Ainda volto ao Museu (com 'menas' pressa) | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/4/2010
Ainda volto ao Museu (com 'menas' pressa)
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3600 Acessos
+ 2 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

Sim, leitor, eu tive de colocar "menas" entre aspas. Infelizmente. Pensei mil vezes antes de fazer isso. Matutei: discrimino ou não esta palavra? Devo ou não demarcá-la, como que dizendo ao enunciatário que ele deve estar alerta para um sentido segundo? Tirei as aspas, mas aí tive um temor de que achassem que, vá lá, esta colunista veterana neste sítio ainda não sabe acertar no português. Ao fim e ao cabo, meti logo as aspas para que não haja dúvida de que eis, aí, uma expressão imprópria, digamos, ou inadequada, como preferem alguns, especialmente aqueles que enxergam uma linha razoavelmente clara entre o certo e o errado na língua.

Na verdade, estou afetada pela visita que fiz, mui recentemente, ao Museu da Língua Portuguesa, de novo. Logo nos inícios, quando a exposição do primeiro andar ainda era do meu conterrâneo Guimarães Rosa, fui lá experimentar aquele belo prédio. Lembro pouco do evento. Se eu me esforçar, sei que adorei pular de um canto a outro olhando por uns buraquinhos que me permitiam ler, de ângulos diversos, frases do escritor de Cordisburgo. Não cheguei a visitar a sala de cinema (porque nos atrasamos e perdemos a sessão) e curti muito os jogos de palavras do outro andar.

Desta vez a experiência foi toda mais completa. Um filósofo diria que o rio não é mais o mesmo e nem eu, que entrei nas águas pela segunda vez. Éramos outros: eu e o Museu.

A exposição do primeiro andar é, agora, Menas, um discurso sobre a língua bastante diverso desse que a mídia de massa asperge em nós todos os dias, se não pelos programas de TV, ao menos pelas colunas de jornais (impressos e digitais). O caso ali é de linguística e, mais especificamente, de sociolinguística. Não é à toa que a instalação contou com curadorias e consultorias de especialistas como Ataliba Castilho e Rodolfo Ilari, que são, faz muito, algumas das mais importantes lombadas de livros da bibliografia de qualquer estudante que tenha escolhido se tornar um estudioso de línguas e linguagens.

Menas é uma homenagem à língua como ela é. Não é uma afronta à gramática. É uma aula interativa (no sentido de que essa aula me muda e eu "mudo ela") sobre nossos falares. É uma sessão de imersão na língua brasileira. Portuguesa, com certeza, mas com este nosso cantar.

Na saída do elevador, causa a maior impressão um ambiente quase escuro de cujo teto pendem placas de acrílico com palavras e pedaços de palavras, em várias cores, dispostas de maneira aparentemente caótica. Mas o ambiente nos guia, assim como nossas percepções. Há umas placas pretas com buracos por onde devemos olhar. Pelo orifício conseguimos ler umas frases que nos fazem, ao menos, pensar. Pensar sobre a língua que falamos, da qual somos falantes desde ali pelos dois aninhos. O esquema físico da montagem me trouxe de volta a lembrança da instalação de Guimarães Rosa.

Mais atrás, um painel de aspectos gramaticais da língua. A parede de curiosidades me fez sentir uma imensa vontade de ter uma daquelas em casa. Na sala, no quarto, no escritório. Atrás, máquinas (computadores camuflados) ofereciam jogos que, de primeira, faziam lembrar testes de regras de gramática. Questões de múltipla escolha ofereciam opções para problemas de ortografia, regência e outros. Brincando ali, ainda ancorada em experiências como o Jogo do Milhão ou em testes de língua tradicionais, de repente percebo que todas as opções estão sempre corretas. Logo abaixo da resposta aparece um texto explicando muito bem que relações aquela grafia ou aquela construção tem com os usos. E mais: a máquina computa o percentual de pessoas que responderam como você. Muito interessante, portanto, comprovar que a variação linguística está ali, diante de você, que é mais um dos visitantes do Museu.

Vozes, textos, sons, palavras pendurados nas paredes, caindo do teto, atravessando nosso caminho, zumbindo e ecoando. Imersão. Imensidão. Idioma e, como narrou Fernanda Montenegro, idiomaterno.

Enfim, consegui assistir à projeção dentro daquela sala escura. Um vídeo curto, mas suficiente, traz depoimentos, declamações e uma brevíssima história das línguas, numa mescla de clipe e vídeo didático. A voz de Fernanda é de arrepiar. Uns tantos rostos conhecidos trazem textos de outros autores. Tudo ali é linguajar.

Ao final do vídeo, um monitor nos chama para trás das cortinas. No fundo, atrás da tela, trancam-nos numa sala escura, na qual há arquibancadas onde podemos até nos deitar. No teto, poemas, textos, canções, imagens voam pelas paredes como borboletas. Céu de estrelas. Saí de lá com um poema de Fernando Pessoa completamente incrustado no cérebro. Há quanto não o ouvia/lia.

O sotaque do Museu é paulistano. O descaramento da escolha do português brasileiro é de dar muito orgulho. Todos os portugueses do mundo estão lá, mas a dona da bola é a língua que falamos aqui, deste lado do Atlântico. Focalizando um pouco melhor, estão representados nossos autores famosos, nossos livros, nossos poemas. Canções do exílio, Gregório de Mattos impressionantemente atual. Mas o Museu é paulistano. A lira é paulistana. A galáxia que está ali é a dos irmãos Campos. A cidade cantada em alguns versos é São Paulo. É uma homenagem enfurecida.

O linguista David Crystal, em sua obra A revolução da linguagem, editada no Brasil em 2005, se perguntava: "Toda cidade grande possui algum tipo de galeria de arte ou um museu de história natural. Mas onde está a 'galeria' dedicada à língua? Onde está o espaço ao qual as pessoas podem ir para ver como a língua funciona, é usada e se desenvolve?" Respondo: é ali na Estação da Luz, David. Você não sabia? Ou será que não imaginou que essa iniciativa teria lugar aqui abaixo da linha do Equador?

O mesmo linguista contava, nas mesmas páginas, que, na década de 1990, especialistas "revolucionários" do Reino Unido tiveram a ideia de fazer um Museu de Língua. "Um edifício com vários andares, o primeiro desse tipo, dedicado ao mundo da fala, da escrita, do significado, das línguas e ao seu estudo". O Conselho Britânico apoiou, o prédio foi escolhido, mas parece que os pássaros não gorjearam tanto por lá. Crystal cita outras iniciativas, em vários cantos do mundo, todas na Europa. Mas o Museu está em São Paulo, desde março de 2006.

O impacto que aquele espaço nos faz sentir vai além da curiosidade pelas máquinas e pelas projeções na parede. O que é um Museu (ele nos faz pensar)? O professor Paulo Cézar Ventura, especialista em museus em Minas, questionava os visitantes: "O que lhe vem à cabeça quando você pensa em museu?" Susssurravam alguns: "Coisa velha". Outros arriscavam: "Um lugar cheio de objetos". E o que é este museu? Qual é sua noção de acervo? Onde vai o humano neste projeto? Eu, falante da língua portuguesa, faço parte do acervo enquanto estou aqui. E teria sido ainda mais interessante se o Museu da Língua Portuguesa entrasse nesta onda 2.0 e aceitasse nossa contribuição. Este meu sotaque mineiro precisa de registro, antes que o Jornal Nacional acabe com ele. Minha pronúncia, minha sintaxe, meu dialeto, meu português. Paulo Ventura menciona a existência de alguns museus-fórum, que me lembram muito aspectos da Web colaborativa. Será?

Esta visita foi toda mais completa. Alinhavei minha língua ali, ouvindo e experimentando os espaços onde as palavras corriam pelas paredes e me faziam rememorar textos que já estavam guardados. Um jogo de linguajar em três andares para a gente se reconhecer em todos os cantos.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 30/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Super-heróis ou vilões? de Cassionei Niches Petry
02. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
03. A escrita boxeur de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
04. Viagem através da estepe de Celso A. Uequed Pitol
05. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2010
01. O menino mais bonito do mundo - 29/1/2010
02. Por que a Geração Y vai mal no ENEM? - 30/7/2010
03. Meu querido Magiclick - 12/2/2010
04. Palavrão também é gente - 26/2/2010
05. Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas - 11/6/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2010
14h08min
Ai, Ana, vi outro dia no Futura a divulgação da exposição e já fiquei querendo ir, depois do seu texto, então, quero inda mais. Pena que a grana anda curta (se é que anda...). Uma amiga que ia a SP me perguntou dicas e eu sugeri o Museu e esta exposição, ela num entendeu... falou "pra que ir no Museu pra ver erro da língua portuguesa?" Deixei quieto, ela provocou: "imagina, Dayse, uma exposição todinha sobre a ABNT? você ia ficar doida, hein?" Fazer o que... Cada 1 é cada 1.
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
12/5/2010
08h52min
Ana, muito legal sua coluna. Já tenho acompanhado seu trabalho desde 2006, em um oficina que fiz na SEVFALE. Cada dia fico mais interessado em tudo que tem feito. Indico sempre aos meus alunos de Português seus textos e, aqui na Alemanha, todos eles acharam o texto muito interessante. Felicidades.
[Leia outros Comentários de Marcos Fabio de Fari]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO FAZER AMIGOS E INFLUENCIAR PESSOAS
DALE CARNEGIE
COMPANHIA NACIONAL
(2003)
R$ 30,00



VENCER É SER VOCÊ
EDUARDO FERRAZ
GENTE
(2012)
R$ 12,00



AS MINAS DE PRATA 2
JOSÉ DE ALENCAR
N/D
R$ 5,00



LOS ILUSTRES MAESTROS
PAULO DE CARVALHO-NETO
VOZES
(1991)
R$ 4,00



SETE LAGRIMAS PARA APOLO
PHYLLIS WHITNEY
RECORD
(1963)
R$ 7,00



ESTICANDO A GRANA
RICARDO HUMBERTO ROCHA E RODNEY VERGILI
CAMPUS
(2007)
R$ 4,40



APRENDA A FAZER PÃO
COORDENAÇÃOCLÁUDIA PICAZZO
TRÊS
(1995)
R$ 30,00



FAUST
CHARLES GOUNOD
EDITIONS PAROLES DAUBE
(1996)
R$ 38,82



ESTADO E ENERGIA ELÉTRICA
ADRIANO PIRES RODRIGUES & DANILO DE SOUZA DIA
INSTITUTO LIBERAL
(1994)
R$ 8,82



DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA GERENTES DE PROJETOS
MÁRCIO RODRIGUES ZENKER
ELSEVIER
(2014)
R$ 55,00





busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês