O medo como controle | Carlos Patez

busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> internet jornalismo revolução
>>> Façam suas apostas
>>> Estômago, com João Miguel
>>> A política brasileira perdeu a agenda
>>> Iniciantes, de Raymond Carver
>>> A Teoria de Tudo
>>> No caso de a Dilma sair, quem assume?
>>> RAVELSTEIN.
Mais Recentes
>>> O Desafio da Educação - a Qualidade Total de Kátia Issa Drugg e Dayse Domene Ortiz pela Makron Books (1994)
>>> O cavaleiro inexistente de Italo Calvino pela Companhia De Bolso (2013)
>>> Pequena Abelha de Chris Cleave; Maria Luiza Newlands pela Intrinseca (2010)
>>> Aprendendo a Lidar Com Pessoas Difíceis de Rick Kirschner; Rick Brinkman pela Sextante (2006)
>>> Para Gostar de Ler Volume 13 de Fernando Sabino e Outros... pela Atica (1997)
>>> Antologia de Contos. Contos Brasileiros Contemporâneos de Julieta de Godoy Ladeira Org. pela Salamandra (2006)
>>> Depois do Funeral de Agatha Christie pela Record (1953)
>>> Cozinha Regional Brasileira Minas Gerais de Vários Autores pela Abril Coleções (2009)
>>> Mestres das Arte Michelangelo de Mike Venezia pela Moderna (1996)
>>> Corações Solitário Sabrina Romances Preciosos de Wendy Wax pela Leonice (1997)
>>> Segredos Em Cirurgia de Charles Abernathy pela Artes Médicas (1993)
>>> Pré Vestibular Geografia Poliedro - Livro 4 de Vários Autores pela Poliedro (2015)
>>> Baudolino de Umberto Eco pela Record (2001)
>>> O Fantástico Misterio de Feiurinha de Pedro Bandeira pela FTD (1999)
>>> Prática Trabalhista de Leone Pereira pela Revista dos Tribunais (2014)
>>> Aberto para Balanço. de Abram Szajman pela Atomo (2009)
>>> Matemática Finananceira Aplicada de Nelson Pereira Castanheira pela Ibpex (2010)
>>> Ask. Brain de Marcelo Peruzzo Ph D pela Iperson Education (2017)
>>> Basico dos Tribunais Tecnico Judiciario Area Administrativa de Corpo Docente da Central de Concursos pela Central de Concursos
>>> Frommer's Paris. Grátis e Muito Barato de Anna Brooke pela Alta Books (2011)
>>> Conecte - Sociologia para o Ensino Médio - Segunda Parte de Nelson Dacio Tomazi pela Saraiva (2012)
>>> Manual Prático de Retenção de Impostos e Contribuições - 6ª Edição de Glauco Marchezin / Osmar Reis Azevedo pela Iob (2009)
>>> 70 Historinhas de Carlos Drummond de Andrade pela Record (1997)
>>> A Terceira Margem da Saúde de Fermin Roland pela Unb
>>> Feng Shui Básico - Manual Completo da Milenar Ciência de Victor L. Dy pela Ground (2000)
COMENTÁRIOS

Segunda-feira, 7/6/2010
Comentários
Leitores


O medo como controle
Já que mais uma vez o sr. Mauro cita esta grande festa dos instintos, aqui cabe uma pergunta: Por que o culto ao corpo, aos instintos, incomoda tanto? Aceitando os instintos, sejam eles de qualquer grandeza, sinto que podemos controlá-los, pois, sabedores de nossos limites, reconhecemos o limite do outro! Creio também que em nossa "sociedade cristã" somos castrados destes instintos, e não vejo que essa "sociedade cristã" hoje em dia estão conseguindo o que seria seu objetivo primário: através do medo de ir para o inferno domesticamos e controlamos à todos. Poderei continuar nossa conversa através do e-mail ou do blog, como queira! Se quiser tornar pública a nossa conversa, use o blog! Respeitosamente grande abraço a todos que nos acompanham!

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por Carlos Patez
http://capatez.zip.net
7/6/2010 às
13h52 189.19.67.141
(+) Carlos Patez no Digestivo...
 
Acreditar nos instintos
Creio que Jesus, nesse episódio, se é que o mesmo aconteceu, se referiu mesmo às leis vigentes, que num povo tão "religioso" costuma ser lei = dogma, contra a lei = pecado! Nietzsche assim raciocina (o cristianismo como algo definitivo), porque a própria Bíblia não deixa vazão para outro pensamento que seja, pois a lei é definitiva! Até tem um livro nesta coleção que se chama Apocalipse! Querer salvar Paulo de Tarso do estrago que fez, é trabalho inglório. Por causa dele e de alguns que estiveram fazendo esta coletânea, nunca saberemos de fato o que ocorreu naqueles dias idos. Mas o que fica é sua grande vontade de que todos pensem como eles, para que possam sempre prever o homem domesticado. Um homem que despreza seus sentidos, seus instintos, e que sua noção de felicidade é algo como obedecer, obedecer, obedecer... Creio que, acreditando em nossos instintos, seríamos muito mais respeitosos com nosso próximo, com nossos adversários, pois reconheceríamos nestes também o poder em nós inerente! (continua)

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por Carlos Patez
http://capatez.zip.net
7/6/2010 às
13h34 189.19.67.141
(+) Carlos Patez no Digestivo...
 
Nabokov já era hipertextual
Bela resenha, Guilherme. Você pegou um dos aspectos importantes pelos quais "O Original de Laura" deveria mesmo ter sido publicado: a possibilidade de olharmos sobre os ombros do escritor. Nabokov não era um autor linear, não escrevia o capítulo 2, depois do 1, o 3, depois do 2, etc. Ele era hipertextual. Preenchia os espaços, dizia. Em 09/2009, eu participei de uma mesa na Academia Brasileira de Letras com o professor Brian Boyd (maior especista na obra de Vladimir) em que se comparou as obras de Machado de Assis e Nabokov. Na mesma época, o entrevistei para o Prosa Online, dois meses depois, eu mesmo também publiquei uma resenha de "Laura" no JB. Com o advento e popularização da internet, penso que "Laura", 30 anos depois de seu doloroso nascimento - sendo que, para isso, da forma como "nasceu", tenha sido necessária a morte de seu autor -, tenha sido publicado no momento certo. Abs, CS

[Sobre "O Original de Laura"]

por C. S. Soares
http://pontolit.com.br/beta
7/6/2010 às
12h36 189.122.215.181
(+) C. S. Soares no Digestivo...
 
Nietzsche se traiu
Ora, tudo bem. Vamos supor que seja verdade isto. Ao fim de tudo, Nietzsche montou uma filosofia para justificar seu descontrole sobre suas paixões, traindo-se ele próprio (pelo mesmo mecanismo que apontou) ao acusar aquilo que realmente ansiava - ser um homem dominado. Porém, também não estava errado em mostrar toda a dissimulação dos padres e pastores, e de quase todo crente em Deus que, de fato, falam, falam e na hora do vamos ver, mostram muito pouco em termos de ética, porque se deixam cair por seus impulsos, paixões, cobiça, ego, devido à falta de força que tem para impor a si mesmos os valores que vivem pregando.

[Sobre "O cristianismo para Nietzsche"]

por dulce louzado
7/6/2010 às
12h13 200.100.72.198
(+) dulce louzado no Digestivo...
 
Quando tudo era subversivo
"É preciso deixar a deletéria psicose de subversão!", disse um general em 1978, do Regime Militar. Havia a psicose coletiva de que em tudo e todos eram subversivos. A cor vermelha, uma foice, um martelo, os rapazes cabeludos, as moças de minissaias, as letras das canções dos festivais, a dramaturgia do teatro, TV e cinemas, tudo era subversivo, um perigo marxista-lenilista. Então, para contrapor-se à subversão, exageraram e se apropriaram (indevidamente) dos símbolos nacionais. A longo prazo, o estrago foi o povo associar os nossos símbolos ao "antigo regime". A sonora chamada de meu celular é o Hino Nacional Brasileiro. Meu filho de sete anos já o reconhece e canta e já sabe que não precisa escutá-lo apenas, antes dos jogos da seleção brasileira de futebol e nas olimpíadas. É preciso acabar com esta deletéria psicose de subversão. Sugiro trocar o velho dístico positivista da bandeira nacional "Ordem e Progresso" por "Água e Esgoto", de que tanto o Brasil precisa (47% da população).

[Sobre "Símbolos e Identidade Nacional"]

por Paulo Pereira
7/6/2010 às
10h57 187.14.174.147
(+) Paulo Pereira no Digestivo...
 
A metafísica vai muito além
Excelente texto. Embora eu seja Ministro de uma Instituição Religiosa, não deixo de apreciar textos onde se fazem reflexões sobre o aspecto religioso. Eu digo que o Cristianismo vivido e praticado pelas religiões institucionalizadas de forma alguma é a continuação de O Caminho, como era chamado o movimento pelos primeiros Cristãos já no tempo dos Apóstolos. Portanto, concordo com todas as críticas feitas no artigo, desde que esta diferença por mim apontada seja levada em consideração. Devo, contudo, fazer uma crítica quanto ao uso do termo "metafísica" no artigo. No artigo, metafísica aparece quase como sinônimo de religião. Ora, a religião possui aspectos metafísicos, que muitas vezes seus arautos defendem, mas Metafísica vai muito além disto. Eu digo ainda que a Metafísica devia ser mais estudada, chegando ao ponto de substituir as religiões organizadas. A compreensão metafísica de Deus não tem nada a ver com as fantasias da teologia vigente. Em todo caso, Parabéns pela discussão!

[Sobre "Para que o Cristianismo?"]

por Eugênio Ribeiro
http://twitter.com/EugenioChristi
7/6/2010 às
10h15 187.27.124.208
(+) Eugênio Ribeiro no Digestivo...
 
Só sei que nada sei
Para que o Cristianismo? Para que o homem exerça a humildade. Somos geniais, descobridores do universo e agora criamos a vida sintética, porém, por não sermos Deus, ou por não sermos verdadeiramente cristãos, como queiram, cada façanha nossa reverte-se em poder e arrogância. Quanto mais conhecimento, mais soberba... Que pequenez! Nós, os pensadores, deveríamos ser os primeiros a admitir que, para os mistérios do universo, para a existência ou não da alma, para a existência ou não de Deus, a resposta correta é: Só sei que nada sei.

[Sobre "Para que o Cristianismo?"]

por Eliana de Freitas
http://www.elianadefreitas.recantodasletras.com.br
7/6/2010 às
09h17 200.171.248.6
(+) Eliana de Freitas no Digestivo...
 
Os peixeiros e o jornal
E além de tudo isso, jornal em papel serve para embrulhar peixe. Ninguém me conte que os peixeiros deixaram de usar jornal!

[Sobre "Pra que ler jornal de papel?"]

por Felipe Pait
http://fmpait.blogspot.com/
7/6/2010 às
08h58 70.19.151.212
(+) Felipe Pait no Digestivo...
 
A praça da Sé é o centro de SP
A praça da Sé é o centro e o coração do mundo, a arquitetura do lugar mostra um pouco da história e da poesia de quem passa por ali. Quanto à desgraça, a vagabundagem, é o retrato austuto de quem governa. Ou melhor, desgoverna. Num país que despreza os homens, surgem apenas os lupens.

[Sobre "Como se enfim flutuasse"]

por Manoel Messias Perei
http://www.pop.com.br
7/6/2010 às
08h58 189.79.209.131
(+) Manoel Messias Perei no Digestivo...
 
Como as outras línguas também
O Tejo é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, mas o Tejo não é mais belo que o rio que corre pela minha aldeia, porque o Tejo não é o rio que corre pela minha aldeia. Para mim tanto faz se os outros sabem português. Quem não conhece, não sabe o que está perdendo. Antropofagicamente, eu como as outras línguas também. Quem só come um prato, não sabe o que está perdendo.

[Sobre "Brazilionaires"]

por Felipe Pait
http://fmpait.blogspot.com/
7/6/2010 às
08h54 70.19.151.212
(+) Felipe Pait no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




E no Final, a Morte
Agatha Christie; Bárbara Heliodora (trad.)
Nova Fronteira
(1979)



A Última Dama do Fogo
Marcelo Paschoalin
Letra Impressa
(2012)



Química Geral
Slabaugh / Parsons
Ao Livro Técnico
(1976)



A Morte e a Morte de Quincas Berro Dagua
Jorge Amado
Companhia das Letras
(2012)



Novas janelas para o universo
Maria Cristina B. Abdalla e Thyrso Villela Neto
unesp
(2005)



Antes dos Tempos de Adão: o Segredo de Car
Prof. Molinelo (yogakrisnanda)
Mandala
(1972)



Abadia dos Beneditinos
J. W. Rochester
Lake
(1979)



Programação Cobol
Alex C. Bastos
Ltc
(1983)



E Agora?
Odette de Barros Mott
Brasiliense
(1982)



Missa para Crianças
Goretti Dias
Santuario
(2020)





busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês