Sonhos | Evandro Ferreira | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS

Terça-feira, 30/7/2002
Sonhos
Evandro Ferreira

+ de 3000 Acessos

O sonho acabou. Esse era o nome de um filme que passou certo dia no Canal Brasil. Ou melhor, "O sonho não acabou". Faz diferença?

Miguel Falabella e Lucélia Santos faziam peripécias deprimentes pelas ruas de Brasília. Nasci em Brasília. E talvez por isso tenha-me tocado esse filme que, no entanto, era ruim. Mas o Brasil ou o mundo não são lugares ruins às vezes? Talvez vezes demais. Por que então um filme ruim não retrataria com bastante precisão essa faceta da realidade? E retratou.

Parei de assistir ao filme quando a cabeça de Lucélia Santos saiu voando sobre a cidade do Rio de Janeiro, simbolizando sua fuga de casa. Ruindade também tem limite. Mas vendo o que vi, trinta minutos, lembrei-me de minhas tristes tardes de domingo na capital, ao som de Legião Urbana, debaixo daquele céu insuportavelmente bonito. A vida em Brasília é um "cliché". É "kitsch", como diria Milan Kundera. Uma beleza projetada, palnejada. E o domingo não nos deixa muitas opções além de olhar para o céu e curtir uma fossa. Claro, sempre existe a outra opção. Escolha seu programa de TV e mergulhe na tela até se dissolver.

É isso que fez a senhora Sara Goldfarb, em outro filme, "Réquiem para um sonho", de Darren Aronofsky. A vida começa e termina em posição fetal. Se esse filme tem alguma moral que pode ser enunciada sem ferir sua sutileza, eu arriscaria essa. A vida começa e termina em posição fetal.

Os dias passam e as estações do ano. Tudo começa no ato do filho Harry, que leva a TV da mãe, Sara, para vender e poder comprar drogas com o dinheiro. A mãe também se droga, de outro modo. Seu cérebro já praticamente funciona por estímulo e resposta em relação às frases do show de TV a que assiste.

Os erros têm um começo, um meio e um fim. Assim como as esperanças. Mas o fim é um desejo de voltar ao começo. E por isso no fim os personagens estão em posição fetal.

No início Harry e seu amigo parecem apenas dois drogados convencionais, como vemos às pencas nos filmes transadinhos para "junkies". Mas eles são diferentes. Principalmente Harry. Ele tem uma namorada e um sonho. Quer ser feliz e sente que precisa fazer algo quanto a isso. Sua namorada Marion o ama de verdade. As coisas parecem estar dando certo e eles montam uma loja de design de roupas, com o dinheiro da venda de drogas. Mas o réquiem, a música para o repouso eterno, o trabalho dos mortos, se anuncia.

O verão é o auge, o apogeu. Mas depois vem o outono, "fall" em inglês, e a palavra é importante. O caminho é para baixo, aonde vão todas as pessoas de bom coração, inclusive a mãe de Harry, que toma pílulas para emagracer. Tudo porque queria usar seu vestido de juventude quando aparecesse na TV, num show a que foi convidada a participar. Na espera interminável pela confirmação da data do show, Sara se perde no vício das pílulas de anfetamina. Mãe e filho se encontram uma última vez e ela desabafa, revela toda a sua tristeza, solidão e falta de sentido. Harry se entristece profundamente e mergulha na droga para fugir.

As cenas são secas, editadas, sucintas. O pó, a pílula, a seringa e a viagem. O pó, a pílula, a seringa e a viagem. O pó, a pílula, a seringa e a viagem. Dezenas de vezes. Dezenas de vezes para baixo. E os rostos antes limpos vão adquirindo olheiras. E os sonhos antes lindos vão-se perdendo por nada.

O camarada que fez a apresentação do DVD não entendeu nada. O filme não é entretenimento "cool" para os fãs da "interactive media". É uma canção. Música melancólica para um sonho que se acaba e que era tão fácil de ser alcançado, se ao menos os personagens parassem de correr atrás da droga nos momentos em que deveriam trocar mais um pouco de afeto diante das dificuldades da vida. Bem pouco. Talvez nada além de uma palavra. Mas no lugar da palavra, Harry ou Marion diziam: "e agora, como fazemos para arrumar mais bagulho?". Quando Harry sentiu que não devia mais injetar, Marion não sentiu. E Harry não a parou. E vice-versa. E esse foi o começo do fim.

Seria injusto dizer que não trocavam afeto. Amavam-se e construíram juntos com esse amor tudo aquilo que depois desabou. Mas como eu ia dizendo, precisavam trocar um pouquinho mais de amor e não trocaram, por causa de uma série de pequenos equívocos, pequenas fugas como sempre. E esse foi o começo do fim. E a chance que Harry desperdiçou quando fugiu da tristeza de sua mãe foi novamente desperdiçada.

Depois foi sexo brutal em troca de drogas, decadência biológica e psicológica.

Chega o inverno e a música recomeça. Continua o trabalho dos mortos. Sara Goldfarb anda pelas ruas como uma louca, em busca da data em que será chamada a aparecer na TV. Harry e seu amigo buscam drogas e Marion está sozinha, insuportavelmente sozinha.

Então chega o fim, o fundo do poço, onde todos nós já estivemos de algum modo. Mas estas pessoas estão lá de todos os modos. E a música penetra os hospitais e a prisão e o apartamento de Marion. E a droga já não faz mais sentido diante de tudo que se teve de fazer para conseguí-la. Tudo está perdido para Harry e seu amigo, que voltam à posição fetal. Enquanto isso Sara sonha com seu filho que a abraça na TV e Marion abraça o bagulho, ambas em posicão fetal. Pode ser que as coisas dêem certo, mas é pouco provável. Dois personagens choram de tristeza e dois sorriem de alívio momentâneo. Muito pouco para se fazer um final feliz. Mas não é assim que sempre acontece? Os elementos sempre parecem ser poucos para que se construa um final feliz.

"Réquiem para um sonho" é um daqueles filmes que não se devem esquecer. Faz mal para a humanidade esquecer filmes assim. O moralismo está em baixa hoje, portanto é difícil fazer um filme contra as drogas. Mas esse não é um filme contra as drogas. É um filme contra o sonho que acabou. É um filme que quer nos dizer que o sonho não acabou. Ele só é sutil demais e por isso nos passa despercebido. Não tem a grandiosidade que esperamos dele, assim como o cálice de Jesus era o mais singelo. Aliás, a queda é muito mais grandiosa. O réquiem no avisa disso. Os violinos soam com a beleza melancólica dos erros humanos, e a ilusória felicidade final é um ridículo programa de TV, com sua pseudo-grandiosidade brega. Mais irônico, impossível.

Para que vejamos os nossos erros, podemos recorrer a sermões. Mas também podemos assistir a esses personagens, tão lindos e inocentes em seus sonhos singelos. Todos se perdem em algum lugar no meio do caminho. Mas os momentos felizes de Harry e Marion foram uma prova de que eram capazes de amar, antes de se perderem.

Tudo se resume no amor. Todas aquelas pessoas se perderam, mas merecem ao menos um réquiem porque um dia amaram. E se um dia puderam amar, sua enorme dor final nos serve de exemplo. Perderam-se no escapismo diário. Perderam-se nos pequenos equívocos, pois achavam que o sonho era tão grandioso que, diante dele, os pequenos momentos não tinham importância. Mas o sonho era justamente esses pequenos momentos. Cada um deles escorre como uma lágrima de tempo que depois aperta o coração.

Mas ainda sobra um vago sopro de esperança no triste fim. Esperança de que um dia a TV se apague, as drogas desapareçam e um homem possa amar uma mulher, e um filho possa amar sua mãe como no dia em que nasceu. Mas outra voz diz que esse dia não virá. Portanto é bom que comecemos a amar, mesmo com as drogas à venda na esquina e a TV ligada na sala.

E o amor não serve se for filantrópico. Só vale se for por uma pessoa, uma só, aquela mesma que está aí do seu lado há tanto tempo e a quem você acha que já dá atenção suficiente.

Essa é a pessoa mais linda do mundo. E você pode perdê-la facilmente, em algum lugar no meio do caminho.

Para ir além
http://www.oindividuo.com/alvaro/alvaro65.htm


Evandro Ferreira
Belo Horizonte, 30/7/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pobre rua do Vale Formoso de Elisa Andrade Buzzo
02. Filmes de guerra, de outro jeito de Ana Elisa Ribeiro
03. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
04. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait


Mais Evandro Ferreira
Mais Acessadas de Evandro Ferreira em 2002
01. Apesar da democracia - 24/9/2002
02. Pensando sozinho - 27/8/2002
03. Babação do popular - 13/8/2002
04. O pensamento biônico - 23/7/2002
05. Um Publicitário - 13/6/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário da Corte - Crônicas do Maior Polemista da Imprensa ...
Paulo Francis
Três Estrelas
(2012)



Pato Donald N 2143
Editora Abril
Abril



Como Se Preparar para o Exame de Ordem - 11 Ambiental
Fernanda Luiza e Marcelo Hugo
Método
(2015)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 214
Pini
Pini



Devaneios Sobre a Atualidade do Capital
Clóvis de Barros Filho, Gustavo F. Dainezi
Sanskrito
(2014)



O que é psicologia
Maria Luiza S. Teles
Brasiliense
(1994)



A Profecia Celestina
James Redfield
Fontanar
(2009)



Dicionário do Antiquariato
Codex
Codex
(1968)



O Sócio
John Grisham
Rocco
(1997)



O Que São Direitos Humanos
João Ricardo W. Dornelles
Brasiliense
(2013)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês