O abismo olhou | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Terça-feira, 18/9/2001
O abismo olhou
Rafael Lima

+ de 2100 Acessos



Não era nem um pássaro nem o Super-Homem o que cruzou os céus de Manhattan baixo demais para ser um objeto não identificado: era um avião, mesmo, a se espatifar contra uma torre do World Trade Center. Desabamento. Reação imediata: pânico. O que acontecera era tão inconcebível que dava vontade de procurar o Godzilla se escondendo atrás de algum prédio, pelas câmeras da CNN. As primeiras demonstrações das autoridades internacionais eram de choque. O lábio inferior de Arafat tremia de medo. Claro, ninguém assumia a responsabilidade - numa hora daquelas significaria declaração de guerra. Até o Fidel espertamente demonstrou sua reprovação. Depoimentos chocantes tomavam conta de várias páginas na internet, narrados em tempo real. Na verdade, a guerra já tinha sido declarada declarada; só faltava identificar o inimigo. O presidente Bush, enquanto isso, encontrava-se em algum lugar da Flórida.

* * *

O enorme número de ironias envolvendo o incidente me espantou desde o início. Por exemplo, os engenheiros com quem trabalho imediatamente ressaltaram a eficiência com que o sequestro foi conduzido. Deformação profissional, claro, de gente acostumada a buscar sempre a melhor solução, mas a eficiência sempre foi um dos abre-alas fundamentais dos Estados Unidos. Depois do ataque ao prédio 1 do WTC, funcionários do prédio 2 correram para o saguão do 76º. andar, onde a segurança avisou que todos deveriam voltar ao trabalho por se tratar de um problema no outro prédio, como contou o Cris, acabando por expôr os trabalhadores por conta de um desses procedimentos de segurança... A dificuldade dos EUA em identificar o provável autor do atentado, não por ser difícil imaginar um provável suspeito, mas porque a lista podia ser grande demais e e o que é pior, talvez a imensa logística necessária apontasse para a prata da casa: a turma do Tim McVeitch, um Unabomber desses, e por aí vai. Em seu discurso da noite, Bush falou em "our great nation", falou que "derrubaram a fundação de um prédio, mas não abalaram as fundações deste país", falou em "caçar e punir os culpados", enfim a eterna retórica de arrogante xerife e auto-proclamado dono do mundo, o mesmo comportamento ao qual é lugar comum se atribuir o ódio e o rancor dos menos favorecidos, dos excluídos, dos losers. Falou grosso, mas na hora do bombardeio estava escondido em alguma base militar de Nebraska. Em cada encadeamento de idéias a estreita relação de causa e efeito parecia querer gritar seu nome, para explicar porque aquilo tudo ocorrera.

* * *

Não consigo deixar de imaginar o ocorrido em 11 de setembro sem deixar de pensar num assalto de sinal em que o pivete acaba matando o dono do carro importado, com proporções mundiais. Claro que a comparação não é muito boa, porque raramente o pivete está movido por ideologia ou religião, e é preciso bem mais do que desespero para tomar um Boeing inteiro — um não, quatro - de refém. O atentado foi o sinal dos tempos, foi a primeira invasão de Roma pelos bárbaros, a primeira estátua quebrada. O início da queda do império... americano. E aqui abro espaço para uma rápida digressão acerca da natureza dos impérios.

* * *

Nos últimos 500 anos — e essa estimativa é muito modesta — todos os grandes impérios que se ergueram o fizeram calcados no poderio militar. Nesse período, e em provavelmente qualquer um anterior a ele, todas as civilizações que apareceram sem força ou conquistas militares, em determinado momento a meio caminho de sua história foi subjulgada, talvez por uma civilização não mais organizada ou desenvolvida cientificamente, porém, certamente, com maior poderio militar. Com muito esforço dá para encontrar talvez na Índia, talvez alguma civilização pré-colombiana que tenham aflorado sem o objetivo primeiro da conquista do território estrangeiro, mas nenhuma dessas progride o suficiente para que chegue a entrar na História. O que acontece é que ela ou é destruída ou incorporada por um conquistador, perdendo, neste processo, as suas características próprias. E aqui se encerra essa digressão.

* * *

Com o império norte-americano não foi diferente. Porque se o american way of life foi a maior invenção do século XX, se o cinema foi a maior indústria de exportação do planeta, se seus bens de consumo se tornaram padrão de qualidade em todo o mundo, resta lembrar que com uma bomba atômica debaixo do braço e um pelotão de fuzileiros navais na mão é mais fácil vender essas coisas. Atribuir apenas à excelência econômica a influência norte-americana no mundo é esquecer a miríade de ditadores que ajudaram a espalhar ao redor do mundo, do sudeste asiático à África e América Latina, à base de força militar e apoio econômico, durante o período da Guerra Fria e antes, a fim de garantir mercados potenciais que poderiam ser perdidos para o bloco socialista da União Soviética. Antes que venham a me interpretar errado, aviso que listar as atitudes norte-americanas reprováveis não é de maneira alguma justificativa o ato terrorista que se cometeu contra a maior cidade do mundo; o objetivo aqui é mostrar como o comportamento de um império que sempre caracterizou os USA. Além do que, terrorismo não tem justificativa. Justificativa é o nome que se dá quando se diz que jogar duas bombas atômicas em alvos civis no Japão era explicável para evitar a morte de mais soldados - e depois se vence a guerra.

* * *

Mas essa guerra, não a grande guerra dos cachorros grandes, donos de arsenal atômico, mas a pequena guerra, da convivência entre opostos, a travada dia a dia no cotidiano civilizado, essa parece cada vez mais perdida. Não que estivesse perto de ser ganha, embora o estado de Paz armada da Guerra Fria, ou de Pax Americana, depois que o muro de Berlim ruiu, nos enganasse satisfatoriamente com sua impressão de segurança, pelo respeito a certos limites. Mas os assaltantes estão nos sinais de trânsito, os canibais estão na sala de jantar, e os terroristas derrubam os maiores prédios do mundo. É um daqueles pontos de inflexão, um daqueles momentos singulares em que a História se olha no espelho e se pergunta a que ponto sua coerência a levou, afinal, os vencedores continuarão tendo o direito de escrevê-la e os cidadãos comuns continuarão achando que essa é a única e intransponível verdade. É num momento desses que Mister Kurtz questiona a moralidade de seus atos no meio da selva. É quando se olha para o abismo, e o abismo olha de volta. É quando alguém grita que o rei está nu.

* * *

Mas Bush já convocou a cavalaria enquanto gira os Colts 45, carregados de balas atômicas nos dedos. Pela internet os apelos populares se mutliplicam pedindo vingança, retaliação, destruição, até extermínio do inimigo. O mundo, assustado pela falta de segurança que o terrorismo cria, parece ratificar as ações mais radicais norte-americanas. Não é muito difícil imaginar qual caminho será o escolhido. De novo.

* * *

Viagra
Entreouvido de um dos populares, em frente a uma dessas lojas de eletrodomésticos que deixam as televisões ligadas para atrair o público, durante as cenas de destruição:
- Eu bem que vinha dizendo que os Esatdos Unidos estavam se tornando em uma potência fraca...

Botinadas
Nem todo mundo percebeu que entre os palestinos que apareceram comemorando o atentando, havia um garoto com a camisa da seleção brasileira, número 9. Já andam dizendo por aí que, dado o nível de violência do esquema tático, Felipão anda pensando em convocá-lo ("Vai lá, agarra o Zidane e depois puxa o pino da granada!")


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 18/9/2001


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NAVEGANDO COM O SUCESSO
VILFREDO SCHURMANN
SEXTANTE
(2009)
R$ 5,00



ENTRE FADAS , MAGOS E GNOMOS
SIDNEI SPANO
PORTAL CELESTE
(2004)
R$ 14,00



PERDAS E GANHOS
LYA LUFT
RECORD
(2004)
R$ 4,00



ANARQUISTAS, GRAÇAS A DEUS
ZÉLIA GATTAI
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 39,00



A DISTÂNCIA ENTRE NÓS
MAGGIE O´FARRELL
RECORD
(2010)
R$ 31,50
+ frete grátis



EMPRESAS NA SOCIEDADE. SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL
JOSÉ ANTONIO PUPPIM DE OLIVEIRA
ELSEVIER
(2013)
R$ 50,00



TELEFONE PARA SURDOS, - COLEÇÃO ENSAIO
ALCÂNTARA SILVEIRA
IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO
(1962)
R$ 12,00



MORGAN AMERICAN FINANCIER
JEAN STROUSE
WINNER OF THE BANCROFT PRIZE
(1999)
R$ 60,00



ABZ ENSAIOS DIDÁTICOS (LIVRO AUTOGRAFADO)
PAULO BORBA CASELLA
IMPRENSA OFICIAL
(2008)
R$ 30,00



O ORFANATO DA SRTA. PEREGRINE PARA CRIANÇAS PECULIARES #1
RANSOM RIGGS
LEYA
(2015)
R$ 10,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês