Woyzeck: um brasileiro | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/6/2003
Woyzeck: um brasileiro
Rennata Airoldi

+ de 2800 Acessos

Mil "Marias" morrem a cada minuto. E, ainda assim, ao soar a sirene da fábrica, tudo é esquecido, pois a vida tem que continuar. O tempo segue, os segundos, os minutos, as horas, os dias. A roda que movimenta a história não pára. Depois de um suspiro de adeus, uma breve tristeza quase que fingida. É assim: é isso que vale a vida de cada um de nós: um suspiro de piedade. Pobre Maria! Pobre de nós, sanguinários abutres diante da morte alheia. Talvez uma ou outra lágrima escorra pelo rosto cansado. Hoje em dia, em muitos momentos, o mundo se assemelha à um grande abatedouro. A vida está sempre por um fio.

Quando um homem não tem cultura, não tem um trabalho digno, não tem bens materiais, não lhe resta nada. Ou melhor, quase nada. Salvam-se os sentimentos, a dignidade, um sopro de esperança, um objetivo: ao menos alimentar um amor. Um paixão que move o cotidiano, um outro ser que torna a vida menos cinza, que traz um sentido. Todos vivem isso o tempo todo. E se esse amor o traísse? Será que, ainda assim, a fé no amanhã seria inabalável? A mente humana é capaz de cometer as maiores loucuras e sofrer os maiores delírios quando carregada de sentimentos e cega por pensamentos obscuros.

Woyzeck é um homem simples, como muitos que vemos todos os dias pelas cidades. Um homem que trabalha numa olaria e faz alguns bicos para ganhar mais dinheiro, para alimentar a boca de seu filho, para presentear sua Maria. Tudo em nome de seu amor. E esse nobre sentimento determina todas as suas atitudes, até mesmo ao tornar-se uma cobaia humana: ser fruto de experiências científicas. Um filho, uma mulher. Um homem honrado, um bom sujeito, como milhares de trabalhadores de nosso país. Este é o ponto de partida dessa história.

Incrível a capacidade do artista de se adaptar e de ver tudo que está contido numa obra. Georg Büchner escreveu Woyzeck em 1837 deixando a obra inacabada. Mais de um século depois, a obra adaptada por Fernando Bonassi, Cibeli Forjaz e Matheus Nachtergaele, ainda nos diz tanto! A partir do homem, do átomo, da fala simples, da essência, do amor. Transportado para um Brasil pobre e faminto, a peça parece traduzir um pouco de cada um dos espectadores. Em cena, todos trabalham quase o tempo todo. A roda gira e a mesmice dos movimentos repetidos chega a causar tédio. Que "vidinha" mais miserável! E esses trabalhadores, ainda assim, são capazes de cantar, dançar, sorrir e dizer: "Acordei tão feliz hoje"! Diante disso, só isso. Tão pouco... Apenas o suficiente.

Por outro lado, a adaptação deixa um pouco a demência e a ignorância do personagem principal, floreando e transformando o que é intragável em lúdico e lírico. É uma escolha. Na obra de Büchner, Woyzeck é mais animal e bruto. O mundo à sua volta é mais frio. Aqui, tudo é mais bonito e mais organizado. Talvez, falte um pouco de abismo nesse chão tão firme e organizado, sugerido pela direção e pelo texto adaptado.

O espectador entra num espaço, compõe com ele, vive intensamente o movimento das cenas. Isso, sem dúvida, faz com que todos se sintam um pouco culpados pelas ações cênicas. É quase impossível fazer algum tipo de crítica, pois o espetáculo é tão redondo, tão intenso e tão emocionante ao mesmo tempo que só assistindo para sentir o que é fazer parte de uma peça teatral. Atores o tempo todo cara a cara com os espectadores! O galpão onde se passa a peça é a olaria. E tudo em volta faz parte do ambiente, é parte desse grande cenário. Do chão ao teto, nos mínimos detalhes. Ao entrar e se sentar, o espectador é transportado para esse universo; só se desprendendo dele quando chegam os aplausos finais.

Tudo se completa dentro da proposta: figurino, cenário, trilha. O que é muito interessante também é que há um elenco de extrema diversidade, que consegue, no conjunto, traduzir a sensação de "povo". De um grupo que carrega muitas diferenças não só físicas, mas na maneira de atuar, de falar, de agir. E tudo misturado vira uma grande massa. A impressão que temos, conforme os múltiplos cenários se desvendam, é a de estarmos numa cidade real, ou dentro de um filme. A dinâmica desse movimento cênico é incrível o que faz com que a peça prenda a atenção do espectador o tempo todo. A direção de Cibele Forjaz, sutil e precisa, é responsável pela unidade dentro de tantos movimentos descompassados. Na verdade, até o caos das ações simultâneas têm uma ordem, como se tudo fosse parte de um mecanismo. Como se fossem as peças de uma grande máquina. Resultando sempre num pulso comum.

Entretanto, o que realmente impressiona é a verdade cênica. Os atores estão o tempo todo em cena e ali, vivem aquela história com uma convicção absoluta. Não há dúvida que todos compraram uma idéia e crêem na mesma. E assistir o ator Matheus Nachtergaele em cena é não só uma lição de interpretação, mas também de entrega e de generosidade. É de grande coragem manter uma produção como essa. Sem dúvida, há que se tirar o chapéu pela iniciativa.

É fundamental que atores consagrados não se acomodem diante de sua arte, diante dos próprios questionamentos e a refletir e a traduzir toda a inquietação e a angústia em seu trabalho. Às vezes, é mais cômodo buscar o óbvio quando já existe a facilidade de uma estrutura. O que não é o caso aqui, pelo contrário. A profundidade do teatro-pesquisa não deve ser uso exclusivo de grupos alternativos ou de um teatro underground. É preciso que todo artista, independente de seu "status" perante a mídia e o público, continue sempre carregando consigo a inquietação, a vontade de gritar, de transformar. Continue sempre sendo um amador, no bom sentido, no sentido de amar a arte!

Em "Woyzeck, o Brasileiro", há um pouco de tudo isso. Há uma belíssima e competente produção, sem dúvida, mas há também a necessidade de se mostrar as feridas, os nossos pesadelos, o não conformismo com este mundo cão. A obra de Büchner exposta aqui, de maneira tão acessível, traduz parte de nossa história, parte da alma humana; independente de cor, credo ou classe social. Embora, justamente nestes pontos, a adpatação pudesse ter tido um maior apego ao "escremento" que ao "virtuoso". Ainda assim, amor é amor, humilhação é humilhação, dignidade é sempre dignidade. O que muda? Cada um tem seus próprios limites.

Para ir além
Woyzeck, o Brasileiro está em cartaz no SESC Belenzinho até o dia 3 de agosto. Sábados e domingos às 21 hrs. (Av. Álvaro Ramos, nº 915 - Tel:. 11 6602-3700.


Rennata Airoldi
São Paulo, 18/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
04. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2003
01. Temporada de Gripe - 17/11/2003
02. O Belo Indiferente - 24/9/2003
03. As Nuvens e/ou um deus chamado dinheiro - 4/6/2003
04. Zastrozzi - 2/7/2003
05. José Tonezzi: Arte e Pesquisa Sem Fronteiras - 12/2/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ECOLOGIA - GRITO DA TERRA, GRITO DOS POBRES
LEONARDO BOFF
ÁTICA
(1995)
R$ 20,00



O PRIMEIRO MINISTRO
ARTHUR HAILEY
NOVA FRONTEIRA
R$ 6,90



LINGUAGEM E COMPORTAMENTO SOCIAL
W. P. ROBINSON
CULTRIX
(1977)
R$ 21,82



PARCEIROS DO RIO BONITO
ANTONIO CANDIDO
DUAS CIDADES
(1977)
R$ 20,00



A EXPEDIÇÃO KON-TIKI 8000 KM NUMA JANGADA ATRAVÉS DO PACIFICO
THOR HEYERDHAL
MELHORAMENTOS
(1951)
R$ 25,00



WILD CARDS - ASES NAS ALTURAS - LIVRO 2
GEORGE R. R. MARTIM
LEYA
(2013)
R$ 24,00



O LÍDER DO FUTURO
JOHN NAISBITT
SEXTANTE
(2007)
R$ 10,00



A GESTÃO DE FICHEIROS EM INFORMÁTICA
VICENT CORDONNIER
RÉS
(1982)
R$ 45,00



VOU EMAGRECER... AINDA QUE ISSO ME MATE
DOROTHY JOANA HARRIS
MELHORAMENTOS
(2007)
R$ 9,89



SOMOS FILHOS DA PÓLIS 8ª SÉRIE - 9° ANO 2008
SILVIO WONSOVICZ
SOPHOS
(2008)
R$ 39,00





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês