3 Grandes Escritores Maus | Alexandre Soares Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
35261 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> "Te Amo, Franco Roo!", espetáculo que homenageia a Praça Roosevelt, estreia dia 08 de maio
>>> Plante Uma Árvore em prol da sustentabilidade
>>> Sem Censura celebra parceria de Cauby Peixoto e Angela Maria
>>> Gambiarra Lab é um dos destaques do LabCriativo (RJ)
>>> NAVEGADOR AMYR KLINK É O ENTREVISTADO DO PROGRAMA FACE A FACE DESTA TERÇA-FEIRA (3/5)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Tricordiano, o futebol é cardíaco
>>> Ação Social
>>> Antes que seque
>>> Etapas em combustão
>>> Antonia, de Morena Nascimento
>>> O suicídio na literatura
>>> 'As vantagens do pessimismo', de Roger Scruton
>>> E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez
>>> Literatura engajada
>>> O Novo Museu da Estação da Luz: uma Proposta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Temporada 2016 do Mozarteum
>>> Curso de projetos literários
>>> Patuá em festa
>>> Literatura: direito humano
>>> Geraldo Rufino no #MitA
>>> Portal dos Livreiros: 6 meses!
>>> Ryley Walker
>>> Leia Mulheres - BH
>>> Adagio ma non troppo
>>> Psiu Poético 30 anos
Últimos Posts
>>> Ratazanas, moscas e abelhas
>>> Cabeça de Boi
>>> O trem da saudade
>>> Verdades sobre o mundo acadêmico
>>> O Inclassificável - A Sala Vazia
>>> O Inclassificável
>>> Apenas entreabertas as gavetas
>>> O Cárcere
>>> d'EUS
>>> 5 coisas que o escritor iniciante precisa saber
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> De Bach a Borges, com J. M. Coetzee
>>> De Bach a Borges, com J. M. Coetzee
>>> Bombril: a marca que não evoluiu com as mulheres
>>> E Viva a Abolição - a peça
>>> Journey
Mais Recentes
>>> Marxisme et theorie de la personnalité
>>> REVIVAL
>>> MR MERCEDES
>>> COMO EU ERA ANTES DE VOCE
>>> DE VOLTA AO JOGO
>>> A Louca de Maigret
>>> O Burgomestre de Furnes
>>> Maigret e o Ministro
>>> A Fuga do Sr.Monde
>>> Maigret e o Corpo Sem Cabeça
>>> Mulher no Escuro
>>> Amigos, Amantes, Chocolate
>>> Morte de Um Holandês
>>> Uma Agulha Para o Diabo e Outras Histórias
>>> Unidos Para Sempre
>>> Pedaço do Meu Coração
>>> Anatomia de Um Crime
>>> Prenda-me, Por Favor
>>> O Homem dos Círculos Azuis
>>> Serena
>>> Beco dos Mortos
>>> Getúlio 1882-1930
>>> Revista Realidade
>>> Montenegro - As Aventuras do Marechal Que Fez Uma Revolução nos Céus do Brasil
>>> Além do Feijão Com Arroz
>>> Contos Escolhidos
>>> Bandeira de Bolso - Uma Anotologia Poética
>>> Às Cegas
>>> Microcosmos
>>> O Tempero da Vida e Outros Ensaios
>>> O Homem Eterno
>>> Bumerangue
>>> Rodolfo Theophilo - O Varão Benemérito da Pátria
>>> Dez Mil Guitarras
>>> A Auséncia Que Seremos
>>> Vozes
>>> Morte na Primavera
>>> Diário da Queda
>>> Scarpetta
>>> Um Safado em Dublin
>>> Sherlock Holmes & Einstein no Caso dos Cientistas Assassinados
>>> Mortalha Não Tem Bolso
>>> O Silêncio do Túmulo
>>> O Herói Discreto
>>> Os Irmãos Karamabloch - Ascensão e Queda de Um Império Familiar
>>> Trapaça Mortal
>>> Os Corvos de Hollywood
>>> O Jogo de Ripley
>>> Falcão - Meninos do Tráfico
>>> O Caso das Mangas Explosivas
COLUNAS >>> Especial Literatura

Terça-feira, 20/11/2001
3 Grandes Escritores Maus
Alexandre Soares Silva

+ de 5200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Não se escreve sem veneno. Não se escreve sem violência. Literatura é civilizatória (talvez), mas não é civilizada- uma grande diferença. O escritor está mais perto do saqueador, roubando e destruindo, do que do juiz, do dentista, do presidente do Rotary Clube.

Lembro que quando eu tinha nove, dez anos, escrevi um livro, o terceiro ou quarto que comecei e nunca terminei, sobre uma revolução na minha escola. Os alunos tinham prendido os professores numa sala. A professora de geometria (uma mulher chamada Olanyr) tinha sido amarrada no alto de um poste fincado no centro exato da quadra de vôlei. Era o “Poste dos Martírios”. As crianças jogavam machados nela. Eram machadinhos, pequenos e leves, e ela não morreu logo, se me lembro bem - um machado entrou na perna, outro na mão, outro ainda na madeira...O pecado dela não era que ela quisesse nos ensinar, é claro, mas o fato de ser muito antipática. Meus amigos acharam graça. Alguns, os mais bobinhos, ficaram chocados. Alguns colaboraram com ilustrações.

Mas o fato é que por trás de grande parte da literatura existem sentimentos parecidos com esse, mais ou menos disfarçados. Está certo que comparar Jane Austen com um pirata, digamos, é um tanto absurdo, e que tentar ver Henry James como saqueador não é só grotesco, é impossível. Mas há uma longa linhagem de Grandes Escritores Maus: Saki, Sinclair Lewis, Auberon Waugh, Barbey D’Aurevilly, Nicolau Tolentino, Gregório de Matos, Aretino, Patricia Highsmith, Flaubert, Zola, Oscar Wilde, Jonathan Swift...

A seguir vão três Grandes Escritores Maus. São três; eles são inegavelmente grandes; e que são mauzinhos, são. Fazem parte da escola Assusta-Velhinha de literatura, cujo santo padroeiro é Saki, o autor de um conto em que uma menina chatinha é devorada por um lobo por ser excessivamente virtuosa (The Story-Teller), e de um outro em que uma tia chata é devorada por um deus encarnado no corpo de um furão (Shredni Vashtar), para a alegria do sobrinho de 10 anos.

1) Vladimir Nabokov - Basta ler “Lolita”, um livro em grande parte escrito em animosidade contra a vulgaridade pop americana (não, me deixe reformular isso: contra a vulgaridade mundial). Ou a transcrição das aulas de Nabokov, dadas na Universidade de Cornell. Para o ódio de muitas pessoas (uma delas escreveu um artigo recentemente na Folha chamando Nabokov de “criminoso intelectual”), ele odiava Dostoiévski, Thomas Mann, Sartre, Camus, os beatniks, os adeptos da literatura engajada, os opositores da Guerra do Vietnã...e “livros bonitos”, como “Dr. Jivago”, de Boris Pasternak.

2) Evelyn Waugh - Waugh já foi chamado de “Gênio do Mal”. Hillaire Belloc, o poeta e polemista, quando foi apresentado ao jovem Waugh, disse que ele estava “com certeza possuído” (Belloc era católico e disse isso muito a sério). Waugh era esnobe, e era cruel. Desprezava o próprio pai porque o pai era de classe média. Desprezava (um pouco) os próprios filhos porque “crianças e adolescentes não tem distinção de modos ou de gosto”. Mas era muito engraçado. Leia “Um Punhado de Pó”, “O Ente Querido”, “The Ordeal of Gilbert Pinfold”. Junto com Nabokov, Waugh foi (na minha opinião, é claro- é preciso dizer?) o maior romancista do século. Ninguém escreve melhor do que ele.

3) Eça de Queiroz - Machado de Assis está para a ironia como Eça de Queiroz está para o sarcasmo. Eça, quando escrevia, desprezava o mundo de um modo violento. É difícil imaginar no mundo criado por Eça o homem sendo capaz de chegar à lua, por exemplo. Os astronautas passariam o tempo todo na terra passando xampú contra caspa, arrotando, escrevendo artigos políticos cheios de banalidades e exclamações.

Eça se dizia defensor do que ele chamava de “a bengalada do homem de bem”. Mas verdade seja dita, muitas vezes a sua bengala se descontrolava e ele assumia uma certa semelhança com Mr. Hyde (aquele), que numa certa manhã de Londres fez um cadáver quicar na calçada com o uso similar da bengala. Se você não tem paciência para livros compridos, leia “O Conde D’Abranhos”. Que escrevia maravilhosamente bem, não preciso dizer, preciso?


Alexandre Soares Silva
São Paulo, 20/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A biblioteca de C. G. Jung de Ricardo de Mattos
02. Fui pra Cuba de Marta Barcellos
03. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
04. Terna e assustadora realidade de Elisa Andrade Buzzo
05. Momento ideal & conciliação de Ana Elisa Ribeiro


Mais Alexandre Soares Silva
Mais Acessadas de Alexandre Soares Silva
01. Filhos de Francis - 15/11/2002
02. Polêmicas - 29/11/2002
03. Defesa dos Rótulos - 30/5/2003
04. Apresentação - 6/11/1968
05. Psiquiatra declara Japão Oficialmente Maluco - 31/5/2002


Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/7/2002
01h44min
Vlad era o mais terno dos escritores maus. Mas era mau. Ô. Aquele pedantismo cruel, que rechaçava os filisteus, tinha muitos ecos em Waugh também. E aquela linha fininha entre a ternura e uma atitude standoffish. Crueldade servida em xícaras de chá de porcelana, acompanhadas de tartes au miel. Nhamnham.
[Leia outros Comentários de Juliana O'Flahertie]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ABOLICIONISMO
JOAQUIM NABUCO
NOVA FRONTEIRA
(2000)
+ frete grátis



O MAR QUE A NOITE ESCONDE
ARAMIS RIBEIRO COSTA
ILUMINURAS
(1999)
+ frete grátis



INSPIRAÇÃO
CHICO XAVIER E EMMANUEL *ESPÍRITO*
GEEM GRUPO ESPÍRITA EMMANUEL
(1978)
+ frete grátis



A CABEÇA
LUIZ VILELA
COSAC & NAIFY
(2002)
+ frete grátis



COM OS OLHOS DO CORAÇÃO
JOSÉ CARLOS DE LUCCA
PETIT
(2005)
+ frete grátis



HORA CERTA
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER/EMMANUEL
GEEM
(2010)
+ frete grátis



VEJO VOCÊS EM BREVE
MARY HIGGINS CLARK
ROCCO
(1994)
+ frete grátis



ANTROPOLOGIA ESTRUTURAL
CLAUDE LÉVI-STRAUSS
TEMPO BRASILEIRO
(1967)
+ frete grátis



MARXISMO EXISTENCIALISMO PERSONALISMO
JEAN LACROIX
PAZ E TERRA
(1967)
+ frete grátis



OS PASSOS PERDIDOS
ALEJO CARPENTIER
BRASILIENSE
(1985)
+ frete grátis





busca | avançada
35261 visitas/dia
1,1 milhão/mês