A síndrome da rejeição via internet | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
45452 visitas/dia
1,5 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil transmite desfile do Grupo de Acesso de São Paulo
>>> Documentário "Trieletrizado" destaca a malha multicultural do carnaval de Salvador
>>> Fotógrafo celebra esporte e felicidade no samba
>>> TV Brasil apresenta atrações do Carnaval de Salvador nesta sexta (5)
>>> A AUTOESTIMA DO SEU FILHO,
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> A proposta libertária
>>> O regresso, a última viagem de Rimbaud
>>> E Foram Felizes Para Sempre
>>> O Olhar das Bruxas: Quatro Versões de 'Macbeth'
>>> Lira da resistência ao futebol gourmet
>>> Com quantos eventos literários se faz uma canoa?
>>> Terna e assustadora realidade
>>> De louco todos temos um pouco
>>> A coerência de Mauricio Macri
Colunistas
Últimos Posts
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
>>> Uma cidade se inventa
>>> Vale a pena ver de novo
Últimos Posts
>>> Sem pesos na consciência
>>> Falando das flores
>>> O espelho
>>> O que a morte disse para Hércules?
>>> Uber confusão
>>> Na solidão dos objetos (Objetos)
>>> AÇÃO DE GRAÇA
>>> Metáfora em cedro
>>> Quimeras
>>> Em busca de extrema unção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eugênio Christi
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> Seu Mauro
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> Um defeito de cor, um acerto de contas
>>> Entrevista de Emprego
>>> Entrevista de Aniversário
>>> Memórias de Lorenzo da Ponte
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> A múmia de seios intumescidos
Mais Recentes
>>> Morte em Pemberley
>>> Coleção A Ditadura - 4 volumes
>>> Bagagem perdida
>>> French Mapping Of The Americas - The De L' Isle, Buache, Dezauche Succession (1700-1830)
>>> Os redentores - Ideias e poder na América Latina
>>> Guia da medicina homeopática
>>> Pensar é transgredir
>>> O tempo é um rio que corre
>>> Pelas portas do coração
>>> Sementeira de Luz
>>> É tudo tão simples
>>> Mulheres audaciosas da Antiguidade
>>> As melhores histórias da mitologia - vol. 1
>>> Ghostlight - A Luz Espiritual
>>> Adeus Volodia
>>> A Viúva
>>> O Gato Brasileiro e Outros Contos Sensacionais
>>> O Segredo Mortal
>>> A Estátua de Mármore
>>> O Caminho de Volta
>>> As Possuídas
>>> Vernônia / Ironweed
>>> A Voz do Coração
>>> Não Mato por Prazer
>>> Caro Amor
>>> Mão de Chicote
>>> Um Ciclone na Jamaica
>>> A Pérola
>>> Horizonte Perdido
>>> Cartas do Pequeno Príncipe
>>> A Rua das Ilusões Perdidas
>>> A Mulher Pintada
>>> Amigas Íntimas
>>> Estas Fotos Foram Mandadas para Sua Esposa
>>> O Chefão Podearroz
>>> No País das Sombras Longas
>>> Ninja
>>> Arsenal de Família
>>> A Máquina do Amor
>>> Eterno Não É para Sempre
>>> KG 200 - o Esquadrão Fantasma
>>> A Vítima do Ano
>>> A História de Oliver
>>> O Fio da Navalha
>>> Yargo - uma História de Amor
>>> Rádio em Ação
>>> O real e o seu duplo
>>> Nunca vai embora
>>> Bahia de todos os santos
>>> A minha segunda guerra
COLUNAS

Quinta-feira, 21/4/2005
A síndrome da rejeição via internet
Adriana Baggio

+ de 8400 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Imagine a seguinte situação: você é gerente em uma empresa qualquer. Um de seus funcionários liga e pede para faltar no dia seguinte para resolver problemas pessoais. Você não precisa dar essa permissão, o funcionário não tem nada de especial e os motivos dele nem são tão bons assim. Mas, você decide concordar com o que ele pede. No entanto, depois que você dá a permissão, ele desliga o telefone na sua cara.

A comparação pode parecer um pouco exagerada, mas é assim que andam as comunicações por e-mail ultimamente. As pessoas normalmente não desligam o telefone na cara dos outros (a não ser em situações muito dramáticas), mas fazem o equivalente na comunicação via correio eletrônico. Por que o e-mail dá a impressão de permitir a falta de educação, respeito e cordialidade?

Se isso acontecesse apenas em relações de amizade ou que não envolvem a dependência de uma parte por outra, até seria compreensível. No primeiro caso, a intimidade se encarregaria de neutralizar algum melindre. No segundo, não haveria risco de que a falta de educação trouxesse alguma conseqüência prejudicial. Agora, o que eu não entendo é como as pessoas têm coragem de não responder e-mails de outras pessoas das quais dependem. A gente sabe que educação e gentileza acontecem muito mais por interesse do que por fazer parte do comportamento natural do ser humano. É cultural estabelecer diferentes níveis de cordialidade dependendo da posição hierárquica de nossos interlocutores, ou do nível de interesse que temos em relação a eles. Mas, por e-mail, parece que nem essa preocupação existe.

Acredito que a maioria não se comporta dessa forma por grosseria. É mais um não se importar, uma falta de cuidado com as relações. O contato entre as pessoas está cada vez mais utilitarista, frio, seco e breve. Quem aprendeu as regras tácitas da boa comunicação em outras épocas, ainda consegue manter o mesmo padrão no contato via e-mail. Mas aqueles que desenvolveram sua sociabilidade na era da internet, não conseguem perceber a importância de algumas atitudes básicas.

A situação descrita no começo do texto é hipotética, mas ilustra o fato de que as pessoas não têm muita consideração pelas outras, nem mesmo por aquelas que podem ajudá-las ou prejudicá-las. Nem gratidão nem medo servem de motivo suficiente para seguir as regras de política e boa convivência.

Já fui ignorada em diferentes níveis. Por empresas que abrem um canal de comunicação via internet, mas não dão nenhum retorno; por funcionários da faculdade onde trabalho, quando houve erro no meu contracheque (para mais...); pelos meus alunos, que nem quando me pedem para quebrar algum galho têm a consideração de agradecer ou responder meus e-mails. Imagino que os psicólogos em breve tenham de lidar com uma nova doença: a síndrome da rejeição via internet.

Será que estou obsoleta e não tenho a inteligência emocional adequada para viver nesses novos tempos? Será que realmente o problema é da minha sensibilidade e não da falta de educação dos outros? Já me questionei bastante sobre isso, mas cheguei à conclusão de que a indignação procede.

Quando ainda não existia internet e se conversava pessoalmente, por carta ou telefone, eu sempre pedi por favor e disse obrigada às pessoas. Nunca desliguei o telefone na cara dos outros (exceto dos namorados, é claro). Muito menos, fui indelicada ou desatenciosa com alguém de quem eu dependia muito, como um chefe ou algum burocrata de serviço público. Por que eu mudaria meu comportamento no e-mail?

Pode-se argumentar que a dinâmica do correio eletrônico altera também o comportamento. A utilização de abreviações, neologismos e emoticons proporciona uma comunicação muito mais rápida, como pedem as necessidades dos dias de hoje. Os jovens, por exemplo, precisam tomar decisões rápidas sobre qual a balada da noite e transmitir instantaneamente informações fundamentais para o bom desempenho da equipe, como o perfil do novo gato da turma (putz, tô mal de gírias...). Portanto, a agilidade da comunicação dispensa a boa educação.

Eu prefiro a forma tradicional de escrever as palavras e organizar frases e parágrafos, mas isso faz parte do conflito de gerações, é uma questão de forma. Posso ser tão mal-educada em português arcaico quanto em emoticons. Por isso, a linguagem e as características da comunicação on-line não justificam a ignorância das regras de cordialidade e gentileza.

Se você, leitor, receber um e-mail do nosso editor, o Julio, vai perceber do que eu estou falando. O Julio é uma pessoa que utiliza com muita tranqüilidade todos os recursos da internet. Ao mesmo tempo, os e-mails dele são impecáveis tanto no conteúdo quanto na forma. E mesmo sendo ocupadíssimo, ele nunca deixa de responder uma mensagem, mesmo que o interesse não seja dele.

Fico constrangida de chamar a atenção de pessoas adultas, mesmo que sejam alunos, sobre a importância de responder um e-mail, principalmente quando o interesse é deles. Seria como lembrá-los de que devem mastigar de boca fechada, pedir com licença e dizer obrigado: fundamentos básicos de educação, que se aprendem em casa. Já pensei na ironia, mas as vezes em que tentei eles não entenderam (olha aí os efeitos colaterais de uma linguagem pobre, as pessoas ficaram denotativas e cegas para o duplo sentido e as inflexões). Tenho a esperança de que aprendam na prática, quando alguém decidir cancelar uma compra, uma contratação ou uma promoção na empresa devido a e-mails não respondidos. Isso, claro, se ainda existirem pessoas que prezam a gentileza e a cordialidade na comunicação. Se esses exemplares desaparecerem, estaremos condenados à barbárie.


Adriana Baggio
Curitiba, 21/4/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. No encalço do Natal de Elisa Andrade Buzzo
02. E não sobrou nenhum (o caso dos dez negrinhos) de Gian Danton
03. Carmela morreu. de Ricardo de Mattos
04. A grande luta das pessoas comuns de Guilherme Carvalhal
05. Livro das Semelhanças, de Ana Martins Marques de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
02. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
03. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
04. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/4/2005
13h44min
Muito boa sua coluna sobre educação nos e-mails. Foi bem além da "netiqueta" ao lembrar as regras básicas de qq relacionamento interpessoal. Marquei nos meus favoritos e pretendo recomendar a alguns amigos desatentos. Parabéns pelo brilho e clareza, Marcelo
[Leia outros Comentários de Marcelo Portugal Fel]
23/4/2005
08h20min
Uma vez sugeri a um amigo aqui de Berkeley para incluir no Unix um atraso aleatório em mensagens eletrônicas para ficar mais parecido com o correio... Pelo menos para mim o maior problema é o excesso de e-mails, umas 50 mensagens por dia de trabalho, palestra, família, namorada e tudo mais, descontando o spam. Essa quantidade toda cria esta situação que você descreve ao menos no meu caso. Quando volto de férias deleto as mais de 1000 mensagens que ficam atoladas no meu e-mail. Ter que responder logo senão perde o prazo de validade também destroí as mensagens e seu conteúdo... Sempre que escrevo uma carta a mão, tenho uma semana, um mês de coisas legais para dizer... Agora e-mail, mal você mandou já recebe outro! É quase terrorismo. Ou não.
[Leia outros Comentários de Ram]
24/4/2005
00h44min
Muito interessante e oportuno este artigo. Trata-se de algo que me irrita muito, enviar um e-mail a um "amigo" e ser ignorado. Isso demonstra a superficialidade das relações de amizade hoje; todos andam com muita pressa para não fazer nada.
[Leia outros Comentários de Claudio Malagrino]
24/4/2005
22h44min
Bravo, Adriana! Chegou-me em muito boa hora, através de um amigo, a indicação para a leitura desta sua coluna. Como você, eu também andei me questionando sobre a minha, outrora elogiada, "inteligência emocional" e o que poderia estar acontecendo com ela... Definitivamente, não consigo entender, nem aceitar, tanta "falta de educação", nas atuais relações de amizade, mais constrangedoras ainda, se cultivadas via internet. O descaso é muito grande. Poucas são as pessoas que têm a "delicadeza" de, pelo menos, agradecer pelas mensagens que recebem, quanto mais interagir com o emitente das mesmas... Por diversas ocasiões, questiono-me se "alguns endereços de e-mails" ainda estão válidos, ou se os destinatários ainda estão em circulação por esses "evoluídos", mas nada cavalheiros, caminhos virtuais! Aproveitando o ensejo, meus parabéns, Você nasceu para escrever, pois o faz com muita propriedade! Um abraço, dessa leitora e fruidora atenta, porquanto mais não sou, Lou.
[Leia outros Comentários de Lou Correia]
10/5/2005
13h46min
Penso e ajo da mesma forma que você. Obrigada.
[Leia outros Comentários de Raydália]
29/8/2005
13h15min
Ótima matéria. Concordo. Talvez se fosse menor, apenas, melhor...
[Leia outros Comentários de Rodrigo Barbieri]
22/10/2005
23h11min
Parabéns, Adriana, por ter escrito sobre essa questão tão atual de responder os e-mails. Concordo com vc. Atualmente as pessoas estão assim, tanto na internet como fora dela: dando pouca importância aos outros. Vamos ver se essa situação melhora.
[Leia outros Comentários de Carolina Falcone]
27/6/2009
00h16min
Parabéns, acho mesmo que hoje em dia as pessoas estão muito individualistas - e sem educação -, como se o mundo fosse só delas, se esquecendo de que vivem em sociedade e dela precisam. Sinto muito pelo fato de o mundo estar dessa maneira tão sem educação.
[Leia outros Comentários de bethy maia]
27/6/2009
13h47min
Gostei muito do que a Adriana Baggio escreveu, ultimamente não só em e-mails mas em sites de relacionamento, como o Orkut, há uma grande falta de respeito. Parabéns, Adriana, e um grandioso abraço!
[Leia outros Comentários de Niéri Lima]
6/5/2010
14h00min
Perfeito! Acho então que precisamos fazer com que nosso e-mail seja "protegido" tanto quanto o é nosso endereço físico, de nossa moradia. Ou seja, não o dê a qualquer um. Mas isto só resolve parte dos problemas e logo veremos que não se trata somente dos e-mails, mas da EDUCAÇÃO e da CONSIDERAÇÃO em si. O "buraco" é mais embaixo...
[Leia outros Comentários de mauricio]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CACUÍ O CURUMIM ENCANTADO
JOSÉ ARRABAL
PAULINAS
(2006)



POR QUE VOCÊ NÃO QUER MAIS IR À IGREJA?
WAYNE JACOBSEN E DAVE COLEMAN
ARQUEIRO
(2009)



A CIDADE DOS PRODÍGIOS
EDUARDO MENDOZA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1987)



A DOENÇA COMO CAMINHO- UMA VISÃO NOVA DA CURA COMO PONTO DE MUTAÇÃO EM QUE UM MAL SE DEIXA TRANSFORMAR EM BEM
THORWALD DETHLEFSEN, RÜDIGER DAHLKE
CULTRIX
(2007)



O SOBRINHO DE WITTGENSTEIN
THOMAS BERNHARD
ROCCO
(1992)
+ frete grátis



O CARROSSEL
ROSAMUNDE PILCHER
BERTRAND BRASIL
(2000)
+ frete grátis



FUNDAMENTOS DA PSICANÁLISE DE FREUD A LACAN VOLUME 1
MARCO ANTÔNIO COUTINHO JORGE
JORGE ZAHAR EDITOR
(2000)
+ frete grátis



AUTOPERCEPÇÃO- O QUE PODEMOS APRENDER COM O SISTEMA IMUNOLÓGICO
GERALDO N. CALLAHAN
SENAC
(2002)
+ frete grátis



SAGA BRASILEIRA
MIRIAM LEITÃO
RECORD
(2001)
+ frete grátis



BENCHMARKING- UMA FERRAMENTA PARA A MELHORIA CONTÍNUA
KATHLEEN H.J.LEIBFRIED; C.J.MCNAIR, CMA
CAMPUS
(1994)
+ frete grátis





busca | avançada
45452 visitas/dia
1,5 milhão/mês