Ditadura e um urso gostoso | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Propostas para o nosso milênio (I)
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
Mais Recentes
>>> Os donos do poder - 02 vols.
>>> Quem é Você, Alasca?
>>> O Homem do Céu
>>> Lolita
>>> Vida Querida
>>> Paula
>>> Caetés
>>> Sem Marido... E Agora?
>>> Angústia
>>> Gafe não é Pecado
>>> Se Abrindo pra Vida
>>> O Despertar da Águia
>>> Cartas
>>> Linhas Tortas
>>> São Bernardo
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
COLUNAS

Segunda-feira, 20/11/2006
Ditadura e um urso gostoso
Marcelo Miranda

+ de 5200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Desde 1982 o regime militar é matéria-prima para muitos filmes brasileiros. É o período mais doloroso da nossa história recente, época de torturas, desaparecimentos, conservadorismo, falta de liberdade. Mas é, ironicamente, uma época de conquistas (Copa de 70, crescimento econômico) e avanços no país. Lidar com este pensamento ambíguo, de um tempo ao mesmo tempo próspero e nefasto, ainda é complexo e gera confusões na cabeça de muita gente. O cinema, com seu poder de recriar realidades amplas a partir de olhares particulares, vem tentando, à sua maneira, compreender o período - ou mesmo refletir sobre ele. Pra frente Brasil, de Roberto Farias, foi o primeiro. Lançado ainda com a ditadura em vigor, mostrava o paradoxo entre os porões da tortura e a alegria dos estádios. Já tocava fundo na ferida, mas era apenas o primeiro passo.

Vinte e quatro anos depois, filmes e mais filmes foram despejados tendo o militarismo entre 1964 e 1985 como presença nos enredos. Fosse de forma direta (Lamarca, Ação entre amigos, O que é isso, companheiro?, Cabra-cega), fosse tendo o regime como contexto ou ambientação (Dois córregos, Zuzu Angel). Tudo isso para falar de dois filmes atualmente em cartaz nas salas brasileiras e cujo foco está na ditadura, cada um lidando com o tema à sua maneira - e ambos com formas muito particulares e distintas de enxergá-lo. Sonhos e desejos e O ano em que meus pais saíram de férias partem do conflito e da repressão provocados pelos militares para narrarem dramas intimistas. Colocar a dupla de produções lado a lado é sentir o quanto, por um lado, ainda existe imaturidade em relação à abordagem, e por outro é possível criar uma obra de impacto sem ao menos inserir um discurso ou sequer pronunciar a palavra "ditadura".

É isso que acontece no filme de Cao Hamburger. O ano em que meus pais saíram de férias não inclui palavrórios contra o regime e nem explicita o momento pelo qual o país passa. Porém, logo nas primeiras cenas, o espectador sente o clima pesado, a movimentação estranha de quem precisa se esconder, a angústia de pessoas que lutavam por liberdade e só encontravam feridas e mortes. O garoto Mauro é o centro da narrativa, e é através dele - mais ainda: através do olhar inocente e ingênuo que ele coloca em tudo ao seu redor - que o público embarca na trama. Hamburger arriscou deixar o filme a cargo desse menino, de seu olhar, de sua percepção ante a realidade onde está colocado. Não é preciso que surjam guerrilheiros em ação ou milicos maldosos dispostos a matar passarinhos (tal cena existe, e está no sofrível Garrincha - Estrela solitária). A cada expressão de dor, de dúvida, de anseios, tanto das crianças quanto dos adultos, sabe-se perfeitamente o que se está enfrentando.

O ano em que meus pais saíram de férias

O ano... é um filme de esperança e tolerância. O desencadeamento das cenas parece a todo instante nos levar a pensamentos simples, que serviriam para decidir positivamente o conflito em que estão os personagens: aceitar o próximo, entender a cultura alheia e enxergá-la no mesmo patamar que as outras. Somente assim a repressão pode ser destituída, e somente assim Mauro vai amadurecer e perceber que a ausência de seus pais talvez seja um sinal de que ele precisa aprender a estar entre outros, a entender a vontade de terceiros. Parece moralismo, mas aí está algo inexistente no filme de Hamburger. Através da convivência de seu protagonista com aqueles que assumem a responsabilidade de cuidar dele, o diretor fala de política sem mostrar a política. Política está nas relações, nas trocas de gestos, na interação de um com o outro. E também na ingenuidade de quem ainda não entende muito bem o que está à sua volta. Quando Mauro diz "exílio é quando o pai da gente atrasa tanto, mas tanto, que nem aparece em casa", a simplicidade da frase desmonta qualquer argumento mais politizado.

Não é nada disso que acontece em Sonhos e desejos. Primeira ficção de Marcelo Santiago, o filme se inspira no livro Balé da utopia, de Álvaro Caldas, para falar sobre um núcleo de guerrilheiros em Belo Horizonte formado por um professor universitário e a estudante com quem ele inicia um romance. Ao cuidar de determinado "companheiro" ferido, que se esconde em sua casa, a moça se envolve num jogo de sedução e cria o velho e bom triângulo amoroso que não pode acabar bem. Para sentir as "boas intenções", já começo contando que o título do filme, que seria mesmo Balé da utopia, foi mudado porque muita gente não sabe o significado da palavra "utopia". Não, não fui eu a afirmar tal coisa. A idéia partiu da produção - a cargo de Lucy Barreto e do filho, Fábio Barreto.

Sonhos e Desejos

Tão nobre preocupação com a compreensão do povo brasileiro ecoa a cada segundo de filme. Mais parecido com uma novelinha de quinta categoria do que um drama na ditadura, Sonhos e desejos se atenta em parecer sensual sem ser relevante, em parecer profundo sem ser autêntico. Então, seria um filme de aparências? Sim, mas se aparência denota imagem, Marcelo Santiago ignora qualquer sentido a esta acepção. O filme soa dialogado ao extremo. Não que seja um pecado falar nos filmes. O português Manoel de Oliveira fez uma obra-prima de palavras chamada Um filme falado. Porém, quando há frases como "você parece um urso gostoso" (recitada por Mel Lisboa), algo está errado. A intenção assumida de Santiago e do produtor Fábio Barreto - a quem não se lembra, Fábio é aquele infeliz que dirigiu Bela Donna e A paixão de Jacobina - era deixar de lado a abordagem direta da ditadura e retratar uma paixão em meio à guerrilha. Pois deveriam ter se esmerado um pouco.

A ditadura está lá, como um fardo carregado pelo enredo. Todas as vezes que surgem referências à ação antimilitar, o filme tenta passar rápido e chegar logo no triângulo amoroso, como se a repressão fosse uma obrigação de roteiro, ou mesmo algo a tentar dar mais importância ao drama principal. Quando o amor floresce em cena, inquieta mais o sexo quase explícito (Mel Lisboa transa no chão, na cama e até num sonho) do que qualquer tipo de preocupação com a intimidade verdadeira desses personagens. É tudo descarado demais (e não se fala aqui de nudez, mas de falta de sutileza), como se o tesão valesse mais que a complexidade de sentimentos numa situação como aquela. Talvez quem não saiba o que é "utopia" seja mesmo a turma de Sonhos e desejos.


Marcelo Miranda
Belo Horizonte, 20/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Crônica de Aniversário de Julio Daio Borges
02. A noite do meu bem, de Ruy Castro de Julio Daio Borges
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
05. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2006
01. Tabus do Orkut - 6/2/2006
02. Filmes extremos e filmes extremistas - 6/3/2006
03. Vida ou arte em Zuzu Angel - 14/8/2006
04. Caso Richthofen: uma história de amor - 31/7/2006
05. Eu vejo gente morta - 11/9/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/11/2006
00h51min
Não assisti a nenhum dos dois filmes mas percebo que a crítica do Marcelo Miranda é perfeita. É como se a gente tivesse visto o filme. Marcelo capta exatamente a impressão última de um espectador atento e inteligente, que faz aquela crítica (rara) que enriquece quem lê. Bons críticos são tão importantes para o cinema quanto bons diretores e atores; e o cinema nacional está sempre precisando disso. Falou, Marcelo.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O DESPERTAR DA MEIA NOITE
LARA ADRIAN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 10,00



THE LORD IS MY SHEPHERD AND HE KNOWS IM GAY
CHARLES L. LUCAS
A BANTAM BOOKS
(1978)
R$ 19,90



OS FILHOS DO IMPERADOR
CLAIRE MESSUD
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 5,00



DOCES MOMENTOS
DANIELLE STEEL
RECORD
(2008)
R$ 9,90



O SERMÃO DA MONTANHA
GEORGES CHEVROT
ASTER / CASA DO CATELO (PORTUGAL)
(1965)
R$ 8,00



O SEGREDO DE CHIMNEYS
AGATHA CHRISTIE
RECORD
R$ 8,99



MEU PRIMEIRO DICIONARIO OXFORD DE CIÊNCIAS DA NATUREZA
GRAHAM PEACOCK
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2016)
R$ 20,00



LORD JIM
AUTOR CONRAD
PAN CLASSICS
(1978)
R$ 8,00



SÃO PAULO PARA COLECIONADORES
ALEX XAVIER
PANDA BOOKS
(2003)
R$ 5,00



PUBLICIDADE EM CORDEL: O MOTE DO CONSUMO - GILMAR DE CARVALHO
GILMAR DE CARVALHO
MALTESE
(1994)
R$ 10,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês