Quase uma despedida | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> Robot Dreams de Isaac Asimov pela Ace Books (1996)
>>> O Dramaturgo como Pensador de Eric Bentley pela Civilização Brasileira (1991)
>>> O Conclave de Malachi Martin pela Novo Tempo (1978)
>>> A Nova Ciência da Política de Eric Voegelin pela Universidade de Brasília (1982)
>>> Gestión del Conocimiento de Agustí Canals pela Gestión (2003)
>>> Brasil:a Arte de Hoje de Jocob Klintoeitz pela Sao Paulo (1983)
>>> A Conquista do Rio Grande Volume 1 de Jose Netto pela Rio Cell (1989)
>>> Rui Barbosa:tentativa de Compreenção e de Síntese de Luiz Delgado pela Jose Olympio (1945)
>>> T. E. C. Tecnologia Estelar Complementável de Marcelo Santana pela Anthology (2010)
>>> O Pensamento de Platão de Antonio Freire pela Livraria Cruz - Braga (1967)
>>> O Circo de Lucca de Zugliani Jorge Otávio pela Devir (2007)
>>> Far Eastern Ceramics - Marks and Decoration de Maria Penkala pela Mouton (1963)
>>> Tesoros del Arte Japones:periodo Edo(1615-1868) de Museo Fuji - Tokio pela Fundacion Juan March (1995)
>>> Ferrari-the Sports and Gran Turismo Cars de Warren W Fitzgerald / Richard F Merrittn e Outros pela Norton Company (1979)
>>> Cómo Evaluar y Mejorar Sus Capacidades Personales de Gareth Lewis pela Gestión (2000)
>>> Noções Básicas de Importação de João dos Santos Bizelli e Ricardo Barbosa pela Aduaneiras (1993)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Organizacion del Almacen de Michele Calimeri pela Hispano Europea (1961)
>>> Mestres do Marketing de Gene Walden pela Ediouro (1994)
>>> O Poder do Marketing Direto de Ray Jutkins pela Makron (1994)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Como Negociar Aumento de Salário de George M. Hartman pela Ediouro (1995)
>>> Karoshi o Jogo da Qualidade - Completo de Paulo Sandroni e Luis Alberto Sandroni pela Best Seller (1995)
>>> O Monstro Embaixo da Cama de Stan Davis pela Futura (1996)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/3/2006
Quase uma despedida
Eduardo Carvalho

+ de 11000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Esta não é uma despedida definitiva. O fato de eu me afastar temporariamente desta coluna não significa que me desligo do Digestivo ou - muito menos - que vou parar de escrever. Ambas as possibilidades são impossíveis. Foi aqui que publiquei meus primeiros textos. Devo ao Digestivo este espaço para publicar regularmente, onde desenvolvi o hábito e o gosto de expressar com liberdade - na forma o no conteúdo - o que penso. Essa experiência foi fundamental na minha formação.

O trabalho do Julio, editor do site, como escritor e empreendedor, jornalista e empresário, é o exemplo que deveria vigorar hoje em dia. E foi, de certa forma, um exemplo para mim. O mundo anda cada vez mais complexo, interessante, mas vejo muita gente nova se simplificando muito para se encaixar nas personalidades e profissões mais acessíveis, mais compreensíveis. É um desperdício. O Julio ignora esses esquemas fechados. E combina características que muita gente acha que não funcionam juntas: disciplina e método com uma vocação autêntica para escritor, que é uma atividade que exige concentração, introspecção - e que é provavelmente incompatível com o perfil expansivo e executivo do empresário. O Digestivo é resultado, portanto, de uma combinação difícil, diferente - e a prova de que esta combinação pode dar certo.

Quando comecei a ler mais, aos 15, 16 anos, me convenci de que literatura era o meio mais eficiente para aprimorar minha sensibilidade e suprir minha curiosidade. Tive a sorte de ser bem orientado. Li o que queria ler: livros que ampliaram meus horizontes geográficos, explicaram sentimentos que estavam vagos dentro de mim, estimularam meu interesse por atividades que não conhecia e, portanto, me ensinaram a viver mais e melhor. Esse tipo de educação não é cobrada no vestibular, mas seu valor é, para o resto da vida, inestimável. Aos poucos, senti que precisava compartilhar algumas descobertas. Rabisquei contos, versos, artigos sobre tudo. Entrei na faculdade de administração - onde queria entrar - e continuei escrevendo. Pensei em estudar jornalismo paralelamente, aos 19 anos. Foi quando conheci o Julio por acaso, trocamos muitos e-mails, e - pensando melhor - preferi continuar com administração.

Mas nunca parei de escrever. Mantive por pouco tempo uma coluna no jornal da faculdade; ainda hoje tenho um diário; troquei e-mails longuíssimos, cartas mesmo, com amigos, jornalistas, professores. O pequeno contato que tive com o ambiente mais intelectual me incomodou profundamente. Sempre quis viver uma vida mais independente, diferente. O esquema de intelectuais me parecia muito limitado: fechado em poses e jargões, numa arrogância meio patética, vazia. A vida ia se mostrando fascinante - principalmente através da literatura. E este ponto, na verdade, sempre me foi difícil explicar para amigos ou mesmo em outras colunas: como posso gostar de ler e, ao mesmo tempo, não gostar de intelectuais? Acontece que meus escritores favoritos não tem praticamente nada a ver com o estereótipo do intelectual ranzinza, obscuro e comunista. Sempre gostei de ação e nunca me interessei muito por política. Li mais sobre barcos naufragando a caminho de Bangkok, aviões atravessando desertos, amores redescobertos em Fiji, do que tratados políticos incompreensíveis, maçantes.

Me lembro de Joaquim Nabuco, em Minha Formação, dizendo que o estilo de um escritor se cristaliza aos vinte anos, junto com a sua personalidade. Faz sentido: acho que o tamanho do nosso mundo se fecha com essa idade também. Até os vinte anos, tentamos entender o que está a nossa volta; quem são essas pessoas todas; onde começam e onde termina tudo; o que pode estar certo e o que pode estar errado - quase como um bebê aprendendo a andar. É importante pensar em coisas diferentes, imaginar mundos distantes. Se, até os vinte, a pessoa exercitou pouco a imaginação, dificilmente vai viver uma vida mais completa depois. Os vinte anos - dos 20 aos 25, digamos - é a seqüência dessa experiência inicial: são os primeiros passos, os primeiros ensaios. Eles podem negar ou comprovar o que previmos antes. Mas esses ensaios vão estar limitados ao ambiente que estava formado antes. Alguém que nunca se imaginou pescando em Zanzibar, fazendo cooper em Muscat ou morando em Manila dificilmente vai experimentar isso depois sem achar exótico demais.

Escrevi para o Digestivo dos 21 aos 25 anos: durante esta fase de ensaios, de testes, de experiências novas. Não poderia ter sido um período melhor para mim. Foi do começo da faculdade ao fim dela, e coincidiu com experiências - viagens, leituras, etc. - decisivas para a minha formação. Escrever sobre elas foi um exercício insubstituível para a minha educação. Escrever acho que é a forma mais civilizada de se expressar uma idéia ou um sentimento: provavelmente porque é ao mesmo tempo a mais difícil e a mais precisa. Aos vinte anos, esbarrando em novidades, escrever é um desafio particular. As idéias estão incompletas, os sentimentos são inéditos - não que isso mude muito depois... -, e explicar tudo claramente fica muito mais complicado. Mas essa prática apura o raciocínio e a sensibilidade e - se isso não melhora muito também... - a principal vantagem é que, no final das contas, quando você lê o que escreveu, percebe que está quase tudo ali: e descobre como estamos presentes no que escrevemos. Aquela história: o texto somos nós.

Escrever esta coluna foi acima de tudo um exercício de auto-conhecimento. Às vezes sentia alguma coisa sobre um assunto ou situação que não estava nítida; e, escrevendo sobre o tema, minha opinião ia se esclarecendo, se cristalizando. Tentei fazer isso da forma mais limpa e mais bonita que consegui.

Encontrei no Digestivo um espaço para escrever sobre meus assuntos preferidos da forma como eu quisesse. Nunca meus textos foram enxugados ou ajustados. E recebi incentivos e dicas do Julio, com a recomendação de que eu escrevesse sempre - normalmente acompanhada de elogios que não sei se sempre mereci. Fiz o que pude, quando pude. Recebi comentários de todos os tipos. Me correspondi muito com leitores constantes, famosos e desconhecidos. Ignorei os leitores estúpidos. Conheci quase todos os colunistas; alguns são hoje grandes amigos. Fico contente quando temos jantares do site, em que nos reunimos para conversar sobre tudo: cada um tem a sua rotina, o seu trabalho, os seus assuntos preferidos. E todos gostamos muito de escrever. Esse é um hábito que mistura pessoas interessantes interessadas em temas muito diferentes: política no Oriente Médio, jardinagem, cinema, Bach, futebol, quadrinhos, mitologia, oceanografia, etc. Dificilmente se reúnem pessoas assim em outros ambientes.

Em cinco anos, foram mais de 60 colunas. Agora, revendo os títulos, lembrando os assuntos, relendo trechos, fico com saudades. Escrevi sobre assuntos variados: uma justificativa por morar em São Paulo; algumas viagens de carro pelo Brasil, de São Luis a Cuiabá; de férias em Roma, Londres, Viena, Moscou, Nova York, Paris; Bernard Shaw, Raymond Radiguet, Montaigne, Paulo Francis; a liquidação de um sebo, minha formatura na faculdade, um teatro na Moóca; filme sobre músico caipira, exposições, revistas. Escrevi de lugares diferentes: na correria da sala de computadores da GV; na calma do escritório na fazenda; com vista para a praia, no litoral de São Paulo; viajando de ônibus no interior da Hungria; de madrugada num restaurante em Vancouver; cansado, depois de voltar da academia à noite e ler uns parágrafos de Proust para desacelerar; num domingo de manhã num internet café em Barcelona. Sinto, relendo tudo, que estou quase inteiro nas minhas colunas: minhas opiniões, preferências, impressões. O texto somos nós.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 10/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas) de Fabio Gomes
02. Rememórias e túmulos multimídia de Carla Ceres
03. Dono do próprio país de Carla Ceres
04. Desglobalização de Luiz Rebinski Junior
05. Como começar uma carreira em qualquer coisa de Ram Rajagopal


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Preconceito invertido - 4/7/2003
05. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/3/2006
11h27min
Darling, eu adoro as suas colunas e lamento vê-lo entrar em um período de silêncio. Pena. Agora, permita-me discordar apenas de uma passagem do seu texto: eu não acredito que ninguém esteja pronto e cristalizado aos vinte anos de idade. Somente quem aceita como verdade essa afirmação. É possível nos transformarmos a cada dia, sermos novas pessoas, novos universos e estarmos a vida toda nos transformando em algo diferente - melhor ou pior. Um brinde a sua coluna, sua falta será sentida.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
4/4/2006
23h34min
Sei que fomos avisados de sua quase despedida, mas não ver seu nome na coluna de 6ª feira lembrou-me nossa "fluidez" (palavra emprestada do último texto do Julio). Restarão muitas saudades dos seus textos e o Digestivo inteiro para ler, cada dia melhor. Realizações onde quer que vá.
[Leia outros Comentários de L.T. de A.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Seres e as Cores Nas Terras do do Sem-fim
José Carlos Capinan e Outros
Petrobrás
(1993)



Urutu Cruzeiro
Luiz Galdino
Clube do Livro
(1982)



Matemática e Vida 2º Grau
Bongiovanni Vissot Laureano
Ática
(1992)



As Chamas do Inferno - Brigada dos Espectros
Alain Venisse
Arx Jovem
(2004)



O Sul da África Enfrenta o Racismo
O Correio da Unesco, Nº 1 - Ano 6
Fgv
(1978)



A Bruxinha Domitila e o Robô Morto-de-Fome
edson gabriel garcia
Vozes
(1983)



Twist
Tom Grass
Agir Now
(2015)



Jane Blonde: Sensational Spylet
Jill Marshall
Macmillan Childrens
(2006)



Comment Apprendre a Parler a Lenfant: Aperçu Dune Experience
Laurence Lentin (tome 2)
Esf Editeur
(1975)



Mani Ou um Monte Chamado Pascoal
Luiz Wanderley T.
Edicon
(2006)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês