Quase uma despedida | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/3/2006
Quase uma despedida
Eduardo Carvalho

+ de 10500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Esta não é uma despedida definitiva. O fato de eu me afastar temporariamente desta coluna não significa que me desligo do Digestivo ou - muito menos - que vou parar de escrever. Ambas as possibilidades são impossíveis. Foi aqui que publiquei meus primeiros textos. Devo ao Digestivo este espaço para publicar regularmente, onde desenvolvi o hábito e o gosto de expressar com liberdade - na forma o no conteúdo - o que penso. Essa experiência foi fundamental na minha formação.

O trabalho do Julio, editor do site, como escritor e empreendedor, jornalista e empresário, é o exemplo que deveria vigorar hoje em dia. E foi, de certa forma, um exemplo para mim. O mundo anda cada vez mais complexo, interessante, mas vejo muita gente nova se simplificando muito para se encaixar nas personalidades e profissões mais acessíveis, mais compreensíveis. É um desperdício. O Julio ignora esses esquemas fechados. E combina características que muita gente acha que não funcionam juntas: disciplina e método com uma vocação autêntica para escritor, que é uma atividade que exige concentração, introspecção - e que é provavelmente incompatível com o perfil expansivo e executivo do empresário. O Digestivo é resultado, portanto, de uma combinação difícil, diferente - e a prova de que esta combinação pode dar certo.

Quando comecei a ler mais, aos 15, 16 anos, me convenci de que literatura era o meio mais eficiente para aprimorar minha sensibilidade e suprir minha curiosidade. Tive a sorte de ser bem orientado. Li o que queria ler: livros que ampliaram meus horizontes geográficos, explicaram sentimentos que estavam vagos dentro de mim, estimularam meu interesse por atividades que não conhecia e, portanto, me ensinaram a viver mais e melhor. Esse tipo de educação não é cobrada no vestibular, mas seu valor é, para o resto da vida, inestimável. Aos poucos, senti que precisava compartilhar algumas descobertas. Rabisquei contos, versos, artigos sobre tudo. Entrei na faculdade de administração - onde queria entrar - e continuei escrevendo. Pensei em estudar jornalismo paralelamente, aos 19 anos. Foi quando conheci o Julio por acaso, trocamos muitos e-mails, e - pensando melhor - preferi continuar com administração.

Mas nunca parei de escrever. Mantive por pouco tempo uma coluna no jornal da faculdade; ainda hoje tenho um diário; troquei e-mails longuíssimos, cartas mesmo, com amigos, jornalistas, professores. O pequeno contato que tive com o ambiente mais intelectual me incomodou profundamente. Sempre quis viver uma vida mais independente, diferente. O esquema de intelectuais me parecia muito limitado: fechado em poses e jargões, numa arrogância meio patética, vazia. A vida ia se mostrando fascinante - principalmente através da literatura. E este ponto, na verdade, sempre me foi difícil explicar para amigos ou mesmo em outras colunas: como posso gostar de ler e, ao mesmo tempo, não gostar de intelectuais? Acontece que meus escritores favoritos não tem praticamente nada a ver com o estereótipo do intelectual ranzinza, obscuro e comunista. Sempre gostei de ação e nunca me interessei muito por política. Li mais sobre barcos naufragando a caminho de Bangkok, aviões atravessando desertos, amores redescobertos em Fiji, do que tratados políticos incompreensíveis, maçantes.

Me lembro de Joaquim Nabuco, em Minha Formação, dizendo que o estilo de um escritor se cristaliza aos vinte anos, junto com a sua personalidade. Faz sentido: acho que o tamanho do nosso mundo se fecha com essa idade também. Até os vinte anos, tentamos entender o que está a nossa volta; quem são essas pessoas todas; onde começam e onde termina tudo; o que pode estar certo e o que pode estar errado - quase como um bebê aprendendo a andar. É importante pensar em coisas diferentes, imaginar mundos distantes. Se, até os vinte, a pessoa exercitou pouco a imaginação, dificilmente vai viver uma vida mais completa depois. Os vinte anos - dos 20 aos 25, digamos - é a seqüência dessa experiência inicial: são os primeiros passos, os primeiros ensaios. Eles podem negar ou comprovar o que previmos antes. Mas esses ensaios vão estar limitados ao ambiente que estava formado antes. Alguém que nunca se imaginou pescando em Zanzibar, fazendo cooper em Muscat ou morando em Manila dificilmente vai experimentar isso depois sem achar exótico demais.

Escrevi para o Digestivo dos 21 aos 25 anos: durante esta fase de ensaios, de testes, de experiências novas. Não poderia ter sido um período melhor para mim. Foi do começo da faculdade ao fim dela, e coincidiu com experiências - viagens, leituras, etc. - decisivas para a minha formação. Escrever sobre elas foi um exercício insubstituível para a minha educação. Escrever acho que é a forma mais civilizada de se expressar uma idéia ou um sentimento: provavelmente porque é ao mesmo tempo a mais difícil e a mais precisa. Aos vinte anos, esbarrando em novidades, escrever é um desafio particular. As idéias estão incompletas, os sentimentos são inéditos - não que isso mude muito depois... -, e explicar tudo claramente fica muito mais complicado. Mas essa prática apura o raciocínio e a sensibilidade e - se isso não melhora muito também... - a principal vantagem é que, no final das contas, quando você lê o que escreveu, percebe que está quase tudo ali: e descobre como estamos presentes no que escrevemos. Aquela história: o texto somos nós.

Escrever esta coluna foi acima de tudo um exercício de auto-conhecimento. Às vezes sentia alguma coisa sobre um assunto ou situação que não estava nítida; e, escrevendo sobre o tema, minha opinião ia se esclarecendo, se cristalizando. Tentei fazer isso da forma mais limpa e mais bonita que consegui.

Encontrei no Digestivo um espaço para escrever sobre meus assuntos preferidos da forma como eu quisesse. Nunca meus textos foram enxugados ou ajustados. E recebi incentivos e dicas do Julio, com a recomendação de que eu escrevesse sempre - normalmente acompanhada de elogios que não sei se sempre mereci. Fiz o que pude, quando pude. Recebi comentários de todos os tipos. Me correspondi muito com leitores constantes, famosos e desconhecidos. Ignorei os leitores estúpidos. Conheci quase todos os colunistas; alguns são hoje grandes amigos. Fico contente quando temos jantares do site, em que nos reunimos para conversar sobre tudo: cada um tem a sua rotina, o seu trabalho, os seus assuntos preferidos. E todos gostamos muito de escrever. Esse é um hábito que mistura pessoas interessantes interessadas em temas muito diferentes: política no Oriente Médio, jardinagem, cinema, Bach, futebol, quadrinhos, mitologia, oceanografia, etc. Dificilmente se reúnem pessoas assim em outros ambientes.

Em cinco anos, foram mais de 60 colunas. Agora, revendo os títulos, lembrando os assuntos, relendo trechos, fico com saudades. Escrevi sobre assuntos variados: uma justificativa por morar em São Paulo; algumas viagens de carro pelo Brasil, de São Luis a Cuiabá; de férias em Roma, Londres, Viena, Moscou, Nova York, Paris; Bernard Shaw, Raymond Radiguet, Montaigne, Paulo Francis; a liquidação de um sebo, minha formatura na faculdade, um teatro na Moóca; filme sobre músico caipira, exposições, revistas. Escrevi de lugares diferentes: na correria da sala de computadores da GV; na calma do escritório na fazenda; com vista para a praia, no litoral de São Paulo; viajando de ônibus no interior da Hungria; de madrugada num restaurante em Vancouver; cansado, depois de voltar da academia à noite e ler uns parágrafos de Proust para desacelerar; num domingo de manhã num internet café em Barcelona. Sinto, relendo tudo, que estou quase inteiro nas minhas colunas: minhas opiniões, preferências, impressões. O texto somos nós.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 10/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A metade da vida de Guilherme Pontes Coelho
02. occupytheoffice de Lisandro Gaertner
03. Journey de André Graciotti
04. Superficiais de Guilherme Pontes Coelho
05. Independência de André Julião


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Preconceito invertido - 4/7/2003
05. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/3/2006
11h27min
Darling, eu adoro as suas colunas e lamento vê-lo entrar em um período de silêncio. Pena. Agora, permita-me discordar apenas de uma passagem do seu texto: eu não acredito que ninguém esteja pronto e cristalizado aos vinte anos de idade. Somente quem aceita como verdade essa afirmação. É possível nos transformarmos a cada dia, sermos novas pessoas, novos universos e estarmos a vida toda nos transformando em algo diferente - melhor ou pior. Um brinde a sua coluna, sua falta será sentida.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
4/4/2006
23h34min
Sei que fomos avisados de sua quase despedida, mas não ver seu nome na coluna de 6ª feira lembrou-me nossa "fluidez" (palavra emprestada do último texto do Julio). Restarão muitas saudades dos seus textos e o Digestivo inteiro para ler, cada dia melhor. Realizações onde quer que vá.
[Leia outros Comentários de L.T. de A.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DRAMA MILENAR DO CRISTO E DO ANTICRISTO
HUMBERTO ROHDEN
ALVORADA
(1990)
R$ 10,00



HOMENS COM MULHERES 6408
BERNARDO AJZENBERG
ROCCO
(2005)
R$ 10,00



CURSO MODULAR DE DIREITO PROCESSUAL PENAL
TADAAQUI HIROSE E JOSÉ PAULO BALTAZAR JR (ORG
CONCEITO
(2010)
R$ 14,82



RECONCEITUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL 8801
MYRTES DE AGUIAR MACÊDO
CORTEZ
(1982)
R$ 10,00



O INDIVIDUO NA SOCIEDADE: UM MANUAL DE PSICOLOGIA SOCIAL
DAVID KRECH/RICHARD CRUTCHFIELD/EGERTON BALLACHEY
PIONEIRA / USP
(1969)
R$ 10,00



A NEW HISTORY OF UNITED STATES
WILLIAM MILLER
DELL
(1964)
R$ 13,00



A LINGUAGEM DAS FORMAS - NATUREZA E ARTE EM SHAFTESBURY
PEDRO PAULO GARRIDO PIMENTA
ALAMEDA
(2007)
R$ 15,00



SEXO E AFETO NA TERCEIRA IDADE
ANA PERWIN FRAIMAN
GENTE
(1994)
R$ 10,00



100 POEMAS QUE AMEI
MÁRIO FRIGÉRI
MUNDO MAIOR
(2011)
R$ 12,00



QUÍMICA NA ABORDAGEM DO COTIDIANO 3
FRANCISCO MIRAGAIA PERUZZO
MODERNA
(2006)
R$ 6,00





busca | avançada
39929 visitas/dia
1,1 milhão/mês