Juventude alquebrada | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/4/2002
Juventude alquebrada
Bruno Garschagen

+ de 1800 Acessos

Dia desses fui surpreendido por um colega de jornal com um questionário (que não é o do Proust). O cabra precisava de respostas para compor um trabalho da escola. Cursa o segundo ano do ensino médio. Reticente, fiz a ele mais perguntas do que ele havia me pedido para responder. Não é por nada não. É precaução simples e pura que a faculdade de direito nos cobra e vicia. Depois de devidamente respondido, respondi, de pronto, com a seriedade que Zeus me deu:

Na sua visão, como você, sinteticamente, faria uma análise do jovem de ontem?
Além de um dia mais velho, o mesmo pulha de hoje, com a vantagem de que no passado as drogas tinham mais graça, a inexistência de variados meios de comunicação obrigava-os a, pelo menos, ler o jornal, e não havia a desculpa de que a camisinha tinha furado.

E o jovem de hoje?
De certa forma, pior do que o de ontem, apesar de considerar o jovem, no geral, um pulha em qualquer época. O que fascina no jovem é, justamente, a juventude e a curiosidade em querer saber as coisas pelo simples desconhecimento. Quando adulto, vemos claramente que certas coisas são para não serem descobertas. A fascinação pela juventude é algo efêmero, claro, até porque o elixir da longa vida ainda está para ser descoberto e o último que tentou ficar jovem para sempre envelheceu no quadro (leiam "O Retrato de Dorian Gray", de Oscar Wilde). Então, a juventude é algo que se esvai no tempo (perdoem-me o óbvio, mas, por vezes, é necessário esteticamente). É impossível conservar o vigor físico com o passar dos anos e as drogas que invariavelmente consumimos. A curiosidade e ingenuidade, geralmente, são características admiradas pelos adultos porque, não raro, perdem-nas em busca de uma pretensa responsabilidade chata. Então, o normal é crescer e virar um chato de galocha. Por isso, o alto consumo de álcool (droga com muita graça) e outras drogas menos sofisticadas (e, por isso, sem graça) entre a população adulta. Chega-se a um incômodo tal que se torna impossível suportar-se a si mesmo e a quem está em volta.

O que essas gerações têm em comum?
A vontade quase uníssona em conquistar a garota mais bonita da turma; perder a virgindade antes dos colegas (no caso dos homens); ficar com um garoto mais velho e de outra escola (caso das mulheres); parecer adulto; falar gírias; ser imortal e jovem, sempre.

Quais foram os conflitos do jovem de ontem?
Para determinar uma época, fiquemos na juventude dos anos 50 e suas perturbações quase existenciais:
1) Quando terei dinheiro para comprar uma Levi's?
2) Será que minha namorada será igual a Marilyn Monroe?
3) Será que meu topete será igual ao do James Dean?
4) Será que trago ou sopro a fumaça do cigarro?

E quais os conflitos do jovem de hoje?
1) Será que troco o cano de descarga da minha Biz?
2) Será que tiro o retrovisor da minha Biz?
3) Será que o pessoal da escola vai gostar da minha Biz?
4) Será que, finalmente, aquela gata lá da sala vai querer dar uma voltinha na minha Biz?

Qual é a parcela de culpa da sociedade que "vê o jovem como problema" e não abre caminho para ele ser do jeito que sonhou?
Apesar de não ter entendido bem a pergunta, vou elaborar uma resposta no mesmo nível, o que corresponde a falta de. A culpa, se que é que existe, é pela necessidade de renovar a tropa de burros de cargas para o mercado de trabalho; inveja por ter crescido; esperança que ao atribuir responsabilidades ao jovem ele deixe de ser o chato que é; falta do que fazer.

Ascensão e queda de uma província capixaba

É difícil alguém da minha geração (1975) imaginar Cachoeiro de Itapemirim como a principal cidade do Espírito Santo. Nesta terra desolada culturalmente, com essa elite refrigereco e arquitetura feita a reboco, soa a gozação ouvir alguém dizer que o município manteve durante décadas o poder político, um reconhecimento intelectual e uma força econômica invejável nestes tempos em que o esvaziamento da economia é assunto recorrente quando daqui se fala. Mas a Cachoeiro do final dos anos 20, tinha comércio forte, serviços, agricultura em pleno desenvolvimento, pecuária, companhia de construção civil, cinemas e um banco fundado por cachoeirenses. E uma cena cultural tão viva que parecia levada à base de energéticos. É o que mostra o livro "Memórias de Cachoeiro de Itapemirim - Encontros com que viveu o século 20", do jornalista colaborador do caderno Prosa e Verso, de O Globo, escritor e biógrafo de Rubem Braga, Marco Antonio de Carvalho, que negocia com editoras cariocas o lançamento de sua obra para este ano.

Nas 25 entrevistas com personalidades que viveram as histórias do início do século passado, feitas entre 1994 e 1999 para a biografia de Rubem, Marco, um entrevistador refinado, conseguiu extrair confissões (como a de que Rubem namorou Tonia Carrero), desabafos (Nelson Sylvan: "sou o último integralista de Cachoeiro"), histórias curiosas (Roberto Carlos era levado pela mãe para Rádio Cachoeiro, onde iniciou sua carreira), engraçadas (Maninho Leal, soldado que foi à guerra na Itália, conta que os brasileiros gritavam que vinha tiro só para ver o general Dutra se jogar na lama), trágicas (a morte de duas pessoas no tiroteio entre comunistas e integralistas na estação ferroviária) e melancólicas (Hélio Atahayde: "quando volto a Cachoeiro, não encontro um conhecido nas ruas. Estão todos no cemitério ou em cadeira de balanço").

A que mais me comoveu nem trata da cidade. Foi com a irmã do Rubem, Yeda Braga, onde ela conta sua convivência com a intelligentsia do Rio de Janeiro, e o encontro com Carlos Drummond de Andrade, Mário de Andrade entre outros.

Da música à política no início do século passado; do ambiente cultural no Rio e sua influência em Cachoeiro de Itapemirim; da convivência nada amistosa entre integralistas e comunistas; da personalidade de Rubem e Newton Braga; das bandas de música da cidade; dos bailes no Caçadores Carnavalescos Clube que ouriçavam a elite; os entrevistados falam de tudo, inclusive do porquê da importância da cidade no início do século 20. "Cachoeiro teve uma superioridade cultural no estado desde o final do século XIX. (...) Toda a região de Cachoeiro teve estrada de ferro, energia elétrica, telefone, antes da capital do estado. E Cachoeiro se ligou mais ao Rio que a Vitória. Vitória só se tornou uma cidade importante a partir dos anos 60", disse o cronista e romancista Ormando Moraes, um dos entrevistados.

Só ficou faltando no livro informações de alguns personagens citados, essenciais a quem não conhece esse período da história de Cachoeiro (como algumas datas e pequenas biografias de alguns políticos) e o corte de algumas perguntas que soaram repetitivas ao longo do trabalho. Mesmo assim dá gosto ler as indagações que obrigam o entrevistado a conceder respostas inteligentes (o que é raro no jornalismo daqui).

Trata-se de uma obra de leitura rápida, pela disposição em perguntas e repostas, mas fundamental àqueles que desejam saber como uma pequena cidade ao Sul do Espírito Santo conseguiu ascender e ruir de forma tão grave. Ou para o lamento inócuo ou para perceber que é possível um desenvolvimento econômico e intelectual íntegro numa terra aparentemente estéril. Cachoeiro de Itapemirim anda cheia de choramingas.

Eufemismo
Espirituoso é como chamamos o chato que pretende em cinco minutos, numa festa, se tornar um amigo de infância.

Máximas
Algumas das grandes descobertas, com o tempo, se tornam artigos tão óbvios que nos fazem duvidar dos gênios que as conceberam com a máxima simplista de que eles estavam à frente de seus tempos.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 16/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
02. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
03. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
04. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
05. Crônica em sustenido de Ana Elisa Ribeiro


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




NÃO PISE NOS MEUS SONHOS...
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
ROSA DOS TEMPOS
(1995)
R$ 10,00



CAI O PANO
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(1975)
R$ 9,00



DISCURSO DO MÉTODO E OUTROS TEXTOS - COLEÇÃO OS PENSADORES
RENÉ DESCARTES
ABRIL CULTURAL
(1973)
R$ 9,90



COMO MUDAR A PESSOA COM QUEM VOCE VIVE
PE ALIR SANAGIOTTO
SANABRIA
(2007)
R$ 7,00



O SABOR DO AMAZONAS
ROSA SILVA CLEMENTE / MARTHA DE AGUIAR FALCÃO
VALER
(2001)
R$ 25,00



LIVRO PROIBIDO - A IGREJA E O ESPIRITISMO
FIGUEIREDO LIMA
FIAT LUX
(1958)
R$ 71,91



A VOLTA DO FILHO PRÓDIGO
ANDRÉ GIDE
NOVA FRONTEIRA
(1984)
R$ 10,00



PSICOLOGIA SOCIO-HISTORICA: UMA PERSPECTIVA CRITICA EM PSICOLOGIA
ANA M. BAHIA BOOK (ORG.)
CORTEZ
(2015)
R$ 45,00



VISITA À ROMA ANTIGA
OLAVO LEONEL FERREIRA
MODERNA
(2003)
R$ 12,00



A BASE NA EDUCAÇÃO NO LAR
ZAIDAN HOJIN SHIN KYOIKUSHA
SEICHO-NO-IE
(2010)
R$ 5,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês