O que está por baixo do medo de usar saia? | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
61697 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> Cidade surreal
>>> O Enriquecer é Glorioso!
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> 'Um Conto Chinês' e o absurdo da vida
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> Concurso literário, caminho para a publicação
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> O Público Contra Yayoi Kusama
>>> O africano e o taubateano
>>> Fake na art e a pet humana
Colunistas
Mais Recentes
>>> O Digestivo nas Copas
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
Últimos Posts
>>> Petite Messe Solennelle
>>> Stevie Ray Vaughan em Montreux
>>> The Innovators Walter Isaacson
>>> Suassuna no Digestivo
>>> Fire Phone by Jeff Bezos
>>> Trágico e Cômico, o debate
>>> A volta do 'louco da plateia'
>>> Ascensão e queda:lançamento
>>> Bruna Beber no Sesc Palladium
>>> Ubaldo no Roda-Viva
Mais Recentes
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
>>> 40 mil seguidores no Twitter
Mais Recentes
>>> Raul Gil e sua usina de cantores
>>> Oversharing: que negócio é esse?
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> Curiosidades da Idade Média
>>> Brasil brochou na Copa
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais
>>> A Menina Quebrada
>>> Sobre o Jabá
>>> Sobre o Jabá
>>> Roland Barthes e o prazer do texto
LIVROS
Mais Recentes
>>> Half Bad
>>> Guia Paris de Bicicleta
>>> Guia Londres de Bicicleta
>>> O Guia Do Herói Para Invadir O Castelo
>>> Guia Berlim de Bicicleta
>>> Guia Barcelona de Bicicleta
>>> Guia Amsterdã de Bicicleta
>>> Guardiã dos Segredos do Amor
>>> Gourmet Sem Segredos
>>> Gestao social e trabalho social
>>> Garfield - Quebra-cabeças
>>> Ganhar Para Perder
>>> O Fantasma Vai à Guerra
>>> Fantasma
>>> Esta é a verdadeira história do Paraíso
>>> Essa Cara Não Me é Estranha E Outros Poemas
>>> O espelho do tempo
>>> Entre o Amor e o Silêncio
>>> Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana
>>> A Encantadora De Homens
>>> Educação Ambiental
>>> Duas Verdades e uma Vezes Mentira
>>> Direito Tributário e Financeiro
>>> Direito Tributário
>>> Direito Processual Penal
>>> A Dieta Parisiense
>>> O Dia em que Troque Meu Pai Por Dois Peixinhos Dourados
>>> Desenhos - passo a passo
>>> Crochê Passo a Passo
>>> Criptograma 32
>>> Cozinhar - Uma história natural de transformação
>>> A Cor Do Leite
>>> Conversas políticas, desafios públicos
>>> O Conto Do Covarde
>>> Como Treinar o Seu Trem
>>> Como ser um grande lider e influenciar pessoas
>>> Como Sair Da Friend Zone
>>> O Cavaleiro na Encruzilhada
>>> Casamento à Prova De Traição
>>> Carreiras Bancárias
>>> Equipes de Resgate - Brincando Com Meus Amigos
>>> O Bom Prefeito
>>> Bolos de Festa Para Assar e Decorar
>>> Beijos de areia
>>> Battlefield 4 - Contagem Regressiva
>>> Batman - A luta contra o crime
>>> Autonomia e Ética na Escola
>>> Assistência na Trajetória das Políticas Sociais Brasileiras
>>> Ascensão do Império
>>> O Artífice
COLUNAS

Quinta-feira, 27/2/2014
O que está por baixo do medo de usar saia?
Adriana Baggio

+ de 900 Acessos



Em meados de fevereiro, último dia daquela onda de calor que torrou os miolos dos curitibanos, alunos de uma faculdade de Comunicação Social aqui da cidade foram para aula usando saia.

A inspiração veio do rapaz no Rio de Janeiro que não pode ir trabalhar de bermuda. Já que as saias não eram proibidas, foi o que ele vestiu. Ficou famoso nas redes sociais. Aproveitando o vácuo da repercussão, o apresentador de TV Rodrigo Faro postou fotinha no dia seguinte chegando de saia na emissora. Como se fosse o que ele veste todo dia.

Mas enfim. Os alunos não são celebridades em busca de audiência e nem são proibidos de usar bermuda na faculdade. Suas motivações eram outras: questionar as proibições sem sentido; gerar uma reflexão sobre as constrições sociais que regem o que se pode ou não vestir; provocar uma fratura no senso comum, para que se entenda que essas coisas que parecem tão certas não têm nada de naturais. São culturais e, como cultura, podem mudar de uma época para outra, dependendo do pendor da sociedade.

Ao serem apresentados a esta ideia - ir de saia para a faculdade -, alguns tiveram receio: "Melhor não, vão pensar que sou gay". Por mais que não haja a mínima relação entre roupa e orientação sexual, quem pode culpá-los por pensar assim? Estamos tão habituados aos simulacros de gênero e sexualidade da nossa sociedade que mal nos damos conta do tanto de desconhecimento que envolve o assunto e a maneira como lidamos com ele.

A saia é uma roupa associada ao gênero feminino. Mas não foi sempre assim. Durante muito tempo, todo mundo, fosse homem ou mulher, usava "saia". Imperadores machos e viris usavam saia. Conquistadores bárbaros e cruéis usavam saia. Jesus usava saia. (E eu nunca ouvi ninguém dizer que Jesus era gay por causa disso.)

Gênero é uma construção cultural que classifica os seres humanos em homens e mulheres, ou seja, em gênero masculino e feminino. As marcas de gênero incluem, é óbvio, aspectos físicos e gestuais, mas não se limitam a eles. E nem sempre as marcas de gênero que certa pessoa apresenta correspondem ao seu sexo biológico.

Ser homem ou mulher - ou melhor, macho e fêmea -, tem a ver com a genitália que apresentamos ao nascer. Mas nem sexo (genitália) nem gênero (construções culturais) definem o que é ser gay ou hétero. A homossexualidade e a heterossexualidade têm a ver com a orientação dos nossos relacionamentos afetivo-sexuais.

É importante frisar o uso da palavra orientação (e não de outra mais determinante ou normativa). Primeiro: trata-se de algo com o qual a pessoa nasce, e não de uma "opção" feita em determinado momento da vida. Segundo: ela indica, e talvez isso seja o mais assustador para alguns, que eventualmente um heterossexual pode experimentar um episódio de homossexualidade. E vice-versa.

Se essas explicações desconstroem a associação entre a roupa e a homossexualidade, elas não dão conta de outros aspectos do receio expresso lá no começo, que seriam: a masculinidade de alguém é algo tão frágil que pode ser colocada em xeque pelo simples uso de uma peça de roupa? Quantos pesos é preciso carregar para ser reconhecido como homem em nossa sociedade? E mais: por que essa obsessão em determinar o que homens e mulheres podem ou não vestir?

Até poucos anos atrás, ainda existia no código penal da França uma lei que proibia as mulheres de usarem calça comprida. Na sua origem, a justificativa para essa lei era a necessidade de se identificar claramente os gêneros. Algo que não seria tão peremptório se os gêneros fossem tratados com igualdade, se um não tivesse mais privilégio do que outro. Certo?

Aliás - e isso é interessante -, as saias, hoje, são quase que "proibidas" também para as mulheres. No dia em que os alunos foram de saia à faculdade, suas colegas também usaram a mesma peça. E não precisa ser muito observador para se dar conta que poucas vezes elas foram vistas na sala de aula com aquela roupa, tão obviamente feminina.

É porque hoje não se usa saia impunemente. Uma mulher de saia (não importa o comprimento) é mais suscetível ao assédio físico e verbal, às "passadas de mão" e "encoxadas" nos transportes coletivos, ao estupro. Duvida? Dê uma olhada nos cartazes e nas palavras de ordem das manifestantes quando protestam contra a violência. Você vai ler e ouvir muitas vezes a palavra "saia".

A experiência que meninos e meninas viveram naquele dia ensinou mais do que qualquer aula sobre o respeito ao outro, sobre diversidade, sobre o fato de que roupa não determina caráter. Já o tratamento dado ao episódio por um certo programa de TV também ofereceu a estes alunos, futuros publicitários e jornalistas, uma lição inestimável: a do papel e da responsabilidade que tem a mídia no reforço e na perpetuação de estereótipos negativos, que por sua vez servem de base para a discriminação, a intolerância e a violência.

Apesar da abertura de pensamento que certamente o "saiaço" conseguiu promover, não há ilusão de que o preconceito acabe. Preconceito todos nós temos. Se é difícil desconstruí-los, pelo menos compreenda como eles se estruturam, controle-os e guarde-os para você. Ter opinião é permitido. Mas julgar e agredir outras pessoas por um motivo tão besta quanto a roupa que decidiram vestir (ou despir), isso é inadmissível.

P.S.: também sobre saias, veja Por que as curitibanas não usam saia? e Pô, gostei da sua saia.


Adriana Baggio
Curitiba, 27/2/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Billy Wilder: o mestre do cinema, parte II de Gian Danton
02. Bruce, Bane e Batman de Vicente Escudero
03. Meu carcereiro predileto de Ana Elisa Ribeiro
04. A seleção de Dunga de Humberto Pereira da Silva
05. Minha lista possível de Luiz Rebinski Junior


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



>>> Romance canadense reinterpreta a capital francesa com perspicácia e estilo próprio
>>> Estúdio Móvel traça um panorama da obra do cineasta Luiz Carlos Lacerda
>>> Caminhos da Reportagem analisa o crescimento do mercado de games no país
>>> Prosa Pedagógica é mais uma iniciativa da Faculdade Messiânica
>>> Catuaí Shopping abre Festival Blues de Londrina
>>> Duo Milewski é destaque na programação do Música no Museu
* clique para encaminhar

Nova Fronteira
Editora Perspectiva
Globo Livros
Intrínseca
Civilização Brasileira
Arquipélago Editorial
Primavera Editorial
Bertrand Brasil
Hedra
Companhia das Letras
Editora Record
WMF Martins Fontes
Editora Conteúdo
Madras Editora
Cortez Editora
Best Seller
José Olympio
LIVROS


GESTAO SOCIAL E TRABALHO SOCIAL
Por R$ 42,95
+ frete grátis



CONVERSAS POLÍTICAS, DESAFIOS PÚBLICOS
Por R$ 27,95
+ frete grátis



BROTOS - RECEITAS DA CULINÁRIA VIVA
Por R$ 31,95
+ frete grátis



COMO SAIR DA FRIEND ZONE
Por R$ 28,95
+ frete grátis



DIREITO TRIBUTÁRIO
Por R$ 54,95
+ frete grátis



AFORISMOS SEM JUÍZO
De R$ 25,00
Por R$ 17,70
Economize R$ 7,30



LEVANDO AS PESSOAS COM VOCÊ
Por R$ 53,95
+ frete grátis



CURSO DE DIREITO CIVIL 1 - PARTE GERAL
Por R$ 118,95
+ frete grátis



CURSO DE SOCIOLOGIA JURÍDICA
Por R$ 99,95
+ frete grátis



DOSTOIÉVSKI - DO DUPLO À UNIDADE
De R$ 59,00
Por R$ 44,24
Economize R$ 14,76



busca | avançada
61697 visitas/dia
2,0 milhão/mês