Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
28528 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
Últimos Posts
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
>>> Terras da minha terra
>>> A bola da vez
>>> Osmose vital
>>> Direções da véspera V
>>> Sem palavras
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> Lulu Santos versus Faustão
>>> Aperte o play
>>> Banana Republic
>>> Em terra de cego, quem tem olho é Pelé
>>> O MP3 aconselha
>>> Cultura pop
>>> Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Borges: uma vida, por Edwin Williamson
Mais Recentes
>>> O Modernismo de Affonso Ávila pela Perspectiva (2002)
>>> Sempre é Tempo de Wanda A. Canutti pela Eme (2007)
>>> Não leve a Vida tão a Sério de Hugh Prather pela Sextante (2003)
>>> Gestão da Emoção de Augusto Cury pela Benvirá (2015)
>>> Sem medo de ser Feliz de José Carlos De Lucca pela Petit (1999)
>>> Schifaizfavoire de Mário Prata pela Planeta (2011)
>>> Casais Inteligentes Enriquecem Juntos de Gustavo Cerbassi pela Gente (2004)
>>> O Mulato de Aluísio Azevedo pela Ática (1998)
>>> Senhora de José de Alencar pela Ática (1996)
>>> Fome de Milagres de Virgil Gheorghiu pela Difusão Europeia do livro (1959)
>>> O Maior Vendedor do Mundo - 2ª parte de Og Mandino pela Record (1988)
>>> Monsehor Quixote 4ªed. de Graham Grene pela Record (1982)
>>> Mrs Polifaz e o Triângulo Dourado de Dorothy Gilman pela Casa Maria (1988)
>>> O Dossiê Pelicano de John Grisham pela Rocco (1993)
>>> Introdução à Economia Solidária de Paul Singer pela Perseu Abramo (2013)
>>> Tchapaiev - Coleção Romances do Povo - Direção de Jorge Amado de Dimitri Furmanov pela Vitoria (1954)
>>> O Dia do Chacal - Clássicos Modernos 6 de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1974)
>>> Drácula de Bram Stoker pela Nova Cultural (2002)
>>> Don Juan ou a Fascinante Vida de Lord Byron de André Maurois pela Nova Fronteira (1966)
>>> Resistência de Agnés Humbert pela Nova Fronteira (2008)
>>> Episódio da Vida de Tibério de J. W. Rochester psicografado por Wera Krijanowsky pela Lake (1999)
>>> Tutaméia - Terceiras Estórias de João Guimarães Rosa pela José Olympio (1979)
>>> Dias Perdidos de Lúcio Cardoso pela Civilização Brasileira (2006)
>>> Fauna Terrestre no Direito Penal Brasileiro de Luciana Caetano da Silva pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2001)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (Capa dura) de Célio César Paduani pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Filosofia do Estado Em Hegel (Capa dura) de Célio César Paduani/ Autografado pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2005)
>>> Criação de Alister Mcgrath pela Hagnos (2011)
>>> Processo de Hermenêutica na Tutela Penal dos Direitos Fundamentais de Eugênio Pacelli de Oliveira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Organismos Geneticamente Modificados de Marcelo Dias Varella/ Ana Flávia Barros- Platiau pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> Constituição e Hermenêutica Constitucional de Márcio Augusto Vasconcelos Diniz pela Mandamentos (2002)
>>> O Eden Perdido de Poliana R. Ramos pela Casa Publicadora Brasileira (1974)
>>> Servidor Público: Doutrina e Jurisprudência/ Capa Dura de Reinaldo Moreira Bruno e Manolo del Olmo pela Del Rey/ Mandamentos (2006)
>>> O Homem no Teto de Jules Feiffer pela Companhia das Letras (1995)
>>> Mais Veja Como se Faz de Derek Fagerstrom / Lauren Smith pela Sextante (2013)
>>> O Grupo de Empresas no Direito do Trabalho de Carine Murta Nagem Cabral: Coord. pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Aspectos Semiológicos do Direito do Ambiente de Patrícia Bressan da Silva pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Mulheres de Marilyn French pela Rio Gráfica (1986)
>>> Politicos do Brasil de Fernando Rodrigues pela Publifolha (2006)
>>> Hermenêutica Jurídica Clássica de Glauco Barreira Magalhães Filho pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2003)
>>> Instituições de Direito Eleitoral (capa Dura) de Adriano Soares da Costa pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A Fúria de John Farris pela Record (1980)
>>> O Quebra-Ossos - A Obstinação de um milionário louco agita o mundo do turfe de Dick Francis pela Nova Fronteira (1988)
>>> Caçada Sem Fim de Bryan Forbes pela Best Seller (1986)
>>> Nasce um povo de Michel Bergmann pela Vozes (2019)
>>> Teatro Flutuante 1º Vol. de Edna Ferber pela Saraiva (1962)
>>> Isso sim, é real ... de César Azambuja pela Do autor (2004)
>>> Viva Melhor! Com a Medicina Natural - Edição e Luxo de Luiz Carlos Costa pela Vida Plena Edições/ Sp. (1996)
>>> Noções de Psicofarmacoterapia na Prática de Jair Salim pela Educ/ EPU/ SP. (1987)
>>> O poder que vem do seu nome de Aparecida Liberato - Beto Junqueira pela Sextante (2005)
>>> Formulaire Cosmétique et Esthétique (Avec figures dans le texte)/ (Enc de Paul Gastou (Le Docteur) pela J.- B. Baillière/ Paris (1939)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/9/2008
Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
Andréa Trompczynski

+ de 4800 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Há dez anos eu era uma menina inocente. Do tipo que ainda lia Gabriel García Márquez e achava que a literatura eram os livros. Conservadora, ainda não tinha conhecimento do que era a crítica ou a boa discussão. Ainda não havia tido grandes pensamentos, grandes opiniões sobre as coisas. Ah, eu era tão feliz, ia à Igreja aos domingos, amava meu marido e fazia bolo de fubá à tardinha, nessas felicidades que só a ignorância pode proporcionar. Então, numa tarde, meu irmão ensina-me os primeiros passos para entrar na rede. "Você precisa conhecer, Andréa, você precisa ler isto". Eu precisava conhecer.

Comecei, então, nas incursões que iriam mudar minha vida para sempre. O primeiro lugar em que fui foi uma antiga sala de cinema, onde conheci um daqueles que hoje é meu grande amigo. Uma amizade que formou-se aos poucos, noite após noite, da sala aos e-mails, às antigas cartas, seladas e carimbadas, daí para os telefonemas e, a chamada pelos especialistas, vida real. Tremíamos os dois, habituados ao quarto fechado e o computador, no primeiro encontro. Rimos, achando tudo aquilo muito nonsense e nos abraçamos numa rodoviária de cidade do interior. Um abraço que dura até hoje.

O irmão insistia, aos brados, que eu precisava conhecer aquele site de nome estranho, o Digestivo Cultural. Relutei, por um tempo, afeita que estava ao bate-papo virtual, como todos já estivemos um dia. Cultural? Eu pensava que haveria lá um bando de senhores resmungões escrevendo didaticamente sobre as artes, a cultura. Curiosa, já em 2001, num certo dia em que meus amigos ainda não haviam chegado na sala para que matássemos novamente a pedradas o cinema iraniano ou para que pudéssemos incensar Barbarella, nas delícias de pensar sermos os donos de toda a verdade, entrei pela primeira vez neste que seria o meu primeiro guia em meio a uma cegueira da qual eu ainda não tinha conhecimento.

Li um texto do Julio Daio Borges e comentei; qual não foi minha surpresa quando ele, rapidamente, respondeu. Doce e inocentemente, como eu, à época. Conversávamos os dois, jovens e ainda um pouco idealistas, sobre livros e a vontade de escrever. Ah, então era assim? Poderíamos conversar com o autor? Discordar, trocar idéias e opiniões? Que novidade! Para mim, autores eram aquelas figuras casmurras das noites de autógrafos, e, pobrezinha de mim, eu nem sequer imaginava, à época, que havia autores da minha idade. Comecei a ler os colunistas, primeiro, o Alexandre Soares Silva, já falando em livros que iria publicar, ensinando-me os primeiros passos para uma ironia que me acompanha até hoje. O Alexandre falava, era lei; dizia que leu, eu lia. Ouviu? Ah, eu ouvia. Demorei para, lembro-me, ter a coragem de discordar do Alexandre.

O Fabio Danesi Rossi. Minha relação com ele, como leitora contumaz, daria um capítulo, meus caros, um capítulo! Incitava-me a discordar da minha professora de literatura, "meu gosto pela leitura sobreviveu aos professores de literatura". Ver que meu santo ― minha professora era, na época, um ídolo ― tinha pés-de-barro? Deus! E era ateu! E falava isso assim, como se isso fosse um "bom dia", o que, para mim, acostumada à vidinha católica provinciana, era um palavrão. Hoje, sem fé que sou, o que causa a estranheza e olhares piedosos das pessoas, o releio, compreendendo.

E como releio... Releio, quase que diariamente o Paulo Polzonoff Jr. Vi aquela fotografia, em sua apresentação, que não é mais a mesma de hoje, do menino de semblante triste, óculos, sentado à uma mesa de um bar. A fotografia era de uma solidão tremenda. Se alguém me perguntasse hoje qual meu texto favorito, direi hoje e diria sempre que foi o "Está Consumado", coluna histórica do Digestivo Cultural, que, à época, causou frisson nos mais moralistas, caindo como uma bomba: "este texto não é recomendado para quem faz uso contínuo de antidepressivos". E seguia o Paulo me guiando pelo labirinto da solidão, pelo labirinto da descoberta de nós mesmos.

Luis Eduardo Matta, meu caríssimo. Quanto devo à você. Imaginem vocês se a clássica menininha algum dia gritaria contra James Joyce, imaginem vocês se a conservadora guria algum dia defenderia o direito de ler escondido Agatha Christie. Não mais colocar sobre o exemplar de algum livro do Frederick Forsyth uma capa falsa de Ulisses, para levar ao parque e impressionar as senhoras bordadeiras. Ao LEM, obrigada. Hoje eu leio você sem culpa. E posse falar que leio você sem medo. Tenho até disso um certo orgulho iconoclasta. Posso lhe escrever agora, ou deixar um scrap no seu Orkut, contando-lhe o único desejo verdadeiro que tenho hoje: por favor, não mate a Evelyn Wakim! Que morra o Leopold Bloom, mas não a Evelyn Wakim. E eu sei que você irá responder.

Ontem, eu procurava meu próprio nome do Google, sim, sim, tenho essa torpeza de espírito. Num fórum havia um leitor um pouco empolgado que me colocava como parte de "uma geração da internet brasileira". Juntamente com todos que citei acima. Exagero, é claro, já que eu mesma escrevi pouco por perder muito tempo andando pelo mundo procurando a mim mesma. No mundo, eu pedia ao querido irmão que me enviasse as páginas impressas do Digestivo Cultural. E eu as lia, desesperada pela distância que separava-me de meu computador e meu riquíssimo "quarto de livros", em beliches e camas e sofás de casas de amigos pelo mundo.

Falaremos do Digestivo, todos nós, daqui a muitos anos. Começamos quase todos aqui, seja em colunas, em participações antigas, links para os blogs, comentários que valem por uma coluna. Uma geração que se iniciou há dez anos, vivenciamos o boom da internet, aprendemos a pensar, criticar, discutir. Olhando para trás, para esses dez anos, concordo com o empolgado leitor: faço, sim, parte dessa geração. Ah, amigo verdadeiro e real, amores que morreram tragicamente, inimigos fiéis e até, pasmem!, uma filha.

Sento-me aqui em frente ao meu computador. Leio, converso, amo, vivo. Quem disse que isso é vida virtual?

Nota do Editor
Leia também Especial "2000 Colunas".


Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 26/9/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Solitária cidadã do mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. 50 tons de Anastasia, Ida e outras protagonistas de Elisa Andrade Buzzo
03. O anoitecer da flor-da-lua de Elisa Andrade Buzzo
04. Redes e protestos: paradoxos e incertezas de Guilherme Mendes Pereira
05. O cavalo branco de Elisa Andrade Buzzo


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski
01. Um conselho: não leia Germinal - 8/11/2004
02. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
03. Gênios e seus Amores Loucos - 26/7/2004
04. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
05. Em defesa da Crítica - 25/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/9/2008
21h25min
Boa noite, querida! Hoje por aqui finalmente chove pra valer a mais abençoada das águas de setembro... e te reencontro no Digestivo: dose dupla de alegria. Beijo da amiga ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
26/9/2008
09h27min
Querida Andréa, que bom conhecer um pouco mais sobre a história do Digestivo Cultural; só lamento ter encontrado o referido site há pouco tempo! Às vezes fico confuso, encontro excelentes textos de 9, 8... anos atrás. Fico na dúvida se ainda estão disponíveis para comentários etc. etc. Na verdade, o Digestivo é um autêntico e fascinante labirinto! Abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é primavera de 2008.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
26/9/2008
12h15min
Fico muitíssimo feliz por você, Andréa
[Leia outros Comentários de Lucas R.]
26/9/2008
17h20min
Que texto lindo, Andréa! Não é fascinante haver espaço - no Digestivo, em especial, e na web, em geral - para todos os perfis? Bela trajetória! Valeu ter andado o mundo em busca de você, não?
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
30/9/2008
16h59min
Adorei o artigo e a menção a Evelyn Wakim, que é uma das personagens mais fascinantes da literatura brasileira recente. Sou fã dela de carteirinha, assim como sou fã de Luiz Eduardo Matta e dos seus livros. "120 Horas" é uma obra-prima. Parabéns pelo artigo.
[Leia outros Comentários de Edna Machado]
6/10/2008
15h57min
Enquanto não conheço nada, te conheço!
[Leia outros Comentários de Rafael]
12/12/2009
21h23min
Os melhores textos que passaram pelo Digestivo! Andréa, volte! Sem querer desmerecer os outros.
[Leia outros Comentários de Gisele]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DESENVOLVIMENTISMO E NOVO DESENVOLVIMENTISMO EM BRESSER-PEREIRA
FELIPE MARUF QUINTAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



HORROR EM RED HOOK, O
H.P.LOVECRAFT
ILUMINURAS
(2015)
R$ 39,90



PODER S/A - HISTÓRIAS POSSÍVEIS DO MUNDO CORPORATIVO
BETO RIBEIRO
UNIVERSO DOS LIVROS
(2016)
R$ 18,99



ENCICLOPÉDIA DAS ARTES PLÁSTICAS EM TODOS OS TEMPOS - MUNDO ISLÂMICO
ERNST J. GRUBE
ENCYCLOPEDIA BRITÂNICA DO BRASIL LTDA
(1979)
R$ 25,00



PAISAGEM SONORA ENATIVA
ANDRÉ LUIZ GONÇALVES DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 489,00



ARACELLI MEU AMOR
JOSÉ LOUZEIRO
RECORD
(1976)
R$ 85,00



O CLUBE DOS ANJOS - GULA
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(1998)
R$ 16,07



SILÊNCIO
JOSÉ RICARDO DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 293,00



DOMA RACIONAL DE EQUINOS
WALNER JOSÉ DUARTE, JOSÉ MARTINS DA ROCHA
LK
R$ 83,00



CAPITALISMO TRANSIÇÃO
CHARLES PARAIN, PIERRE VILAR, G LEFEBVRE
MORAES
R$ 19,28





busca | avançada
28528 visitas/dia
922 mil/mês