Guerra dos sexos: será o fim? | Pilar Fazito | Digestivo Cultural

busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rumo certo
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
>>> Mashup Camp Day One
>>> Estranha coincidência
>>> Aula com Suassuna
>>> O pingente que deu certo
>>> Fidelio, primeira parte
Mais Recentes
>>> Contos tradicionais do Brasil (Literatura Popular) de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2004)
>>> A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó - Missa do Vaqueiro de Pedro Bandeira pela Juazeiro do Norte
>>> A Escola da Anarquia (Pedagogia/Educação Anarquista) de Josefa Martín Luengo pela Achiamé (2007)
>>> Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão de Yves de la Taille/Marta Kohl de Oliveira/Heloysa Dantas pela Summus (1992)
>>> Por uma outra Globalização: Do pensamento único à consciência universal de Milton Santos pela Record (2011)
>>> Educação Libertária: Textos de um Seminário (Pedagogia/Educação Anarquista) de José Maria Carvalho Ferreira (Org.) pela Achiamé (1996)
>>> Pensamento e Linguagem (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2005)
>>> A formação social da mente (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2007)
>>> Cultura Insubmissa (Estudos e reportagens) de Rosemberg Cariri/Oswald Barroso pela Nação Cariri (1982)
>>> Globalização, democracia e terrorismo de Eric Hobsbawn pela Cia. das Letras (2007)
>>> A Produção Cultural para a Criança de Regina Zilberman (Org.) pela Mercado Aberto (1982)
>>> Desenvolvimento e Educação da Criança - Aplicação de Piaget na sala de aula (Pedagogia/Educação) de David Elkind pela Zahar (1978)
>>> Pedagogia do Risco - Experiências anarquistas em Educação (Pedagogia/Educação) de Sílvio Gallo pela Papirus (1995)
>>> Recordando Paulo Freire: Experiências de Educação Libertadora na Escola (Pedagogia/Educação) de Maria Oly Pey (Org.) pela Achiamé (2007)
>>> O Anarquismo Hoje - Uma reflexão sobre as alternativas libertárias de Jorge E. Silva pela Achiamé (2007)
>>> História da Língua Portuguesa – II. Século XV e Meados do Século XVI de Dulce de Faria Paiva pela Ática (1988)
>>> Discurso sobre o Filho-da-Puta (Sociologia/Antropologia) de Alberto Pimenta pela Achiamé (1997)
>>> Propaganda Ideológica e Controle do Juízo Público de Noam Chomsky pela Achiamé (2003)
>>> A Pedagogia Libertária na História da Educação Brasileira (Pedagogia/Educação) de Neiva Beron Kassick/Clovis Nicanor Kassick pela Achiamé (2004)
>>> Vygotsky, quem diria?! Em minha sala de aula (Pedagogia/Educação) de Celso Antunes pela Vozes (2002)
>>> Educação: Projetos e valores (Pedagogia/Educação) de Nilson José Machado pela Escrituras (2021)
>>> Guia Prático do Português Correto – Volume 2 Morfologia de Cláudio Moreno pela L&PM Pocket (2003)
>>> Arte e Anarquismo de Pierre Ferrua/Michel Ragon/Gaetano Manfredonia/Dominique Berthet/C. Valenti pela Imaginário (2001)
>>> A propriedade é um roubo e outros escritos anarquistas (Filosofia) de Pierre-Joseph Proudhon pela L&pm (2008)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 3 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 2 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Gramática do Texto – Texto da Gramática de Samira Yousseff Campedelli & Jésus Barbosa Souza pela Saraiva (2001)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 1 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
>>> Matemática volume único ensino médio de Gelson Iezzi, Osvaldo Dolce e David Degenszajn pela Atual (2011)
>>> As Ilhas da Corrente de Ernest Hemingway pela Nova Fronteira (1970)
>>> Aprender e Praticar Gramática – Edição Renovada de Mauro Ferreira pela Ftd (2007)
>>> Poesia Sobre Poesia - Com Dedicatória de Affonso Romano de Santanna pela Imago (1975)
>>> A Agonia do Grande Planeta Terra de Hal Lindsey e C. C. Carlson pela Mundo Cristão (1973)
>>> A Chave de Rebeca de Ken Follett pela Record (1980)
>>> The Golden Tarot de Liz Dean pela Cico Books (2008)
>>> O Universo Numa Casca De Noz de Stephen Hawking pela Mandarim (2002)
>>> Novíssima Gramática Ilustrada Sacconi de Luiz Antonio Sacconi pela Nova Geração (2008)
>>> O Que Fiz para Merecer Isto? a Incompreensível Justiça de Deus de Anselm Grün pela Vozes (2007)
>>> Gramática - Português Fundamental de Douglas Tufano pela Moderna (2001)
>>> Antonio Lizárraga - Quadrados em Quadrados de Maria José Spiteri pela Edusp (2004)
>>> E se? de Randall Munroe pela Companhia das letras (2014)
>>> A outra vida de Susanne Winnacker pela Novo Conceito (2013)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> Você está pronta para ficar rica? de Jean Chatzky pela Elsevier (1998)
>>> A garota que você deixou para trás de Jojo Moyes pela Intrínseca (2014)
>>> Uma longa jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Pântano de Sangue de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> Hellsing - Volume - 1 EAN: 9788545700319 de Kohta Hirano pela Jbc (2015)
>>> Tentação sem limites de Babi Glines pela Arqueiro (2014)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/6/2009
Guerra dos sexos: será o fim?
Pilar Fazito

+ de 6400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Todo cérebro humano nasce feminino. Lá pela oitava semana de gestação, se os genes determinam que a criatura há de ser macho, o corpo começa a produzir uma enxurrada de testosterona que inunda a cachola e modifica as estruturas cerebrais. Nesse caso, por exemplo, ocorre a diminuição das áreas destinadas à capacidade verbal, à audição e à memória emocional. Por outro lado, a área destinada ao pensamento sexual mais do que dobra de tamanho, o que sustentaria, em parte, o fato de mulheres pensarem em sexo a cada 1 ou 2 dias, em média, enquanto os homens elocubram suas fantasias a cada 52 minutos (conforme testes feitos com homens e mulheres de 20 a 30 anos). Essas diferenças também explicariam o fato de as mulheres usarem mais de 20 mil palavras por dia, enquanto os homens só usam, em média, 7 mil. Isso quem diz é a neurociência que, nos últimos anos, tem conseguido responder a dúvidas ancestrais que sempre alimentaram os clichês machistas e feministas e, por conseguinte, a guerra entre os sexos.

A análise dessas diferenças estruturais, hormonais e comportamentais tem sido feita há mais de 20 anos por Louann Brizendine, uma neurocientista norte-americana que também tem formação em Psicanálise. Na década de 1960, em plena ebulição feminista, Brizendine levantou a mão em um seminário e perguntou ao palestrante quais haviam sido os resultados da pesquisa que ele descrevia obtidos em primatas femininos. Grosso modo, o pesquisador respondeu que as pesquisas nunca utilizavam cobaias fêmeas porque havia muita variação hormonal e isso esculhambava os resultados dos testes. A perplexidade diante da resposta a fez querer estudar o cérebro feminino e como as alterações hormonais afetavam o comportamento das mulheres.

Brizendine fundou, então, uma associação destinada a estudar o tema e andou se valendo do desenvolvimento tecnológico para conhecer melhor o cérebro feminino. O resultado está muito bem condensado em Como as mulheres pensam, publicado em 2006 no Brasil, mas que, talvez por causa de um título tão porcamente traduzido, não teve a repercussão que merecia. No original, Female brain é um daqueles livros que mereciam estar no topo de vendas por mais de cinco anos, desbancando bobagens que geralmente não merecem ficar ali por mais de duas semanas.

Female brain (ou em português brega, Como as mulheres pensam) traz explicações científicas em linguagem fácil e acessível para todo leigo. Cada capítulo é destinado a uma fase da vida e, necessariamente, aborda o funcionamento do cérebro masculino para fazer o contraponto da abordagem do cérebro feminino.

Como se não bastassem as alterações cotidianas do ciclo menstrual ao longo da maior parte da vida de uma mulher, elas reagem de forma diferente em cada fase de sua vida: da infância à maturidade. Enquanto os homens só sentem os efeitos de uma variação hormonal na velhice, quando a queda de testosterona (hormônio da agressividade e do sexo) se acentua e, talvez, quando experimentam os efeitos da prolactina e oxitocina na paternidade, as mulheres estão em uma eterna montanha-russa desde a puberdade. Algumas são mais sensíveis à variação mensal e aos efeitos da TPM, quando o estrogênio (hormônio da autoconfiança) e a progesterona (hormônio da calma) despencam. Outras sentem apenas desconforto. Mas todas as mulheres, inevitavelmente, se sentirão reféns de seus hormônios em algum momento da vida.

Em termos científicos, a autora considera a maternidade e a menopausa como os dois momentos mais importantes na vida de uma mulher. Em ambos os casos, a alteração hormonal é tão intensa que opera mudanças estruturais e físicas irreversíveis no cérebro feminino. No caso da maternidade, a alteração hormonal não decorre apenas da gravidez, que por si só já altera o olfato e os mecanismos de fome e sede, além de "sedar" a mulher e deixá-la mais sonolenta até o parto. O simples contato físico com crianças e o cheiro que elas exalam despertam a produção de oxitocina (o hormônio do cuidado com o outro), o que faz com que essa configuração única do cérebro materno também ocorra nos casos de adoção. A partir daí, áreas destinadas à defesa da prole (condição biológica para a perpetuação dos genes) e memória visual, por exemplo, se desenvolvem de forma tão intensa que os pesquisadores chegam a afirmar: a maternidade deixa a mulher mais inteligente. Isso não deixa de ser um consolo para um cérebro que passou pela redução de 20% do tamanho nas últimas semanas de gravidez e só voltou ao normal seis meses depois. Nesse período de encolhimento do cérebro, a amamentação libera oxitocina e prolactina, fazendo com que mãe e bebê se sintam mais tranquilos e calmos. Mas essa calma vem como uma espécie de neblina que pode ser alarmante, além da falta de concentração crônica e involuntária.

A menopausa é um desafio à parte para a ciência. Antigamente, a expectativa de vida de uma mulher coincidia com a interrupção da produção de estrogênio e progesterona. Ou seja, o fim da vida fértil significava, praticamente, o fim da própria vida. Hoje, sabe-se que a produção dos hormônios femininos começa a dar sinais de falência por volta dos quarenta anos e se arrasta até a interrupção total, que varia de uma mulher para outra. A reposição hormonal ainda é uma questão controversa porque pode melhorar muito a vida de uma mulher (desde questões físicas como a manutenção da elasticidade da pele até questões internas, como assegurar o bom humor e a continuidade da capacidade mental), mas também pode oferecer riscos ainda pouco conhecidos (e um deles é a possibilidade de desenvolver câncer).

Em todo caso, quando o corpo feminino resolve parar de produzir estrogênio e progesterona, o cérebro feminino fica mais parecido com o masculino. Isso significa que o cérebro da mulher tem algumas características desativadas como, por exemplo, a necessidade de agradar, a vontade de cuidar do outro e a capacidade de processar a raiva duas vezes antes de liberá-la. Essas mudanças hormonais afetam suas atitudes, fazendo com que ela, finalmente, resolva cuidar de si mesma e realizar suas vontades. E isso, geralmente, pode assustar os filhos acomodados e um marido incauto, que começa a achar que aquela não é mais a mulher com quem se casou. De fato, não é. A mulher com quem ele se casou já não era a mesma na lua-de-mel, o que não quer dizer que ele tivesse sido enganado.

Como as mulheres pensam é um daqueles livros que a gente termina de ler se lamentando por não tê-lo descoberto alguns anos antes. Deveria ser leitura obrigatória para mulheres e homens. Deveria cair no vestibular. Deveria ser leitura obrigatória na escola durante a adolescência.

A gente começa a entender que os cérebros feminino e o masculino são diferentes, sim. E que essa diferença é muito maior do que a gente imagina. Trata-se de uma diferença física e estrutural e, justamente por isso, muitas expectativas e aspirações que homens e mulheres nutrem um em relação ao outro simplesmente não têm como ser cumpridas. Não por má vontade ou por falta de sensibilidade, mas por motivos químicos e biológicos.

Em testes de ressonância magnética, as ondas cerebrais de mulheres expostas a situações de raiva, conflito, estresse e brigas físicas equivalem a ondas de pessoas que estejam sofrendo de um ataque epiléptico. Essa mesma reação os homens apresentaram não quando se viam diante de uma disputa ou ameaça física, mas quando eram obrigados a lidar com questões emocionais. Por diversas razões (todas explicadas minuciosamente por Brizendine), a maioria dos homens sente verdadeiro pânico ao ter que lidar com questões sentimentais e emocionais ou ao presenciar crises de choro femininas, sem saber como reagir a isso.

Obviamente, isso não deve virar desculpa para todos os desentendimentos ou acobertar situações em que o poder de escolha da espécie humana tem capacidade de se manifestar. A própria questão da infidelidade, tão polêmica, não se aplica geneticamente a todos os homens, e mesmo aqueles que apresentam o chamado "gene da infidelidade" são dotados de livre-arbítrio.

Conhecer as diferenças biológicas e químicas entre homens e mulheres, entretanto, pode fazer com que aceitemos melhor as dificuldades de cada um, o que nos pouparia de discussões áridas e de dramas emocionais que não levam a lugar algum. Depois da leitura de Como as mulheres pensam, aliás, a guerra entre os sexos perde todo o sentido.

Nota do Editor
Leia também Especial "Guerra dos Sexos".


Pilar Fazito
Belo Horizonte, 1/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lola de Elisa Andrade Buzzo
02. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
03. Leblon de Marta Barcellos
04. Freud segundo Zweig de Ricardo de Mattos
05. A quem interessa uma sociedade alienada? de Marcelo Spalding


Mais Pilar Fazito
Mais Acessadas de Pilar Fazito em 2009
01. Leis de incentivo e a publicação independente - 5/1/2009
02. O tamanho do balde - 2/11/2009
03. @mores bizarros - 6/4/2009
04. Guerra dos sexos: será o fim? - 1/6/2009
05. Plantar bananeira, assoviar e chupar cana - 20/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/6/2009
21h20min
Bravo, Pilar! Excelente artigo-resenha! Notáveis descobertas de Brizandine! Grato pela dica. Já anotei na agenda: "Female Brain", próximo livro a adquirir. O livro é de 2006! Pobre jornalismo brazuca. Por fim, bom gosto na leitura = jornalista formidável, que é você, Pilar! bjs do Sílvio Medeiros. Campinas, é outono de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Viagem de Theo
Catherine Clément
Cia das Letras
(1998)
R$ 14,87



O Livro dos Espíritos
Allan Kardec
Ide
(2009)
R$ 12,00



O Povo das Águas : Ensaios de Etno-história Amazônica
Antônio Porro
Edua
(2017)
R$ 27,20



Parasitoses, Guia para o Seu Combate
José Luís da Silva Leitão
Litexa
R$ 21,00



Libras - Conhecimento Além dos Sinais
Maria Cristina da Cunha Pereira e Outros
Pearson/anhanguera
(2013)
R$ 14,00



Os governos militares 1969-1974 - história da república brasileira
Hélio Silva
Três
(1975)
R$ 5,00



Seis Mulheres na Madrugada, Romance
Modesto Navarro
Caminho
(1995)
R$ 44,66



Páginas Recolhidas
Machado de Assis
W M Jackson
(1950)
R$ 8,00



Portugal e a Europa, 15 X 15 um Olhar Sobre a Europa, Fotografia
Vários Autores
Instituto Camões
(2000)
R$ 18,00



Segurança Do Paciente
Fábio Luís Peterlini
Martinari
(2014)
R$ 10,00





busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês