A crise da pauta | Débora Costa e Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 4/12/2008
A crise da pauta
Débora Costa e Silva

+ de 4300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Tudo começou com uma paquera. Me interessei por um jornalista charmoso e interessante e a desculpa que usei para pedir seu e-mail foi a tal: "como faço para te mandar uma sugestão de pauta?". Consegui o e-mail do cara e de quebra um problema: quem disse que eu tinha alguma pauta na manga?

Eu não podia mandar um e-mail sem a pauta. Do contrário, minhas segundas intenções seriam reveladas logo na primeira cartada. Passei o dia pensando e fuçando a cachola para ver se esbarrava em algum tema que valesse a pena ser reportado e investigado, que fosse impactante o suficiente para mostrar a importância da publicação, inovador, gostoso de pesquisar (para eu mesma não me meter em alguma furada), interessante, curioso e focado. Ufa!

Foi então que pedi ajuda à minha amiga Verônica. Ela, boa jornalista que é, claro, não doou nenhuma de suas idéias. Tentou me acalmar: "no fim de semana você trabalha em cima disso e aí as idéias vão surgir. Mas não se sinta mal, é complicado mesmo".

Você, que está lendo a coluna, não faz idéia do que estou falando e nunca ouviu falar em "pauta"? Aí vai a definição da Wikipedia: pauta é a orientação que os repórteres recebem descrevendo que tipo de reportagem será feita, com quem deverão falar, onde e como. Ela não é necessariamente escrita e nem sempre é premeditada ― no caso de um acidente de carro, por exemplo, o fato só vira uma pauta no momento em que acontece. A pauta é elaborada, nos dias de hoje, por editores e sub-editores, mas em algumas redações ainda existe o pauteiro, que é o profissional que tem a função de decidir o que será noticiado. Cabe a ele elaborar a pauta do dia, isto é, os assuntos que os repórteres deverão sair para apurar (investigar). Normalmente, um pauteiro recebe telefonemas, e-mails e cartas do público (e das assessorias de imprensa) dando sugestões de pauta. Ela varia de acordo com o veículo, mídia e público-leitor.

Bom, o impasse com o paquera acabou se resolvendo de outra forma, mas a angústia e frustração de não ter conseguido pensar em nenhuma pauta permaneceu. Como assim "trabalhar em cima disso"? Como se idéias brilhantes saíssem após esfregar os neurônios num tanque ou fazendo qualquer tipo de atividade física e prática: você faz X e acontece Y. Ficar rodando no Google e em sites e blogs sobre assuntos específicos de meu interesse não me adiantou muito também, pois só me traziam à tona idéias de coisas que já cansei de ler por aí.

Então bastou a lembrança de um momento constrangedor para que a crise se instaurasse de vez. Veio-me à cabeça uma das primeiras aulas da faculdade de Jornalismo, com Júlio Veríssimo nos explicando o que é a dita cuja: "é uma percepção, um insight, um olhar que vai acompanhar vocês no dia-a-dia. É difícil despertar, mas a partir do momento em que você desenvolve essa sensibilidade, tudo o que forem olhar ao redor de vocês vai virar pauta". Logo na seqüência, me vêm à mente um X vermelho num papel, reprovando a minha idéia "genial", copiada da "Ilustrada", acompanhado de um sonoro: "isso não é pauta!".

A recordação só veio me confirmar que ter idéias para pautas é um dom... que eu não tenho! Os poucos anos de profissão já foram suficientes para notar minha dificuldade. Tremia ao ouvir: "alguma idéia para a próxima edição?", "traga sugestões para sexta-feira", "vai começar a reunião de pauta", "você já tem pauta para o especial do mês?", "fique à vontade, o tema é livre", entre outras do gênero. Tema livre, aliás, sempre me deu calafrios. Cheguei ao cúmulo do ridículo, certa vez, em uma entrevista de emprego, ao escrever uma redação de três páginas sobre o que havia aprendido na aula de arte contemporânea na faculdade naquela manhã, por pura incapacidade de pensar num tema qualquer, mais simples e menos abrangente.

Sim, porque para mim o que funciona é escrever sobre fatos. O resto é nariz de cera, literatice e viagem na maionese ― coisas que adoro ler, porém, não consigo reproduzir. Mas que jornalista é essa que não tem criatividade? Quando entrei no Digestivo Cultural, a situação ficou ainda mais crítica, porque tinha liberdade com temas, formas e estilos. Alguém me explica o que fazer com esse universo imensurável de possibilidades? (O Julio bem que tentou, enchi ele de perguntas ao longo desse tempo). Sentia falta de limites de caracteres, temas e fatos (mal sabia do valor do tesouro que eu tinha em mãos). Tanto que a maior parte dos meus textos publicados aqui se refere a fatos (cursos, shows e afins).

Mesmo depois de descartar a oportunidade de sugerir uma pauta para o paquera (afinal, tive que escolher entre uma coisa e outra), comecei a refletir sobre as várias outras portas abertas que já encontrei por aí e a frustração bateu ainda mais forte: quantas chances já desperdicei por falta de uma pautinha que fosse?

Até que numa noite dessas, após um dia recheado de queda nas bolsas, alta no dólar, viagens do Lula, conflitos no Congo e seis copos de café, perdi o sono. E como numa dessas comédias da Sessão da Tarde, em que uma banalidade promove uma guinada de supetão, algo "mágico" aconteceu naquela madrugada. Cabeça borbulhando, sem conseguir fixar leitura nenhuma, sequer completar cruzadinhas. O chocolate e o chá já tinham sido acionados (e fracassaram na missão de me acalmar), quando, de repente, a falta de sono se tornou agitação e por alguns segundos foi como se estivesse sob efeito de ácido ou algum outro alucinógeno.

E, então, fez-se o milagre: tudo que eu olhava ao meu redor (pente, despertador, caixas de som, roupas e meias sujas, perfume, violão, tapete, comprovantes de pagamento, telefone etc.) parecia render uma ótima matéria. Na maioria dos casos, as pautas eram mais frias (o que significa não ser necessariamente factual), voltadas para comportamento, mas até economia veio à minha cabeça. Fiquei sensível a qualquer coisa que meu olhar detectasse e tudo inspirava incríveis reflexões e desdobramentos.

Saindo d'O fantástico mundo de Bob e voltando à realidade, eu explicaria o "fenômeno do surto da pauta" a partir da ocorrência simultânea de dois fatos. Primeiro: cabeça cheia. Trabalhar com hard news faz a gente engolir informação e, na maioria das vezes, não digerir bem. Você lê mil coisas, ao mesmo tempo em que trata uma imagem, e se perguntarem sobre a notícia que você estava editando é capaz de não lembrar os detalhes. Mas, de qualquer forma, se abastecer de informações sobre diversos temas alucinadamente é o jeito mais rápido de fazer as pautas borbulharem.

Segundo: a pausa. De nada adianta se afogar em livros, jornais e sites se não há uma interrupção dessa avalanche de informações para processar tudo isso. E foi o que aconteceu. Apesar de ter sido uma pausa mais física do que intelectual, o fato é que eu parei (na hora mais inconveniente). Bastou essa fresta para vislumbrar todas as possibilidades que estavam escondidas nesse tempo de crise. A Verônica tinha razão: tem como trabalhar em cima, sim, mas claro, cada um à sua maneira. Ainda bem que ela não me passou sugestões, senão a preguiça e o comodismo teriam me dominado e eu não teria conhecido as maravilhas de uma noite em claro. E agora já sabem: se precisarem de pautas, podem entrar em contato, estão à venda.


Débora Costa e Silva
São Paulo, 4/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
04. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos


Mais Débora Costa e Silva
Mais Acessadas de Débora Costa e Silva em 2008
01. Depois do sexo... - 11/9/2008
02. A crítica musical - 10/4/2008
03. Diário de uma desempregada - 1/5/2008
04. A preparação de um romance - 22/5/2008
05. Sex and the City - 19/6/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/12/2008
09h05min
Adorei o texto. Mas fiquei curiosa com a paquera!
[Leia outros Comentários de Fernanda]
4/12/2008
17h16min
Notou que a "falta de pauta" virou sua pauta? Dica de uma publicitária: observa o cotidiano e enxergarás.
[Leia outros Comentários de Vanessa Guedes]
5/12/2008
15h57min
Sou suspeita para falar visto que acompanhei as duas "crises" de perto (tanto a da paquera, como a da pauta! rs), mas parabéns! Adorei o texto e, mais ainda, saber que você superou o drama da pauta... isso significa que eu ainda tenho esperança!
[Leia outros Comentários de Paula Dourado]
11/12/2008
12h35min
Fenomenal! mto bom o texto, parabéns, adorei ;-)
[Leia outros Comentários de Tel Braga]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TARZAN -GREYSTOKE A LENDA DE TARZAN O REI DA SELVA Nº01-COLORIDO 9057
EDGAR RICE BURROUGHS
EBAL
(1984)
R$ 29,00



DESNUTRIÇÃO E APRENDIZAGEM
JOVELINA BRAZIL DANTAS
ÁTICA
(1981)
R$ 4,90



UMA ESCOLA PARA O POVO
MARIA TERESA NIDELCOFF
BRASILIENSE
R$ 10,00



ÁRVORE DA VIDA - CABALA, CIENCIA OU MISTICISMO?
SIMHON MOUSSA
CAMILA SIMHON
(2015)
R$ 40,00



A CONSTRUÇÃO NO ESPELHO
NILDO CARLOS OLIVEIRA
PINI
(1998)
R$ 20,00



PSICOLOGIA SENSORIAL
CONRAD G.MUELLER
ZAHAR
(1966)
R$ 10,00



MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS - TEORIA E QUESTÕES
LEONARDO FACCINI
CAMPUS
R$ 34,80



GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO
CELSO CUNHA
BERNARDO ÁLVARES
(1971)
R$ 15,00



EN ACCIÓN3 CUADERNO DE ACTIVIDADES + CD
MARISA LOMO; CAROLINA O; ROCÍO S;
EN CLAVE ELE
(2007)
R$ 30,00



BRILHO - VOLUME I DE EM BUSCA DE UM NOVO MUNDO
AMY KATHLEEN RYAN
GERAÇÃO JOVEM
(2012)
R$ 12,00





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês