A besta que pateia na praia | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS

Quinta-feira, 7/7/2005
A besta que pateia na praia
Adriana Baggio

+ de 4600 Acessos

Fluxo de consciência. Isso é uma coisa que pessoas consideradas normais não desenvolvem em público. Ou melhor, até desenvolvem, mas não de forma que os outros possam perceber. No consultório médico, por exemplo, de repente você percebe que deixou de ler há muitos minutos. As letras parecem servir apenas de apoio para que os pensamentos continuem seu caminho tortuoso e pedregoso, cada vez mais rápido, como um rio calmo que se transforma em perigosa corredeira, até despencar no abismo dos sentimentos proibidos e angustiantes que povoam nossa alma. O susto da água que desaba descontroladamente faz você focar novamente as letras e tentar encontrar o ponto onde parou de ler e começou a divagar. Você pensou coisas terríveis, humilhantes, medíocres, mas ninguém ficou sabendo. É assim mesmo. Em pessoas consideradas normais, o fluxo de consciência não deve ser percebido pelos outros. A não ser que estejam na boca de um personagem de ficção.

George e Martha, o casal interpretado por Richard Burton e Elizabeth Taylor no filme Quem tem medo de Virginia Woolf?, de 1966, são personagens que se entregam ao seu fluxo de consciência. O diálogo deles é esse rio caudaloso de enchente, cada vez mais feroz e destruidor, que só se acalma quando se esgota. Se George e Martha fossem pessoas reais, não seriam "normais". Afinal, quem pode permanecer são frente às poderosas ondas de ódio, rancor e mágoa que formam o fluxo de consciência desses personagens? Na história, o casal consegue se salvar da tormenta e desaba exausto, como dois náufragos que a enchente poupou. O nível da água baixou, as ondas se foram. Eles parecem ter sobrevivido com lucidez. Será? Quando George cantarola a Martha a paródia da canção infantil ("quem tem medo do lobo mau?") que ela própria usou para provocá-lo, "quem tem medo de Virginia Woolf?", ela responde: "eu tenho".

Uma das hipóteses para o significado do título deste filme de Mike Nichols, e que pontua o agressivo diálogo entre George, Martha e seus convidados, é a relação com a saúde mental da escritora inglesa Virginia Woolf. As angústias e a fragilidade de Virginia podem ser vistas no filme As horas (2002), de Stephen Daldry. O trauma do abuso sexual sofrido na infância, o desequilíbrio mental e os tratamentos impostos a ela por conta disso acabaram por levá-la ao suicídio, em 1941. Junto com James Joyce (e há quem torça o nariz para isso), Virginia Woolf é considerada um dos expoentes do modernismo literário do século XX. E a característica mais marcante da sua obra é, justamente, o fluxo de consciência.

A fragilidade da mente de Virginia não impediu que ela escrevesse muito, tanto em ficção como na crítica literária e da sociedade em que viveu. Seu ponto de vista e suas argumentações são muito lúcidas, pertinentes e realistas. Talvez por refletir e se posicionar com naturalidade sobre diversos assuntos, Virginia também tenha se sentido à vontade para fazer seus personagens pensarem. Daí a presença marcante desse fluxo de consciência, perceptível somente ao leitor, como se você pudesse ler a mente daquela pessoa imersa em pensamentos na sala de espera do médico.

Em As ondas, na 2ª edição pela Nova Fronteira (2004) e com tradução de Lya Luft, o fluxo de consciência chega ao ponto máximo na obra de Woolf. O livro retrata a vida de seis pessoas através de seus pensamentos. Como não poderia deixar de ser nessas condições, é extremamente denso e subjetivo. Para apresentar as reflexões de cada um deles, Virginia usa metáforas e descrições em abundância, a ponto de o livro ser considerado quase que uma prosa poética, ou uma poesia em prosa. Um recurso que enriquece a narrativa, mas que torna a leitura difícil. Não é um livro que se pegue despreocupadamente para preencher horas de lazer. É preciso concentração e disposição para conseguir acompanhar o tênue fio de narrativa que perpassa os pensamentos da maternal Susan, da fútil e sensual Jinny, da insegura e complicada Rhoda, do deslocado australiano Louis, do homossexual atormentado Neville e do frustrado escritor Bernard, sempre em busca da frase e da história perfeita (Virginia?).

Apesar de sutil, a narrativa existe. O leitor pode perceber a passagem do tempo e seus efeitos na vida dos personagens a cada início de capítulo. As fases da vida são apresentadas metaforicamente através da posição do sol em relação ao mar, às ondas e à natureza, nos únicos momentos em que a narrativa é em terceira pessoa. Da escuridão que começa a se desvanecer com os primeiros indícios do sol até as sombras que cobrem a terra no final do dia, acompanhamos o desenrolar da vida de cada um deles.

Os primeiros diálogos, correspondentes à infância, são mais curtos e falam de coisas simples - uma folha, um inseto, as roupas no varal. À medida em que o sol percorre sua trajetória diária, a linguagem mais profunda e complexa e a duração das reflexões representam o crescimento, a vida adulta, a maturidade e a velhice. Com esse desenvolvimento crescem também as angústias no coração de cada um. Não sei se é bem por isso que, em meio às belas descrições de sol, céu, mar e ondas de cada início de capítulo, Woolf acrescenta um elemento estranho, meio assustador: "a besta acorrentada pateia na praia". Essa besta presa seria o que cada um prende dentro de si de mais terrível, soltando apenas no seu fluxo de consciência?

Quando estava refletindo sobre Virginia e As ondas, não consegui deixar de pensar no filme de Mike Nichols. A hipótese de que o título refira-se ao medo que os personagens têm de se tornarem insanos como a escritora é possível. No entanto, me parece que a relação está mais na insanidade de se falar exatamente o que se pensa. É o que acontece com Martha e George. É só no final, depois de ter dito tudo, que Martha percebe o perigo do rio caudaloso desse fluxo de consciência exposto. No caso dela, a besta que pateia na praia soltou-se. Quando ela assume, no final do filme, que tem medo de Virginia Woolf, talvez queira dizer que tem medo dos estragos causados pela fúria da sua besta interior. Afinal, quem alguma vez já disse exatamente tudo o que pensa sabe o preço que se paga por abrir as comportas do seu fluxo de consciência.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 7/7/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
02. O tremor na poesia, Fábio Weintraub de Jardel Dias Cavalcanti
03. A Palavra Mágica de Marilia Mota Silva
04. Pensar Não é Viver de Carina Destempero
05. A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
03. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
04. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIREITO E PROCESSO DO TRABALHO- COLEÇÃO OAB NACIONAL
ANDRÉ HORTA MORENO VENEZIANO
SARAIVA
(2009)
R$ 35,91



MADRU - A LENDA DA GRANDE FLORESTA
FREDERIK HETMANN
PENSAMENTO
(1995)
R$ 15,00



ECONOMIA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: PARA CURSOS DE ECON. ADMINISTRATIVA
MARCO ANTONIO SANDOVAL DE VASCONCELLOS / AMAURY P.
ATLAS
(1996)
R$ 6,90



DO FEUDALISMO AO CAPITALISMO - UMA DISCUSSÃO HISTÓRICA
THEO SANTIAGO
CONTEXTO
(1988)
R$ 23,57



TEATRO COMPLETO DE ARAÚJO PORTO-ALEGRE - TOMO II
EDWALDO CAFEZEIRO E RENATA GUERRA ( ORG. )
FUNARTE
(1997)
R$ 12,00



REVISTA CARTA NA ESCOLA N° 10
N/D
CONFIANÇA
(2006)
R$ 23,00



VOCABULÁRIO JURIDICO VOLS. 1, 2, 3 E 4, 2 EM 2
DE PLÁCIDO DA SILVA
FORENSE
(1996)
R$ 39,95



BRASIL-MENINO
FÁTIMA MIGUEZ
DCL DIFUSÃO CULTURAL DO LIVRO
(2006)
R$ 25,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2012)
R$ 12,04



REI BRANCO RAINHA NEGRA
PAULO AMADOR
LE
(1992)
R$ 5,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês