Fui assaltado | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
>>> A princesa insípida e o caçador
Mais Recentes
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
>>> Para Todos os Amores Errados de Clarissa Corrêa pela Gutenberg (2012)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Principis (2019)
>>> Antologia poetica de fernando pessoa de Walmir ayala pela Ediouro
>>> Sermões de Padre Antônio Vieira pela Principis (2019)
>>> Minha Paris de Gail Scott pela Autêntica (2014)
>>> Uma longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O Ciclista de Walter Moreira Santos pela Autêntica (2008)
>>> Dark Eden de Patrick Carman pela Gutenberg (2012)
>>> A primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Querido John - de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Sete Minutos no Paraíso de Rafaella Vieira pela Gutenberg (2012)
>>> Matemática e Arte de Dirceu Zaleski Filho pela Autêntica (2013)
>>> O presidente negro de Monteiro Lobato pela Principis (2019)
>>> Da Etnomatemática a Arte-design e Matrizes Cíclicas de Paulus Gerdes pela Autêntica (2010)
>>> Porque ele vive de Pe. Gustavo Sampaio pela Dll
COLUNAS

Sexta-feira, 21/8/2009
Fui assaltado
Julio Daio Borges

+ de 6100 Acessos
+ 8 Comentário(s)

* Foi numa terça-feira à noite. Saí do escritório antes das 20 horas e lembro de ter visto uns vídeos no YouTube. Coloquei, no carro, a mesma música cuja performance vira no escritório e segui, como fazia há quase três anos, pela avenida Giovanni Gronchi. Mais ou menos na altura da favela Paraisópolis, estava parado na pista da direita, perto da calçada, quando ouço alguém batendo freneticamente na janela do passageiro. Desliguei o som e abri o vidro ― porque, pelo barulho, imaginei que fosse alguém, realmente, precisando de ajuda. Não era; era um assaltante. Lembro que ele estava com um blusão vermelho, do tipo com gorro e bolsos na frente. Entendi tudo quando me apontou um revólver. Mesmo sem conseguir ver inteiro (estava escuro), tinha certeza de que era um cano preto, com um orifício na ponta, e que mirava na minha direção...

* Minha primeira reação foi a clássica "mãos ao alto". Minha primeira reação, portanto, foi imediatamente me render e sinalizar que não estava disposto a "reagir". Numa fração de segundo, lembrei de todos os filmes, e seriados, que havia assistido, onde um movimento brusco pode indicar ― no ponto de vista do agressor ― a tentativa de alcançar uma arma. O problema é que o assaltante tinha pressa e começou a gritar que eu deveria "passar tudo", "passar logo". Falou como se eu tivesse alguma "prática" em assaltos (como ele, provavelmente, tinha em assaltar). Pelas suas contas, estava "demorando demais"... Nessa hora, já havia outro assaltante, agora do meu lado, mas não tive tempo de olhar na sua cara, nem sequer de abrir o vidro ― estava absolutamente concentrado no revólver, que continuava apontado para mim, do lado do passageiro...

* Minha próxima reação foi perguntar o que eles queriam, mas o sujeito à minha direita estava tão sôfrego ― possivelmente sob o efeito de narcóticos ― que só conseguia berrar que, se eu não passasse logo, iria me dar "um tiro na cara". Eu só quis perguntar se eles queriam o meu carro, porque, se quisessem, eu sairia na hora e entregaria tudo ― a fim de que desaparecessem; e eu nunca mais tivesse de voltar lá... Permaneci calmo, no entanto, e entreguei o que estava mais à mão: minha carteira. "O que mais?", ainda tive tempo de perguntar. "O celular!", uivaram. Alcancei o aparelho e enfiei, igualmente, pela fresta do vidro da janela do passageiro. Nesse momento, possivelmente o farol da avenida abriu, os carros começaram a andar, e eles saíram correndo pela noite adentro.

* Tinha durado quanto? Um minuto? Eu tentei acelerar porque não queria que voltassem. Aí, sim, poderiam querer o carro ou, pior, poderiam querer me levar... Tive vontade de decolar num foguete, mas um Audi, à minha frente, atravancava o trânsito, enquanto outro carro, encostado ao lado, sinalizava para o motorista do Audi, que parecia momentaneamente incapacitado para guiar... Buzinei, como nunca buzino, e então liberaram a minha passagem. Era como se dissesse: "Vamos embora, porque esta avenida está cheia de assaltantes" ― "e eles podem querer nos pegar...!". Só depois me ocorreu que o motorista do Audi podia ter sido assaltado também, afinal estava na mesma pista que eu. O que explicaria, inclusive, o meu assalto, já que o meu carro é considerado low-profile (nunca passaria por "visado")... Uma tentativa de reconstituição: os assaltantes partiram em direção ao Audi, mas não devem ter se contentado, e continuaram assaltando, na sequência, até me encontrar...

* Eu nunca tinha sido assaltado antes. Eu era daqueles que se gabava por nunca ter sido assaltado em São Paulo. Como se fosse uma questão de escolha... Eu tinha uma relação de intimidade com a cidade e, olhando agora em retrospecto, percebo que me aventurei desde os primeiros shows, na adolescência, no extinto Projeto SP (Barra Funda), até os últimos concertos, no ano passado, na Sala São Paulo (Estação Júlio Prestes ― cujo estacionamento, por um desses contrastes do Brasil, desemboca na "cracolândia"). Fora isso, estudei na USP, morei perto do Jockey Club e trabalhei na avenida Paulista. Pego, às vezes, a marginal Pinheiros e pegava, sempre, a Giovanni Gronchi. Que eu tenha passado mais de 30 anos nesta cidade, sem ser assaltado, é que é o milagre...

* Não tive medo de morrer como não tenho medo de morrer agora. Tenho a sorte de fazer o que gosto e de poder me dedicar às pessoas que amo. Tenho, portanto, a consciência tranquila, no sentido de estar fazendo o que sempre almejei. Se a minha vida estiver ameaçada ― ou mesmo se passar por uma situação de risco, como essa do assalto ―, não sentirei o arrependimento de quem passou pela existência vivendo uma vida que não era a sua... Essa serenidade me ajudou na hora do assalto. Reagi calmamente, embora saiba que ― do mesmo jeito que não escolheram meu carro, mas me assaltaram ― eu poderia, sim, levar "um tiro na cara", se o assaltante não estivesse "num dia bom"... Ou seja, depois do assalto, não tive aquele surto filosófico de pensar sobre "a vida e a morte", o significado das coisas etc. ― mas me incomodou a aleatoriedade do fato, a fragilidade da situação e, a partir de agora, a insegurança da nossa sociedade...

* Eu era daqueles que considerava o debate sobre "violência" um exagero (típico da classe média). Uma discussão beirando a histeria, alimentada por capas sequenciais de Veja e manchetes sensacionalistas de jornais flertando com as classes C e D. Hoje, acho que a violência é, sim, uma questão relevante; não como a Veja acha, nem como os jornalecos de banca ― na realidade, como um princípio irredutível: desde as lutas de gladiadores romanos até os genocídios do último século, passando pelos tiroteios do velho oeste (talvez a "pulsão de morte" que queria Freud)... Não sou ingênuo a ponto de pensar que vamos parar de brigar pelo que acreditamos ― até porque a vida adulta é uma luta (como na frase de Disraeli). Agora: uma coisa é jogar o jogo (do capitalismo, digamos); outra, bem diferente, é retroceder a um estado de barbárie, ameaçando, pela violência, séculos de civilização. Os sujeitos que me assaltaram não eram de nenhuma raça específica ― não sou racista, nem preconceituoso ―, mas não consigo acreditar que eles concebam a vida humana como eu a concebo.

* Não sei qual é a solução; e esse é o grande dilema. No Morumbi ― tomo como exemplo o bairro onde, praticamente, trabalho e resido ―, estamos cercados de favelas. Obviamente não acho que todos os favelados são criminosos ― até porque convivo com alguns deles ―, mas o fato é que as grandes cidades brasileiras estão se convertendo em potenciais zonas de conflito. Comentei com a Carol, sem nenhum desdém (até com resignação): "Estamos no território deles". A avenida Giovanni Gronchi, aquela em que fui assaltado, divide geograficamente duas grandes favelas. O farol, onde fui abordado, é exatamente onde essa "divisão" fica mais patente. Conclusão: asfaltamos uma avenida, que, hoje, passa no meio do território deles... ― então por que nos surpreendemos se, de repente, eles decidem nos "pedagiar"?

* Eu deveria ter concluído que aquele cruzamento era perigoso. Quantas vezes não passei por ali, mesmo durante o dia, e avistei carros de polícia, estacionados de um dos dois lados da avenida? Quando fui assaltado, me lembro bem, não havia polícia. Os policiais, evidentemente, sabem que assaltos ocorrem naquela altura da Giovanni Gronchi. E, possivelmente, tentam estar presentes (vamos lhes dar um voto de confiança), para inibir a ação dos assaltantes. Mas o que podem meia dúzia de policiais, ainda que armados, contra um morro inteiro ― dois morros inteiros, um de cada lado ― se os bárbaros resolverem, um dia, partir para o confronto?

* Muita gente vai dizer que estou sendo injusto, e que afirmar tudo isso é um exagero de minha parte (ainda mais estando sob o efeito do trauma etc.). Mas vale dizer que não fui assaltado ontem, nem na semana passada, nem, muito menos, há duas semanas... Resolvi esperar; e escrevo, agora, com serenidade. Não estou conclamando ninguém a tomar nenhuma atitude específica (muito menos pegar em armas). Nem estou me candidatando a nenhum cargo público. (Apesar de me sentir tentado a sugerir mais controle de natalidade e de deixar claro que não acredito na eficácia da pena de morte ― como instrumento de dissuasão...) Enfim, já fico feliz se você pensar a respeito do assunto (assalto, violência, sociedade). Porque, se foi assaltado, vai entender perfeitamente o que estou falando; e, se não foi, espero que não tenha de passar pela mesma experiência para concordar... Tento, a todo custo, fugir dos clichês, mas um deles me parece inescapável: temos de encarar alguns problemas, sérios, que temos hoje; porque, se não nos ocuparmos em tentar resolvê-los, vamos arriscar, diariamente, tudo o que construímos, para morrer inutilmente...


Julio Daio Borges
São Paulo, 21/8/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Discos de Jazz essenciais de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Banquete de David Donato
03. Do brócolis ao samba de Adriana Baggio
04. A biblioteca pública mais violada do mundo de Ana Elisa Ribeiro
05. O vizinho de cima de Arcano9


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2009
01. A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb - 4/12/2009
02. Lendo Dom Quixote - 2/10/2009
03. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana - 5/6/2009
04. Verdades e mentiras sobre o fim dos jornais - 29/5/2009
05. O Free, de Chris Anderson - 16/10/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/8/2009
06h54min
Oi, Julio. Alguns pensamentos meus (moro fora do Brasil há 6 anos e não penso em voltar, principalmente por causa da questão da violencia): - Indicadores Econômicos indo bem, violência aumentando, continuam os problemas básicos de educação, concentração de renda, emprego e miséria. Enquanto não se resolverem esses problemas, mais policiais na rua não vai adiantar; - Uns 20 anos atras, "aconteceu com um conhecido de um amigo"; depois, "meu amigo foi assaltado"; e, finalmente, "eu fui assaltado". Não há mais "bolsões" isolados do problema. E é interessante pensar na questão da percepção, ou seja, até você ser a própria vítima, você não pensa muito a respeito do problema. Parece que ocorre o mesmo em relação ao desemprego, outro dia li uma nova e gostei: "when your neighbour loses his job it's a recession, when you lose your job it's a depression". P.S.: Estudei na mesma turma da faculdade que você, legal saber que o seu novo rumo deu certo. Parabéns.
[Leia outros Comentários de M Souza]
21/8/2009
08h50min
Sei, exatamente, como você se sentiu, e ainda sente; isso demora muito tempo para deixar nosso consciente; só depois de alguns anos é que será levado para o subconsciente e mesmo assim voltará como uma lembrança desagradável, de revolta. Dá vontade de contratar outros bandidos para aniquilar com esses bandidinhos, favelados ou não. Minha mulher, recentemente, passando justamente pelas imediações dessa ferida social que é a Paraisópolis, terra roubada de donos verdadeiros por gente que chegou À procura de algum sonho na cidade grande, mas encontrou somente pesadelos, foi humilhada, assaltada, arrastada para fora do carro, por menores e maiores ensandecidos e parecidos com feras, não com gente. Na verdade, são uma nova sub-espécie humana que se cria; são iguais uns aos outros, parecem-se, e são vagabundos mesmo, e não os frutos da sociedade burguesa, como querem alguns retrográdos, tontos, retardados dos pseudos direitos humanos. Que humanos são esses?
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
22/8/2009
00h04min
Eu fui assaltado perto de casa, à pé, esperando o sinal fechar para eu atravessar. Um rapaz encostou a faca em mim e me pediu meu dinheiro com muita falta de educação. Dei o dinheiro e ele saiu reclamando que era pouco. Voltei para casa, peguei a maior faca que tinha e fui para a rua tentar reencontrá-lo, para eu mesmo recuperar não o dinheiro, mas outra coisa que não sei o que era. Pensei: ele vai ter de se desculpar comigo na hora que eu apertar a faca no pescoço dele. Para sorte de ambos, não consegui encontrá-lo. Cuide-se, Julio.
[Leia outros Comentários de jardel cavalcanti]
24/8/2009
12h05min
O problema não são "eles", mas os "outros": as famílias de políticos e banqueiros que controlam nossa economia há séculos. Famílias como os Calheiros, os Sarneys, os Maias, os Meirelles, os Maltas, além das famílias mais "recentes", como os Maluf, os Magalhães, os Maggi. Concentram terras, riquezas, dinheiro público e de sonegação que desviam para suas contas em paraísos fiscais. Como resolver esse grande problema? Como seguir, desvendar, revelar, encarcerar essas famílias? Como pôr a polícia para prender os verdadeiros ladrões, que atuam em esferas muito longe das ruas, como bolsas de valores, congressos e tribunais? Como encarcerar juízes que passam férias em resorts pagos por banqueiros? Já fui assaltado 10 vezes, no Rio de Janeiro, onde vivo. Em Niterói, São Gonçalo, na Central, na Tijuca, em Madureira, e não desejo mal aos que me assaltaram. O ovo da serpente que irá nos envenenar é chocado diariamente por trás das portas do poder.
[Leia outros Comentários de Luciano Pita]
25/8/2009
23h09min
Eu fui assaltado uma vez, perto de casa, na Praça da República. Me lembro de ter presenciado várias assaltos, mas comigo nunca tinha acontecido. Enfim, há cerca de 3, 4 anos, chegou minha vez. Levaram um celular, dos mais vagabundos, e um CD Player portátil, do tipo walkman (aliás, ainda existem???). Em dinheiro, levaram R$ 5. Estavam em 3. Devem estar até agora quebrando a cabeça para dividir a grana.
[Leia outros Comentários de Marcos Lauro]
26/8/2009
6. Boa!
21h17min
Excelente texto, Julio. Boa.
[Leia outros Comentários de Eduardo Andrade de C]
28/8/2009
11h33min
Julio, e olha que Paraisópolis melhorou muito de uns anos pra cá, com ações do estado por lá e movimentos não-governamentais. Nos anos que estive por lá, pesquisando para escrever o livro "Paraisópolis, caminhos de vida e morte", a barra era mais pesada. Paravam homens querendo saber para onde eu ia, então tinha que dizer que ia me reunir com pessoas na associação de moradores, que ia ouvir histórias do Vlademir, rapaz que teve a sensibilidade de montar uma biblioteca na favela. São as políticas de inclusão que ainda não chegaram ao olho do furacão de verdade. Abraço.
[Leia outros Comentários de ZéSarmento]
3/9/2009
21h21min
Não costumo comentar em blogs e todos esses meios em que pessoas - desocupadas ou não - descrevem seus dias entendiantes ou o que pensam a respeito da sociedade etc. Mas me vi forçada a praticar isto mais vezes por aqui. Há tempos não vejo uma pessoa com opinião tão adimirável e textos - com perdão do clichê -, querendo ou não, tão influentes. Parabéns e boa sorte no site :D
[Leia outros Comentários de Dayanne]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cleópatra - Rainha e Mulher
Terenci Moix
Globo
(1989)



O Homem na Sociedade
George Simpson
Bloch
(1967)



Festa e Identidade Como Se Faz a Festa da Uva
Cleodes Maria Pizza Julio Ribeiro
Educs
(2002)



Uma Bomba no Quintal
Luiz Galdino
Ftd
(1994)



Ortopedia e Traumatologia - Conseitos Básicos
João A. Rossi
E. P. U
(1984)



I Canti Della Montagna
Dario Albani Barbieri
Roberto Napoleone
(1983)



Embrulhando o Peixe: crônicas de um empresário do sanatório Brasil
Ricardo Semler
Best Seller
(1992)



Feminismos, Identidades, Comparativismos: Vertentes Nas Literaturas De
Peonia Viana Guedes (org) Volume V
Elphos
(2007)



Pior Que Watergate
John W. Dean
Francis
(2004)



A Cor Tem Alma
Emerson Luiz W. Schulz
Bibla
(1997)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês