Horizonte perdido | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> The Social Network ou A Rede Social, o filme
>>> Só notícia boa
>>> Made in China
>>> Para ler o Pato Donald
>>> Prossiga
>>> Mozart 11 com Barenboim
>>> Para amar Agostinho
>>> Discos de MPB essenciais
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> O Passado, de Hector Babenco
Mais Recentes
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> Diversidade e Sistema de Ensino Brasileiro volume c2 de Ana Paula Alves Ribeiro / Maria Alice Rezende Gonçalves pela Outras Letras (2023)
>>> O Graal da Serpente de Philip Gardiner com Gary Osborn pela Pensamento (2008)
>>> Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futuro de Humberto Mariotti pela Atlas (1999)
>>> Python e Mercado Financeiro de Marco Antonio Leonel Caetano pela Blucher (2021)
>>> Um Longo e Solitário Tempo de Airton Marques de Oliveira pela Razão da Terra (1996)
>>> Equações Diferenciais - Volume 2 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Equações Diferenciais - Volume 1 de Dennis G. Zill e Michael R. Cullen pela Makron Books (2001)
>>> Processos de Transmissão de Calor de Kern pela Guanabara Koogan (1987)
>>> Transformações de Valéria Torres pela Litteris (1999)
>>> Sobrenatural: Impressões sobre os lençóis Maranhenses de Meireles Junior pela Do Autor (2016)
>>> Poesia em Serenata de Margarida Marques pela Evsa (1998)
>>> Panelas em transe de Cassio Machado pela B&b (2005)
>>> Vade Mecum 2008- 6ª Edição - Contém CD de Saraiva (Organizador) pela Saraiva (2008)
>>> Pizzolato: Não Existe Plano Infalível de Fernanda Odilla pela Leya (2014)
>>> Air Gear nº 21 de Oh! Great pela Panini Comics (2011)
>>> Constitution of United States of America de David Osterlund e outros pela Barnes & Noble (1995)
>>> Poder-saber ética da escola de Sandra Mara Corazza pela Unijuí (1995)
>>> Como fazer um disco independente de Chico Mário pela Vozes (1986)
>>> Suagh'Leng'hor de Milton José de Almeida pela Cortez (1990)
>>> As Ideias de Marx de David McLellan pela Cultrix (1993)
>>> Südkurier de Antoine de Saint-Exupery pela Karl Rauch (1949)
>>> Discurso de Metafísica e Outros Textos Gottfried Wilhelm Leibniz de Gottfried Wilhelm Leibniz pela Martins Fontes (2004)
>>> Interview with the vampire de Anne Rice pela Ballantine (1997)
>>> L'horizon Des Esprits de Joseph Moreau pela Presses Universitaires De France (1960)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/7/2006
Horizonte perdido
Elisa Andrade Buzzo
+ de 4600 Acessos
+ 4 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Aqui na cidade sinto falta de uma linha de horizonte, de uma natureza exagerada, arrebatadora, saída de romance indianista. Sentir em desabrigo a fúria de uma tempestade, sem toda essa parafernália que a vida urbana proporciona. Ou restringe. Não esquecer que afinal não há nada acima da cabeça (ainda que o teto do apartamento crie a ilusão de abrigo), apenas o todo e vazio negro. E a única proteção concreta é a das mãos em reflexo. Ver a lua, lembrar que somos mais um ponto (pálido?), sondar os mistérios do universo.

Sou toda urbana, distanciada de mim mesma. A urbe é bell jar de Sylvia Plath, arcaica abóbada celeste medieval - mas o céu aqui nem é abaulado, são pontas de ferro empinadas de orgulho paulistano pela riqueza e altura gratuitas. Pontas de lança. Pontas que já espetam. Vaidade vazia.

Na busca por um traço de céu, procuro alguns dos edifícios mais altos da cidade para clarear meus olhos míopes. Enxergar as cidades devastadas dentro dessa metrópole que vai se demolindo e se reerguendo a cada piscar de olhos. Haverá algo que eu ainda possa ver da mesma maneira que um habitante de seus primórdios?

Subir os lances da escada ao lado da estação Vergueiro do metrô tirava o fôlego e dava a sensação de que uma altura considerável estava sendo enfim alcançada. No décimo andar de um prédio comercial na Praça Santo Agostinho, beber água no final do expediente era um pretexto para comer minha fatia diária de céu. Tudo cinza, começando a resplandecer, era o que as grandes janelas de vidro diziam. Enquanto o céu anoitecia, a cidade amanhecia num brilho de colar de pérolas. No longe aquele desenho em lápis mole era fixo, calmo; pois a cidade vista assim das alturas é massa amorfa, os problemas parecem menores, os desenganos se amenizam, e mais, os olhos descansam numa sensação de liberdade que apenas a altura proporciona (ou que apenas ver a própria gaiola em amplitude representa).

Vejo uma dama de família quatrocentona apoiando um cálice na mureta ainda pouco cinza de poluição no terraço do Edifício Martinelli. Era um tempo em que os grã-finos circulavam pelo centro da cidade. Ela meneia a cabeça para trás num movimento sensual - pescoço alvo, dentes à mostra, cabelos ao vento - sua risada longínqua e estridente é o som presente de buzinas.

Milhões de murmúrios, lagartos, trânsito, conversas, balões, cobras, juras de amor, tráfico, pactos, pássaros também sobem com o ar quente. O resultado é um zunido incessante e não há mais como dissociar as partes desse todo silenciosamente barulhento. Sinfonia aleatória, doce assim do alto - apenas solta no ar, encontrando o ápice, o invisível cálice.

O ambiente do terraço, a 30 andares acima da terra firme é propício para declarações contundentes, comícios, atos grandiosos. Hoje seguranças acompanham os visitantes ao local, ainda que ninguém mais vá até lá com segundas intenções, a não ser em busca do mágico horizonte, da visão aérea privilegiada: corpo nu de mulher estendido é a cidade ao norte sul leste oeste. Enfim poder visualizá-la até onde a vista alcança, e então pontilhar a retina do perdido que sempre fora visto. Nem chego perto da sacada, o máximo que faço é apoiar as mãos e resistir ao "venha", bala puxa-puxa lançada pela mulher.

Como hoje alguém se arriscaria ao embalo dos andares-nuvens se a queda é inevitável e o tempo presente não tem a maciez da nostalgia?

Um lugar garantido no Paraíso pode ser tão direcionado às classes mais robustas quanto na época da venda de indulgências. Haveria local melhor para satisfazer meu intento de contemplar a linha de São Paulo do que o edifício mais alto da cidade? 46 andares. Plantado na beleza sombria e folhuda da Avenida Ipiranga desde 1965. Edifício Itália. Pois eu não contava com a rápida ação da hostess; é necessário completar uma chique e cara refeição (a tal indulgência versão descarnadas-asinhas-de-codorna-no-buffet) num restaurante para ter acesso à vista, ao firmamento mais badalado e menos público da cidade. Nem tão bonito assim, devo dizer...

Vê-se o milagre do concreto despontando pelas ruas em repentina miniatura. Finos canais aonde os autos percorrem, num também milagroso senso de direção diante de tantos caminhos-serpentina possíveis. É de cima que se vê o labirinto armado, que se avista o esqueleto do fura-fila com pernas magras, desajeitadas. Inúteis.

Bonito mesmo é aquele horizonte que surge ao motorista, numa das retas do Minhocão, em final de tarde como névoa tremelicante de luzes ou, nas noites claras, fantasma inalcançável. O edifício Altino Arantes tem carne, osso e uma linda bandeira, que embora à distância seja diminuta, olhando-a diretamente do mirante do edifício, é enorme, flutuante. E os movimentos do pano em dobras se sobrepõem ao ruído de fundo da cidade no acontecer diário. A bandeira do Estado de São Paulo pesa muito assim hasteada sobre 11 milhões de cabeças.

E é do Prédio do Banespa que surgem, como última cerca de natureza exuberante, montanhas marrons, negras, azuis. Antiga fortaleza de São Paulo de Piratininga.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 27/7/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Amy Winehouse: uma pintura de Jardel Dias Cavalcanti
02. Bonecas russas, de Eliana Cardoso de Eugenia Zerbini
03. Mp3: da pirataria ao Bolsa-Download? de Paulo de Resende
04. Uma fábula anticatólica de Daniel Lopes
05. Luiz Antonio de Assis Brasil de Marcelo Spalding


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2006
01. Mia Couto revisitado - 14/9/2006
02. Novos autores na poesia brasileira - 18/5/2006
03. FLAP! Uma bofetada na indiferença* - 10/8/2006
04. Qual é o seu departamento? - 26/10/2006
05. As crianças cheirando cola - 7/12/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/7/2006
00h40min
O que dizer de um texto tão belo?
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
28/7/2006
02h39min
Isso é quase um poema, esse texto. Li, atras dessa reflexão algo melancólica, calma e densa, um poema de amor pela cidade de São Paulo. Conheço muito pouco mas, depois de um texto desses, me sinto quase íntimo da cidade. A maturidade dos sentimentos expressos aqui faz crer que São Paulo é muito mais rica do que imaginamos. Nada da velha ladainha da "cidade grande e desumana" e sim o contrário, transformar uma cidade enorme numa coisa humana, tão humana quanto o sentimento que ela, a cidade, pode provocar em pelo menos um de seus habitantes, no caso a autora. Elisa, repetindo o que o Rafael Rodrigues já disse: o que dizer (mais) de um texto tão belo?
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
28/7/2006
11h58min
"e o tempo presente não tem a maciez da nostalgia?": sinto como se ela fosse macia demais... a se esfacelar. como se não a tivesse por a ter em outras vias. ótimo, tudo.
[Leia outros Comentários de Eduardo Lacerda]
28/7/2006
17h03min
Elisa... é incrível como o paulistano não enxerga a beleza-feiúra desta cidade (será que não?). Esta gaiola de cinzas que nos torna presos e que atordoa... e, no entanto, pode-se voar, de alguma forma. Esta cidade... eu amo e odeio tanto... Mas só consigo ficar perplexo ante a beleza deste texto, assim como eu, com meus 32 anos vividos aqui, ainda fico perplexo com a cidade.
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Quando Deus Quer Agir
Silas Malafaia
Central Gospel
(2009)



Ruah - Quebrando os Paradigmas de Que Gordura É Saúde e Magreza É
Padre Marcelo Rossi
Principium
(2015)



Livro -Quando Te Vejo - Você Conseguiria Amar Alguém Sabendo Como Tudo Vai
Holly Miller
Harper Collins
(2021)



Literatura Comentada: Antônio Callado
Antônio Callado
Abril
(1982)



Simples Verdades - um Guia Amoroso Sobre Grandes Temas da Vida
Kent Nerburn
Sextante
(2007)



A Morte e a Morte de Quincas Berro Dagua
Jorge Amado
Record
(1999)



Superdicas para Empreender Seu Próprio Negócio (2008)
Ruy Leal
Saraiva
(2011)



Livro - Olhai os Lírios do Campo - Col. Aventura de Ler
Erico Verissimo
Globo
(1994)



A Love Affair in Rome - Pocketbook
Ercole Patti
Penguin
(1958)



Tajá e Sua Gente (1986)
Jose J. Veiga
Salamandra
(1986)





busca | avançada
47877 visitas/dia
1,6 milhão/mês