Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Impressões sobre São Paulo
>>> Lobato e os amigos do Brasil
>>> A Promessa da Política, de Hannah Arendt
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> Por que as velhas redações se tornaram insustentáveis on-line
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Dicionário de termos ambientais de Antonio Leal pela Letras & Magia (2007)
>>> Casa de Praia com Piscina de Herman Koch pela Intrínseca (2015)
>>> Natureza Humana, Justiça vs. Poder de Michel Foucault e Noam Chomsky pela Martins Fontes (2014)
>>> A Arvore dos Anjos de Lucinda Riley pela Arqueiro (2017)
>>> A Herdeira da Morte de Melinda Salisbury pela Fantastica Rocco (2016)
>>> Uma Gentileza por Dia de Orly Wahba pela Benvira (2017)
>>> Eu sou as Escolhas que Faço de Elle Luna pela Sextante (2016)
>>> Coroa Cruel - Série a Rainha Vermelha de Victoria Aveyard pela Seguinte (2016)
>>> Sade em Sodoma de Flávio Braga pela BestSeller (2008)
>>> Curso de Filosofia em Seis Horas e Quinze Minutos de Witold Gombrowicz pela José Olympio (2011)
>>> O pequeno Principe de Antoine de Saint Exupery pela Agir (2009)
>>> Zoloé e Suas Duas Amantes de Marquês de Sade pela Record (1968)
>>> Expressões Diante do Trono de Ministério de Louvor Diante do Trono pela Diante do Trono (2003)
>>> A separação dos amantes - uma fenomenologia da morte de Igor Caruso pela Cortez (1989)
>>> Os Titãs / A Saga da Família Kent (Volume V) de John Jakes pela Record/ RJ.
>>> A Universidade em Ritmo de Barbárie de José Arthur Giannotti pela Brasiliense (1986)
>>> A Mulher Só de Harold Robbins/ (Tradução) Nelson Rodrigues pela Record/ RJ.
>>> Dependência e desenvolvimento na América Latina - ensaio de interpretação sociológica de Fernando Henrique Cardoso e Enzo Faletto pela Zahar (1970)
>>> Tubarão de Peter Benchley pela Nova Cultural (1987)
>>> O Titã de Fred Mustard Stewart pela Record
>>> O Beijo da Mulher Aranha de Manuel Puig pela Codecri/ RJ. (1981)
>>> A Traição de Rita Hayworth/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1993)
>>> Boquitas Pintadas/ Capa Dura de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1988)
>>> Kit De Estudo Para Concursos: Só concursos (3 CDs + Folheto) + Guia do Concurseiro + Redação para Concursos de Equipe Mundial Editorial pela DCL - difusão cultural do livro (2016)
>>> Numa Terra Estranha de James Baldwin pela Rio Gráfica (1986)
>>> 1934 de Alberto Moravia pela Rio Gráfica (1986)
>>> Mil Platôs Vol. 1 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca/RJ. (2007)
>>> Mil Platôs Vol. 2 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2011)
>>> Mil Platôs Vol. 3 de Gilles Deleuze e Félix Guattari pela 34 (2012)
>>> Ajin - Demi-Human #01 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #02 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Ajin - Demi-Human #03 de Gamon Sakurai pela Panini (2016)
>>> Incendio de Troia (capa dura couro) de Marion ZimmerBradley pela Circulo do Livro/ SP. (1994)
>>> Ajin - Demi-Human #04 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #05 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #06 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #07 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #08 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> Ajin - Demi-Human #09 de Gamon Sakurai pela Panini (2017)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Ajin - Demi-Human #10 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Ajin - Demi-Human #11 de Gamon Sakurai pela Panini (2018)
>>> Estratégia da Decepção de Paul Virilio pela Estação Liberdade (2000)
>>> Ajin - Demi-Human #12 de Gamon Sakurai pela Panini (2019)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Circulo do Livro/ SP. (1989)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #10 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Codecri (1981)
>>> Fort of Apocalypse #09 de Yu Kuraishi, Kazu Inabe pela JBC/Ink Comics (2016)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/7/2014
Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
Gian Danton

+ de 102600 Acessos

No dia 13 de março de 2014 o Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente aprovou, de forma unânime, a resolução nº 163 que considera abusiva toda e qualquer publicidade e comunicação mercadológica dirigidas às crianças.

A resolução é apoiada por muitos como uma forma de proteger as crianças contra os abusos, mas, se for colocada na prática, vai ter resultados muito mais amplos.

Legislações restritivas à publicidade infantil existem em outros países do mundo. Na Suécia, por exemplo, estão proibidos os comerciais na TV aberta. Países como Chile e Peru proíbem anúncios de determinados alimentos e bebidas. Na Grécia, anúncios de brinquedos só podem ser anunciados na TV aberta em horário adulto. No Irã, bonecos dos Simpsons e da Barbie não podem ser comercializados ou anunciados. Mas esse é o primeiro caso de proibição total e absoluta de qualquer tipo de comunicação comercial voltada ao público infantil.

A resolução considera abusiva "a prática do direcionamento de publicidade e comunicação mercadológica à criança com a intenção de persuadi-la para o consumo de qualquer produto ou serviço". Estão proibidos linguagem infantil, efeitos especiais e excesso de cores; trilhas sonoras de músicas infantis ou cantadas por vozes de criança; representação de criança; pessoas ou celebridades com apelo ao público infantil; personagens ou apresentadores infantis; desenho animado ou de animação; bonecos ou similares; promoção com distribuição de prêmios ou de brindes colecionáveis ou com apelos ao público infantil; e promoção com competições ou jogos com apelo ao público infantil.

A resolução define a 'comunicação mercadológica' como toda e qualquer atividade de comunicação comercial, inclusive publicidade, para a divulgação de produtos, serviços, marcas e empresas realizada, dentre outros meios e lugares, em eventos, espaços públicos, páginas de internet, canais televisivos, em qualquer horário, por meio de qualquer suporte ou mídia, no interior de creches e das instituições escolares da educação infantil e fundamental, inclusive em seus uniformes escolares ou materiais didáticos, seja de produtos ou serviços relacionados à infância ou relacionados ao público adolescente e adulto.

Ou seja: a legislação, na prática, proíbe qualquer comunicação voltada às crianças. O maior prejudicado com a norma é, claro, Maurício de Sousa. Muitos têm comemorado o fato de que ele não pode mais colocar seus personagens em produtos infantis, como pacotes de maçãs.

Mas a legislação é tão ampla que afeta quase toda a produção nacional destinada às crianças. As revistas em quadrinhos infantis, por exemplo, dificilmente se sustentam sem publicidade. Produzir um gibi infantil é um processo caro que quase nunca se paga apenas com as vendas de revistas (até porque essas vendas se reduzem a cada ano). Da mesma forma, os desenhos animados só são exibidos por causa da publicidade. Não por acaso, as TVs abertas estão tirando desenhos animados de sua programação. Há de se perguntar como ficarão os canais infantis da TV por assinatura, até porque eles não poderão mais ser anunciados e também não poderão mais exibir publicidade.

Na prática, a resolução joga uma pá de cal no mercado de desenhos animados infantis, que vinha apresentando um crescimento invejável, com personagens como Peixonauta e Turma da Mônica, e coloca em situação difícil as revistas infantis nacionais, já que não é permitida nem mesmo a publicidade das próprias publicações. Ou seja: a revista do Cebolinha não pode mais anunciar o conteúdo da revista do Cascão. Pior ainda para autores que queiram lançar gibis com personagens novos, que não poderão ser divulgados. Nem mesmo a distribuição de brindes para as crianças são mais permitidos. Na prática, Maurício de Sousa ainda está em uma situação melhor do que outros quadrinistas que queiram lançar outras publicações infantis. Nunca mais veremos o lançamento de outros gibis.

Mas essa é uma visão otimista. A legislação é tão ampla que, na prática, pode proibir até mesmo as capas dos gibis infantis. Veja-se: a legislação considera "'comunicação mercadológica' como toda e qualquer atividade de comunicação comercial, inclusive publicidade, para a divulgação de produtos, serviços, marcas e empresas realizada, dentre outros meios e lugares, em eventos, espaços públicos, páginas de internet, canais televisivos".

Todo manual de marketing explica que um dos elementos essenciais da comunicação mercadológica é o merchandising, ou apelo no ponto de venda. No caso das bancas de revista, o apelo comercial é feito através das capas das revistas. Ou seja, sob qualquer aspecto, a capa de um gibi é uma comunicação mercadológica. Se a norma realmente for seguida, os editores de revistas infantis terão que se adaptar, uma vez que não poderão mais exibir personagens nas capas de suas revistas. Uma solução talvez seja vender as revistas lacradas, com tarjas escondendo os personagens da mesma forma como hoje se faz com as revistas pornográficas. Num mercado em que gibis vendem cada vez menos, a resolução pode ser a pá de cal no mercado de quadrinhos nacionais.

Lendo a legislação lembrei do amigo desenhista Antonio Eder, que, mesmo depois de adulto, ainda tinha o álbum de figurinhas do Palhaço Zequinha, lançado pelo governo do Paraná no final dos anos 1970. O álbum era gratuito e as figurinhas eram trocadas por notas fiscais. Um incentivo para que a população exigisse notas fiscais que fez a alegria de muitas crianças curitibanas. Pela nova legislação, a iniciativa seria ilegal, uma vez que a norma proíbe a "promoção com distribuição de prêmios ou de brindes colecionáveis".

Engana-se quem acha que o problema se restringe apenas aos quadrinhos infantis. Como maioria das pessoas acha que todo gibi é para crianças, toda a produção nacional pode ser afetada. Um exemplo: quando lancei o meu livro "Grafipar, a editora que saiu do eixo", perguntei porque o livro era vendido lacrado e com uma tarja avisando que se tratava de um livro para adultos. No meu entender, o livro era obviamente para adultos, até pela referência no subtítulo à produção erótica. "Tente explicar isso a um juiz", respondeu um editor. "Se tem desenho na capa e é quadrinhos, um pai pode achar que é para criança e nos processar. Já aconteceu com outros livros semelhantes". Ou seja: provavelmente para os "especialistas" do conselho, todo quadrinho é para criança e se encaixa na norma, até porque uma das definições para isso é o uso de cores chamativas.

No pior dos cenários, até mesmo as coleções de miniaturas de personagens de quadrinhos (como os da Marvel e DC, que temos visto nas bancas) ficam comprometidas. Explica-se: a legislação atual já proíbe vender em banca de revista algo que não seja revista. Assim, quando se pretende lançar algo do gênero, coloca-se uma revista junto, e diz-se que o boneco é brinde para quem comprou a revista. Como agora brindes são proibidos e como a maioria das pessoas vê quadrinhos como coisa exclusivamente de crianças...

Uma legislação que coíba abusos na publicidade infantil seria bem vinda. Mas a proibição total, com uma lei tão ampla que pode afetar até as capas dos gibis nacionais interessaria a quem? Em tempo, as citações entre aspas foram retiradas diretamente do site do Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente.


Gian Danton
Goiânia, 25/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A resistência é vermelha de Vera Moreira


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2014
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea - 24/1/2014
03. O cão da meia-noite - 19/12/2014
04. Abelardo e Heloísa - 28/2/2014
05. A cultura visual e a emancipação do receptor - 20/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEROLAS OU PORCOS
IZABEL KIRIE
CASA DE AGUA
(2012)
R$ 28,00



CINESIOLOGIA A SINTESE MODERNA DOS METODOS DE CURA TRADICIONAIS
KATHARINA B GATTIKER
CULTRIX
(2012)
R$ 25,00



CROSSCURRENTS STUDENT BOOK 1
MARCIA /KATHLEEN/DONALD
LONGMAN
R$ 7,00



MY JOB DOCE ILUSÃO - AUTOGRAFADO
JOSÉ AUGUSTO FIGUEIREDO
ÉVORA
(2013)
R$ 39,00
+ frete grátis



A BRUXA DE NEAR
VICTORIA SCHWAB
PLANETA
(2013)
R$ 20,00



PSICOTERAPIA EN PRISIÓN
ANDRÉ-GILLES MATHÉ
EV
(1976)
R$ 30,00



AVANTE VINGADORES Nº 2 - ASSUNTOS DE FAMÍLIA - PARTE UM
MARVEL
PANINI COMICS
(2007)
R$ 8,00



POUR UNE AUTRE CROISSANCE
ROBERT LATTES
SEUIL (PARIS)
(1972)
R$ 17,82



BENITO PÉREZ GALDÓS - ANTOLOGIA
AMANDO DE MIGUEL
DONCEL
(1967)
R$ 80,00



ELEMENTOS DO DIREITO, V. 6 - PROCESSO CIVIL
FABIO DE VASCONCELOS MENNA
RT
(2009)
R$ 10,00





busca | avançada
37883 visitas/dia
1,3 milhão/mês