O umbigo, nossa arena olímpica | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Sexta-feira, 5/9/2008
O umbigo, nossa arena olímpica
Adriana Baggio

+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

No dia em que escrevo, a atleta brasileira Ketleyn Quadros inaugurou dois rankings: seu bronze no judô é a nossa primeira medalha nos jogos de Beijing. É também a primeira mulher do Brasil a subir ao pódio olímpico em um esporte individual. Não tenho na manga as estatísticas que a televisão despeja. Mas se o ineditismo de bons resultados em competições individuais merece tal destaque, deve ser porque estão mais acostumados a nos verem bem em esportes coletivos.

E por que isso acontece? Se o senso comum for suficiente para tentar encontrar uma explicação, diria que tem a ver com o temperamento do brasileiro. Somos espontâneos, simpáticos, gregários. Gostamos de estar uns com os outros. Nos acostumamos a viver e conviver em grandes grupos. Nos sentimos bem em ter uma liderança que nos guie, alguém que diga o que devemos fazer. Além disso, em uma equipe se dividem as glórias, mas também as responsabilidades. E o brasileiro, historicamente, tem certa dificuldade em assumir a relação entre seus atos e as conseqüências.

Provavelmente o aspecto econômico seja até mais importante nessa dificuldade que temos em preparar atletas de ponta nos esportes individuais. No treinamento de equipes, ganha-se em volume. A equipe técnica de um time de vôlei de alto nível deve ser maior que a de um nadador, mas não na proporção da quantidade de atletas que estão sendo acompanhados. E mesmo que os custos de uniforme e viagens sejam maiores para as equipes, o patrocínio acompanha.

A estrutura necessária para se praticar esportes individuais também entra no aspecto do custo. Quase toda escola tem uma quadra de esportes, mesmo que seja um pedaço de terra batida. Mas quantas têm uma piscina, ou aulas de esgrima? Praticamente toda criança tem oportunidade de conhecer, tomar gosto e praticar um esporte coletivo: futebol, vôlei, até basquete. Mas para os individuais, o acesso afunila. Diria que a única exceção é a corrida, porque não precisa de muita estrutura ou equipamento. (Não, esquece. Para se tornar um fundista ou velocista de ponta, é preciso mais do que disposição para sair correndo por aí.)

E como uma coisa leva a outra, também temos pouco público e cobertura para os esportes individuais, enquanto os coletivos mobilizam torcedores, transmissões de TV, espaços publicitários, verbas de patrocínio. Em resumo, dinheiro. Assim fecha-se um círculo e voltamos às Olimpíadas. No fim das contas, apesar de toda importância e simbolismo dos jogos, quase tudo tem a ver com a prata.

Nada contra as modalidades coletivas. Acredito que os esportes, de forma geral, podem contribuir para a resolução de muitos problemas sociais. E como falta verba para os outros, que sejam os coletivos mesmo. Um treino de vôlei ou basquete tira os meninos da rua, dá preparo físico, ensina disciplina, motiva e libera aquelas substâncias que deixam a gente feliz. E no caso do futebol, muitas vezes é o único caminho que pode levar crianças carentes a uma relevante conquista profissional, já que todas as outras alternativas não estão habilitadas para elas.

A importância do esporte para o desenvolvimento pessoal e social não é nenhum segredo. Nós sabemos disso e, do nosso jeitinho, vamos tentando fazer o que é certo. Nada, porém, que se compare ao que fazem os chineses. No caso deles, o esporte é uma ferramenta política, ideológica. Formar grandes atletas, que levem o país ao primeiro lugar em uma Olimpíada, tem objetivos que vão muito além da preocupação com o desenvolvimento das crianças, boas notas na escola, diminuição de índices de delinqüência juvenil. A China trabalha para ser bem aceita globalmente, sem ter que mexer muito em pontos polêmicos como o Tibet, direitos humanos, liberdade individual e problemas como os de Xinjiang, a província de maioria muçulmana no oeste do país.

Enquanto dificultavam o acesso às informações sobre o atentado em Kashgar, na dita província, os chineses eram profícuos nas imagens de criancinhas treinando arduamente, fazendo flexões e abdominais até quase chorar de cansaço. E o Brasil, ou pelo menos as nossas emissoras de TV, tem uma forma irritantemente peculiar de tratar as informações que mostram uma grande diferença em relação aos hábitos ou à realidade do país. O tom é um misto de admiração e condescendência. "Puxa, olhe como essas crianças são esforçadas e disciplinadas. Ah, mas que pecado, né? Fazer esses pobrezinhos se esforçarem tanto, mesmo sem gostar de tal esporte. Ufa, que bom que a gente tá no Brasil e nossas crianças são mais livres e mais alegres".

Que tal entender por que um país deseja tanto formar grandes atletas? Por que os pais obrigam as crianças a participar desse tipo de programa? Por que a China faz questão de divulgar essas imagens para o mundo?

No mesmo dia, ou com poucos dias de diferença, a TV brasileira fez beicinho porque uma dupla de atletas chineses de vôlei de praia se irrita e pára de treinar quando percebe que está sendo filmada. O repórter faz sua interpretação despeitada: um país que está aberto para as Olimpíadas não deveria fechar a cara quando chega a imprensa estrangeira. Esse é o problema dos brasileiros: avaliar as situações sempre a partir dos nossos costumes, sem considerar o ponto de vista do outro.

Imagino que para uma emissora como a Globo é difícil não ter permissão para filmar o que quer que seja. Assim como qualquer outro grande player da mídia, ela está acostumada a ser cortejada para mostrar pessoas, marcas, situações. Afinal, seu negócio é o da exposição paga, o que inclui publicidade, propaganda, jornalismo. Porém, enquanto no Brasil o esporte é basicamente sustentado por patrocinadores e interesses comerciais, em que a exposição é fundamental para os lucros e a sobrevivência dos envolvidos, na China é diferente.

Por trás de imagens chapa-branca de criancinhas treinando e da recusa em expor as atletas de vôlei de praia existe o mesmo princípio: o esporte, no país, está a serviço do estado, e não do mercado. A decisão do que, de quem e de quando mostrar é política. Aqui, durante os treinos, os atletas usam uniformes com as logomarcas de seus patrocinadores. Divulgar um treino na TV é algo que tem mais a ver com acordos de marketing do que com a pauta jornalística. As atletas chinesas não tinham logos no uniforme.

Esse tipo de abordagem caipira não foi inaugurada nas Olimpíadas. Acontece sempre. A TV está filmando alguém dançando em outro país? Provavelmente vão dizer que não é a mesma ginga que o brasileiro tem quando samba. Um grupo está batendo uma bola em qualquer canto do mundo? Ah, não é a mesma ginga que o brasileiro tem com a bola. E daí? Samba e futebol não são as coisas mais importantes do planeta e muito menos pré-requisitos para julgar se uma cultura é ou não interessante.

Um país tão oposto ao nosso, como a China, gera muita estranheza ― e também a oportunidade ímpar para uma excelente cobertura jornalística. Mas não. Enquanto idosos chineses dançam e fazem exercícios em uma praça de Pequim, o melhor que o repórter consegue fazer são piadinhas. Gracinhas que, evidentemente, não procuram entender as diferenças, e sim transformá-las em atrações para fazer rir ou causar espanto ― como os circos com os anões, as mulheres barbadas etc.

Ok, mas o que isso tem a ver com nossa pouca representatividade nos esportes individuais? Pouco, a não ser o fato de que, quando somos piores em alguma coisa, devemos tentar aprender com os melhores. Não estou falando dos atletas ― ou melhor, estou sim, pelo menos um pouco. É vívida a dificuldade de concentração que temos em provas como a ginástica, por exemplo. Nossa emoção aflora, não somos acostumados a nos conter. Já que a competição exige, vale tentar adquirir um pouco da seriedade e da frieza ― criticada por nossos obtusos repórteres, claro, sempre atrás da fanfarronice ― ostentada por atletas de outros países.

Essa resistência ao aprimoramento pelo aprendizado tem a ver com a postura do brasileiro de forma geral e da mídia em particular. É como se as câmeras de TV estivessem acopladas ao umbigo brasileiro, mostrando tudo a partir de um ponto de vista estreito, egocêntrico, que limita a aceitação e a compreensão das diferenças. E assim continuamos nos aferrando ao samba e ao futebol, deixando de lado grandes oportunidades de desenvolvimento cultural, esportivo, social. Nada contra essas duas modalidades. Mas sou brasileira e tenho certeza que meu país não se resume a isso.


Adriana Baggio
Curitiba, 5/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
03. Dilúvio, de Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
04. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/9/2008
00h13min
Gostei muito da sua matéria. Moro fora do Brasil há 5 anos e essa mania de querer depreciar tudo o que não é "do Brasil" é bem típica do brasileiro médio. Essa maneira de mostrar as coisas com a "câmera ligada ao umbigo" como você define é realmente ridicula. A emoção que se atribui a quase tudo nessas transmissões - quem nao se lembra das "reportagens-poesia" de Pedro Bial, Tino Marcos etc. - é uma atitude piegas. Infelizmente, poucos no Brasil tem uma postura crítica como a sua para perceber isso.
[Leia outros Comentários de Marcio Souza]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ARMADILHA PARA LAMARTINE
CARLOS & CARLOS SUSSEKIND
BRASILIENSE
(1991)
R$ 10,00



TRAGWERKSBERECHNUNG NACH CROSS
C. PRENZLOW
WERNER VERLAG
(1963)
R$ 40,00



ANÁLISE DO "MODELO" BRASILEIRO
CELSO FURTADO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 6,90



DEUS ESTA CONTIGO - 1ª EDIÇÃO
PADRE JOHN WOOLLEY
PENSAMENTO
(2014)
R$ 19,95



A DIETA DA PORÇÃO PERFEITA
LINDA GASSENHEIMER
PUBLIFOLHA
(2007)
R$ 15,00



MITOLOGIA GRIEGA Y ROMANA
J. HUMBERT
GUSTAVO CILLI
(1943)
R$ 24,00



SUPER REVISAO OAB - DOUTRINA COMPLETA
WANDER GARCIA
FOCO
(2014)
R$ 20,65



O PENSAMENTO VIVO DE JOHN LENNON
EIDE M. MURTA CARVALHO
MARTIN CLARET
(1986)
R$ 6,90



VISÕES
SIRON FRANCO
SIMÕES DE ASSIS GALERIA ARTE
(1998)
R$ 40,00



MINERALOLUND BRENNSTOFFNORMEN
GEANDERTE AUFLAGE
BEUTH VERTRIEB
(1972)
R$ 60,00





busca | avançada
54003 visitas/dia
1,1 milhão/mês