Gustavo Rezende: uno... duplo... | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
>>> Aulas on-line percorrem os caminhos da produção editorial
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
>>> Os tataravôs da filosofia
>>> Sexo, drogas e rock’n’roll
>>> Dostoiévski era um observador da alma humana
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Nélson e Otto #Clássico
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Escritor: uma ambição
>>> O Rei Roberto Carlos e a Ditadura
>>> Uma leitura jornalística
Mais Recentes
>>> O Trílio Negro de Marion Zimmer Bradley; Julian May; Andre Norton pela Rocco (1992)
>>> Opus Dei - Análise e Depoimentos de David Fernandes pela Alley (2006)
>>> Atlas de Astronomia de S. J. I. Puig pela Lial (1985)
>>> Pau Brasil - Fac-similie (1ª Edição) de Oswald de Andrade pela Universidade de São Paulo (2003)
>>> Ansiedade 2 - Autocontrole de Augusto Cury pela Benvirá (2016)
>>> Ansiedade 2 - Autocontrole de Augusto Cury pela Benvirá (2016)
>>> Sin City - a Dama Fatal, V. 2 de Frank Miller pela Devir (2005)
>>> Carnaval Carioca 100 Anos - Acompanha Cd de Caras pela Caras (2000)
>>> Os Senhores do Norte - Crônicas Saxônicas - Livro 3 de Bernard Cornwell pela Record (2007)
>>> Elite da Tropa 2 - o Inimigo Agora é Outro de Luiz Eduardo Soares / Cláudio Ferraz / André Ba... pela Nova Fronteira (2010)
>>> Processo Penal de Alexandre Reis pela Saraiva (2004)
>>> Para tão Longo Amor de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (2003)
>>> A Batalha dos Mortos de Rodrigo de Oliveira pela Faro Editorial (2013)
>>> Tudo Que Você Precisa Saber Sobre Arqueologia de Paul Bahn pela Ediouro (1993)
>>> Uma voz diferente de Carol Gilligan pela Rosa dos Tempos (1990)
>>> Teoria Geral Processo de Carlos Barroso pela Saraiva (2003)
>>> Uma voz diferente de Carol Gilligan pela Rosa dos Tempos (1990)
>>> A Semente da Vitória 32º Edição de Nuno Cobra pela Senac Sp (2002)
>>> Canto General de Pablo Neruda pela Ediciones Oceano (1952)
>>> História de Mariquinha e José de Souza Leão de João Ferreira de Lima pela Não informado
>>> O Tempo das Catedrais a Arte e a Sociedade 980-1420 de Georges Duby pela Editorial Estampa (1979)
>>> Ingenuo? Nem Tanto... de Bariani Ortencio pela Saraiva (2007)
>>> Nietzsche - Volume III - o Filósofo e a Educação de Coleção Guias de Filosofia pela Escala (2013)
>>> Mitos Hindus e Budistas de Irmã Nivedita; Ananda Kentish Coomaraswamy pela Landy (2002)
>>> Grip de Kennedy Ryan pela Kennedy Ryan
COLUNAS

Quarta-feira, 22/1/2014
Gustavo Rezende: uno... duplo...
Humberto Pereira da Silva

+ de 4400 Acessos

O imperador e seu Dorso

O imperador e seu Dorso, 1991, madeira, 98 X 70 X 12 cm, foto de Eduardo Brandão

A exposição Gustavo Rezende: Mergulho, curadoria de Ivo Mesquita, está aberta ao público na Pinacoteca de São Paulo desde 9 de novembro e vai até 26 de fevereiro. Nela estão reunidos cerca de 40 trabalhos, realizados da década de 1980 até os dias de hoje, que exibem diferentes momentos e inquietações do artista. Assim, nos trabalhos iniciais de Rezende predominam o uso de materiais como madeira, bronze, gesso e chumbo; já a partir dos anos de 1990, há uma ampliação de suportes: ele passa a explorar novas possibilidades de linguagem por meio de mangás, colagens com fitas crepe etc.; na exposição, destaque também para suas experiências com fotografia, que ganham densidade em sua trajetória no final dos anos de 1990.

A exposição também foi ocasião para o lançamento do livro Gus (Ed. Martins Fontes, 270 pág.), que reúne parte de sua obra e textos de Felipe Chaimovich, Fernando Oliva, Juliana Monachesi, Regina Teixeira de Barros e Tadeu Chiarelli. São redações curtas, mas instigantes e que procuram desvelar pontos cardeais das obras e das motivações implícitas do artista; com destaque, principalmente, para o lugar que ele ocupa no cenário artístico brasileiro nas duas recentes décadas. Nesse ponto, vale ressaltar, o modo como a obra de Rezende reflete os impasses da arte contemporânea: premida entre a ideia do artista como criador e injunções sociais e de mercado que colocam em xeque sua autonomia criativa.

Sendo assim, deve-se ter em vista em sua obra a persistência de duas constantes: a profusão de duplos de Gustavo Rezende e o caráter hermético na relação entre título de obra e obra referida pelo título.

Na primeira constante, os muitos "autorretratos" - ou imagens de Gustavo - são identificados com nomes próprios: Maxwell, Allan, Thompson, Gus...; ou um substantivo, como Hero. Para um olhar sem a devida cautela, a impressão de que o nome revelaria um processo de despersonalização: Maxwell seria um personagem, portanto, uma criação imaginária, com existência própria independente do artista (nesse sentido, do mesmo modo que Shakespeare e Hamlet não são o mesmo). Mas não é essa a ideia que está por trás do processo de nomeação de Gustavo Rezende. Sagaz, sua obra propõe um instigante e enigmático jogo entre a dimensão ontológica do nome e este tomado por mera etiqueta.

Seu próprio corpo é o meio que permite a nomeação. Sendo assim, Gustavo Rezende não se confunde com o corpo que lhe serve de nome; assim como seu corpo não se confunde com a imagem deste. Do mesmo modo, Maxwell não se confunde com a imagem que recebe este nome; tampouco, com o corpo que serve de modelo para a imagem. Contudo, da mesma maneira que o rosto - físico - de Gustavo Rezende não se confunde com o corpo que o prende, tal rosto assim considerado compõe com outros membros para que se tenha, efetivamente, o corpo. Assim, pelo menos, é como ele se expressa: "Não, não acho que seja eu, mas (ali) também tem eu. Às vezes é meu corpo, mas é claramente outra pessoa".

Ora, o nome "Maxwell", como o rosto no corpo, bem pode se separar do nome "Gustavo Rezende" e ganhar autonomia própria; do contrário, "Maxwell" é parte do que, na soma, é "Gustavo Rezende"; ou ainda, "Gustavo Rezende" é parte do que é "Maxwell". Certo, mas não é só a questão de se saber o que é "Maxwell", que está em jogo na obra do artista Gustavo Rezende. Nessa opção, na criação de personas, o nome concebido como etiqueta.

Se assim se deve considerar, levemos em conta a relação entre o nome e uma mercadoria exposta na prateleira de um supermercado. No nome, na etiqueta, está subsumido o valor. No nome, portanto, o quanto um produto se oferece como objeto de fetiche. A etiqueta pode separar, assim, o que na soma de incidentes traduz o mesmo sentido: saciamos a sede com água, ou com uma garrafa de coca-cola.

Ao jogar com duplos de si, assim me parece, a obra de Gustavo Rezende traz, justamente, um elemento de ambiguidade para se pensar a sociedade de consumo; o nome (a etiqueta) escolhido casualmente não é senão o sinal que aponta para uma coisa (um produto); mas, do ponto de vista simbólico - o campo dos chamados significados - essa coisa se adensa e carregá-la implica movimentar um peso que agrega mais do que a mera denotação.

Maxwell seria, então, apenas um nome a mais que se agregaria com outros duplos de Gustavo Rezende; sua obra, contudo, sugere que, assim como uma garrafa de coca-cola, esse não é o caso. O significado de "Maxwell" transborda, ao lado de Allan, Thompson, Gus..; como coca-cola ao lado de pepsi, sprite...

Maxwell sentado

Maxwell sentado, 2012, ferro fundido, madeira, folha de ouro, 33 X 19 X 17 cm

Outra constante que chama a atenção na obra de Gustavo Rezende refere-se ao caráter hermético dos títulos que ele dá. Tadeu Chiarelli observa que numa obra como "O imperador e seu dorso" não se percebe conexão entre "o imperador" e "seu dorso". Para ele, estas expressões não são equivalentes, nem com respeito ao significante nem quanto ao significado. Mas a questão interpretativa se estende ainda - mesmo que não observada por Chiarelli - ao nexo entre título e obra. Esta, uma escultura em madeira, com a forma de duas jarras de chope interligadas pelas alças.

Nada impede o apreciador em visita à Pinacoteca de buscar aproximação entre a forma da escultura e seu título. Com isso, uma possível significação. Mas para Chiarelli o enigma está no próprio título, cujas partes estariam desconectadas. Tenho, contudo, outro viés de observação: a obra está lá, autônoma em si mesma, inefável às palavras. Estas não explicam, ou esclarecem o que ela significa, pois a obra tão somente se mostra. Tentar significá-la é retirar dela seu caráter místico, conforme o filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein.

Se a pista sugerida por Wittgenstein for sensata, eis um dado para se pensar no nexo entre título e obra no conjunto de trabalhos de Gustavo Rezende. O título apenas sugere, revela traços imprecisos, oferece senhas falsas. Assim, a inefabilidade da obra se exibe por meio do título, que por sua vez se exibe como nonsense. Ora, por trás desse jogo entre procura de sentido e suspeita de absurdo, algo similar à relação entre Gustavo Rezende e seus duplos; entre Gustavo Rezende e Maxwell: ambos são e não são o mesmo. Ou seja, os sibilinos títulos de suas obras referem-se e não se referem às obras designadas.

Um observador atento poderá ver na junção de duas jarras de chope um dorso - uma questão de "ver como" wittgensteiniano; assim como poderá indagar sobre a "nobreza" da madeira que serve de suporte para a forma obtida. Mas se ele vir outra forma - e disser o que viu -, isso indica como as palavras são inefáveis para "dizer" sobre a obra (outro título podia ser pensado, algo como "O imperador e duas jarras de chope"...).

Esse dado inquiridor, constantemente presente na obra de Gustavo Rezende (no título e sua extensão material), desafia o olhar do observador; mas igualmente importante para perceber a relevância de seus propósitos, sua sagacidade para lidar com a tensão entre autonomia de criação e sujeição ao mercado (essas duas possibilidades são afirmadas e negadas, num paralelismo de espelhos cujas imagens se refletem ao infinito), assim como sobre os limites do que uma obra "queira dizer", com sentido, tendo por referência o mundo. Um tanto wittgensteiniano, "O imperador e seu dorso" está lá, e assim se mostra àqueles que visitem a exposição "Gustavo Rezende: Mergulho".

O título da exposição, por sinal, talvez inadequado; sem sentido, mas num nível diferente do nonsense dos títulos das obras. "Mergulho" sugere a tradução literal de "Hero", imagem de Gustavo Rezende nadando. Mas por um lado isso limita o alcance do que é exposto; e por outro sugere um sentido ausente no trajeto do artista (mais adequado, quiçá, "Mergulho e a vã busca de sentido para as palavras"...). Já o título do livro, "Gus", carrega o mesmo nonsense dos títulos das obras "retratadas", os duplos do que se vê na exposição.

Hero

Hero, 2000, fotografia sobre triedro [painel giratório com acabamento em aço inox] 200 X 140 X 12cm


Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 22/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estevão Azevedo e os homens em seus limites de Guilherme Carvalhal
02. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo
03. O romance do 'e se...' de Cassionei Niches Petry
04. 3 dicas para a escrita criativa de Marcelo Spalding
05. Capacidade de expressão X capacidade linguística de Marcelo Spalding


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Papai!
Philippe Corentin; Cassia Silveira
Cosac & Naify
(2014)
R$ 5,00



Violão: acompanhamento com ou sem mestre
Victor Hugo Thozeski
Rígel
(2000)
R$ 5,00



O Gato Que Conhecia Shakespeare
Lilian Jackson Braun
Marco Zero
(1995)
R$ 12,00



Jogos e Enganos
Sebastião Uchoa Leite
34
(1995)
R$ 9,30



Revista Náutica Nº 279 - um a Um, 75 Barcos Que Foram Destaques
Editora Revista Náutica
Revista Náutica
(2011)
R$ 9,96



Jesus A Dor E A Origem De Sua Autoridade - Vol. 1
Paiva Neto
Elevação
R$ 16,00



Cozinha Prática - Sobremesas
Cristian Muniz
Pae
(2015)
R$ 39,00
+ frete grátis



Seguindo Juntos
Francisco Cândido Xavier
GEEM
(1983)
R$ 10,00



Os Desenraizados da Baixa do Caroá
Rubem Ivo
Edite
(2019)
R$ 100,00



Narrativa de serviços no libertar-se o Brasil da dominação portuguesa
Lorde Thomas Cochrane
Senado
(2003)
R$ 150,00





busca | avançada
114 mil/dia
2,3 milhões/mês