Sonhos | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 30/7/2002
Sonhos
Evandro Ferreira

+ de 2500 Acessos

O sonho acabou. Esse era o nome de um filme que passou certo dia no Canal Brasil. Ou melhor, "O sonho não acabou". Faz diferença?

Miguel Falabella e Lucélia Santos faziam peripécias deprimentes pelas ruas de Brasília. Nasci em Brasília. E talvez por isso tenha-me tocado esse filme que, no entanto, era ruim. Mas o Brasil ou o mundo não são lugares ruins às vezes? Talvez vezes demais. Por que então um filme ruim não retrataria com bastante precisão essa faceta da realidade? E retratou.

Parei de assistir ao filme quando a cabeça de Lucélia Santos saiu voando sobre a cidade do Rio de Janeiro, simbolizando sua fuga de casa. Ruindade também tem limite. Mas vendo o que vi, trinta minutos, lembrei-me de minhas tristes tardes de domingo na capital, ao som de Legião Urbana, debaixo daquele céu insuportavelmente bonito. A vida em Brasília é um "cliché". É "kitsch", como diria Milan Kundera. Uma beleza projetada, palnejada. E o domingo não nos deixa muitas opções além de olhar para o céu e curtir uma fossa. Claro, sempre existe a outra opção. Escolha seu programa de TV e mergulhe na tela até se dissolver.

É isso que fez a senhora Sara Goldfarb, em outro filme, "Réquiem para um sonho", de Darren Aronofsky. A vida começa e termina em posição fetal. Se esse filme tem alguma moral que pode ser enunciada sem ferir sua sutileza, eu arriscaria essa. A vida começa e termina em posição fetal.

Os dias passam e as estações do ano. Tudo começa no ato do filho Harry, que leva a TV da mãe, Sara, para vender e poder comprar drogas com o dinheiro. A mãe também se droga, de outro modo. Seu cérebro já praticamente funciona por estímulo e resposta em relação às frases do show de TV a que assiste.

Os erros têm um começo, um meio e um fim. Assim como as esperanças. Mas o fim é um desejo de voltar ao começo. E por isso no fim os personagens estão em posição fetal.

No início Harry e seu amigo parecem apenas dois drogados convencionais, como vemos às pencas nos filmes transadinhos para "junkies". Mas eles são diferentes. Principalmente Harry. Ele tem uma namorada e um sonho. Quer ser feliz e sente que precisa fazer algo quanto a isso. Sua namorada Marion o ama de verdade. As coisas parecem estar dando certo e eles montam uma loja de design de roupas, com o dinheiro da venda de drogas. Mas o réquiem, a música para o repouso eterno, o trabalho dos mortos, se anuncia.

O verão é o auge, o apogeu. Mas depois vem o outono, "fall" em inglês, e a palavra é importante. O caminho é para baixo, aonde vão todas as pessoas de bom coração, inclusive a mãe de Harry, que toma pílulas para emagracer. Tudo porque queria usar seu vestido de juventude quando aparecesse na TV, num show a que foi convidada a participar. Na espera interminável pela confirmação da data do show, Sara se perde no vício das pílulas de anfetamina. Mãe e filho se encontram uma última vez e ela desabafa, revela toda a sua tristeza, solidão e falta de sentido. Harry se entristece profundamente e mergulha na droga para fugir.

As cenas são secas, editadas, sucintas. O pó, a pílula, a seringa e a viagem. O pó, a pílula, a seringa e a viagem. O pó, a pílula, a seringa e a viagem. Dezenas de vezes. Dezenas de vezes para baixo. E os rostos antes limpos vão adquirindo olheiras. E os sonhos antes lindos vão-se perdendo por nada.

O camarada que fez a apresentação do DVD não entendeu nada. O filme não é entretenimento "cool" para os fãs da "interactive media". É uma canção. Música melancólica para um sonho que se acaba e que era tão fácil de ser alcançado, se ao menos os personagens parassem de correr atrás da droga nos momentos em que deveriam trocar mais um pouco de afeto diante das dificuldades da vida. Bem pouco. Talvez nada além de uma palavra. Mas no lugar da palavra, Harry ou Marion diziam: "e agora, como fazemos para arrumar mais bagulho?". Quando Harry sentiu que não devia mais injetar, Marion não sentiu. E Harry não a parou. E vice-versa. E esse foi o começo do fim.

Seria injusto dizer que não trocavam afeto. Amavam-se e construíram juntos com esse amor tudo aquilo que depois desabou. Mas como eu ia dizendo, precisavam trocar um pouquinho mais de amor e não trocaram, por causa de uma série de pequenos equívocos, pequenas fugas como sempre. E esse foi o começo do fim. E a chance que Harry desperdiçou quando fugiu da tristeza de sua mãe foi novamente desperdiçada.

Depois foi sexo brutal em troca de drogas, decadência biológica e psicológica.

Chega o inverno e a música recomeça. Continua o trabalho dos mortos. Sara Goldfarb anda pelas ruas como uma louca, em busca da data em que será chamada a aparecer na TV. Harry e seu amigo buscam drogas e Marion está sozinha, insuportavelmente sozinha.

Então chega o fim, o fundo do poço, onde todos nós já estivemos de algum modo. Mas estas pessoas estão lá de todos os modos. E a música penetra os hospitais e a prisão e o apartamento de Marion. E a droga já não faz mais sentido diante de tudo que se teve de fazer para conseguí-la. Tudo está perdido para Harry e seu amigo, que voltam à posição fetal. Enquanto isso Sara sonha com seu filho que a abraça na TV e Marion abraça o bagulho, ambas em posicão fetal. Pode ser que as coisas dêem certo, mas é pouco provável. Dois personagens choram de tristeza e dois sorriem de alívio momentâneo. Muito pouco para se fazer um final feliz. Mas não é assim que sempre acontece? Os elementos sempre parecem ser poucos para que se construa um final feliz.

"Réquiem para um sonho" é um daqueles filmes que não se devem esquecer. Faz mal para a humanidade esquecer filmes assim. O moralismo está em baixa hoje, portanto é difícil fazer um filme contra as drogas. Mas esse não é um filme contra as drogas. É um filme contra o sonho que acabou. É um filme que quer nos dizer que o sonho não acabou. Ele só é sutil demais e por isso nos passa despercebido. Não tem a grandiosidade que esperamos dele, assim como o cálice de Jesus era o mais singelo. Aliás, a queda é muito mais grandiosa. O réquiem no avisa disso. Os violinos soam com a beleza melancólica dos erros humanos, e a ilusória felicidade final é um ridículo programa de TV, com sua pseudo-grandiosidade brega. Mais irônico, impossível.

Para que vejamos os nossos erros, podemos recorrer a sermões. Mas também podemos assistir a esses personagens, tão lindos e inocentes em seus sonhos singelos. Todos se perdem em algum lugar no meio do caminho. Mas os momentos felizes de Harry e Marion foram uma prova de que eram capazes de amar, antes de se perderem.

Tudo se resume no amor. Todas aquelas pessoas se perderam, mas merecem ao menos um réquiem porque um dia amaram. E se um dia puderam amar, sua enorme dor final nos serve de exemplo. Perderam-se no escapismo diário. Perderam-se nos pequenos equívocos, pois achavam que o sonho era tão grandioso que, diante dele, os pequenos momentos não tinham importância. Mas o sonho era justamente esses pequenos momentos. Cada um deles escorre como uma lágrima de tempo que depois aperta o coração.

Mas ainda sobra um vago sopro de esperança no triste fim. Esperança de que um dia a TV se apague, as drogas desapareçam e um homem possa amar uma mulher, e um filho possa amar sua mãe como no dia em que nasceu. Mas outra voz diz que esse dia não virá. Portanto é bom que comecemos a amar, mesmo com as drogas à venda na esquina e a TV ligada na sala.

E o amor não serve se for filantrópico. Só vale se for por uma pessoa, uma só, aquela mesma que está aí do seu lado há tanto tempo e a quem você acha que já dá atenção suficiente.

Essa é a pessoa mais linda do mundo. E você pode perdê-la facilmente, em algum lugar no meio do caminho.

Para ir além
http://www.oindividuo.com/alvaro/alvaro65.htm


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 30/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Have a nice day de Adriane Pasa
02. Ficção hiper-real de Gian Danton
03. Humor x Desamparo de Carla Ceres
04. Senna de Paulo Polzonoff Jr
05. Mamilos de Adriane Pasa


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. O underground e o Estado - 10/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GUIA ESPIRAL WASHINGTON
AA PUBLISHING
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 14,00



HISTOIRE DE L ART - L ART MODERNE 1
ELIE FAURE
LIVRE DE POCHE
(1965)
R$ 22,00



AUTO DA RIBEIRINHA
A. B. M CADAXA
IMPR NACIONAL CASA DA MOEDA
(1996)
R$ 19,70



AS PUPILAS DO SENHOR REITOR
JÚLIO DINIS
PUBLIFOLHA
(1997)
R$ 4,50



O CONDENADO
BERNARD CORNWELL
RECORD
(2005)
R$ 11,50



MOZART - O MENINO PRODÍGIO
OPAL WHEELER SYBIL DEUCHER
MELHORAMENTO
R$ 21,00



O CLAMOR DAS ALMAS
RICHARD SIMONETTI
CEAC
(2008)
R$ 15,00



A GRANDE ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2011)
R$ 4,00



MEGA LETRONIX COMO SE ESCREVE? MORFOLOGIA VOLUME 10
RECREIO
ABRIL
R$ 4,90



A TRILOGIA DAS CORES VOL 2 - A EMOÇÃO É BRANCA
SAMARONE LIMA E INÁCIO FRANÇA
SAPPHO PRESS
(2013)
R$ 17,90





busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês