da avó e me meti entre Sancho Pança e o fidalgo mais adorável que jamais conheci. Ai, Deus, eu é. E então passei a ler russos, franceses e portugueses. Sem pestanejar e sempre entrando nos climas.

Enquanto lia Cervantes, com muito fôlego para aguentar todo aquele volume, tive medo. Não dos moinhos ou dos monstros imaginários, mas de ficar louca como aquele cavaleiro. Minha avó paterna, não a dona da estante, mas a outra, me alertava de que "moça que lê muito fica louca". E eu continuava me arriscando entre as traduções universais.

Enfim, comecei a investir na minha própria estante e passei a colecionar as obras que podia comprar nas livrarias. Não me lembro bem de qual foi a primeira, mas me lembro do dia que comprei um Vidas Secas que muito me impressionou. Baleia passou a ser meu bicho de estimação e Fabiano era meu herói. Aquela tartamudez me deixou em silêncio por alguns dias e eu entendi que o Brasil também produzia seus clássicos universais.

E lia, lia, lia, mas também escrevia, com a mesma sofreguidão. Porque ler sem escrever não faz milagre e aprender a escrever não ocorre por osmose. Mas o escritor treinado por mimetizar, quando deseja. E eu fiquei assim. Andando pelos passos dos outros, até achar minha pegada.

Fiquei muito decepcionada quando soube de uma mesa-redonda do Encontros de Interrogação, evento promovido pelo Itaú Cultural, em novembro de 2004, em que alguns ficcionistas da atualidade brandiam fivelas para dizer que não é necessario ler um clássico e que não há relação qualitativa ou quantitativa entre a leitura de um clássico e a produção deles mesmos. Santa prepotência, Batman! Santa pretensão, Robin! Santa ignorância, meu Deus. Mas é bom pra revelar quem é apenas informado e se julga acima do que desconhece, se acha muito bom justamente porque sequer conhece parâmetros, e quem tem formação sólida e sabe por onde anda.

Não é necessário ler um clássico para viver o dia-a-dia. Não é necessário ler um clássico para cortar tomates e nem para picar cebola. Provavelmente um clássico não ensinará sobre hardware de computador e nem dará diploma de pós-graduado em gestão de qualquer coisa. Mas um clássico dá sustância, dá uma experiência que não é a da técnica, mas é a de saber como o escritor enxerga pelas lentes da palavra bem-tratada.

Li porque quis. Aprendi a ler porque tive vontade. Nem a gravidez de meu filho teve essas características e eu o amo tanto. Dá pra entender o que isso significa?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
02. A Coreia do Norte contra o sarcasmo de Celso A. Uequed Pitol
03. Sexo e luxúria na antiguidade de Gian Danton
04. Imagina se fosse o contrário de Julio Daio Borges
05. Livros para um cruzeiro de Eugenia Zerbini


Mais Ana Elisa Ribeiro

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'AER' AND colunas.ano = 2005 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/2/2005
06h42min
Que artigo este... Só corrobora o que noto no meu dia-a-dia: quanto menos se sabe, mais se pensa que sabe; ou, como diria Sócrates, no outro extremo, o da sabedoria: "Só sei que nada sei..." Parâmetros é coisa que muitos, ao que parece, nem querem; a prepotência lhes camufla o medo de enfrentar um texto mais denso, um clássico, porque estes não se deixam domar facilmente; não são ralos como o que tem (freqüentemente, é triste dizê-lo) passado por literatura atualmente. E o medo? E se estes "sabichões" não conseguirem entender um Dostoiévski, um Shakespeare, um Lima Barreto, um Stendhal (cito só alguns dos que li e dos quais gosto)? Passar atestado de burrice? Confessar que não gostou (direito que todos têm, inalienável)? Explicar o motivo, ter de ter argumentos para tal? Bom, mas aí terá de ter enfrentado páginas e páginas de descrições, ambigüidades, sutilezas (imagina ler um Henry James!) - é pedir muito da inteligência... Percebo: fui irônica e agressiva, o que não é bom. Mas o caso é que me irrita essa pretensão, esse "nivelar por baixo" com ar de sapiência, com ar de "independência" de pensamento; que se leiam os clássicos, primeiro; depois - como já fiz e outros fizeram - se forme opinião. Elejam-se os favoritos, aqueles que nos falam à mente e/ou ao coração, ponham-se de lado aqueles com quem não se consegue comungar - mas que sejam lidos primeiro; porque ler os clássicos pode não ser "útil" nesse mundo "prático" - porém alimenta a alma...
[Leia outros Comentários de Carla]
20/2/2005
22h04min
Prezada Ana Elisa Ribeiro: seu aprendizado na década de 80 foi muito parecido com o meu na década de 50. Lemos muitas coisas em comum, você leu alguns autores que não li e de minha parte li outros que você não mencionou. Concordamos no que é essencial: ler nada faz pelo ser humano, a não ser torná-lo melhor. Por favor, diga quem foram os idiotas que se reuniram para dizer besteiras sob os auspícios do banco Itaú. Cordialmente, Gustavo Aguiar Rocha da Silva
[Leia outros Comentários de Gustavo A.R.Silva]
17/3/2007
18h07min
Só agora, Ana, li seu artigo escrito em 2005. Logo em seguida o li para minha filha de 9 anos. Só agora, aos 42 anos, acabei de ler o Cervantes citado. Só quem leu um bom clássico saberá o que move alguém a escrever como quem crava pistas de civilização para sabe-se lá quem... Que venham os moinhos, pouco importa suas intenções práticas. Eles existem... como moinhos, ao menos. Um abraço. Davi
[Leia outros Comentários de Davi Fazzolari]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOLOTA N° 89
EDITORA RIO GRAFICA
RIO GRAFICA
(1974)
R$ 30,00



A QUEDA DA FRANÇA VOL 3 - O COLAPSO DA TERCEIRA REPÚBLICA
WILLIAM L. SHIRER
RECORD
(1969)
R$ 8,00



SEU REI MANDOU DIZER
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
MODERNA
(1986)
R$ 12,00



PATHOLOGIC PHYSIOLOGY : MECHANISMS OF DISEASE
WILLIAM A. SODEMAN
W B SAUNDERS
(1950)
R$ 29,40



O CAMAROTE VAZIO
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1990)
R$ 7,00



ANATOMIA DO GRANDE EXECUTIVO
JOHN WAREHAM
BEST SELLER
(1991)
R$ 24,00



GOLD GREED AND GLORY - LEVEL B1 +
BRIAN SARGENT
CAMBRIDGE/DICOVERY EDUCATION
(2014)
R$ 17,87



MANEQUIM TRABALHOS 177
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(1974)
R$ 7,00



POESIA TRADIÇÃO E MODERNIDADE: INTERLOCUÇÕES
MELÂNIA SILVA DE AGUIAR E SUELY MARIA DE PAULA
VEREDAS & CENARIOS
(2008)
R$ 8,00



A MAIS REMOTA LEMBRANÇA
FRED D AGUIAR
RECORD
(1994)
R$ 5,00





busca | avançada
57067 visitas/dia
2,6 milhões/mês