Uma nova corrida espacial? | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 9/11 books
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> Humberto Alitto
>>> Orra, meu
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
>>> Meu tio
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Tarde, de Paulo Henriques Britto
>>> Curitiba
Mais Recentes
>>> Ilustrado de Miguel Syjuco pela Companhia das Letras (2011)
>>> Revista Viagem e Turismo - Ano 20 – Nº 2 - Quatro Roteiros na Itália Pra Ver Antes de Morrer de Vários Autores pela Abril (2015)
>>> Guia do Executivo Porto Alegre 1998 de Vários Autores pela Gazeta Mercantil (1998)
>>> Guia Quatro Rodas Brasil 2002 de Vários Autores pela Abril (2002)
>>> Éfeso de Naci Keskin pela Keskin Colors (2012)
>>> Clube do Livro, Ser Leitor - que diferença faz? de Luzia de Maria pela Literária (2009)
>>> The Good Life Guide to Sydney de Tessa Mountstephens pela Hark! (1996)
>>> Matemática - 8º Ano - 6º Edição de Edwaldo Bianchini pela Moderna (2006)
>>> Encontro com a Begõnia de Nilza de Oliveira pela Imagem (2014)
>>> Buenos Aires de Boca a River de Joaquim da Fonseca pela Artes e Ofícios (1996)
>>> Brisa Bia, Brisa Bel de Ana Maria Machado pela Record (1999)
>>> Barcelona – Um Ano Com 365 Dias de Marcos Eizerik pela Age (2008)
>>> De Mala e Cuia – Tudo o Que Você Precisa Saber Para Morar, Estudar, Trabalhar e se Divertir na Europa de Adriana Setti pela Jaboticaba (2005)
>>> Quebra de Confiança de Quebra de Confiança Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Viajando pela Europa e Pelo Mundo de José Cretella Júnior pela T. A. Queiroz (1985)
>>> Silêncio na Floresta de Harlan Coben pela Benvirá (2009)
>>> A Nova História Cultural de Lynn Hunt pela Martins Fontes (1992)
>>> O Livro dos Espíritos de Allan Kardec pela Círculo do Livro (1993)
>>> Não Conte a Ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Nova Cultural (2003)
>>> O Livro dos Incensos de Steven R. Smith pela Roca (1994)
>>> Confie Em Mim de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Romeu e Julieta - Macbeth - Otelo, O Mouro de Veneza de William Shakespeare pela Nova Cultural (2003)
>>> Consciência Cósmica de Rosabis Camaysar pela Lorenz (1994)
>>> Alta Tensão de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Os Sentidos do Trabalho - Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho de Ricardo Antunes pela Boitempo (2000)
>>> Luta Armada no Brasil do Anos 60 e 70 de Jaime Sautchuk pela Anita Garibaldi (1995)
>>> Jogada Mortal de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Quando Ela Se Foi de Harlan Coben pela Arqueiro (2011)
>>> Descartes The Project of Pure Enquiry de Bernard Williams pela Routledge (2005)
>>> Desaparecido para Sempre de Harlan Coben pela Arqueiro (2010)
>>> Seis Anos Depois de Harlan Coben pela Arqueiro (2014)
>>> Estatuto da Criança e do Adolescente de Vários Autores pela Pmpa (2003)
>>> O Inocente de Harlan Coben pela Arqueiro (2013)
>>> A Dama das Camélias de Alexandre Dumas Filho pela Nova Cultural (2003)
>>> Equilíbrio Total Através da Parapsicologia de Miguel Lucas pela Almed (1981)
>>> Casa de Bonecas de Henrik Ibsen pela Nova Cultural (2003)
>>> O Poder da Oração para Mulheres de Jackie M. Johnson pela Povket ouro (2013)
>>> Jesus como Terapeuta - O Poder Curador das Palavras de Anselm Grün pela Vozes (2013)
>>> Manual do Astrônomo Amador de Jean Nicolini pela Papirus (1991)
>>> As Três Irmãs de Anton Tchekov pela Nova Cultural (2002)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Alexandre de Moraes (Org.) pela Atlas (2001)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Vários Autores pela Saraiva (2000)
>>> O Livro Secreto do Banheiro Feminino de Jo Barrett pela Essência/Planeta (2008)
>>> Código de Hamurabi – Código de Manu – Lei das XII Tábuas de Jair Lot Vieira (Superv.) pela Edipro (2002)
>>> Manual de Prática Forense Civil de Edson Cosac Bortolai pela Revista dos Tribunais (2003)
>>> Vade Mecum Método Cívil 2016 de Vários Autores pela Método (2016)
>>> Nossa próxima atração. O interprograma do Canal 3 de Mário Fanucchi pela Edusp (1996)
>>> Evaristo de Moraes Filho – 100 Anos de Vida Contribuição à Sociologia e ao Direito do Trabalho de Eliana Gonçalves da Fonte Pessanha e Outros (Orgs.) pela Ministério do Trabalho (2016)
>>> O tempo e a alma de Jacob Needleman pela Ediouro (1999)
COLUNAS

Quinta-feira, 17/5/2012
Uma nova corrida espacial?
Vicente Escudero

+ de 5000 Acessos



Os segredos escondidos na escuridão do espaço sempre interessaram a espécie humana desde as primeiras civilizações catalogadas pela arqueologia. Somos a única espécie capaz de dormir deitada de costas, observando o céu, como lembra Neil deGrasse Tyson, e de refletir sobre a própria condição comparada a outras criações da natureza. Esta combinação extraordinária entre anatomia e inteligência pode ser considerada um importante fator que proporcionou, ao longo da evolução, o surgimento do interesse pela investigação de nossa posição perante todos os outros objetos vistos no céu, durante o dia e a noite.

A escuridão do espaço lança uma sombra na existência humana maior do que o lado da Terra privado da luz na intermitência dos dias. Talvez não tenha sido o fator mais importante na manutenção da nossa curiosidade até o atual ponto do processo evolutivo, mas se apresenta em todos os momentos cruciais da evolução cultural e científica da nossa espécie como um divisor comum de questões diversas da filosofia, religião e ciências naturais. Há 25.000 anos, usávamos a posição da Lua e dos astros para prever as estações do ano. O registro mais antigo de interpretação e tentativa de definição de um astro espacial data da primeira civilização descoberta, a Suméria, que ocupou a região da Mesopotâmia, no Oriente Médio, entre os anos de 4500 e 2500 a.C., onde a religião local escolheu os deuses Inanna, Utu e Nanna como representantes de Vênus, do Sol e da Lua.

A contínua representação e investigação dos astros pela religião foram aos poucos se misturando com uma astronomia rudimentar, usada para suprir as necessidades nascidas da evolução das cidades, determinando a existência de períodos específicos do ciclo meteorológico e solar, importantes, por exemplo, para a agricultura. Entre a produção de bens e a organização do poder dentro das cidades, originário de grupos religiosos, o homem começou a se indagar sobre sua condição perante os objetos celestes. A primeira concepção de um universo, criada pelos sumérios, correspondia apenas à superfície plana da Terra, que seria coberta por um domo de metal. Os astros, considerados deuses, eram tratados como entidades externas.

A visão geocêntrica do universo foi duradoura. A primeira investigação filosófica de um modelo surge apenas a partir do século VI a.C., na Grécia, através dos filósofos pré-socráticos, que continuaram a concepção suméria, retirando o domo e cercando o universo pela água. Apenas com a investigação de Platão e Aristóteles, no século IV a.C, foi concebida a forma redonda da Terra. Entretanto, o universo proposto ainda era geocêntrico, com nosso planeta localizado no centro e cercado por esferas girando ao seu redor. Este modelo sobreviveu até o século XVI, com os estudos de Copérnico e a adaptação do modelo criado pelo filósofo grego Aristarco, no século III a.C, em que o Sol localiza-se no centro do universo, com a Terra girando no próprio eixo e ao seu redor.

Tal concepção reconstruída por Copérnico custou a liberdade de Galileu, em 1622, quando foi julgado e condenado a prisão domiciliar pelo tribunal cristão da Santa Inquisição por defender o heliocentrismo. Séculos passaram, a Via Láctea foi identificada e, só após o Grande Debate entre os astrônomos Harlow Shapley e Heber Curtis sobre o tamanho do universo e a natureza das nebulosas em espiral, em abril de 1920, complementado pelo resultado das pesquisas de Edwin Hubble, foi descoberto que a Via Láctea não é o centro do universo e as outras nebulosas em forma de espiral, na verdade, constituem galáxias independentes.

O sucesso e o aumento do investimento na pesquisa científica durante o século XX validaram a astronomia como ciência e sua prevalência sobre a concepção religiosa do universo. O espaço -antes inatingível e incompreensível- passou a ser tratado como mais uma fronteira a ser conquistada. A Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria criaram as condições para o investimento maciço na pesquisa da exploração espacial e foram responsáveis pela chegada do homem à Lua e também pelo lançamento de telescópios e satélites por toda a órbita baixa terrestre.

Hoje, a exploração do espaço que já foi morada de deuses e provedor de respostas às angustias existenciais do ser humano está estagnada e longe da pujança dos investimentos do período entre as décadas de 1960 e 1980. Os dois países responsáveis pelos maiores avanços, a Rússia (antiga União Soviética) e os Estados Unidos, sofrem para manter suas atividades espaciais, que funcionam com orçamentos congelados há mais de 15 anos, um indicativo de que as descobertas constantes do século XX parecem estar longe de se repetir no futuro próximo.

Mudanças no horizonte

O ser humano ainda é capaz de se deitar e observar as estrelas? Felizmente, sim. Depois de quase duas décadas de pequenas conquistas, sinais positivos de mudança parecem surgir com a mesma intensidade de uma aurora boreal no inverno do Polo Norte.

O governo dos Estados Unidos, logo no início da administração Barack Obama, traçou objetivos claros para a pesquisa espacial da NASA: uma missão tripulada a um asteroide até 2025 e outra a Marte por volta de 2035. Outra medida importante foi a abertura do transporte de astronautas para a Estação Espacial Internacional à disputa entre empresas privadas, uma novidade iniciada pela Rússia, que cobrava quase vinte milhões de dólares para transportar turistas ao único hotel com gravidade zero. A China também começou a mostrar sua aptidão, lançando o primeiro taikonauta ao espaço e já iniciou a construção de uma estação espacial própria. Especula-se que esta chegada da China inicie, em alguns anos, outra corrida espacial nos moldes da Guerra Fria.

Embora a disputa entre as três grandes potências econômicas possa trazer a arrancada necessária a uma nova corrida espacial, o sinal mais otimista para o avanço vem da iniciativa privada, do Vale do Silício, na Califórnia, com as empresas financiadas pelos bilionários desbravadores da internet, como Elon Musk (co-fundador do PayPal), Paul Allen (co-fundador da Microsoft), Jeff Bezos (fundador da Amazon) e Larry Page e Eric Schmidt (fundador e executivo do Google) que investiram alto e criaram empresas para competir no novo mercado de exploração espacial.

Os horizontes das empresas não são curtos. Elon Musk apresentou as intenções da SpaceX de enviar uma missão tripulada a Marte em dez anos. Atualmente, a empresa tem contrato com a NASA para transportar cargas à Estação Espacial Internacional e, se tudo correr dentro do prazo estipulado, no próximo dia 19 maio a SpaceX será a primeira empresa privada a enviar uma cápsula espacial, sem tripulantes, para se acoplar à estação.



Jeff Bezos e sua empresa Blue Origin, sediada no Texas, trabalham na criação de um foguete reutilizável, capaz de pousar na vertical -o que reduziria grande parte do custo de consumo das viagens- e também se preparam para participar da disputa pelo transporte de astronautas para a Estação Espacial Internacional, financiada pela NASA. Paul Allen e o engenheiro Burt Rutan criaram a Stratolaunch Systems, voltada ao turismo espacial e incubadora de novos projetos de veículos de lançamento. Todas empresas apostam alto, mas a que mais impressiona é a Planetary Resources, que conta com a participação da dupla do Google, além do cineasta James Cameron, como conselheiro, e do ex-chefe das missões a Marte da NASA, os robôs Pathfinder, Opportunity e Spirit, o engenheiro Chris Lewicki.



A Planetary Resources pretende realizar a mineração de asteroides próximos à Terra utilizando pequenos satélites e robôs em missões não tripuladas. A intenção inicial é a extração de água e a produção de oxigênio e hidrogênio para reabastecimento do combustível de foguetes no próprio espaço, o maior custo das missões espaciais fora da órbita da Terra. Numa segunda etapa, a exploração vai visar a extração de minérios raros como platina e ouro.



A empresa pretende dividir a exploração em três estágios: observação dos asteroides, exame de suas composições e extração dos recursos. O início da primeira fase já está marcado para meados de 2015 e os satélites para análise dos asteroides estão em fase final de desenvolvimento. O plano não é só incrível pelas dificuldades de engenharia e tecnologia envolvidas na atividade, mas também pelos limites legais criados no decorrer do período da Guerra Fria para as atividades espaciais, que dificultam a exploração econômica indiscriminada destes recursos decorrentes da mineração espacial.

Existe um vácuo legislativo internacional sobre a exploração econômica dos recursos pretendidos pela Planetary Resources. O Tratado do Espaço Exterior, de 1967, estabelece apenas que o espaço é um bem comum, de toda a humanidade, portanto, não pode ser apropriado por nenhum país ou pessoa, o que impede a aplicação da legislação dos Estados Unidos para proteger as atividades de mineração da empresa. Outro problema seria a tentativa de outra empresa explorar os mesmos recursos ocupados pela Planetary Resources. Não existe instrumento legal para proibir esta concorrência, ainda que este cenário seja improvável.

A jurisprudência internacional sobre as consequências da exploração espacial também é quase inexistente. Um dos casos mais extravagantes, sobre o direito de propriedade de objetos celestes, foi proposto nos EUA por Gregory W. Nemitz, do projeto Eros, que pretende estabelecer uma colônia de mineração no asteroide 433 Eros, localizado próximo à orbita da Terra, e que contém grandes quantidades de ferro, potássio, magnésio e alumínio. Nemitz declarou-se proprietário do asteroide e processou a NASA para cobrar uma "taxa de estacionamento" depois da nave NEAR Shoemaker orbitá-lo e pousar em sua superfície. Nemitz desistiu do processo depois da NASA defender-se argumentando que os objetos espaciais não são suscetíveis de apropriação, em referência ao Tratado do Espaço Exterior de 1967.

Questão importante é a responsabilização do país onde são exercidas as atividades da empresa, pelos danos causados enquanto funciona no espaço, de acordo com a Convenção para a Responsabilidade no Espaço, que expande o tema no Tratado do Espaço Exterior. Outro documento interessante é o Tratado Sobre a Lua de 1979, que apesar de não ter nenhuma potência espacial como aderente, poderá servir de salvaguarda e instrumento de negociação, pois impede a exploração de recursos espaciais que não seja comandada por uma coalizão internacional e exige a aprovação de outros países aderentes antes do início da exploração.

O ser humano passou diversos milênios imaginando como seria a realidade atrás da atmosfera da Terra e a natureza dos astros que cercam nosso planeta. Depois de tanto tempo, começam a ser dados os passos para uma conquista maior e mais importante do que a mera presença do homem no espaço. Vamos começar a alterar a natureza de objetos celestes e, talvez em cinquenta anos, seremos uma espécie interplanetária com uma pequena base em Marte. Depois de um caminho tão longo, percorrido entre tantas guerras e conquistas, a esperança é de que os valores mais nobres do ser humano prevaleçam fora da Terra afinal, não temos um histórico irretocável na descoberta e exploração de novas fronteiras. Que os deuses nos protejam de nós mesmos!


Vicente Escudero
Campinas, 17/5/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
03. Senhor Amadeu de Ana Elisa Ribeiro
04. Existe na cidade alguém, assim como você... de Elisa Andrade Buzzo
05. Os encontros dos estranhos de Elisa Andrade Buzzo


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2012
01. A mitologia original de Prometheus - 2/8/2012
02. Ao Sul da Liberdade - 14/6/2012
03. Uma nova corrida espacial? - 17/5/2012
04. Deixa se manifestar - 20/12/2012
05. Tolos Vorazes - 19/4/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O BRANCO E A ROSA
SCHERING DO BRASIL
LIMAY
(2003)
R$ 5,00



O ABC DA EMPRESA DE SERVIÇOS
ROSALVO LIMA
FUTURA
(2006)
R$ 18,00



A VERDADE QUE EU DESCONHECIA
STELLA FERNANDES RIBEIRINHA
NOTRYA
(1993)
R$ 24,28



A FILOSOFIA ATRAVES DOS TEXTOS
ALEXANDRE CABALLERO
CULTRIX
(1980)
R$ 9,90



GIBRAN KHALIL FILÓSOFO DOS PROFETAS, PROFETA DOS FILÓSOFOS
ASSAD ZAIDAN
ESCRITURAS
(2008)
R$ 26,51



O HOMEM E A SOCIEDADE-UMA INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
M B L DELLA TORRE
CIA. NACIONAL
(1971)
R$ 8,00



O BICHO HOMEM - UM ESTUDO BEM HUMORADO SOBRE O ANIMAL MAIS COMPLEXO...
CRISTINA MOUTELLA & GLICIA VAN LINDEN
OBJETIVA
(1997)
R$ 6,90



AS POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO BÁSICA NA ESPANHA DEMOCRÁTICA - COL. ORELLANA
ANTONIO IBAÑEZ RUIZ
CONSEJA DE EDUCACION EN BRASIL
(2007)
R$ 9,87



UMBANDA: UMA RELIGIAO SEM FRONTEIRAS - 1ª EDIÇÃO
FLAVIO PENTEADO
NOVA SENDA
(2015)
R$ 30,96



KISS - GUISE TO SELLING
KEN LLOYD
DORLING KINDERSLEY BOOK
(2001)
R$ 100,00





busca | avançada
76521 visitas/dia
2,1 milhões/mês