House M.D. | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Mais Recentes
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 31/12/2008
House M.D.
Rafael Fernandes

+ de 4700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Nota do Autor
Este texto contém informações sobre a mais recente temporada da série House, que podem estragar a surpresa para quem ainda não assistiu. São os famosos spoilers.

Há sempre bons programas para assistir na televisão, em especial nos canais à cabo. Embora sejam uma minoria comparada à oferta de canais e programas inúteis ou de baixo nível, é mais do que o suficiente para preencher algumas horas da semana com qualidade sem prejudicar outras atividades. Afinal, como eu sempre defendo, o problema ao se utilizar uma mídia, como a TV, o videogame, ou a internet, não está na mídia em si. A questão é como ordenamos tudo isso dentro do nosso tempo e de nossas preferências. De um filme pastelão a um documentário sobre guerra não faltam alternativas. Dentre tantas, destaco neste texto uma das minhas séries favoritas: House (House M.D., nos EUA), que está na sua quinta temporada e é exibida no Brasil via Universal Channel, às 23 horas das quintas-feiras. Há também exibição na Rede Record, que veicula a terceira temporada.

Em House, como em boa parte das séries que precisam atingir um certo nível de "industrialização", os roteiros seguem uma linha básica: introdução, viradas e soluções muito parecidas na maioria dos episódios. No caso dessa série há sempre um esquete que apresenta o caso ― e, em geral, a pessoa doente não é quem esperamos. Após o intervalo, o caso é mostrado ao doutor, que reluta em aceitar, até o momento em que um detalhe desperta seu interesse. A partir daí, uma sucessão de tentativas de solução são pensadas, até que uma é aplicada. E erradamente. Próximo ao fim do episódio, alguém tem um grande insight, ou "epifania", na maioria das vezes House, claro ― e em muitas delas ao conversar com seu amigo Wilson ― e o caso é resolvido brilhantemente. Essa repetição virou até motivo de piada na Internet. Observando assim, parece apenas uma série boba. Mas aí entram os grandes diferenciais.

A série tem boas histórias. Dentro de cada episódio são apresentados os dramas e comportamentos dúbios dos pacientes e dos próprios médicos. Os personagens, fixos ou não, são interessantes, conflitantes e incoerentes ― sem exagerar na dose pra nenhum dos lados. As atuações são ótimas. Destaco o protagonista (Hugh Laurie), cada vez melhor, e seu único amigo, Dr. Wilson (Robert Shean Leonard), meio careta, meio bobalhão, mas que aos poucos teve aumentada sua dose de humor e incisividade. Todas as temporadas apresentaram ótimos textos, muito bem amarrados e diálogos com timming preciso. Por fim, dois dos pontos mais altos: as ironias e o humor ácido que o protagonista apresenta, por vezes sendo politicamente incorreto, mas sem perder inteligência. E, claro, suas frases de efeito, que são grandes aforismos. Não à toa existem sites destinados a listá-los. Além da já clássica "todo mundo mente!", destaco duas das minhas preferidas, entre tantas: "Nós podemos viver com dignidade ― nós não podemos morrer com ela" e "Você tem três chances na vida: seja bom, se torne bom ou desista".

O protagonista, um cínico, é o extremo da sinceridade, mas o texto e a atuação impedem que seja uma caricatura. O médico usa o artifício do "hard talk": a conversa dura, direta, sem concessões, mexendo na ferida dos colegas e dos pacientes ― e, claro, dos telespectadores ― de forma cortante e mordaz. É dissimulado, arrogante e manipulador. Também é idiossincrático, com uma visão de mundo que raramente vemos na TV ― muito menos na vida real. Iconoclasta, é contrário a qualquer exaltação de pessoa ou mito ― seja um deus, um médico ou um atleta. A exceção está em qualquer adulação que infle seu próprio ego. Não crê nas relações afetivas, nas convenções sociais e nem no ser humano em geral. Tenta sempre desmascarar os auto-enganos das pessoas. House é um misto de anti-herói e herói. Seu comportamento muitas vezes inadequado o impede de ser um herói de fato, mas ao mesmo tempo faz com que torçamos para ele continuar disparando suas frases bombásticas. Por isso que é um personagem tão forte e, por que não, querido ― apesar de sua personalidade conter muito do que é percebido como condenável na interação social. Mas ele também apresenta paradoxos. É ranzinza, mas não perde uma piada. Não quer contato com os pacientes, mas vai ao limite para curá-los. Evita se relacionar com seus colegas, mas sempre recorre a eles (que, apesar de tudo, são fiéis). Quer desmistificar muitas das visões românticas e ingênuas sobre a vida, mas tenta fazer as pessoas enxergarem o mundo com mais clareza. Como já dito, é um descrente, mas se interessa intensamente pelos dramas e conflitos humanos ― incluindo seus próprios.

Quando acompanhamos desde sempre uma série e revemos temporadas anteriores é possível notar como sofre alterações. No começo, House tinha um tom mais sóbrio, mais sério; o protagonista e os demais personagens tinham atitudes fechadas demais, presas. Aos poucos, todos foram se soltando, ficaram mais fluidos. House ganhou um humor mais escrachado, sem deixar de lado a sobriedade. E pela já citada previsibilidade do roteiro, muitas vezes são inseridos novos personagens para dar mais conflitos. Nesses casos, há alguns resultados interessantes, mas em geral aparentam uma certa forçação de barra sem o toque de surpresa que deveriam. Numa das temporadas anteriores, apareceu um novo financiador para o hospital, manipulador e arrogante (lembrou alguém?), que começa a impor suas vontades aos funcionários do hospital, usando sempre seu dinheiro como chantagem, e que, claro, entra em conflito com o médico. Em outra, um policial tenta prender House pelo seu vício em remédios para dor. Apesar de alguns bons momentos, já sabemos de antemão quem "ganha" no final.

Por isso acho que a temporada anterior (a quarta), apesar das controvérsias, se saiu bem com a inserção de novos personagens e da "competição" incentivada pelo doutor pelas três vagas na sua equipe. Assim, com mais personagens, houve mais dinâmica e mais alternativas. Foi uma temporada de transição que deu um fôlego que faltava à série, trouxe ótimos personagens e um final dramático. O resultado mais claro dessa mudança apareceu no começo da quinta temporada, que levou a série de volta à sua melhor forma. Ela começou com a ruptura de Dr. Wilson com House. Achava que tal ruptura seria mais longa, mas já no quarto episódio Wilson se reconcilia com seu amigo. Apesar de ótimas participações de Michael Weston como um detetive durante os episódios iniciais, o episódio do "retorno" do relacionamento e os seguintes mostram como essa amizade enriquece o programa, como os atores estão cada vez melhores e que essa interação dos dois é vital para a trama. Um dos meus episódios favoritos é aquele em que Wilson, após se separar da última dentre tantas esposas que teve, vai morar com House, que começa uma série de trotes juvenis (como colocar sua mão numa bacia com água quente enquanto dorme) contra o amigo. O inesperado acontece e Wilson entra no "jogo" e serra a bengala de House. A cena dela quebrando é um dos melhores momentos de toda a série. Outro grande momento foi a participação do músico Dave Matthews como um pianista clássico renomado que tem problemas mentais. A cena dele finalizando uma música que o médico compunha há anos é ótima. Para quem procura diversão com inteligência, vale a pena dar uma olhada em House.

Assista a um vídeo promocional da quinta temporada (com legenda feita por um fã):



Rafael Fernandes
São Paulo, 31/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
02. A pérola do cinema sul-americano de Guilherme Carvalhal
03. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol
04. O pródigo e o consumo de Eugenia Zerbini
05. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
03. Videogame também é cultura - 10/12/2008
04. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008
05. 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1 - 7/5/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/1/2009
09h16min
Realmente, esta série é o que há de melhor na TV atualmente. Tanto é que, nas suas férias, optei por não apelar para nenhum outro programa ou série atual: Estou revendo "Anos Incríveis". Só ela para bater "House" em qualidade e quantidade de informação, mesmo que sejam de universos completamente diferentes...
[Leia outros Comentários de Marcos Lauro]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VOCÊ DIZ QUE SABE MUITO BORBOLETA SABE MAIS
RICARDO AZEVEDO
MODERNA
(2007)
R$ 20,00



O GRANDE SOL DE MERCÚRIO
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 25,00



O TESOURO DO TEMPLO
ELIETTE ABÉCASSIS
EDIOURO
(2003)
R$ 13,50



UM MODELO PREDITIVO DE PROVISIONAMENTO DE CRÉDITO COM REDE NEURAL
FRANCISCO JACKSON DOS SANTOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



PROCESSAMENTO DE BLENDAS PET/LCPS: PROPRIEDADES E ORIENTAÇÃO MOLECULAR
LUCINEIDE BALBINO DA SILVA UND ROSARIO E. S. BRETAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 419,00



11 : 11 - INSIDE THE DOORWAY
SOLARA
STAR BORNE
(1992)
R$ 25,00



MICHAELIS DICIONÁRIO ESCOLAR ESPANHOL/PORTUGUÊS - PORTUGUÊS/ESPANHOL
EQUIPE MELHORAMENTOS
MELHORAMENTOS
(2009)
R$ 49,00



VOCÊ PODE CONQUISTAR TUDO O QUE SEMPRE QUIS...
ADRIAN CALABRESE
UNIVERSO DOS LIVROS
(2009)
R$ 9,90



BRASÍLIA 3° LIVRO PRIMÁRIO
DAISY BRÉSCIA
LIVRARIA FRANCISCO ALVES
(1971)
R$ 20,00



BUSH NA BABLÔNIA.
TARIQ ALI
RECORD
(2003)
R$ 29,90
+ frete grátis





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês