Ferreira Gullar ou João Goulart? | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 7/12/2010
Ferreira Gullar ou João Goulart?
Wellington Machado

+ de 3800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em recente crônica na Folha de São Paulo [conteúdo restrito para assinantes], o poeta Ferreira Gullar faz um interessante relato de um passeio dominical que fez pelo calçadão de Copacabana. Enquanto andava, o poeta foi vítima do acaso, quando foi abordado por uma turma de jovens (ele não cita a idade deles). O cerne do artigo é a importância do acaso em nossas vidas. Tivesse ele se atrasado por algum motivo mínimo, como voltar para apanhar um guarda-chuva, pegar uns trocados ou conferir o gás, certamente teria se encontrado com pessoas bem diferentes das que encontrou. Mas, ao se deparar com os jovens, Ferreira Gullar vivenciou uma inusitada e hilária confusão com o seu nome. O primeiro deles confundiu-o com ator Paulo Goulart. Persistindo a dúvida, os outros passaram a fazer suas tentativas: um deles confundiu o poeta com o João Goulart; um outro chamou-o de Goulart de Andrade.

O episódio um tanto engraçado nos leva a refletir acerca de algumas questões. A confusão nos faz pensar sobre as transformações contemporâneas. E abordar o nosso tempo é inevitavelmente pensar sobre o vertiginoso avanço tecnológico, a nossa própria velocidade (computador, internet, comunicação instantânea, globalização etc.). Tais avanços provocaram (e continuarão provocando) uma radical transformação cultural e modificaram nossa maneira de lidar com a história, com os movimentos culturais, as correntes de pensamento e, mais precisamente aqui, no caso do Ferreira Gullar, o fenômeno da idolatria.

Vamos nos ater à cultura. Como em toda mudança, há perdas e ganhos. O que constatamos hoje? Múltiplas oportunidades para os novos artistas (cujo espaço para a divulgação de seus trabalhos era exíguo há alguns anos), e o consequente aumento da concorrência para os artistas, digamos, "estabelecidos", pré-internet. Grandes ídolos consagrados disputam hoje espaço com uma infinidade de pequenos candidatos ao reconhecimento ― muitos destes são voláteis. A "pulverização cultural" substituiu a "canalização cultural". Explico.

O lado positivo desse avanço tecnológico é que, principalmente em cultura, passamos a ter (ou conhecer) centenas, milhares de músicos, escritores, artistas plásticos etc., aos quais antes não tínhamos acesso. O que temos agora? Milhões de possibilidades! Pessoas que antes da internet não tinham espaço de divulgação, agora têm infinitos caminhos para se promoverem (YouTube, Facebook, Orkut, blogs, sites etc.). Com esse arsenal, a sociedade internauta criou pequenos grupos organizados por afinidades.

Não é novidade para ninguém que aumentamos substancialmente nossa diversidade cultural e, repito, isso é ótimo! Nossos ídolos (artistas, não aquela idolatria histérica) são menores, no entanto, são mais acessíveis. Meses atrás, um grupo de amigos do Rio de Janeiro se organizou, abriu uma lista na internet para levantar o cachê e contratar o grupo Belle & Sebastian para um show na cidade ― a banda passaria somente por São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre. Fosse o Paul McCartney, um dos últimos "megaídolos" remanescentes, a empreitada não teria o mesmo sucesso. Há muito mais artistas exibindo seus trabalhos para grupos bem mais restritos de admiradores: é o que eu denomino aqui "pulverização cultural". E essa tendência em formar grupos por afinidades se faz em outras áreas. Ocorre até em nossas estruturas físicas: as nossas salas de cinema estão cada vez menores, mas são milhares delas, setorizadas. Vivemos o melhor momento em se tratando de disseminação cultural.

O lado negativo é que podemos estar perdendo um importante "lastro histórico-cultural" com consequências danosas ― principalmente no que tange à preservação da memória e do diálogo cultural entre correntes e movimentos. Os componentes desses pequenos grupos dialogam entre si e com seus "microídolos", mas pouco conversam com os outros grupos. Como era antes e o que mudou? Tínhamos antes uma certa "canalização cultural", qual seja, a que produzia grandes artistas, já que nossas fontes midiáticas eram bem reduzidas. Os poucos canais de que dispúnhamos eram a TV, o rádio, os jornais e as revistas. As grandes massas bebiam somente nessas fontes, nivelando igualitariamente os gostos e preferências. Vai daí, por exemplo, o boom de idolatria na música nos anos 60 e 70, insuflado pelos meios de divulgação "canalizados" principalmente na TV e no rádio. Os ícones surgiram nessa época: Beatles, Pink Floyd, Bob Dylan, Rolling Stones, até chegarmos aos mais recentes, Michael Jackson e Madonna. A fonte de "megaídolos" seca a cada dia.

Essa "canalização cultural" teve uma função importante: acabou propiciando uma aglomeração de pares por afinidade, o surgimento de correntes de pensamento e movimentos culturais, respeitando uma certa linha histórica. Essas correntes dialogavam com a tradição, contrariando-a ou modificando-a (até bem antes da TV). Na pintura, por exemplo, o academicismo foi questionado pelo impressionismo, que influenciou o cubismo; vieram depois o expressionismo, futurismo, dadaísmo, pop art etc. Na literatura, sucederam-se as epopeias, romances de cavalaria da Idade Média, renascimento, romantismo, realismo, os beatniks, realismo fantástico. No cinema, o impressionismo alemão, o realismo, o neorrealismo, a Nouvelle Vague, Dogma 95.

Havia nas artes, portanto, ou uma ruptura ou uma evolução provocada pelo constante diálogo entre as correntes ou movimentos ("canalizados", já que eram poucos) que se comunicavam, criando uma linha evolutiva um tanto coerente. Tínhamos um "lastro histórico-cultural" com quem dialogar. Essa tradição é mais presente na Europa e um pouco nos Estados Unidos, apesar de ambos estarem sofrendo hoje também os efeitos globalizantes da "pulverização cultural". No Velho Mundo, óbvio, o "lastro histórico" vem desde a tradição greco-romana. Os Estados Unidos ainda conseguiram aglutinar algumas correntes e alinhavar uma tradição, ainda que pequena e tardia, com a fuga dos artistas europeus ante a iminência da Segunda Guerra.

O certo é que a era dos grandes movimentos culturais já se foi. A última corrente forte e coesa no cinema foi o Dogma 95. Nas artes plásticas não houve mais um movimento com a força e a influência da pop art, lá nos anos 70 ― o que tivemos depois foi a "pulverização": arte conceitual, performances, instalações, videoarte e tubarões embalsamados. Provavelmente teremos bem menos álbuns de música, clássicos como um Sgt. Peppers (Beatles), unificados por uma história ou fruto de uma experiência do compositor. As músicas estão cada vez mais espalhadas pela internet para serem baixadas isoladamente em pequenos aparelhos, sem nenhuma relação "física" que as una. De novo, tudo está menor e em grande quantidade.

Mais especificamente no Brasil, o avanço tecnológico e a "pulverização" aconteceram em momento enviesado. O país foi pego no contrapé da sua formação histórico-cultural devido à sua pouca idade. Como temos pouco mais de 500 anos, o nosso "lastro cultural" é muito mais curto. Qual é a idade da nossa de vida cultural "autônoma"? Pouco mais de 150 anos! Em literatura podemos considerar, grosso modo, Machado de Assis, o modernismo, Graciliano Ramos, Guimarães Rosa, Clarice Lispector, Drummond, o concretismo. Em cinema, nosso único grande movimento foi o Cinema Novo. Nossos últimos ídolos "de massa" foram os impulsionados pela TV: Chico Buarque, Caetano Veloso, Milton, Gilberto Gil etc.

A "pulverização cultural", apesar de abrir milhares de possibilidades de acesso à cultura, paradoxalmente ofusca a nossa memória cultural: para a nova geração parece que o mundo acontece do agora pra diante. Ferreira Gullar, apesar de estar na estrada há muito tempo e ser um poeta consagrado, foi vítima na sua caminhada do contrapé histórico-cultural brasileiro. Foi refém de uma geração tecnológica que dialoga pouco com o passado, com os grandes movimentos culturais que existiram. A chamada Geração Y mal dialoga com a geração que a antecedeu. Some-se a isso o nosso baixo nível cultural e a nossa deficitária educação ― vergonhosamente classificada em testes mundiais.

Ferreira Gullar, aos 80 anos, é o nosso maior poeta vivo ― goste-se ou não dele, da sua obra, dos seus resmungos, crônicas, opiniões, dos seus gatos. Ele travou um importante embate com os concretistas. Os mais otimistas chegaram a aventar a possibilidade de o poeta concorrer ao Nobel de Literatura. Gullar é bem presente na mídia. Escreve semanalmente nos jornais, tem participado com frequência de eventos culturais e do debate político. O poeta não é tão recôndito assim. Além disso, sua figura esguia e a cabeleira incomum são traços muito marcantes. É culturalmente triste para o Brasil o Ferreira Gullar ser confundido nas ruas.

Nota do Editor
Wellington Machado de Carvalho mantém o blog Esquinas Lúdicas.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 7/12/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
02. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
03. Omissão de Ricardo de Mattos
04. Essa São Paulo que ri, essa São Paulo que chora de Elisa Andrade Buzzo
05. Veja e Cachoeira: relações perigosas de Gian Danton


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado em 2010
01. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
02. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
03. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010
04. Guimarães Rosa em Buenos Aires - 28/9/2010
05. A sombra de Saramago - 3/8/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/12/2010
19h05min
Na verdade, o cronista apresenta uma tese, mas ela é pouco plausível. Não é o que ele chama de pulverização cultural o responsável pelo divertido episódio com o Ferreira Gullar, mas sim a ignorância do jovem: na realidade, o que se tem é uma juventude profundamente ignorante. Se o poeta tivesse sido abordado por pessoas de mais idade, certamente seria reconhecido. Além do mais, antes da internet nem sempre prevaleciam os grandes: quantos nomes se consagraram na música, nas artes plásticas etc. e não passam de mediocridades? A "pulverização cultural" pelo menos abre espaço a todos, e a facilidade de obter informação na Web apenas demonstra uma vez mais a profunda ignorância da juventude, mais preocupada com os bate-papos vazios dos "chats de conversa fiada" do que com o que é de fato importante.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BRINQUEMOS COM O CORPO E A IMAGINAÇÃO
LIDIA VAZQUEZ
PAULUS
(2000)
R$ 8,28



LEIS 8.112/90 E 8.666/93 COLEÇÃO CONCURSOS PÚBLICOS O PASSO DECISIVO PARA SUA APROVAÇÃO
ISABEL MORAES (COORD)
GOLD
(2008)
R$ 10,00



A FERA NA SELVA
HENRY JAMES
ROCCO
(1985)
R$ 18,00



REALISTIC ILLUSTRATIONS IN JAPAN 2
G. SHA
BOOKS NIPPAN
(1987)
R$ 85,00



UM CASAMENTO SEM AMOR
DORIS LESSING
RECORD
(1964)
R$ 7,00
+ frete grátis



DA RECONVENÇÃO NO DIREITO DO TRABALHO
OSÍRIS ROCHA
REVISTA DOS TRIBUNAIS (SP)
(1965)
R$ 19,28



OS DOZE MANDAMENTOS
SIDNEY SHELDON
RECORD
(2011)
R$ 3,00



ISRAEL DO SONHO À REALIDADE
CHAIM WEIZMANN
IBRASA
(1969)
R$ 5,00



THE ADVENTURES OF HUCKLEBERRY FINN - COM CD
MARK TWAIN
PEARSON
R$ 25,00



SEXO E DESTINO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER & WALDO VIEIRA
FEB
(1972)
R$ 20,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês