Palácio dos sabores 5/5 | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Um pé de biblioteca” estimula imaginação e ajuda a criar novas bibliotecas pelo Brasil
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Yoga, Imortalidade e Liberdade de Mircea Eliade pela Palas Athena (2009)
>>> The Bell - Her wise, witty and compulsive novel de Iris Murdock pela Penguin Books (1962)
>>> Os robôs e o império de Isaac Asimov pela Record (1985)
>>> Wallpaper Magazine May 2020 de Design Directory pela TI Media (2020)
>>> Contato de Carl Sagan pela Guanabara (1986)
>>> Os Três Reos e o Quarto Rei, Lendas Natalinas de Jakob Streit pela Edições Waldorf (1991)
>>> Neuromancer de William Gibson pela Aleph (1991)
>>> O Gênio do Crime de J.C. Marinho Silva pela Edijovem (1999)
>>> O incrível congresso de futurologia de Stanislaw Lem pela Nova Fronteira (1977)
>>> O cair da noite de Isaac Asimov pela Hemus (1981)
>>> Solaris de Stanislaw Lem pela Círculo do livro (1987)
>>> O Livro da Filosofia de Diversos pela Globo (2016)
>>> O homem bicentenário de Isaac Asimov pela Hemus (1976)
>>> Os robôs do amanhecer de Isaac Asimov pela Record (1983)
>>> Cartas de Um Executivo a Seu Filho de G. Kingsley Ward pela Record (1985)
>>> Desenho de Perspectiva (Português) Capa dura , Livro Novo de David Sanmiguel pela Ambientes (2020)
>>> Os anéis de Saturno de Isaac Asimov pela Hemus
>>> Inimigo Rumor 17 de Carlito Azevedo e Outros Editores pela Naify (1993)
>>> Anjos e Demônios de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> Fundação de Isaac Asimov pela Hemus (1982)
>>> Pureza de Jonathan Franzen pela Companhia das Letras (2016)
>>> Os Anos 40 de Rachel Jardim pela José Olympio (1973)
>>> A maçã no escuro de Clarice Lispector pela Círculo do livro
>>> Prontuário de Yoga Antigo (SVÁSTHYA YOGA de Professor de Rose pela Ground (1986)
>>> De corpo inteiro de Clarice Lispector pela Artenova (1975)
>>> A cidade sitiada de Clarice Lispector pela José Olympio (1975)
>>> A paixão segundo GH de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Círculo do Livro (1982)
>>> Química e física de Daniel Cruz pela Ática (2002)
>>> Arnaldo Janssen de Alberto Kuyle pela Verbo divino
>>> Uma aprendizagem ou o livro dos prazeres de Clarice Lispector pela Nova Fronteira (1982)
>>> Homo Deus de Yuval Noah Harari pela Companhia das Letras (2016)
>>> Eternidade por um Fio de Ken Follett pela Arqueiro (2014)
>>> Para não esquecer de Clarice Lispector pela Ática (1978)
>>> Em busca do Príncipe Encantado de Bradley Trevor Greive pela Sextante (2002)
>>> Um sopro de vida de Clarice Lispector pela Círculo do livro (1978)
>>> A hora da estrela de Clarice Lispector pela José Olympio (1977)
>>> Os sapatos de Orfeu - Biografia de Carlos Drummond de Andrade de José Maria Cançado pela Scritta (1993)
>>> Sinfonia patética - A vida de Tchaikóvski de Klaus Mann pela Brasiliense (1989)
>>> Merendeiro (A) SGA-DF – Auxiliar de Educação. Especialidade: Copa/Cozinha de Pimentel. et al pela Vesticon (2005)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 3 - Manhã sombria de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 2 - O ano dezoito de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O caminho dos tormentos Vol. 1 - Duas irmãs de Alexei Tolstoi pela Civilização Brasileira (1966)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> As mentiras que os homens contam de Luiz Fernando Veríssimo pela Objetiva (2002)
>>> Dieta Low Carb de Eliana Rinaldi e Daniela Mesquita pela Ediouro/Duetto (2019)
>>> Estatística fácil de Antônio Arnot Crespo pela Saraiva (1994)
>>> Simpatias de Antonio Carlos pela Pallas (1997)
>>> A idade da Razão de Sartre pela Cia das letras (2020)
>>> O pai minuto de Spencer Johnson pela Record (1996)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/12/2009
Palácio dos sabores 5/5
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3100 Acessos

Nesta altura, minha convivência em Bordeaux já havia mudado o modo como enxergava e degustava a comida. Uma vez que você experimenta alimentos frescos e bem temperados, perceberá que aquele macarrão de saquinho ou a lasanha congelada simplesmente não tem gosto de verdade, mas um alto teor de sal para que algum sabor enfim apareça. Ervas e especiarias são muito usadas pelos franceses para incrementar carnes, por exemplo, é o caso do alecrim ou do anis, que Gilles colocava no frango. O tempero, tão importante quanto o prato em si, geralmente aparece na descrição dos menus na culinária francesa. No inverno, o chef proporcionava aos clientes pratos mais substanciais, "copieux", dizia Coralie. O cordeiro ao leite vinha num prato fundo, forrado por uma guarnição de legumes cozidos e bastante caldo. O aroma da carne leitosa subia em movimentos de vapor tênue e me enchia de ânsia. Ainda assim, era encantador sentir aquele prato agradavelmente quente no inverno.

Voltemos ao tempo, Gilles Boulet entrou na sala em mangas curtas, era outono quando experimentei o gigotin de canard avec galette de pomme de terre et carottes (pato com batatas fatiadas e cenoura). Tornou-se meu prato preferido, embora na época o escolhi na expectativa de experimentar a carne mais apreciada do país: a do pato. Este nada tem a ver com o pato doméstico. É o pato-real, o mesmo que nada tranquilamente no lago do Jardin Public, facilmente reconhecido pelo colarinho branco e pescoço de um verde-escuro intenso. "Attention, c'est chaud!" (atenção, está quente), diz Coralie. Eis o prato alongado e branco como a tela de um artista. Naquele palácio de sabores, os sentidos ficavam a toda prova: o aroma da combinação dos ingredientes e a apresentação do prato culminavam na vontade de experimentar, enfim, aquela oferenda. O gigotin enrolado, enrijecido com um palito e recheado com ervas (mostarda, alecrim etc.) tinha um tom rosa-escuro, a carne era firme e saborosa. Ao lado, a batata ralada em finas lascas, formando uma treliça de casca crocante e interior suculento. Por fim, palitinhos de cenouras cozidas, que em contato com a língua desmanchavam numa entrega quase amorosa.

Antes, ao atravessar a porta de vidro do bistrot, Coralie apareceria saltitante "Bonsoir! C'est pour dînner?" (boa noite, vão jantar?), entenderia-se o chef na cozinha, o som do rádio inundando a sala, já não se sabia quando era o cantor ou sua voz fina cantarolando distraidamente os refrões. Era como se já nos esperassem, sim, era possível, tão vazio o restaurante à noite, aberto para o jantar apenas às sextas e sábados. Domingo fechava religiosamente, como a maior parte do comércio na França. Muitas vezes éramos os únicos e Coralie contava grandes histórias da Normandia, região de onde vinham, da filha única morando em Paris. Vez ou outra Gilles aparecia, os olhos azuis contraídos, e agradecia a presença. Um casal ou outro nos olhava pela vitrine, voltava-se para o cardápio e enfim se decidia a entrar, ou então desaparecia na rua mal iluminada. Em restaurante muito vazio ou muito cheio a gente se sente meio mal - acuado ou encurralado; muito à vista ou sobremaneira escondido, os garçons te olham demais ou nunca te atendem. Agora me ocorre que o Palais de Saveurs era bem frequentado à noite por casais, talvez tivesse mesmo feições de um ambiente privativo, pois a lotação era de apenas cerca de vinte pessoas. E também por gente solitária e tímida, que se afundava na poltrona, procurando a mesa mais longe possível das que estivessem ocupadas. No entanto, lá nós nos sentíamos em casa - admirando as reproduções nas paredes, envolvidos pelo aquecedor e pelo carpete, pelas mãos de Gilles e pela conversa de Coralie ―, como se fóssemos convidados estrangeiros tendo lições daquela civilização.

A noite gelada toma conta de meu corpo assim que deixo o Palais de Saveurs, não sem um último olhar à vitrine. Sua luminosidade amarelada deforma a silhueta do corredor de prédios na rua do Palais Gallien. É o amor que abala os sentidos e confunde as histórias, pois o palácio ― dedicado à Galiene, esposa de Carlos Magno ―, que dá nome a esta rua, nunca existiu. A não ser na imaginação e nas placas. Dobro a rua do Coliseu, aproximando-me da provável versão da história. Arcos decepados pelo tempo escapam das paredes em vestígios de tijolos. Destruída pelos bárbaros, a ruína se ergue hoje vitoriosa e protegida, ainda que mansa, servindo de morada a capim e pombos. Quiçá a plateia vociferava num espetáculo com leões e carne humana fresca, como tudo é naquele restaurante em pleno anfiteatro romano. Havia, sim, um outro palácio, afeito a outros quitutes, igualmente para saciar fomes.

Nota do Editor
Leia também "Palácio dos sabores 1/5", "Palácio dos sabores 2/5", "Palácio dos sabores 3/5" e "Palácio dos sabores 4/5".


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 10/12/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Antes que seque de Guilherme Pontes Coelho
02. Lições literárias de Gian Danton
03. Os ventos finais do inverno de Elisa Andrade Buzzo
04. Uma de nós de Marilia Mota Silva
05. Do que se deseja de Carina Destempero


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2009
01. Inútil, o filme e a moda que ninguém vê - 22/1/2009
02. USP: 75 anos de histórias várias - 12/2/2009
03. A Mulher Invisível ou a literatura como salvação - 20/8/2009
04. A profundidade aparente do concreto - 30/4/2009
05. Polly - 28/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PORT MUNGO
PATRICK MCGRATH
COMPANHIA DAS LETRAS
(2006)
R$ 24,90
+ frete grátis



O GUIA DO MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS
DOUGLAS A13:D28ADAMS
SEXTANTE
(2009)
R$ 24,90



REFLEXIONES SOBRE LA HISTORIA DEL MUNDO
JACOBO BURCKHARDT
EL ATENEO
(1944)
R$ 29,40



14, RUE DE TILSITT, PARIS
GUILHERME FIGUEIREDO
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 7,50



CONTABILIDADE DE CUSTOS INCLUI O ABC 6ª EDIÇÃO
ELISEU MARTINS
ATLAS
(1998)
R$ 33,00



ROTEIROS DE NAVEGAÇÃO AÉREA VOL 1
MANOEL AGOSTINHO MONTEIRO
ASA
R$ 8,90



O ANEL MÁGICO
DIRCEU NOGUEIRA MAGALHÃES
RAZÃO CULTURAL
(2000)
R$ 23,92



LEGEND: A VERDADE SE TORNARÁ LENDA
MARIE LU
PRUMO
(2012)
R$ 9,90



O QUE A BÍBLIA REALMENTE ENSINA?
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA DE BÍBLIAS E TRATADO
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA
(2005)
R$ 5,00



ALICE NO PAÍS DO ESPELHO
LEWIS CARROLL
L&PM POCKET
(2016)
R$ 14,99
+ frete grátis





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês