O que está por baixo do medo de usar saia? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
17058 visitas/dia
635 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil apresenta show do Nação Zumbi no programa Todas as Bossas
>>> TV Brasil apresenta final da série O Tempo entre Costuras nesta sexta (13/1)
>>> TV Brasil homenageia Zygmunt Bauman nesta sexta (13/1)
>>> Teatro do Incêndio promove oficina cênica grátis com Kleber Montanheiro
>>> Valadão Muda o Mundo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
>>> O Natal de Charles Dickens
>>> Sobre mais duas novelas de Lúcio Cardoso
>>> Gerald Thomas: uma autobiografia
>>> Neste Natal etc. e tal
>>> 'Hysteria' Revisitada
>>> O tremor na poesia, Fábio Weintraub
>>> Lançamento de Viktor Frankl
>>> E por falar em aposentadoria
>>> O quanto podemos compreender
Colunistas
Últimos Posts
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
>>> Reid Hoffman por Tim Ferriss
>>> Software Programs the World
>>> Daphne Koller do Coursera
Últimos Posts
>>> Abraço
>>> Paralamas do Sucesso: Novo álbum e shows em SP
>>> Lô Borges ou a estreia 45 anos depois
>>> Águas abertas ao mito
>>> Arranha-céu
>>> Da população ao empoderamento de Brasília
>>> Belém do Pará, ano um. 401.
>>> Na trilha de um corredor
>>> Entropias
>>> Sigmund Freud, neuroses e ciúme em destaque
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Eu nunca fui nerd
>>> Um brasileiro no Uzbequistão (IV)
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> A seguir cenas dos próximos capítulos
>>> A literatura de ficção morreu?
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Mamilos
>>> FHC abrindo a Flip 2010
>>> Semana da Canção Brasileira
Mais Recentes
>>> A executiva
>>> Collins Press (UK
>>> Great Expectations
>>> Obras
>>> As Dimensões e os Extraterrestres
>>> Coração de Diamante - Livro Um- Elementos do Real no Homem e Essência
>>> Meus Antepassados
>>> Pinochio
>>> Como e porque se Faz Arte
>>> Alice no Pais da Mentira
>>> Seu Gentil
>>> O Catador de Papel
>>> O Maior Heroi do Mundo
>>> Senna
>>> Os meninos da rua Paulo
>>> O Som dos Acordes - Exercícios de acodes Para Piano e Jazz
>>> Epistemologias do Século XX-Popper- Kuhn- Lakatos- Laudan Bachelard, Toulmin,FEyerabend, Maturana, Bohm, Bunge, Prigogine, Mayr
>>> A Quem Enviarei? Doze Cestos Cheios- Volume 1
>>> Repertório
>>> Doze Cestos Cheios- Volume 1
>>> O Ateneu
>>> A Caça nos Sertões do Seridó
>>> O Mutirão no Nordeste
>>> A História da Imprensa no Brasil
>>> O Quinze
>>> A dominação ocidental na Ásia Vol. 1
>>> O Mandarim
>>> Revista Fluir Edição 228
>>> Constituicion de la Union de Republicas Socialistas Sovieticas
>>> Violão de Rua Vol. 2
>>> Veja 25 Anos: Reflexões Para O Futuro
>>> Violão de Rua
>>> Sonata de Primavera
>>> National Geographic Brasil Nº 08
>>> Revista Paisagismo E Jardinagem Especial Nº 24: Jardins Comerciais
>>> Poe's Prose Tales
>>> Michaelis Pequeno Dicionário: italiano-português português-italiano
>>> National Geographic Brasil Nº 34
>>> National Geographic Brasil Nº 16
>>> Revista Fluir Edição 159
>>> Tom Jones
>>> Revista Casa E Jardim Nº 537
>>> National Geographic Brasil Nº 05
>>> National Geographic Brasil Nº 23
>>> Encantador de Pessoas
>>> O Navio das Noivas
>>> Como eu era antes de Você
>>> A Garota que você deixou para trás
>>> Baía da esperança
>>> Quando você voltar
COLUNAS

Quinta-feira, 27/2/2014
O que está por baixo do medo de usar saia?
Adriana Baggio

+ de 2600 Acessos



Em meados de fevereiro, último dia daquela onda de calor que torrou os miolos dos curitibanos, alunos de uma faculdade de Comunicação Social aqui da cidade foram para aula usando saia.

A inspiração veio do rapaz no Rio de Janeiro que não pode ir trabalhar de bermuda. Já que as saias não eram proibidas, foi o que ele vestiu. Ficou famoso nas redes sociais. Aproveitando o vácuo da repercussão, o apresentador de TV Rodrigo Faro postou fotinha no dia seguinte chegando de saia na emissora. Como se fosse o que ele veste todo dia.

Mas enfim. Os alunos não são celebridades em busca de audiência e nem são proibidos de usar bermuda na faculdade. Suas motivações eram outras: questionar as proibições sem sentido; gerar uma reflexão sobre as constrições sociais que regem o que se pode ou não vestir; provocar uma fratura no senso comum, para que se entenda que essas coisas que parecem tão certas não têm nada de naturais. São culturais e, como cultura, podem mudar de uma época para outra, dependendo do pendor da sociedade.

Ao serem apresentados a esta ideia - ir de saia para a faculdade -, alguns tiveram receio: "Melhor não, vão pensar que sou gay". Por mais que não haja a mínima relação entre roupa e orientação sexual, quem pode culpá-los por pensar assim? Estamos tão habituados aos simulacros de gênero e sexualidade da nossa sociedade que mal nos damos conta do tanto de desconhecimento que envolve o assunto e a maneira como lidamos com ele.

A saia é uma roupa associada ao gênero feminino. Mas não foi sempre assim. Durante muito tempo, todo mundo, fosse homem ou mulher, usava "saia". Imperadores machos e viris usavam saia. Conquistadores bárbaros e cruéis usavam saia. Jesus usava saia. (E eu nunca ouvi ninguém dizer que Jesus era gay por causa disso.)

Gênero é uma construção cultural que classifica os seres humanos em homens e mulheres, ou seja, em gênero masculino e feminino. As marcas de gênero incluem, é óbvio, aspectos físicos e gestuais, mas não se limitam a eles. E nem sempre as marcas de gênero que certa pessoa apresenta correspondem ao seu sexo biológico.

Ser homem ou mulher - ou melhor, macho e fêmea -, tem a ver com a genitália que apresentamos ao nascer. Mas nem sexo (genitália) nem gênero (construções culturais) definem o que é ser gay ou hétero. A homossexualidade e a heterossexualidade têm a ver com a orientação dos nossos relacionamentos afetivo-sexuais.

É importante frisar o uso da palavra orientação (e não de outra mais determinante ou normativa). Primeiro: trata-se de algo com o qual a pessoa nasce, e não de uma "opção" feita em determinado momento da vida. Segundo: ela indica, e talvez isso seja o mais assustador para alguns, que eventualmente um heterossexual pode experimentar um episódio de homossexualidade. E vice-versa.

Se essas explicações desconstroem a associação entre a roupa e a homossexualidade, elas não dão conta de outros aspectos do receio expresso lá no começo, que seriam: a masculinidade de alguém é algo tão frágil que pode ser colocada em xeque pelo simples uso de uma peça de roupa? Quantos pesos é preciso carregar para ser reconhecido como homem em nossa sociedade? E mais: por que essa obsessão em determinar o que homens e mulheres podem ou não vestir?

Até poucos anos atrás, ainda existia no código penal da França uma lei que proibia as mulheres de usarem calça comprida. Na sua origem, a justificativa para essa lei era a necessidade de se identificar claramente os gêneros. Algo que não seria tão peremptório se os gêneros fossem tratados com igualdade, se um não tivesse mais privilégio do que outro. Certo?

Aliás - e isso é interessante -, as saias, hoje, são quase que "proibidas" também para as mulheres. No dia em que os alunos foram de saia à faculdade, suas colegas também usaram a mesma peça. E não precisa ser muito observador para se dar conta que poucas vezes elas foram vistas na sala de aula com aquela roupa, tão obviamente feminina.

É porque hoje não se usa saia impunemente. Uma mulher de saia (não importa o comprimento) é mais suscetível ao assédio físico e verbal, às "passadas de mão" e "encoxadas" nos transportes coletivos, ao estupro. Duvida? Dê uma olhada nos cartazes e nas palavras de ordem das manifestantes quando protestam contra a violência. Você vai ler e ouvir muitas vezes a palavra "saia".

A experiência que meninos e meninas viveram naquele dia ensinou mais do que qualquer aula sobre o respeito ao outro, sobre diversidade, sobre o fato de que roupa não determina caráter. Já o tratamento dado ao episódio por um certo programa de TV também ofereceu a estes alunos, futuros publicitários e jornalistas, uma lição inestimável: a do papel e da responsabilidade que tem a mídia no reforço e na perpetuação de estereótipos negativos, que por sua vez servem de base para a discriminação, a intolerância e a violência.

Apesar da abertura de pensamento que certamente o "saiaço" conseguiu promover, não há ilusão de que o preconceito acabe. Preconceito todos nós temos. Se é difícil desconstruí-los, pelo menos compreenda como eles se estruturam, controle-os e guarde-os para você. Ter opinião é permitido. Mas julgar e agredir outras pessoas por um motivo tão besta quanto a roupa que decidiram vestir (ou despir), isso é inadmissível.

P.S.: também sobre saias, veja Por que as curitibanas não usam saia? e Pô, gostei da sua saia.


Adriana Baggio
Curitiba, 27/2/2014


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMÉDIAS PARA SE LER NA ESCOLA
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(2001)
R$ 15,00
+ frete grátis



PRELÚDIO PARA A MORTE
VAL MCDERMID
BERTRAND BRASIL
(2009)
R$ 42,00
+ frete grátis



SEIS PEÇAS DE TEATRO PARA CRIANÇAS - STELLA LEONARDOS (TEATRO INFANTIL)
STELLA LEONARDOS
EDIOURO
R$ 8,00
+ frete grátis



SIMPLESMENTE CHIQUE - RECEITAS PRÁTICAS PARA SEU DIA A DIA
PAULA NASSER
DO AUTOR
(2015)
R$ 10,00
+ frete grátis



A ESTRATEGIA EM AÇÃO BALANCED SCORECARD
ROBERT S. KAPLAN / DAVID P. NORTON
CAMPUS
(1997)
R$ 45,00
+ frete grátis



A TRAMA DOS TAMBORES - A MÚSICA AFRO-POP DE SALVADOR
GOLI GUERREIRO
34
(2000)
R$ 20,00
+ frete grátis



TEM GENTE QUE SÓ SE MATA POR ERRO DE CÁLCULO
TEM GENTE QUE SÓ SE MATA POR ERRO DE CÁLCULO
REDONDEZAS CONTOS
(2013)
R$ 11,00
+ frete grátis



LIBRAS, QUE LÍNGUA É ESSA?
AUDREI GESSER
PARÁBOLA
(2009)
R$ 10,00
+ frete grátis



THE POWER OF GENEROSITY
DAVE TOYCEN
AUTHENTIC MEDIA
(2004)
R$ 12,00
+ frete grátis



REDAÇÃO E INTERPRETÇÃO INSTRUMENTAL
WILSON DE ARAÚJO MELO
RIO
(1980)
R$ 9,00
+ frete grátis





busca | avançada
17058 visitas/dia
635 mil/mês