Tapa na cara | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/3/2012
Tapa na cara
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4600 Acessos

Outro dia tinha uma menina batendo na cara de uma professora na TV. Era um vídeo ruim, filmado por um celular, numa sala de aula. Era um flagrante de falta de educação, de arrogância, da formação de uma delinquente. Não sei o que era aquilo. Mas eu não acho que fosse novidade alguma. Lembro de estagiar em uma escola privada da moda, em Belo Horizonte, e de ver um garoto atirar um sapato no professor, quando este virou as costas para sair da sala. Não acertou. Se não acertou, ninguém fez nada. O ato não se consumou, não é mesmo? Mas aí isso era todo dia. E todo estudante deve ter essas vontades um dia. Raiva da prova, raiva da nota, raiva das proibições.

Outro dia, eu estava almoçando e assistindo a um desses programas sensacionalistas regionais (cuja fórmula é copiada em todos os estados). E, de repente, uma menina bateu na professora, dentro da sala de aula. Apuraram lá que foi por causa de um bilhete que a professora confiscou. Mas a aluninha não pode ser contrariada, certamente se acha poderosa demais. Quem é aquela professora chulé (que só deu pra ser professora na vida) para proibir alguma coisa? Então ela vai lá e dá um tapa na docente. E não há reação. A professora não bate de volta. A professora se contém, claro, porque o sangue deve ter fervido.

Já levou um tapa da cara? Ferve tudo, esquenta a ossatura. Dá uma espécie de dormência no rosto inteiro, uma vergonha enorme, uma vontade imensa de reagir. Ninguém gosta de tapa na cara. Levei tapa na cara, sim, mas do meu pai. Naquela época, isso era um negócio assim meio comum. Pais e filhos eram uma espécie de antagonistas naturais. Não era como hoje, que você negocia, conversa e resolve como se a relação fosse simétrica.

Ah, me desculpem aí os empolgados de plantão, mas não é. Essa relação não é simétrica. Pais são pais. Filhos são filhos. E eu não digo que não possam aprender uns com os outros. É claro que podem. No entanto, uns são autoridades, outros, não. Já dizia alguém que li por aí: estamos vivendo o filharcado.

Eu fiquei estarrecida com aquela adolescente doentiamente arrogante batendo na professora. Eu fiquei impressionada com a cena e com a facilidade com que a coisa ocorreu. Fiquei perplexa com isso. Mereceu "mídia" e tudo, pois é. Não sei o que mais merecerá. A garota ficou sob os cuidados do conselho tutelar ou sei lá eu. Mas e a professora? Aos cuidados de quem?

O Estado sai de tudo o que ele pode. Saiu da educação e da saúde há tempos. Saiu da segurança pública. Retirou-se de tudo quanto pode. E vai se retirar mais. Vez ou outra me pego pagando em dobro qualquer coisa: meu oftalmologista ou a escola do meu filho. Bem, mas fico pensando: há coisas que se ensina a uma criança dentro de casa. O respeito aos outros, por exemplo. E o respeito ao professor, então.

Aquela menina me fez sentir uma espécie de ódio generalizado. Como assim? Eu me imaginei me levantando para estapear meu professor, em qualquer série que fosse. Também não acho que a assimetria nessa relação deva abrir espaços para o contrário. Levei reguada na cabeça de professora irritada. Não admiro os tempos da palmatória e da decoreba. Nada disso. Mas não entendo que a vara se tenha curvado para o lado tão oposto.

Como são difíceis estas relações. Se a guria se atreve a bater na professora, fico me perguntando, o que faz com os pais? Os tem? Bate neles? E com os colegas? E se fosse um professor? O que aconteceria naquela sala de aula? O que faz um professor?

Meu colega Edvaldo Couto dizia, no Twitter, que se sente meio irritado com essa história de que as relações na escola, entre alunos e professores, devam se dar na base da amizade, do afeto e discursos semelhantes. Dizia Edvaldo, em menos de 140 caracteres, que a relação docente/discente se funda no conhecimento. Demos o aval eu e outros participantes daquela rede. Mas como chegar a essa conclusão? Como fundar relações no conhecimento se ele está relegado ao segundo ou terceiro ou quarto plano?

Nunca me disseram direito em que consiste a profissão de professora. Fiz lá aquelas disciplinas na Faculdade de Educação, inclusive Didática e Práticas de Ensino. Nunca me descreveram direitinho o que eu deveria fazer. Pus os pés na escola de verdade, um dia, e levei o mesmo susto que sei que muitos de meus colegas levaram. Essa é uma fase crítica, em que muita gente se decide por mudar de profissão. Sim, era um choque chegar à escola real, em funcionamento. Talvez tenha sido assim em qualquer época, mas sabe-se que as coisas mudaram, e mesmo para melhor, em muitos aspectos. Mas as coisas também pioraram, em outros.

O poder da juventude, o acesso à informação e às tecnologias, a agilidade, uma espécie de inteligência coletiva, o culto ao jovem como se ele fosse a referência para tudo... inclusive o culto estético. Tudo isso me dá uma imensa preguiça. A arrogância que isso causa não tem precedentes. Estapear uma professora é um fenômeno contemporâneo. Bom, vamos lembrar: alunos sempre ameaçaram professores. Muito antes do computador, lembro-me dos carros arranhados no pátio e dos alunos que falavam em esvaziar pneus. Sim, o professor sempre foi alvo de amor e ódio. O professor não foi sempre a figura amada, mas também não aquela mais digna de piedade. O professor já foi respeitado e já, inclusive, teve salário digno, mesmo trabalhando em escolas públicas.

Mas esse tempo do prestígio foi apagado. Completamente, penso. A representação que se faz do docente hoje é outra, bem outra. Lastima-se abertamente o calouro aprovado em curso de licenciatura no vestibular. Lamenta-se a carreira ingrata daquele que lecionará, ao menos na escola básica. A "elite" do professorado, se der conta, alcançará o ensino superior, onde as condições parecem, friso que apenas se parecem, um tantinho melhores.

A garota bateu na professora. Eu senti aqueles dedos impertinentes na minha cara. Mas a maioria das pessoas não se preocupará com isso. Talvez por um segundo, ali, enquanto almoçam pensando nas cenas do Big Brother. É assim. Peso quase algum para as questões do professor.

Um professor deveria, em primeiro lugar, estudar. Deveria ser um estudioso de seu tema. Um leitor voraz de sua bibliografia (que não para de crescer). Um escritor contumaz de seus textos específicos. Um professor deveria preparar suas aulas, pensar no que dizer, saber como organizar o conhecimento e a informação. Um professor deveria dar suas aulas, ler e avaliar os trabalhos dos estudantes, orientar pessoas. Um professor deveria fazer tudo isso em doses cabíveis. E, ao final do mês, deveria receber por seu trabalho essencial um salário que comprasse suas boas férias, sua viagem de lazer, os uniformes de seus filhos e as despesas de sua residência digna.

Mas isso está muito além dos sonhos. Isso é piada diante do que realmente ocorre à maioria dos colegas. Além de não comprar livros e de não ter tempo de preparar suas aulas, o professor precisa ainda lidar com um calendário de esforços infinitos. Aqueles que pretendem produzir e se preparar para os cursos que darão gastam suas férias e seu lazer cumprindo o que não consta de seus horários de trabalho. E lastimam a indecência de suas contas bancárias e talvez se arrependam de suas escolhas no vestibular. Bem, aquelas pessoas jocosas tornam-se profetas.

As meninas que batem em professoras, assim como os meninos, proliferam por aí e pensam ter razão. Aliás, elas têm certeza de sua razão. Elas serão qualquer coisa, menos professoras. Isso é coisa de quem não teve boas oportunidades na vida, não é mesmo?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/3/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Instinto de Repórter de Fabio Silvestre Cardoso
02. Paganini Diabólico de Nemo Nox


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EU NÃO CONSIGO EMAGRECER
DR PIERRE DUKAN
BEST SELLER
(2012)
R$ 39,90



A VIRGEM E O CIGANO
D. H. LAWRENCE
CÍRCULO DO LIVRO
(1975)
R$ 29,90



ECONOMIA
PAUL WONNACOTT / RONALD WONNACOTT
MAKRON BOOKS
(1994)
R$ 10,00



DIREITO & JUSTIÇA VOL 39 NÚMERO 1 JAN/JUN
PUC RIO GRANDE DO SUL
EDIPUCRS
(2013)
R$ 15,00



NOVO NASCIMENTO
BISPO MACEDO
UNIPRO
(2009)
R$ 5,90



SUCESSO ESCOLAR
MÁRIO DE NORONHA E ZÉLIA DE NORONHA
PLÁTANO
(1998)
R$ 17,86



CONTRATO
LUIZ ROLDÃO DE FREITAS GOMES
RENOVAR
(1999)
R$ 24,95



UM LUGAO AO SOL
ERICO VERISSIOM
GLOBO
(1982)
R$ 13,39



DOM CASMURRO
MACHADO DE ASSIS
CIRANDA CULTURAL
(2006)
R$ 25,00
+ frete grátis



ACENTOS DEL ESPANOL 4
ARANCHA PABLOS ZUNIGA
EDELVIVES
(2014)
R$ 20,00





busca | avançada
51300 visitas/dia
1,8 milhão/mês