Woyzeck: um brasileiro | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
>>> A princesa insípida e o caçador
Mais Recentes
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
>>> Para Todos os Amores Errados de Clarissa Corrêa pela Gutenberg (2012)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Principis (2019)
>>> Antologia poetica de fernando pessoa de Walmir ayala pela Ediouro
>>> Sermões de Padre Antônio Vieira pela Principis (2019)
>>> Minha Paris de Gail Scott pela Autêntica (2014)
>>> Uma longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O Ciclista de Walter Moreira Santos pela Autêntica (2008)
>>> Dark Eden de Patrick Carman pela Gutenberg (2012)
>>> A primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Querido John - de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/6/2003
Woyzeck: um brasileiro
Rennata Airoldi

+ de 3000 Acessos

Mil "Marias" morrem a cada minuto. E, ainda assim, ao soar a sirene da fábrica, tudo é esquecido, pois a vida tem que continuar. O tempo segue, os segundos, os minutos, as horas, os dias. A roda que movimenta a história não pára. Depois de um suspiro de adeus, uma breve tristeza quase que fingida. É assim: é isso que vale a vida de cada um de nós: um suspiro de piedade. Pobre Maria! Pobre de nós, sanguinários abutres diante da morte alheia. Talvez uma ou outra lágrima escorra pelo rosto cansado. Hoje em dia, em muitos momentos, o mundo se assemelha à um grande abatedouro. A vida está sempre por um fio.

Quando um homem não tem cultura, não tem um trabalho digno, não tem bens materiais, não lhe resta nada. Ou melhor, quase nada. Salvam-se os sentimentos, a dignidade, um sopro de esperança, um objetivo: ao menos alimentar um amor. Um paixão que move o cotidiano, um outro ser que torna a vida menos cinza, que traz um sentido. Todos vivem isso o tempo todo. E se esse amor o traísse? Será que, ainda assim, a fé no amanhã seria inabalável? A mente humana é capaz de cometer as maiores loucuras e sofrer os maiores delírios quando carregada de sentimentos e cega por pensamentos obscuros.

Woyzeck é um homem simples, como muitos que vemos todos os dias pelas cidades. Um homem que trabalha numa olaria e faz alguns bicos para ganhar mais dinheiro, para alimentar a boca de seu filho, para presentear sua Maria. Tudo em nome de seu amor. E esse nobre sentimento determina todas as suas atitudes, até mesmo ao tornar-se uma cobaia humana: ser fruto de experiências científicas. Um filho, uma mulher. Um homem honrado, um bom sujeito, como milhares de trabalhadores de nosso país. Este é o ponto de partida dessa história.

Incrível a capacidade do artista de se adaptar e de ver tudo que está contido numa obra. Georg Büchner escreveu Woyzeck em 1837 deixando a obra inacabada. Mais de um século depois, a obra adaptada por Fernando Bonassi, Cibeli Forjaz e Matheus Nachtergaele, ainda nos diz tanto! A partir do homem, do átomo, da fala simples, da essência, do amor. Transportado para um Brasil pobre e faminto, a peça parece traduzir um pouco de cada um dos espectadores. Em cena, todos trabalham quase o tempo todo. A roda gira e a mesmice dos movimentos repetidos chega a causar tédio. Que "vidinha" mais miserável! E esses trabalhadores, ainda assim, são capazes de cantar, dançar, sorrir e dizer: "Acordei tão feliz hoje"! Diante disso, só isso. Tão pouco... Apenas o suficiente.

Por outro lado, a adaptação deixa um pouco a demência e a ignorância do personagem principal, floreando e transformando o que é intragável em lúdico e lírico. É uma escolha. Na obra de Büchner, Woyzeck é mais animal e bruto. O mundo à sua volta é mais frio. Aqui, tudo é mais bonito e mais organizado. Talvez, falte um pouco de abismo nesse chão tão firme e organizado, sugerido pela direção e pelo texto adaptado.

O espectador entra num espaço, compõe com ele, vive intensamente o movimento das cenas. Isso, sem dúvida, faz com que todos se sintam um pouco culpados pelas ações cênicas. É quase impossível fazer algum tipo de crítica, pois o espetáculo é tão redondo, tão intenso e tão emocionante ao mesmo tempo que só assistindo para sentir o que é fazer parte de uma peça teatral. Atores o tempo todo cara a cara com os espectadores! O galpão onde se passa a peça é a olaria. E tudo em volta faz parte do ambiente, é parte desse grande cenário. Do chão ao teto, nos mínimos detalhes. Ao entrar e se sentar, o espectador é transportado para esse universo; só se desprendendo dele quando chegam os aplausos finais.

Tudo se completa dentro da proposta: figurino, cenário, trilha. O que é muito interessante também é que há um elenco de extrema diversidade, que consegue, no conjunto, traduzir a sensação de "povo". De um grupo que carrega muitas diferenças não só físicas, mas na maneira de atuar, de falar, de agir. E tudo misturado vira uma grande massa. A impressão que temos, conforme os múltiplos cenários se desvendam, é a de estarmos numa cidade real, ou dentro de um filme. A dinâmica desse movimento cênico é incrível o que faz com que a peça prenda a atenção do espectador o tempo todo. A direção de Cibele Forjaz, sutil e precisa, é responsável pela unidade dentro de tantos movimentos descompassados. Na verdade, até o caos das ações simultâneas têm uma ordem, como se tudo fosse parte de um mecanismo. Como se fossem as peças de uma grande máquina. Resultando sempre num pulso comum.

Entretanto, o que realmente impressiona é a verdade cênica. Os atores estão o tempo todo em cena e ali, vivem aquela história com uma convicção absoluta. Não há dúvida que todos compraram uma idéia e crêem na mesma. E assistir o ator Matheus Nachtergaele em cena é não só uma lição de interpretação, mas também de entrega e de generosidade. É de grande coragem manter uma produção como essa. Sem dúvida, há que se tirar o chapéu pela iniciativa.

É fundamental que atores consagrados não se acomodem diante de sua arte, diante dos próprios questionamentos e a refletir e a traduzir toda a inquietação e a angústia em seu trabalho. Às vezes, é mais cômodo buscar o óbvio quando já existe a facilidade de uma estrutura. O que não é o caso aqui, pelo contrário. A profundidade do teatro-pesquisa não deve ser uso exclusivo de grupos alternativos ou de um teatro underground. É preciso que todo artista, independente de seu "status" perante a mídia e o público, continue sempre carregando consigo a inquietação, a vontade de gritar, de transformar. Continue sempre sendo um amador, no bom sentido, no sentido de amar a arte!

Em "Woyzeck, o Brasileiro", há um pouco de tudo isso. Há uma belíssima e competente produção, sem dúvida, mas há também a necessidade de se mostrar as feridas, os nossos pesadelos, o não conformismo com este mundo cão. A obra de Büchner exposta aqui, de maneira tão acessível, traduz parte de nossa história, parte da alma humana; independente de cor, credo ou classe social. Embora, justamente nestes pontos, a adpatação pudesse ter tido um maior apego ao "escremento" que ao "virtuoso". Ainda assim, amor é amor, humilhação é humilhação, dignidade é sempre dignidade. O que muda? Cada um tem seus próprios limites.

Para ir além
Woyzeck, o Brasileiro está em cartaz no SESC Belenzinho até o dia 3 de agosto. Sábados e domingos às 21 hrs. (Av. Álvaro Ramos, nº 915 - Tel:. 11 6602-3700.


Rennata Airoldi
São Paulo, 18/6/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
02. Mark Dery e o cotidiano virtualizado de Guilherme Mendes Pereira
03. O caminho rumo ao som e a fúria de Luiz Rebinski Junior
04. A vida que cabe num cubículo de Marta Barcellos
05. Emprego? Exercite o desapego de Adriana Baggio


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2003
01. Temporada de Gripe - 17/11/2003
02. Zastrozzi - 2/7/2003
03. O Belo Indiferente - 24/9/2003
04. As Nuvens e/ou um deus chamado dinheiro - 4/6/2003
05. José Tonezzi: Arte e Pesquisa Sem Fronteiras - 12/2/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Metodologia das Ciencias Naturais - 4ª Edição
Geraldo Sampaio de Souza
Conquista
(1961)



The Barftastic Life of Louie Burger
Jenny Meyerhoff
Do Autor
(2013)



Crônicas Científicas
Anna Veronica Mautner
Escuta
(1994)



The Ambassadors Story: the United States and the Vatican in Worl
Thomas Patrick Melady
Our Sunday Visitor
(1994)



El Espiritu En El átomo: una Discusión Sore los Misterios de La Física
P. C. W. Davies - J. R. Brown
Alianza
(1989)



Carlos Gardel para Todos
Augusto Fernandez Capa Dura
Ediciones Porteñas
(1996)



Loteamentos e Condomínios Tomo I (2ª Edição)
Wilson de Souza Batalha (capa Dura)
Freitas Bastos (rj)
(1959)



As Duas Guerreiras
Troisi
Rocco
(2009)



A Vida e o Sagrado - 9º Ano
Coleção a Vida e o Sagrado
A Vida é Mais
(2012)



Pediatria Volume 2 Crescimento e Desenvolvimento
Med Curso
Med Curso
(2012)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês