Chopin nao viu, mas deve ter gostado | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Primeira edição do ZporZ Fest Verão acontece em janeiro
>>> Sesc Cultura ConVIDA! apresenta mostras temáticas
>>> Oficina de Objetos de Cena nas redes do Sesc 24 de Maio
>>> Lançamento: livro “A Cultura nos Livros Didáticos”, de Lara Marin
>>> Exposição coletiva 'Encorpadas - Grandes, largos, políticos: corpos gordos'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
>>> Drag Queen Natasha Sahar interpreta Albertina
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu acho que alguém aqui pirou
>>> Ideologias em forma de spam
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> Lula, o filme
>>> Mauro Henrique
>>> Uma pirueta, duas piruetas, bravo, bravo!
>>> Ele, Francis
>>> A crítica e o custo Brasil
>>> Manual prático do ódio
>>> Greatest hits em forma de coluna
Mais Recentes
>>> Geografia 8º Ano – Volume 3 – Coleção Perspectiva de Cláudia Magalhães, Lilian Sourient, Marcos Gonçalves e Roseni Rudek pela Do Brasil (2010)
>>> Coleção Sinopses Para Concursos Vol. 1 - Direito Penal - Parte Geral de Alexandre Salim e Marcelo André de Azevedo pela Juspodivm (2017)
>>> Rio de Janeiro - Histórias Concisas de uma Cidade de 450 Anos de Vários Autores pela Prefeitura do Rio de janeiro (2015)
>>> Elite da Tropa de Luiz Eduardo - Soares Andre Batista - Rodrigo Pimentel pela Objetiva (2006)
>>> Geografia Nos Dias de Hoje 7º Ano de Cláudio Giardino, Ligia Ortega & Rosaly Braga Chianca pela Leya (2012)
>>> Geografia 7º Ano – Projeto Athos de Sonia Castellar & Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> Geografia 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Sonia Castellar & Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> História 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Joelza Esther pela Ftd (2014)
>>> Filhos talentosos lideres grandiosos de Pat Williams pela Landscape (2006)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1975)
>>> Morte Em Veneza - Tonio Kröger de Thomas Mann pela Círculo do Livro
>>> Perversas - Pretty Little Liars de Sara Shepard pela Rocco (2009)
>>> Fricções - Traço, Olho e Letra de Vera Casa Nova pela Ufmg (2008)
>>> The Phantom of the Opera - Audio Cd Included de Gaston Leroux pela Macmillan Readers (2005)
>>> Redenção de Karen Kingsbury; pela Portico (2015)
>>> De Repente, Nas Profundezas do Bosque de Amós Oz pela Companhia das Letras (2013)
>>> Guia de Alimentos da Dieta de South Beach de Arthur Agatston M. D. pela Sextante (2003)
>>> Só o Amor é Real - uma História de Almas Gêmeas Que Voltam a Se Unir de Brian L. Weiss pela Salamandra (1996)
>>> O Vento de Oalab de João Luiz Guimarães pela Sm (2016)
>>> A Criatura - Série Barco a Vapor de Laura Bergallo pela Sm (2005)
>>> Frankenstein - Audio Cd Included de Mary Shelley pela Sm (2005)
>>> Stanley Kubrick de Museu da Imagem e do Som pela Museu da Imagem e do Som (2014)
>>> Casa de Máscaras de Péricles Prade pela Iluminuras (2013)
>>> Irmãos Unidos de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1988)
>>> Affermazioni de Stuart Wilde pela Macro Edizioni (2005)
>>> O Desafio da Guerra - Dois Séculos de Guerra - 1740-1974 de Gaston Bouthoul e René Carrère pela Biblioteca do Exército (1978)
>>> Um Oceano nos Separa de Robin Pilcher pela Bertrand Brasil (2021)
>>> Constituições Brasileiras Volume I 1824 de Octaciano Nogueira pela Senado Federal (2004)
>>> A Menina Que Roubava Livros de Markus Zusak pela Intrínseca (2010)
>>> A Lebre com Olhos de Âmbar de Edmund de Waal pela Intrinseca (2011)
>>> Entre Abrir e Fechar a Boca de Máximo Ravenna pela Guarda-chuva (2012)
>>> O Filho Eterno de Cristovão Tezza pela Record (2007)
>>> Serafina e a Capa Preta - Volume 1 de Robert Beatty pela Valentina (2018)
>>> Kadish por uma Criança Não Nascida de Imre Kertsz pela Imago (2002)
>>> Quarto de Emma Donoghue pela Verus (2016)
>>> Dom Casmurro de Machado de Assis pela Record (2006)
>>> The Unbearable Lightness of Being de Milan Kundera pela Harper Perennial (2005)
>>> A Construção da verdade autoritária de Maria das Graças Andrade Ataíde de Almeida pela Usp (2021)
>>> Legislação Trabalhista e Rotinas Trabalhistas EAN: 9788582129739 de Silvano Alves alcantra pela Intersaberes (2014)
>>> Constituições Brasileiras Volume VII 1988 de Caio Tácito pela Senado Federal (2002)
>>> Elixir de Hilary Duff pela Id (2011)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Sabor de Pecado e Outras Essências de Ademar Inácio da Silva pela Assis (2012)
>>> Língua Portuguesa 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de Maria Tereza Arruda Campos, Salete Toledo, Lucas Sanches Oda & Daniela Utescher pela Ftd (2014)
>>> Ciências 7º Ano – Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Beber Jogar [email protected]#er de Andrew Gottlieb pela Planeta (2009)
>>> Ciências 7º Ano – Roteiros de Aprendizagem - Projeto Athos de José Trivellato, Silvia Trivellato, Marcelo Motokane, Júlio Foschini Lisboa & Carlos Kantor pela Ftd (2014)
>>> Já Podeis da Pátria Filhos de João Ubaldo Ribeiro pela Alfaguara (2009)
>>> Matemática 7º Ano – Projeto Athos de José Roberto Bonjorno, Paulo Câmara Sousa, Regina Bonjorno & Tânia Gusmão pela Ftd (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 14/5/2002
Chopin não viu, mas deve ter gostado
Bruno Garschagen

+ de 5000 Acessos

Os principais compositores e instrumentistas da música erudita revelam muito cedo a vocação e o virtuosismo, ao contrário da literatura, terreno que apresenta democraticamente gênios que surgem mais novos ou mais velhos, sem uma freqüência linear. E mesmo o talento não garante uma carreira, no mínimo, íntegra, quando se está num país que tem a música clássica na conta de artigo supérfluo. É preciso arrumar as trouxas, estalar os dedos, abrir caminho. Multiplique essa dificuldade por dois. Miriam Ramos nasceu em Cachoeiro de Itapemirim, um pequeno município ao Sul do Espírito Santo. Era mulher naquela década de 1950, época em que o sexo feminino ainda carregava estigmas e preconceitos.

Queria ser pianista. Tinha que sair da cidade. Saiu. Não olhou para trás quando partiu em direção ao Rio de Janeiro para estudar na Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), de onde só saiu diplomada em 1958. Em sua carreira, classificou-se em todos os concursos nacionais de que participou. Obteve 8 prêmios. Por concurso de título e provas, obteve o título de docência livre e Doutor em Música em 1976 na mesma universidade onde se graduou. Também via concurso, tornou-se professora da UFRJ, chegando a titular. Lecionou nos cursos de graduação e pós-graduação, nas cadeiras de piano e didática até 1996. A menina que deixou a pequena Cachoeiro se tornou uma das principais solistas das peças do compositor romântico Frédéric Chopin (1810-1849).

Na semana passada, Míriam, integrante das principais orquestras brasileiras (Sinfônica Brasileira, Sinfônica do Teatro Municipal, Sinfônica Nacional, Sinfônica de Minas Gerais, Sinfônica de Porto Alegre, do Recife, de Curitiba, Pró Música e Orquestra da Rádio MEC), tocou na Escola de Música da UFRJ, na Lapa, leio nos jornais. Não era uma simples apresentação. Era mais um fragmento do importante trabalho de resgate de obras de compositores brasileiros, algumas, inclusive, que nem haviam sido gravadas (Cartas celestes, O rosário de Medjugorjie e Sonata nº 3 para violino e piano, do compositor santista Almeida Prado).

A primeira parte da coleção, composta de quatro CDs, se chama "Intérpretes e Compositores brasileiros". Coordenada pela pianista, traz obras de Almeida Prado, Alberto Nepomuceno, Francisco Mignone e Villa-Lobos, cujas interpretações couberam a Isis Moreira, Talitha Peres, Luiz Senise, Paulo Barcelos. A intenção é fazer com que as pessoas ouçam os compositores brasileiros, até por isso os CDs estão sendo vendidos a R$ 10,00 (todo o valor obtido com a venda será repassado ao Cenáculo Protetor dos Cegos, em Piedade, no Rio).

Dos compositores da coleção recém-lançada, pude ouvir há dois anos, no teatro municipal "Rubem Braga", nesta waste land capixaba, Miriam executar uma peça de Alberto Nepomuceno, "Galhofeira". Se na época, escrevi para um jornal local algumas impressões neófitas, narrarei, como repórter, a apresentação da pianista numa noite daquele mês de junho do ano 2000.

Seus dedos encarnaram a melodia de tal forma que ao fechar os olhos era possível sentir os compositores com suas penas a criar nota por nota as peças nos blocos de partitura. Míriam transformou o piano num arcabouço de sentimentos audíveis. Transpirava sofisticação musical, com a técnica a serviço da harmonia profunda e romântica, só conseguida com o talento e os anos de árduo estudo que o instrumento exige. Mas nem o requinte, o ineditismo e o caráter social da apresentação foram capazes de vencer o ócio cultural dos cachoeirenses.

Somente 55 pessoas - o teatro tem 180 lugares - viram a boa performance da pianista, que estudou também em Paris, Londres e Venezuela, e fez sua estréia internacional na Wigmore Hall, em Londres, em 1980. No ano seguinte, se apresentou no Carnegie Hall, de Nova Iorque. Perderam a primeira apresentação de música clássica no teatro, com excelente acústica. Até então e depois disso, as raras performances se resumem a festas promovidas em locais não apropriados pelo sério, mas tímido, Conservatório de Música de Cachoeiro de Itapemirim.

O ponto falho da noite foi o horrível piano de armário, cujos ruídos e desafinações em algumas partes prejudicaram a audição. Os temas de Chopin e Franz Liszt (1811-1886) foram os mais sacrificados. Durante a semana da apresentação, tudo indicava que seria utilizado um piano de cauda pertencente a um clube social da cidade. Só depois de afinado e lustrado descobriu-se a impossibilidade de retirar o instrumento do salão onde hibernava há anos porque na reforma mais recente as portas foram reduzidas nas larguras. Não riam.

Nada, porém, poderia superar ou atrapalhar a harmonia transbordante das mãos de Míriam, que sugou o vazio musical clássico da cidade para um vácuo sideral, pelo menos por umas duas horas. As escalas e acordes reverberavam suavemente pela acústica do teatro, que sobreviveu a, talvez, mais difícil prova desde a inauguração, alguns meses antes.

Um refletor no teto iluminava de amarelo o centro do palco. O piano, solitário, aguardava a protagonista da noite. A pianista entrou em cena por volta das 20h15 e respirou fundo. Era a primeira apresentação na cidade natal. Sentou à frente do instrumento, olhou para cima de olhos fechados e pareceu encarnar os deuses da música.

Começou pela "Valsa Amazônica", de Arnaldo Rebello. Composição de compassos belíssimos aliados a um frescor ingênuo. Matéria sonora, sensível, romântica, poética.

Mais despojada - sem que o adjetivo soe pejorativo -, "A sertaneja", de Brasílio Itiberê, é muito mais alegre, típica harmonia que não agrada ouvidos mais sisudos apreciadores do alemão Richard Wagner (1813-1883), cuja música encantou Friedrich Nietzsche (1884-1900) e idéias mereceram uma violenta reação na obra "O caso Wagner, um problema para os músicos/ Nietzsche contra Wagner (Companhia das Letras, 117 páginas). Compositor e diplomata, Brasílio Itiberê da Cunha nasceu em Paranaguá (PR) em 1 de agosto de 1846. Seu início ao piano foi feito em casa. Não demorou a tornar-se músico de renome, passando a realizar vários concertos em seu estado natal e em São Paulo, cidade em que fez seu curso de Direito. Aos 34 anos ingressou na carreira diplomática, passando pela Itália, Peru, Bélgica, Paraguai e Alemanha. Conseguiu estabelecer relações de amizade com alguns dos maiores pianistas de seu tempo: Anton Rubinstein (para quem ele escreveu um Estudo de Concerto), Sgambatti e Liszt, que o folclore musical relata ter tocado sua rapsódia A Sertaneja, editada em 1869, e peça escolhida pela pianista cachoeirense. Um dos pioneiros na utilização de temas folclóricos na criação musical erudita, Itiberê teve seu nome escolhido como patrono da cadeira número 19 da Academia Brasileira de Música.

Apesar do título, "A galhofeira" de Alberto Nepomuceno (1864-1920) carrega nos acordes que remetem os ouvidos menos apurados na música erudita às trilhas sonoras de minisséries de época na tevê. Nascido em 1864, em Fortaleza, durante a juventude, mantinha um círculo de amizades integrado por alunos e mestres da Faculdade de Direito do Recife, gente como Alfredo Pinto, Clóvis Bevilácqua, Farias Brito. Foi para lá junto à família em 1872, iniciando seus estudos ao piano e violino.

Nessa época, a faculdade era conhecido centro intelectual do país. Nesse ambiente, pululavam idéias e análises sociais de vanguarda, a exemplo dos estudos sociológicos de Manuel Bonfim e Tobias Barreto, e teorias darwinistas e spenceristas de Silvio Romero. Coube a Barreto o papel de despertar em Nepomuceno o interesse pelos estudos da língua alemã e da filosofia. Tão normal como beber água, os intelectuais da época se posicionaram contrários à monarquia, conduta adotada por Nepomuceno, tornando-se um defensor atuante das causas republicana e abolicionista no Nordeste.

Sua atividade política, entretanto, não atrapalhou sua vida musical. Aos 18 anos assumiu a direção dos concertos do Clube Carlos Gomes de Recife, tendo atuado também como violinista na estréia da ópera Leonor, de Euclides Fonseca, no Teatro Santa Isabel.

Encerrada "A galhofeira", foi a vez da caída precisa das mãos de Míriam sobre as teclas criar uma atmosfera melancólica despertada/reforçada pela melancolia das peças de Chopin. "Andante Spianato" e "Grande Polonaise" percorrem o corpo abrindo uma janela para a reflexão aguda e adulta. Como se por alguns minutos a harmonia nos arrancasse delicadamente o pavimento de concreto que nos liga à matéria; a música nos reveste de um manto confortável e aquecido, que nos traz a nostalgia aguda e lacrimosa do beijo interrompido ou da frase apaixonada que se perdeu num sorriso largo.

O jovem Chopin chegara a Paris em 1831. Levava na bagagem meia dúzia de suas melhores obras e um amor inabalável pela Polônia, sua terra natal. Talento precoce, o pianista estava em excursão pela Europa, especificamente em Viena, onde já estivera quando menino, mostrando seu virtuosismo aos habitantes da capital austríaca.

Embora o gênio nato, começou cedo a estudar música, com apenas 4 anos, alcançando rapidamente o sucesso não apenas em sua cidade, mas por toda a Polônia e até na Rússia. Na mesma Paris, encontra rapidamente a fama e o sucesso. Seu perfil aristocrático contou pontos para ser aceito na sociedade francesa. Além do que, os poloneses contam com a simpatia do povo francês, o que lhe facilitou ainda mais a estadia no novo país.

Chopin, tímido e reservado, destacou-se de início como concertista de piano e professor, bastante requisitado pelas famílias ricas. A imagem do gênio teve seu reflexo criado no virtuosismo ao piano e em seu aspecto doentio. Nessa época, torna-se amigo de Franz Liszt, Berlioz, Vitor Hugo e outros artistas que encantavam e transformavam a capital francesa numa referência mundial da alta cultura. Chopin, em Cachoeiro de Itapemirim, quase fez chorar.

Mal terminou a "Grande Polonaise", a pianista cerrou os punhos e emendou com o vigor sonoro de Liszt, numa simbiose de força física e controle emocional. Cada ton e semiton do compositor húngaro guarda um poder fenomenal. Conhecido, assim como Chopin, por composições para piano, a Liszt é atribuída a criação do Poema Sinfônico, composição orquestral, de um só movimento, geralmente baseado em algum poema, romance ou mesmo um quadro. Mas o que garantiu sua fama atual e sua divulgação a públicos mais amplos são as rapsódias húngaras - "Rapsódias Húngaras números 2 e 5", que, embora escritas para piano, são melhores em sua transcrição para orquestra, feitas pelo próprio Liszt. A número dois era muito utilizada em desenhos animados.

Amado pelas mulheres, admirado pelos homens, Liszt nasceu em 22 de outubro de 1811, em Haiding, Hungria. Como de praxe, seu talento precoce ao piano surpreendeu a nobreza local. Ao tentar entrar para o conservatório de Paris, foi impedido pelo diretor italiano Luigi Cherubinni por ser estrangeiro. Isso não o abalou. Passou a estudar com professores particulares. Festejado como virtuose, foi para Viena, a fim de aperfeiçoar seus conhecimentos. Estudou com Antonio Salieri e Carl Czerny, este último aluno de Beethoven.

Sua técnica ao piano é insuperável. Executa à primeira vista partituras dificílimas. Suas próprias músicas são também de extrema dificuldade. Em pouco tempo, torna-se presença constante nos meios artísticos e intelectuais da cidade-luz, locais freqüentados pelos, mais tarde, amigos Chopin, Berlioz, Schumann, Victor Hugo, Lamartine, Heinrich Heine e outros nomes expoentes do movimento Romântico, do qual Liszt participa como um dos nomes principais. A "Valsa Mephisto" executada pela pianista cachoeirense só não foi melhor porque o instrumento não agüentou a pressão harmônica exigida pela composição. Profissional, Miriam afinava o instrumento enquanto executava a peça.

Por volta das 22h00, a pianista encerrou a apresentação. O público não se moveu das cadeiras, estimulando-a a tocar mais uma peça de Chopin. No último acorde, voltou a respirar fundo, a olhar para o teto, extasiada pelos aplausos e pelo cansaço prazeroso que só a arte proporciona. Prometeu voltar. Lá se fazem mais de dois anos. Alguns poucos estão à espera.

Discografia
- CD duplo - Chopin: 4 baladas, fantasia op 49; 4 Scherzos, Barcarola op 60;
- CD - Tchaikowsky e Prokofieff: Grande Sonata em Sol M e 2ª Sonata;
- CD Piano Brasileiro (70 anos de história), de Villa Lobos à Almeida Prado;
- CD Chopin: 24 Estudos (op 10 - op 25);
- CD Beethoven: 1ª e última Sonatas, op 2 n° 1 e op 111;
- CD Villa Lobos: Bachiana n° 4, Valsa da dor e Ciclo Brasileiro;
- CD Brahms: Sonata op 5 e 2 e Rapsódias op 79;
- CD Schumann: Estudos Sinfônicos com as Variações Póstumas, Carnaval de Viena e Tocata op 7;
- CD duplo - Piano Brasileiro II (mais 70 anos de história). Compositores nascidos entre 1848 à 1917;
- CD duplo - Chopin: Polonaises e Noturnos, Andante Spianato e Grande Polonaise, Polonaise dos opus 26 ao 61, Polonaises op 71 n°s 1,2 e 3, Noturnos op 9 n°s 1 e 2, op 27 n°s 1 e 2, op 32 n° 1, op 48 n° 1 e op 55 n° 1;
- 2 CDs Duo-Mignone (com a pianista Maria Josephina Mignone): obras de Ernesto Nazareth, Zequinha de Abreu, Waldemar Henrique, com arranjos de Mignone;

Coordenação
- 4 CDs: Intérpretes e compositores brasileiros. Obras de Almeida Prado, Alberto Nepomuceno, Francisco Mignone e Villa-Lobos, interpretadas por Isis Moreira, Talitha Peres, Luiz Senise, Paulo Barcelos, entre outros.


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 14/5/2002


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Anauê - 21/5/2002
05. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Meu Próprio Negócio 124 - Fature Até 90 Mil por Mês Com Venda Direta
Varios Autores
On Line
R$ 10,00



Um estranho no ninho
Ken Kesey
Record
(1962)
R$ 10,00



Viagens Maravilhosas de Marco Pólo
Lúcia Machado de Almeida
Melhoramentos
(1973)
R$ 10,00



O Alquimista
Paulo Coelho
Gold
(2003)
R$ 10,00



Sagitário
Max Klim
Nova Era
(2001)
R$ 10,00



Ética e Cidadania
Carla Rodrigues; Herbert de Souza
Moderna
(1995)
R$ 10,00



Uma Breve Historia do Futuro Jacques Attali
Jacques Attali
Novo Século
R$ 10,00



Tudo Por um Pop Star
Thalita Rebouças
Rocco
(2003)
R$ 10,00



Quarteto Fantástico & Capitão Marvel Nº 10
Marvel Panini Comics
Panini Comics
(2003)
R$ 10,00



Memória de Minhas Putas Tristes
Gabriel García Márquez
Record
(2005)
R$ 10,00





busca | avançada
70483 visitas/dia
2,4 milhões/mês