Façam suas apostas | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Disco - Clube da Esquina
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tecnologia de Minority Report
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
Mais Recentes
>>> Guia do Estressado de Rosana Ferrão pela Aeroplano
>>> A Arte da Guerra de James Clavel pela Record (2002)
>>> Poesia na Varanda de Sonia Junqueira; Flavio Fargas pela Autêntica (2012)
>>> A Falta Que Ela Me Faz de Fernando Sabino pela Record
>>> Quem Manda na Minha Boca Sou Eu! de Ruth Rocha pela Ática (2007)
>>> Propósito - a Coragem de Ser Quem Samos de Sri Prem Baba pela Sextante (2016)
>>> O Inglês; Tal Qual Se Fala no Presente sem Auxílio de Professor de M. Oliveira Malta pela Cia. Brasil (1960)
>>> Medicina Alternativa de A a Z de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> Administração Estratégica 2 Edição de Varios pela Pearson (2005)
>>> O Vaqueano de Apolinário Porto Alegre pela Três (1973)
>>> A Casa Iluminada de Alessandro Thomé pela Benvira (2012)
>>> Medicina Alternativa de a a Z - 6ª Edição de Carlos Nascimento Spethmann pela Natureza (2004)
>>> O Poder de Mau Humor de Ruy Castro pela Companhia das Letras (1993)
>>> O Amanha Começa Hoje de Alf Lohne; Charlote F. Lessa; Eduardo Olszewski pela Cpb Didaticos (2013)
>>> 21 Days to the Perfect Dog de Karen Wild pela Hamlyn (2014)
>>> Ligados. Com Ciencias - 3º Ano de Maira Rosa Carnevalle pela Saraiva Didáticos (2015)
>>> Depois Que Vim a Saber... de Elifas Alves pela Teatro Espírita (1983)
>>> Sherlock Holmes - O Vale do Medo de Arthur Conan Doyle pela Principis (2019)
>>> Instalações Elétricas de Hélio Crede pela Ltc (1986)
>>> Mensagens do Vento de Aldo Saettone pela Clio (2008)
>>> O Gerente Que Veio do Céu de Floriano Serra pela Gente (2000)
>>> Gramática Texto Análise e Construção de Sentido Caderno de Estudo de Maria Luiza M. Abaurre pela Moderna (2011)
>>> O Sentido da Vida na Catequese de Isabel Cristina a Siqueira pela Paulus (2014)
>>> Quando é Preciso Ser Forte de De Rose pela Egrégora (2005)
>>> Flores de Kalocsa de Vários Autores pela GyÖrgyi (1984)
COLUNAS >>> Especial Oscar 2001

Segunda-feira, 19/3/2001
Façam suas apostas
Rafael Lima

+ de 6800 Acessos

Muito já se disse e já se ouviu sobre o notório conservadorismo da Academia nas escolhas do Oscar, mas o que se descobre acompanhando a cerimônia ao longo dos anos é que a previsibilidade acaba sendo bem menor do que se supunha. Apesar da eterna preferência por atores que interpretam limítrofes, aleijados ou dramalhões, e de uma certa aversão à comédias, ficção científica e terror - de certo modo quebrada pela premiação do Silêncio dos Inocentes - a Academia consegue se superar nas complicações de sua lógica interna. O que a fez premiar a Helen Hunt de As Good as it Gets, num ano de Judi Dench em Mrs. Brown, de Helena Bonhan Carter em Wings of the Dove? O fato dela ser a única norte-americana das 5 indicadas. Isso sem falar em loucuras ocasionais, como a Ana Paquim de O Piano (quem diria que ela viria a interpretar a Vampira dos X-Men), ou recente indicação de A Vida é Bela para melhor filme e melhor filme estrangeiro. Mas vamos às chances.

Em geral, ocorre uma das duas alternativas: ou um filme só arrecada a maioria dos prêmios, sobretudo os chamados técnicos (som, efeitos visuais, maquiagem), ficando os prêmios de atuação dividos entre os demais concorrentes, ou, não havendo um filme de destaque, os 12 prêmios principais ficam divididos entre 3 filmes de destaque. O Globo de Ouro, prêmio entregue pelos críticos estrangeiros residentes nos EUA, é o melhor indicativo do que pode acontecer no Oscar, se bem que sua divisão das premiações para ator/atriz em duas categorias, Drama e Comédia & Musical, não se repete no Oscar. Que por sua vez também gosta de inventar umas modas, como utilizar essa distinção para a trilha sonora. Nesse ano, claramente, Gladiador deve fazer a festa.

Gladiador já levou o Globo de Ouro de melhor filme, foi superprodução, arrebentou nas bilheterias, enfim, tem todos os indicativos para levar o melhor filme. Como O Tigre e o Dragão não tem quem o ameace para melhor filme estrangeiro, suas chances de levar também o de melhor filme se reduzem, deixando o primeiro mais isolado na corrida. Sempre é bom lembrar que o Oscar também tem por fim premiar os títulos que mais impulsionaram a indústria comercialmente, o que é mais um motivo para o Gladiador ganhar.

Existe um tradição quase sagrada da Academia premiar também o diretor do Melhor Filme, que explica, por exemplo, o Coração Valente ter conquistado para Mel Gibson sua estatueta, no ano de Razão e Sensibilidade - Ang Lee não tinha sido indicado, então o filme não poderia ser o vencedor. Assim, Ridley Scott vira automaticamente favorito. A Miramax rompeu essa tradição com Shakespeare Apaixonado num lobby fortíssimo, mas foi um negócio tão descarado que é difícil que se repita. Spielberg até hoje não sabe porque o Soldado Ryan não levou...

Tom Hanks encomendou um filme, Náufrago, em que aperecesse sozinho em cena tempo o suficiente para amealhar mais um Oscar, o terceiro de sua carreira (não é absurdo imaginar que ele queira quebrar o recorde de 4 em vida). Pena que tenha dividido a tela com uma expressivíssima bola de vôlei. É o favorito, mas Russel Crowe vem com uma inércia considerável, foi indicado ano passado, ajudou Gladiador a encher a bilheteria e tem boas chances. E ainda há Ed Harris como Jackson Pollock, que num daqueles acessos da Academia...

É duro admitir, mas Julia Roberts só perde para melhor atriz se chover canivete. É isso mesmo. Mais ou menos que nem a Hillary Swank ano passado, interpretando em um filme menor, não deixou para ninguém. Juliette Binoche levou quando não deveria, batendo a carteira de Lauren Baccal com O Paciente Inglês como coadjuvante, e só leva esse ano se for unanimidade - a Academia reconhece tardiamente seus erros - algo que não é. Além de tudo não vai ser possível conferir a maioria das concorrentes, já que The contender, Requiem for a dream e You can count on me só vão estreiar depois do dia 25.

Para melhor ator codjuvante, acontece algo curioso. Há 3 anos o vencedor do Globo de Ouro perde o Oscar, foi assim com Tom Cruise que perdeu para Michael Caine ano passado. Mantendo-se a tendência, Benicio Del Toro, aquele chicano com olho de peixe morto que apareceu em Os Suspeitos e fez Excesso de Bagagem com a Alicia Silverstone (por onde andará?) vai perder para Joaquin Phoenix, o imperador incestuoso de Gladiador e candidato a Malcolm McDowell versão ano 2000.

Melhor Atriz Coadjuvante. Kate Hudson levou o Globo de Ouro por Quase Famosos, está com uma mão e meia lá, mas Judi Dench está mais uma vez brilhante em Chocolate, rabujenta como só ela consegue ser. Quem sabe a Miramax não seja tão forte para encarar o Gladiador, mas é pouco provável que Chocolate saia de mãos abanando, e Judi Dench seria um gol de honra. O problema é que eles já gastaram todas as fichas que tinham premiando Gwyneth Paltrow em Shakespeare Apaixonado. A melhor maneira de descobrir a favorita para atriz coadjuvante é ver se tem alguma indicada em filme de Woody Allen. Mira Sorvino e Diane West estão entre as recentes, é sempre, sempre barbada.

Os prêmios técnicos devem ficar na maioria com Gladiador: fotografia, figurino, som, efeitos visuais, edição, direção de arte (que eu até hoje não entendi direito bem o que é isso. Maesano, será que você consegue explicar?). Eu pensaria também em O Homem sem Sombra para efeitos visuais, Contos Proibidos do Marquês de Sade em figurino e o Tigre e o Dragão em direção de arte - as duas últimas categorias costumam premiar surpresas, como As Loucuras do Rei George e Topsy Turvy. É onde se pode arriscar. É onde O Tigre e o Dragão pode - e deve - levar mais algum.

Maquiagem é outro prêmio interessante, porque nem sempre a transformação de gente em bichos, monstros ou alienígenas leva o prêmio. Nunca esqueço, em Ed Wood, a transformação de Martin Landau em Bela Lugosi, que derrubou o Frankstein de Kenneth Branagh. Nesse raciocínio, ficamos com Shadow of the Vampire ao invés de O Grinch.

O prêmio de melhor roteiro original deve ser visto com atenção, porque costuma reunir os filmes mais originais do ano, especialmente os injustiçados, que não levam o Oscar de Melhor Filme. Caso clássico, A Sociedade dos Poetas Mortos. Pulp Fiction não tinha como superar Forrest Gump em melhor filme, mas deu poeira em melhor roteiro. É onde Quase Famosos deve levar a sua, batendo Gladiador. Roteiro adaptado, outro prêmio meio de consolação, está dividido entre Wonder Boys e Traffic, com vantagem para o último. Mas nunca se deve ignorar os irmãos Cohen - Where art thou, my brother? - numa disputa de melhor roteiro. Apesar da já mencionada aversão da Academia à polêmica, o que diminuiria as chances de Traffic, é bom lembrar que recentemente Larry Flynt foi premiado, um filme bastante provocante.

Por fim, uma nota especial sobre melhor canção. Se tem desenho da Disney no meio, música composta por Elton John ou Phil Collins, não tem o que vacilar. Nesse ano, o exemplar foi A Roupa Nova do Imperador, com música do Sting, mas quem deve subir ao palco para ornamentar sua lareira é ninguém mais, ninguém menos que o freewheling Bob Dylan, que compôs para Wonder Boys. Sempre é interessante ver um dos ícones da cultura pop subir naquele palco, a ovação da platéia, o discurso abobalhado, o estrago que o tempo fez em seu rosto, e algo me diz que o grande momento do Oscar desse ano vai ser quando mr. Jakob ouvir seu nome no microfone...


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 19/3/2001


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. O Tigrão vai te ensinar - 12/3/2001
03. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
04. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
05. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001


Mais Especial Oscar 2001
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Vestido Perigoso
Julia Holden
Arx
(2007)



Guerreiros de Roma - Rei dos Reis - Vol 2
Harry Sidebottom
Record
(2016)



Talassoterapia Em Casa
Angelika Eder
Pensamento
(2010)



Resumo da Doutrina Cristã
Pe. Oswaldo Baldan
Franciscana
(1973)



El Alma y las Formas y La Teoría de La Novela
Georg Lukács
Grijalbo
(1975)



Como Fazer Inimigos e Alienar Pessoas
Toby Young
Record
(2004)



Paço Imperial - roteiro para visita histórica
Diversos colaboradores
Revista do Patrimônio histórico
(1995)



Friends Forever
Friends Forever (pvt) Ltd
Call & Service Center



El Bosque de Espadas
Eric Lustbader
Atlantida
(1994)



Os últimos lagídios
Helaine Coutinho Sabbadini
Boa Nova
(2006)





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês