Ditadura e um urso gostoso | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 20/11/2006
Ditadura e um urso gostoso
Marcelo Miranda

+ de 5500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Desde 1982 o regime militar é matéria-prima para muitos filmes brasileiros. É o período mais doloroso da nossa história recente, época de torturas, desaparecimentos, conservadorismo, falta de liberdade. Mas é, ironicamente, uma época de conquistas (Copa de 70, crescimento econômico) e avanços no país. Lidar com este pensamento ambíguo, de um tempo ao mesmo tempo próspero e nefasto, ainda é complexo e gera confusões na cabeça de muita gente. O cinema, com seu poder de recriar realidades amplas a partir de olhares particulares, vem tentando, à sua maneira, compreender o período - ou mesmo refletir sobre ele. Pra frente Brasil, de Roberto Farias, foi o primeiro. Lançado ainda com a ditadura em vigor, mostrava o paradoxo entre os porões da tortura e a alegria dos estádios. Já tocava fundo na ferida, mas era apenas o primeiro passo.

Vinte e quatro anos depois, filmes e mais filmes foram despejados tendo o militarismo entre 1964 e 1985 como presença nos enredos. Fosse de forma direta (Lamarca, Ação entre amigos, O que é isso, companheiro?, Cabra-cega), fosse tendo o regime como contexto ou ambientação (Dois córregos, Zuzu Angel). Tudo isso para falar de dois filmes atualmente em cartaz nas salas brasileiras e cujo foco está na ditadura, cada um lidando com o tema à sua maneira - e ambos com formas muito particulares e distintas de enxergá-lo. Sonhos e desejos e O ano em que meus pais saíram de férias partem do conflito e da repressão provocados pelos militares para narrarem dramas intimistas. Colocar a dupla de produções lado a lado é sentir o quanto, por um lado, ainda existe imaturidade em relação à abordagem, e por outro é possível criar uma obra de impacto sem ao menos inserir um discurso ou sequer pronunciar a palavra "ditadura".

É isso que acontece no filme de Cao Hamburger. O ano em que meus pais saíram de férias não inclui palavrórios contra o regime e nem explicita o momento pelo qual o país passa. Porém, logo nas primeiras cenas, o espectador sente o clima pesado, a movimentação estranha de quem precisa se esconder, a angústia de pessoas que lutavam por liberdade e só encontravam feridas e mortes. O garoto Mauro é o centro da narrativa, e é através dele - mais ainda: através do olhar inocente e ingênuo que ele coloca em tudo ao seu redor - que o público embarca na trama. Hamburger arriscou deixar o filme a cargo desse menino, de seu olhar, de sua percepção ante a realidade onde está colocado. Não é preciso que surjam guerrilheiros em ação ou milicos maldosos dispostos a matar passarinhos (tal cena existe, e está no sofrível Garrincha - Estrela solitária). A cada expressão de dor, de dúvida, de anseios, tanto das crianças quanto dos adultos, sabe-se perfeitamente o que se está enfrentando.

O ano em que meus pais saíram de férias

O ano... é um filme de esperança e tolerância. O desencadeamento das cenas parece a todo instante nos levar a pensamentos simples, que serviriam para decidir positivamente o conflito em que estão os personagens: aceitar o próximo, entender a cultura alheia e enxergá-la no mesmo patamar que as outras. Somente assim a repressão pode ser destituída, e somente assim Mauro vai amadurecer e perceber que a ausência de seus pais talvez seja um sinal de que ele precisa aprender a estar entre outros, a entender a vontade de terceiros. Parece moralismo, mas aí está algo inexistente no filme de Hamburger. Através da convivência de seu protagonista com aqueles que assumem a responsabilidade de cuidar dele, o diretor fala de política sem mostrar a política. Política está nas relações, nas trocas de gestos, na interação de um com o outro. E também na ingenuidade de quem ainda não entende muito bem o que está à sua volta. Quando Mauro diz "exílio é quando o pai da gente atrasa tanto, mas tanto, que nem aparece em casa", a simplicidade da frase desmonta qualquer argumento mais politizado.

Não é nada disso que acontece em Sonhos e desejos. Primeira ficção de Marcelo Santiago, o filme se inspira no livro Balé da utopia, de Álvaro Caldas, para falar sobre um núcleo de guerrilheiros em Belo Horizonte formado por um professor universitário e a estudante com quem ele inicia um romance. Ao cuidar de determinado "companheiro" ferido, que se esconde em sua casa, a moça se envolve num jogo de sedução e cria o velho e bom triângulo amoroso que não pode acabar bem. Para sentir as "boas intenções", já começo contando que o título do filme, que seria mesmo Balé da utopia, foi mudado porque muita gente não sabe o significado da palavra "utopia". Não, não fui eu a afirmar tal coisa. A idéia partiu da produção - a cargo de Lucy Barreto e do filho, Fábio Barreto.

Sonhos e Desejos

Tão nobre preocupação com a compreensão do povo brasileiro ecoa a cada segundo de filme. Mais parecido com uma novelinha de quinta categoria do que um drama na ditadura, Sonhos e desejos se atenta em parecer sensual sem ser relevante, em parecer profundo sem ser autêntico. Então, seria um filme de aparências? Sim, mas se aparência denota imagem, Marcelo Santiago ignora qualquer sentido a esta acepção. O filme soa dialogado ao extremo. Não que seja um pecado falar nos filmes. O português Manoel de Oliveira fez uma obra-prima de palavras chamada Um filme falado. Porém, quando há frases como "você parece um urso gostoso" (recitada por Mel Lisboa), algo está errado. A intenção assumida de Santiago e do produtor Fábio Barreto - a quem não se lembra, Fábio é aquele infeliz que dirigiu Bela Donna e A paixão de Jacobina - era deixar de lado a abordagem direta da ditadura e retratar uma paixão em meio à guerrilha. Pois deveriam ter se esmerado um pouco.

A ditadura está lá, como um fardo carregado pelo enredo. Todas as vezes que surgem referências à ação antimilitar, o filme tenta passar rápido e chegar logo no triângulo amoroso, como se a repressão fosse uma obrigação de roteiro, ou mesmo algo a tentar dar mais importância ao drama principal. Quando o amor floresce em cena, inquieta mais o sexo quase explícito (Mel Lisboa transa no chão, na cama e até num sonho) do que qualquer tipo de preocupação com a intimidade verdadeira desses personagens. É tudo descarado demais (e não se fala aqui de nudez, mas de falta de sutileza), como se o tesão valesse mais que a complexidade de sentimentos numa situação como aquela. Talvez quem não saiba o que é "utopia" seja mesmo a turma de Sonhos e desejos.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 20/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
02. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
03. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
04. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
05. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/11/2006
00h51min
Não assisti a nenhum dos dois filmes mas percebo que a crítica do Marcelo Miranda é perfeita. É como se a gente tivesse visto o filme. Marcelo capta exatamente a impressão última de um espectador atento e inteligente, que faz aquela crítica (rara) que enriquece quem lê. Bons críticos são tão importantes para o cinema quanto bons diretores e atores; e o cinema nacional está sempre precisando disso. Falou, Marcelo.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVRO DO PRÁTICO DE FARMÁCIA 5A. EDIÇÃO
HEITOR LUZ
TEIXEIRA
(1954)
R$ 19,97



MANUAL PRÁTICO DOS CONTRATOS
JONATAS MILHOMENS
FORENSE
(2001)
R$ 20,00



HORA ZERO
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(1944)
R$ 10,00



LIMITES DA VOZ (MONTAIGNE, SCHLEGEL, KAFKA)
LUIZ COSTA LIMA
TOPBOOKS
(2005)
R$ 26,91



DROGAS: AÇÕES E REAÇÕES
GESINA L. LONGENECKER
MARKET BOOKS
(2002)
R$ 7,19



ASSOMBRAÇÕES
COLIN JACQUI HAWKINS
MARTINS FONTES
(1997)
R$ 14,00



ATÉ AS PRINCESAS SOLTAM PUM
ILAN BRENMAN
BRINQUE-BOOK
R$ 39,95



NOÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM SEGURANÇA DO TRABALHO 7ª EDIÇÃO REVISTA E ATUALIZADA
TAVARES, JOSÉ DA CUNHA
SENAC
(2010)
R$ 5,30



O ANJO, A PÉROLA E O PEQUENO DEUS - CAPA DURA
WINSTON GRAHAM
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



DEPOIS, O SILÊNCIO
GANYMÉDES JOSÉ
EDIOURO
(1975)
R$ 11,49





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês