Juventude alquebrada | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 16/4/2002
Juventude alquebrada
Bruno Garschagen

+ de 1900 Acessos

Dia desses fui surpreendido por um colega de jornal com um questionário (que não é o do Proust). O cabra precisava de respostas para compor um trabalho da escola. Cursa o segundo ano do ensino médio. Reticente, fiz a ele mais perguntas do que ele havia me pedido para responder. Não é por nada não. É precaução simples e pura que a faculdade de direito nos cobra e vicia. Depois de devidamente respondido, respondi, de pronto, com a seriedade que Zeus me deu:

Na sua visão, como você, sinteticamente, faria uma análise do jovem de ontem?
Além de um dia mais velho, o mesmo pulha de hoje, com a vantagem de que no passado as drogas tinham mais graça, a inexistência de variados meios de comunicação obrigava-os a, pelo menos, ler o jornal, e não havia a desculpa de que a camisinha tinha furado.

E o jovem de hoje?
De certa forma, pior do que o de ontem, apesar de considerar o jovem, no geral, um pulha em qualquer época. O que fascina no jovem é, justamente, a juventude e a curiosidade em querer saber as coisas pelo simples desconhecimento. Quando adulto, vemos claramente que certas coisas são para não serem descobertas. A fascinação pela juventude é algo efêmero, claro, até porque o elixir da longa vida ainda está para ser descoberto e o último que tentou ficar jovem para sempre envelheceu no quadro (leiam "O Retrato de Dorian Gray", de Oscar Wilde). Então, a juventude é algo que se esvai no tempo (perdoem-me o óbvio, mas, por vezes, é necessário esteticamente). É impossível conservar o vigor físico com o passar dos anos e as drogas que invariavelmente consumimos. A curiosidade e ingenuidade, geralmente, são características admiradas pelos adultos porque, não raro, perdem-nas em busca de uma pretensa responsabilidade chata. Então, o normal é crescer e virar um chato de galocha. Por isso, o alto consumo de álcool (droga com muita graça) e outras drogas menos sofisticadas (e, por isso, sem graça) entre a população adulta. Chega-se a um incômodo tal que se torna impossível suportar-se a si mesmo e a quem está em volta.

O que essas gerações têm em comum?
A vontade quase uníssona em conquistar a garota mais bonita da turma; perder a virgindade antes dos colegas (no caso dos homens); ficar com um garoto mais velho e de outra escola (caso das mulheres); parecer adulto; falar gírias; ser imortal e jovem, sempre.

Quais foram os conflitos do jovem de ontem?
Para determinar uma época, fiquemos na juventude dos anos 50 e suas perturbações quase existenciais:
1) Quando terei dinheiro para comprar uma Levi's?
2) Será que minha namorada será igual a Marilyn Monroe?
3) Será que meu topete será igual ao do James Dean?
4) Será que trago ou sopro a fumaça do cigarro?

E quais os conflitos do jovem de hoje?
1) Será que troco o cano de descarga da minha Biz?
2) Será que tiro o retrovisor da minha Biz?
3) Será que o pessoal da escola vai gostar da minha Biz?
4) Será que, finalmente, aquela gata lá da sala vai querer dar uma voltinha na minha Biz?

Qual é a parcela de culpa da sociedade que "vê o jovem como problema" e não abre caminho para ele ser do jeito que sonhou?
Apesar de não ter entendido bem a pergunta, vou elaborar uma resposta no mesmo nível, o que corresponde a falta de. A culpa, se que é que existe, é pela necessidade de renovar a tropa de burros de cargas para o mercado de trabalho; inveja por ter crescido; esperança que ao atribuir responsabilidades ao jovem ele deixe de ser o chato que é; falta do que fazer.

Ascensão e queda de uma província capixaba

É difícil alguém da minha geração (1975) imaginar Cachoeiro de Itapemirim como a principal cidade do Espírito Santo. Nesta terra desolada culturalmente, com essa elite refrigereco e arquitetura feita a reboco, soa a gozação ouvir alguém dizer que o município manteve durante décadas o poder político, um reconhecimento intelectual e uma força econômica invejável nestes tempos em que o esvaziamento da economia é assunto recorrente quando daqui se fala. Mas a Cachoeiro do final dos anos 20, tinha comércio forte, serviços, agricultura em pleno desenvolvimento, pecuária, companhia de construção civil, cinemas e um banco fundado por cachoeirenses. E uma cena cultural tão viva que parecia levada à base de energéticos. É o que mostra o livro "Memórias de Cachoeiro de Itapemirim - Encontros com que viveu o século 20", do jornalista colaborador do caderno Prosa e Verso, de O Globo, escritor e biógrafo de Rubem Braga, Marco Antonio de Carvalho, que negocia com editoras cariocas o lançamento de sua obra para este ano.

Nas 25 entrevistas com personalidades que viveram as histórias do início do século passado, feitas entre 1994 e 1999 para a biografia de Rubem, Marco, um entrevistador refinado, conseguiu extrair confissões (como a de que Rubem namorou Tonia Carrero), desabafos (Nelson Sylvan: "sou o último integralista de Cachoeiro"), histórias curiosas (Roberto Carlos era levado pela mãe para Rádio Cachoeiro, onde iniciou sua carreira), engraçadas (Maninho Leal, soldado que foi à guerra na Itália, conta que os brasileiros gritavam que vinha tiro só para ver o general Dutra se jogar na lama), trágicas (a morte de duas pessoas no tiroteio entre comunistas e integralistas na estação ferroviária) e melancólicas (Hélio Atahayde: "quando volto a Cachoeiro, não encontro um conhecido nas ruas. Estão todos no cemitério ou em cadeira de balanço").

A que mais me comoveu nem trata da cidade. Foi com a irmã do Rubem, Yeda Braga, onde ela conta sua convivência com a intelligentsia do Rio de Janeiro, e o encontro com Carlos Drummond de Andrade, Mário de Andrade entre outros.

Da música à política no início do século passado; do ambiente cultural no Rio e sua influência em Cachoeiro de Itapemirim; da convivência nada amistosa entre integralistas e comunistas; da personalidade de Rubem e Newton Braga; das bandas de música da cidade; dos bailes no Caçadores Carnavalescos Clube que ouriçavam a elite; os entrevistados falam de tudo, inclusive do porquê da importância da cidade no início do século 20. "Cachoeiro teve uma superioridade cultural no estado desde o final do século XIX. (...) Toda a região de Cachoeiro teve estrada de ferro, energia elétrica, telefone, antes da capital do estado. E Cachoeiro se ligou mais ao Rio que a Vitória. Vitória só se tornou uma cidade importante a partir dos anos 60", disse o cronista e romancista Ormando Moraes, um dos entrevistados.

Só ficou faltando no livro informações de alguns personagens citados, essenciais a quem não conhece esse período da história de Cachoeiro (como algumas datas e pequenas biografias de alguns políticos) e o corte de algumas perguntas que soaram repetitivas ao longo do trabalho. Mesmo assim dá gosto ler as indagações que obrigam o entrevistado a conceder respostas inteligentes (o que é raro no jornalismo daqui).

Trata-se de uma obra de leitura rápida, pela disposição em perguntas e repostas, mas fundamental àqueles que desejam saber como uma pequena cidade ao Sul do Espírito Santo conseguiu ascender e ruir de forma tão grave. Ou para o lamento inócuo ou para perceber que é possível um desenvolvimento econômico e intelectual íntegro numa terra aparentemente estéril. Cachoeiro de Itapemirim anda cheia de choramingas.

Eufemismo
Espirituoso é como chamamos o chato que pretende em cinco minutos, numa festa, se tornar um amigo de infância.

Máximas
Algumas das grandes descobertas, com o tempo, se tornam artigos tão óbvios que nos fazem duvidar dos gênios que as conceberam com a máxima simplista de que eles estavam à frente de seus tempos.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 16/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Repensando a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
02. A novilíngua petista de Julio Daio Borges


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTROLE POR COMPUTADOR E SISTEMAS DINÂMICOS
ELDER M. HEMERLY
EDGARD BLÜCHER LTDA
(2000)
R$ 45,00



METRÓPOLES CIDADANIA E QUALIDADE DE VIDA
JÚLIA FALIVENE ALVES
MODERNA
(1992)
R$ 19,90
+ frete grátis



POR INSTINTO
RITA FERRO
NOTÍCIAS
(2001)
R$ 18,98



SINAIS DE ESPERANÇA
ALEJANDRO BULLÓN
CASA PUBLICADORA
(2008)
R$ 9,95



OS FIDALGOS DA CASA MOURISCA
JÚLIO DINIS
LIVRARIA FIGUEIRINHAS
(1984)
R$ 8,93



ENCICLOPÉDIA DA MULHER E DA FAMÍLIA VOLUME XV
DELTA
DELTA
(1971)
R$ 14,90



RENASCIMENTO DA SUASTICA NO BRASIL
ERICH ERDSTEIN E BARBARA BEAN
CIRCULO DO LIVRO
(1977)
R$ 15,00



PORTUGUÊS INSTRUMENTAL
DILETA SILVEIRA E LÚBIA SCLIAR
ÁTICA
(1995)
R$ 59,90



VIVA BEM - COM A DOR E A DOENÇA
VIDYMALA BURCH
SUMMUS EDITORIAL
(2011)
R$ 35,00



CASAMENTO, DIVÓRCIO E NOVO CASAMENTO
GORDON LINDSAY
GRAÇAS A DEUS
R$ 10,00





busca | avançada
71522 visitas/dia
1,4 milhão/mês