Sobre Três Novelas | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/11/2002
Sobre Três Novelas
Ricardo de Mattos

+ de 4400 Acessos

À Patrícia Anália Rovida,
com um afectuoso abraço.



Há no mercado livreiro nacional uma colecção cujo objectivo é trazer conhecimento do leitor brasileiro autores e obras do Leste Europeu. A Coleção Leste foi iniciada com A Exposição das Rosas do húngaro István Örkény e tem sua continuidade garantida pelo recente lançamento de O Idiota, de Fiódor Dostoievski. Os cinco últimos volumes são dele, e além do título citado temos Memórias do Subsolo, O Crocodilo, Crime e Castigo e Nietotchka Nieszvânova. Várias obras da colecção foram traduzidas por Boris Schnaiderman, mas há traduções assinadas por Paulo Bezerra, Aleksandar Jonanovic e outros.

Da dúzia de volumes já publicados há o predomínio de Dostoievski, um grosso volume de contos de Tchekhov, A Dama do Cachorrinho, e outro bem fornido de Aleksandr Púchkin, A Dama de Espadas, já misto de contos e poemas. Estes os mais famosos. Há outros escritores menos conhecidos, tal como Dezsö Kosztolányi e Óssip Mandelstan - O Tradutor Cleptomaníaco e O Rumor do Tempo, respectivamente. Por fim, autores talvez totalmente desconhecidos até então, ou cuja obra se alguma vez traduzida, esgotou-se e não foi reeditada. Tais autores são o já mencionado Örkény, o tcheco Karel Tchapék e o russo de origem polonesa Sigismund Krzyzanowski - o segundo com Histórias Apócrifas e o terceiro com O Marcador de Páginas.

Tenho um volume da Antologia do Conto Húngaro elaborada por Paulo Rónai e prefaciada por João Guimarães Rosa, no qual este demonstra intimidade com a língua húngara. Menciono-a pois nela podemos encontrar mais contos de Kosztolányi e um de Sándor Márai - para aproveitar a deixa - autor de livros periodicamente lançados no Brasil, como As Brasas, O Legado de Eszter e Veredicto em Canudos. É uma agradável surpresa descobrir que este profundo escritor conheceu Os Sertões de Euclides da Cunha e entusiasmou-se o suficiente para criar um romance a partir dele.

Não há uma ordem cronológica na colecção, mas vários escritores nasceram no final do século XIX e avançaram pelo século XX. Alguns testemunharam as duas grandes guerras mundiais, outros apenas uma. Örkény foi parar em um campo russo de concentração, Mandelstan morreu louco a caminho da Sibéria, e com Krzyzanowski conheceu particularidades do mundo soviético só agora divulgadas em detalhes. Isso sem repetir a famosa história de Dostoievski, livre do fuzilamento quando já tinha os olhos vendados, mas sem escapatória de umas férias também na Sibéria, o que leva os estudiosos a dividirem sua obra em dois períodos: um anterior e outro posterior à prisão. Todos estes escritores, mas todos, possuíram e desenvolveram um tão incómodo quão preciosista olhar clínico dos subterrâneos da alma humana. O ser humano é examinado em suas particularidades mais constrangedoras e o resultado exposto ao público, quer agrade, quer não. Exclui-se uma intenção maldosa deles, o objecto de suas análises que não é grande coisa.

O humor é presente em algumas obras e seu grau é variado. Todavia, é aquele humor oriundo da dor: "A fonte secreta do humor não é a alegria, mas a mágoa, a aflição e o sofrimento. Não há humor no céu" (Mark Twain). A partir desta premissa, temos narrativas que levam do meio sorriso à gargalhada. Este o humor a permear A Exposição das Rosas, de István Örkény (1.912 - 1.979). São duas as novelas: a que intitula o volume e A Família Tóth.

A Exposição das Rosas. Esta novela escrita na década de sessenta do século passado é interessante por narrar a produção de um documentário para a televisão, tendo como tema o instante da Morte. A desculpa é auxiliar o público a entender e temer menos este facto. Hoje encontramos vários documentários de cunho científico sobre o assunto, sobretudo nos canais fechados, e alguns de bom nível. Nesta novela, entretanto, o personagem Iron Korom aproxima seu programa do actual "Reality Show", preocupando-se mais com a fama e reconhecimento que com o tratamento sério do assunto. Está mais próximo de um mórbido Big Brother que de um sóbrio Enigmas da Morte.

Três os moribundos seleccionados: o professor Gábor Darvas, a operária Mikó e o escritor de segunda J. Nagy. Como o professor morreu antes de iniciadas as filmagens, coube a sua viúva narrar diante das câmeras seus últimos momentos. Encerrada sua apresentação, tudo é preparado para o acompanhamento dos últimos instantes da senhora Mikó e logo depois de J. Nagy. "Não adiantava discutir com a morte (...) porque ela não representava uma interlocutora; afinal, ela sabe dizer apenas uma única coisa: 'não'", resignava-se o professor Darvas. Por seu lado, a operária preocupava-se com o destino e conforto de sua mãe cega. Devorada pelo câncer, reflectia: "No meu caso, a morte é uma questão de dinheiro, doutor, porque o que será de minha mãe, se ela ficar sozinha? É isso que preciso resolver". O escritor, boémio e bonachão, não planejava falecer tão cedo, mas aceitando participar do trabalho do amigo Korom, acaba morrendo para não o desamparar. Dedicação absoluta.

A segunda novela, A Família Tóth, narra bem ao estilo "pastelão" o transtorno causado pela hospedagem concedida a um militar. Trata-se do major Varró, superior do soldado Gyula Tóth. Este quem, evidentemente almejando vantagem pessoal, pede à família que abrigue o superior. Nem a família, nem o soldado auferem benefícios desta estadia, pois Gyula morre em campo antes mesmo da chegada de Varró à aldeia. Sua morte é omitida pelo carteiro louco que, tentando poupar a família, joga o telegrama com a notícia dentro de um barril de água estagnada. Após todo um rosário de ridículos e constrangimentos, o major parte. Quando a família Tóth imagina restabelecida a paz doméstica, ele retorna alegrinho, contando não haver trem pelos próximos três dias e pedindo pouso durante mais este período. Acaba sendo esquartejado. Este final imprevisível, ao qual são dedicadas as últimas linhas do texto de forma a reforçar a surpresa, faz toda a estória repetir-se rapidamente em nossa memória e questionar a comicidade das cenas anteriores. Onde encerra-se o cómico e inicia-se o trágico? É o humor com o qual Örkény talvez queira superar as aflições sofridas n'um campo de concentração. Resta apontar nesta obra a representação de um servilismo radical, de pessoas despreocupadas com a preservação da própria dignidade, dês que garantida a recompensa.

Duas novelas de Örkény e uma de Ivan Turguêniev: Ássia. Preocupações profissionais na última quinzena só permitiram dedicar-me a obras breves.

Ássia é uma obra menor de Turguêniev, russa no tratamento da matéria, mas afrancesada na forma. Seu principal romance é Pais e Filhos, ainda encontrável no mercado, embora eu prefira esperar por uma edição mais caprichada. Trata esta novela de um quase romance de estação quase ocorrido entre o personagem narrador e a que dá seu nome à obra. Turguêniev passou viajando boa parte da sua vida e neste caso trouxe seus personagens também para o exterior, pois a trama desenrola-se em uma cidadela alemã. E de fora, o escritor observa seus patrícios, colocando suas observações nas bocas de suas criaturas. Exemplo disso é a fala de Gáguin, meio irmão de Ássia, referindo-se a sua vocação artística:

"- Sim, sim - assentiu ele com um suspiro -, tem razão, tudo isso está muito ruim e imaturo, mas o que posso fazer? Não estudei como deveria, e há a questão da indolência eslava. Enquanto a gente sonha com o trabalho, paira como a águia: é como se pudesse mover o mundo; mas quando passa à execução, a gente se sente fraco e cansado".

Indolência eslava. Ássia foi escrita em 1.957. Oblomov em 1.959, e é atraente imaginá-lo como uma resposta interna e concordante. Pode até não ser, pois se Turguêniev era amigo pessoal - ainda que tensa esta amizade - de Dostoievski na Rússia, e de Zola e Flaubert na França, nada indica que tenha conhecido e travado relações com Gontcharov. É inevitável, todavia, a lembrança do romance durante a leitura da novela.

Para ir além

Colecção Leste. Vários Autores. Editora 34







Ricardo de Mattos
Taubaté, 21/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
02. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
03. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
04. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
05. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
R$ 4,00



CLASH ROYALE
GUILHERME ATHAIDE
PANDA BOOKS
(2016)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO E TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA
GUIOMAR N. MELLO
CORTEZ
R$ 5,00



O CAVALO VERDE - CAUSOS GAÚCHOS E RELATOS INTERIORANOS
LUIZ CORONEL
MECENAS
(2002)
R$ 24,00



O PENSAMENTO ANTIGO (2 VOLUMES) RODOLFO MANDOLFO (FILOSOFIA)
RODOLFO MANDOLFO
MESTRE JOU
(1964)
R$ 30,00



SELEÇÃO E COLOCAÇÃO DE PESSOAL
MARVIN D. DUNNETTE
ATLAS
(1973)
R$ 10,00



CARLOS VERGARA: PINTURAS
PAULO SERGIO DUARTE
AUTOMÁTICA
(2011)
R$ 60,00



THAT WAS THAT! CONSONANT DIGRAPHS TH
SUZANNE BARCHERS
LEAP FROG
(2010)
R$ 20,28



ANTOLOGIA POÉTICA
MAIACOVSKI
MAX LIMONAD
(1984)
R$ 35,00



ESTA MENINA ESTÁ FICANDO IGREJA
PE. ZEZINHO
PAULINAS
(1984)
R$ 4,84





busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês