Um Godot opaco | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Coleção de histórias da Bíblia - A mais preciosa história do mundo, ricamente ilustrada (capa dura) de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sbb (2004)
>>> Escritos políticos de Frantz Fanon pela Boitempo (2021)
>>> A Bíblia das Descorbertas - Nova Tradução na Linguagem de Hoje de Sociedade Bíblica do Brasil pela Sbb (2010)
>>> O patriarcado do salário notas sobre Marx, gênero e feminismo (v.1) de Silvia Federici pela Boitempo (2021)
>>> The art of Papercutting. 35 stylish projectis for gifting, cards & decoration de Deborah Schneebeli-Morrell pela Ciclo Books (2011)
>>> Raça, nação, classe - As identidades ambíguas de Étienne Balibar , Immanuel Wallerstein pela Boitempo (2021)
>>> Marxismo e questão racial: dossiê Margem Esquerda de Silvio Luiz De Almeida (Organizador) pela Boitempo (2021)
>>> Interseccionalidade (capa sobre pintura) de Patricia Hill Collins, Sirma Bilge pela Boitempo (2021)
>>> Por Que os Homens Casam com as Mulheres Poderosas? de Sherry Argov pela Sextante (2013)
>>> Colonialismo e luta anticolonial: desafios da revolução no século XXI de Domenico Losurdo pela Boitempo (2020)
>>> Os Rodriguez de Leandro Dupré Maria José Dupré pela Saraiva (1958)
>>> Horrible Science: Ugly Bugs de Nick Arnold pela Scholastic Books (2009)
>>> Calipso - Coleção Mistério de Ed Mcbain pela Edibolso (1981)
>>> Bermuda Triângulo da Morte de Martin Ebon pela Nova Época (1975)
>>> 13th Street: Battle of the Bad-Breath Bats de David Bowles pela Harper Collins (2020)
>>> Sem Mais Nem Menos de Luís Dill pela Ática (2012)
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
COLUNAS

Quarta-feira, 22/3/2006
Um Godot opaco
Guilherme Conte

+ de 5000 Acessos

Começou a temporada de Samuel Beckett. Por ocasião de seu centenário, muitas montagens estão previstas. Apesar de isso ser motivo de comemoração, vale o puxão de orelha: é lamentável que o trabalho da envergadura de um Beckett só seja explorado como deve por aqui em um aniversário de nascimento ou de morte.

O Brasil, aliás, é o país da efeméride. Centenários pra lá, centenários pra cá. De repente, todo mundo monta Beckett. Passada a euforia, volta a ser o trabalho de guerrilha que é fazer esse tipo de teatro por aqui no circuito normal. As atenções, obviamente, estarão voltadas para outro centenário. Não há reflexão constante, falta repertório, o público não tem a chance de ver montagens sistemáticas. Assim, o trabalho de encarar um dramaturgo difícil como ele se torna ainda mais penoso. Tanto para quem faz como para quem assiste.

Mas chega de lamúrias, vamos ao que interessa: a bola da vez é a montagem de Esperando Godot, dirigida por Gabriel Villela, em cartaz no subsolo do SESC Belenzinho até o fim do mês - e, ao que consta, com os ingressos já esgotados. O ótimo elenco é formado pelas atrizes Bete Coelho, Magali Biff, Lavínia Pannunzio e Vera Zimmermann.

Esperando Godot é talvez a peça mais impressionante do século XX. Ela, que já foi classificada como "a certidão de óbito da esperança", causou intenso barulho quando foi lançada, em 1949. Caiu como uma bomba sobre os destroços de um mundo degolado pela Segunda Guerra. É um dos pontos altos da obra de um escritor e dramaturgo fantástico.

Sua violenta riqueza reside tanto no conteúdo quanto na forma. Beckett representa a falência da narrativa; depois que passou como um furacão, não apareceu ninguém que competisse com sua força, suas imagens espetaculares e sua ousadia de narração. Seu absurdo levou a dramaturgia às últimas conseqüências.

A peça traz dois vagabundos - Vladimir (Bete Coelho) e Estragon (Magali Biff), Didi e Gogô na versão de Villela - que vão todos os dias ao pé de uma árvore, à beira de uma estrada, esperar Godot. A partir da conversa entre os dois vamos mergulhando num universo de ceticismo e desolação. A descrença, com uma crueldade ímpar, cresce em direção à asfixia.

Tudo há de melhorar com a chegada de Godot, dizem. Ele resolverá os problemas. Mas e se ele não vier? Eles esperam. Não há opção. Ele há de vir, e isso basta - tem que bastar.

Em ambos os atos Didi e Gogô são interrompidos pela visita de Pozzo (Lavínia Pannunzio), que proclama ser o dono daquelas terras. Ele é acompanhado de Lucky (Vera Zimmermann), preso por uma coleira. É uma das imagens mais fortes de todo o teatro contemporâneo.

Por fim, ainda há a visita de um mensageiro, perto do final de cada ato - também interpretado por Vera. Ele é a ponte mais próxima entre os vagabundos e Godot.

O resultado, frente à grandeza do texto, é decepcionante. A visão impressa por Villela consegue tão somente sumir com toda a ironia e o humor presentes no original. Este é pretendido, aqui, pela encenação, e reduz consideravelmente seus limites. A peça fica melancólica, fria, opaca. Não há jogo - elemento tão caro a Beckett - entre os personagens.

É triste ver o alto nível técnico do elenco comprometido com uma proposta equivocada. Magali, como de praxe, impressiona em um Gogô que aparece como o personagem mais elaborado. Sua expressividade comove, é de uma poesia rara. Já Bete patina em um Didi - como bem apontou Sérgio Coelho, na Folha - próximo de uma Emília, de um Pierrot Lunaire.

Lavínia encarna um Pozzo clownesco, estilizado, que pouco tem a ver com os "palhaços" de Beckett. Eles são metafísicos, sua condição emana da linguagem. O da montagem, por sua vez, tende à obviedade. Já o papel de Lucky está muito mais bem caracterizado, pela bela Vera. Seu monólogo, sob às ordens de Pozzo, é perfeito, fiel retrato da proposta beckettiana. Seus mensageiros também aparecem com correção, cheios de si.

Difíceis de justificar, também, são os cortes e alterações feitos no texto. O primeiro ato termina de uma forma abrupta, beirando a pressa. No segundo ato, Lucky não volta. Seu chapéu, porém, está lá, sugerindo uma interação. Tais opções nada conseguem senão empobrecer o conjunto.

Por fim, é sensível uma dinâmica estranha ao texto. Os silêncios, em Beckett, são tão importantes quanto as falas. Sobretudo em Godot, em que a espera sufoca, asfixia, oprime. Magali é quem consegue imprimir esta atmosfera com mais precisão; sua manipulação do cigarro é meticulosa, esmerada, renegada. Há no geral uma certa pressa, uma ansiedade indevida.

O resultado, pois, deixa a desejar. Teremos que esperar um pouco mais até vermos um Godot à altura de seu legado.

Para ir além
Esperando Godot - SESC Belenzinho / Subsolo - R. Álvaro Ramos, 915 - Belenzinho - Tel. (11) 6602-3700 - R$ 15,00 (ingressos esgotados) - Sexta a domingo, 21h - Até 26/03.

Nota do Editor
Leia também "Vida besta".

Notas

* Voltou ao Espaço CPT, no SESC Consolação (R. Dr. Vila Nova, 245, Vila Buarque, tel. (11) 3234-3000 / R$ 20,00 / Sábado, 21h, e domingo, 19h / Em cartaz por tempo indeterminado) o interessante espetáculo O Canto de Gregório, de Paulo Santoro. A direção é de Antunes Filho, e no elenco estão, entre outros, Arieta Corrêa, Juliana Galdino, Emerson Danesi e Marcelo Szpektor. Ele trata de Gregório, um homem assolado por dúvidas acerca de suas escolhas e ações. É possível ser realmente bom? Entre seus interlocutores, estão personalidades como Jesus Cristo, Sócrates e Buda. Note o controle preciso de Antunes sobre a construção dos personagens. Um texto inteligente, bem humorado e irônico.

* A Cia. São Jorge de Variedades completa oito anos de vida com uma mostra de seu repertório no Centro Cultural São Paulo (R. Vergueiro, 1000, Liberdade, tel. (11) 3277-3611, r. 221 / R$ 12 / conferir programação no site). Em cartaz atualmente está a peça Pedro, o Cru, um retrato rasgado e extremamente irônico do episódio da coroação de Inês de Castro após a sua morte, por El-Rei D. Pedro. Uma peça sobre o amor e sobre a obstinação. Vale a pena conferir a vibração de uma companhia que embarcou com tudo no projeto do espetáculo. A direção é de Georgette Fadel. Até o final de maio, a companhia apresentará ainda Biedermann e os incendiários, As Bastianas e Um credor da Fazenda Nacional.


Guilherme Conte
São Paulo, 22/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Texto Otimista de Fim de Ano de Duanne Ribeiro
02. Corrupção ou esperança de Daniel Bushatsky
03. Baudelaire, um pária genial (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti
04. Zé Rodrix ― o escritor e o amigo de Luis Eduardo Matta


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2006
01. 13º Porto Alegre em Cena - 15/9/2006
02. Sua majestade, o ator - 18/1/2006
03. Um Brecht é um Brecht - 5/4/2006
04. A essência da expressão dramática - 26/4/2006
05. Strindberg e o inferno de todos nós - 29/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Dvorák - Grandes Compositores da Música Clássica Vol 24
Abril Coleções
Abril Coleções
(2009)



Por que virei à direita
Denis Rosenfield, João Pereira Coutinho, Luiz Felipe Pondé
Três Estrelas
(2012)



Prática de Cálculos Trabalhistas na Liquidação de Sentença
Paulo Cesar de Castilho
Rt
(1998)



Era uma Vez... Realidade Talvez
Janaina Soares e Susana Nogueira (orgs)
Cbje
(2014)



Anistia V. 01 Congresso Nacional - Comissão Mista Sobre Anistia
Comissão Mista do Congresso e Teotônio Vilela
Congresso Nacional
(1982)



Nova Lei do Desporto Comentada; Projeto Zico
Álvaro Melo Filho
Forense (rj)
(1994)



Vade Mecum: Penal e Processual Edição 2010
Rogerio Greco
Impetus
(2010)



Yo Soy El Mercado: Teoría, Métodos y Estilo de Vida del Perfecto
Yo Soy El Mercado
Duomo Ediciones
(2010)



Ciencia, Técnica y Humanismo - una Propuesta a La Sociedad
Marcos Meeroff / Agustin Candiotti
Biblos
(1996)



Fantastic Voyage
Isaac Asimov
Bantam Books
(1988)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês