Eleições Americanas – fatos e versões | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> O que o Ato Conjugal significa para o Homem de Tim e Beverly LaHaye pela Betânia (2020)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Principis (2020)
>>> Satanismo de Daniel e Isabela Mastral pela Xxxxxxxxxxxx (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 9/11/2004
Eleições Americanas – fatos e versões
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 9100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Na semana passada, os Estados Unidos e o mundo pararam à espera do resultado das eleições presidenciais norte-americanas. Havia um claro clima de tensão no ar. Com efeito, foi a eleição mais polêmica dos últimos anos, não apenas porque o sistema eleitoral norte-americano trazia a incerteza das batalhas judiciais, tal qual ocorreu em 2000, mas principalmente porque George Bush conseguiu, ao longo dos últimos quatro anos, angariar para si toda a insatisfação da opinião pública mundial, assim como de boa parte dos americanos nos últimos tempos. De acordo com este raciocínio, o antídoto mais viável parecia mesmo ser o candidato democrata John Kerry, oponente que, se não contava com o carisma do rival republicano, certamente era aquele em quem restava, para muitos, a única saída contra o unilateralismo dos Estados Unidos, para muitos tão bem simbolizado na invasão no Iraque.

Nos últimos momentos da campanha, a disputa estava tão acirrada que a maioria das pesquisas mostrava Kerry e Bush tecnicamente empatados, ora com vantagem para Bush, ora com vantagem para Kerry. Ainda assim, quem abriu os jornais entre segunda e quarta-feira passada, tinha quase certeza de que Kerry seria o virtual vencedor. Erraram todos. Bush foi eleito com quase 60 milhões de votos. Um recorde para quem carecia de legitimidade nacional. E após as eleições uma pergunta resta: por que a mídia deu a vitória de Kerry como certa?

É inegável que os meios de comunicação, como instrumentos sócio-políticos que são, têm total direito de manifestar sua opinião. E, de fato, foi o que a considerada "nata" das revistas e jornais fez: The Economist, The New Yorker, Financial Times, The New York Times, e outros tantos veículos importantes se manifestaram com editoriais e artigos assinados em favor de John Kerry. É verdade que menos pelas qualidades deste e mais pela incapacidade de Bush, conforme escreveu The Economist, mas todos manifestaram sua opinião. Entretanto, pôde-se constatar que por trás desse juízo havia uma torcida que viria, com o perdão do trocadilho, distorcer os fatos. E engana-se quem pensa que isso tenha ocorrido somente agora. Há tempos que muitos setores da imprensa mundial têm ido além da cobertura crítica, adequando os fatos às realidades que desejam denunciar. Ou seja, veículos tradicionalmente sérios têm editorializado suas primeiras páginas, trazendo interpretações e mais versões de eventos que nunca são reportados factualmente.

Exemplo disso é o fato de, durante as eleições, George Bush jamais ter estado atrás do candidato democrata John Kerry. No início da corrida presidencial, inclusive, as pesquisas indicavam que o republicano estava bem à frente, algo como 8 pontos de vantagem. A partir dos debates essa diferença começou a cair, mas o democrata nunca superou a margem de erro das pesquisas, entre 2 e 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Mesmo assim, alguns jornais ajudaram a propagar a idéia que a virada democrata estava próxima, o que nunca chegaria a acontecer. Nos debates, algo semelhante ocorreu: dia 1° de outubro a imprensa local, ancorada nas avaliações da CNN e das TVs norte-americanas, difundiu que Kerry se saiu melhor no primeiro debate. E qual era o parâmetro para essa avaliação? Ora, as expressões faciais de George Bush, sempre carrancudo ou fazendo caretas, eram dissonantes da feição tranqüila e simpática de Kerry. E a Ciência Política deu lugar, agora, à linguagem corporal.

Também os especialistas, assim como já havia acontecido no conflito no Iraque, se comportaram mais como comentaristas de futebol aos domingos, arriscando os palpites mais absurdos, do que como conhecedores de Política Internacional e campanha eleitoral. Houve quem dissesse, por exemplo, que Bush tinha perdido a eleição no momento em que as celebridades e as estrelas de Hollywood se posicionaram contra sua candidatura a reeleição. Mais do que isso: li e ouvi críticos respeitados afirmarem que o libelo Farheinheit 11/9, de Michael Moore, derrubaria por vez todas as tentativas de Bush de vencer. O que se viu, contudo, não foi nem uma coisa nem outra. O documentário, apesar de seus inúmeros "pesares", teve sua importância. Entretanto, é demais crer que os eleitores mudariam seu voto pura e simplesmente porque viram uma fita, ou porque a atriz Susan Sarandon e o rapper Eminem não votariam em Bush.

Adiante, é necessário lembrar que, por inúmeros motivos (como a já citada invasão no Iraque, com a descoberta de práticas de tortura; os movimentos anti-globalização), o anti-americanismo recrudesceu a níveis altíssimos recentemente. Um bom termômetro é observar a quantidade de livros que anunciam a queda do império americano. Um levantamento feito por este colunista constatou que alguns deles estão até nas listas dos mais vendidos. Grosso modo, seu conteúdo segue a mesma cantilena: o império americano começa a ruir porque os Estados Unidos rejeitaram organismos internacionais, como a ONU, assim como aliados históricos, como a França. Quase nenhum desses "neoanalistas" se lembra, no entanto, que esta não é a primeira vez que os Estados Unidos invadem um país sem o aval da ONU. Foi assim que bombardearam a Bósnia, na década de 90, e também no Afeganistão, em outubro de 2001. Só que nesses dois casos ninguém acusou os americanos de imperialistas. De certa forma, é até curioso notar que boa parte dessas obras é editada pelos próprios norte-americanos. A ironia não escapa: até no seu virtual declínio, a América consegue lucrar mais que os rivais.

Se o benefício da dúvida deve sempre existir, cabe lembrar que contra fatos não há argumentos. Não é de hoje que os Estados Unidos são a grande superpotência mundial, seja do ponto de vista econômico, militar ou cultural. Como conseqüência, sua atuação na esfera da Política Internacional não difere do comportamento de outros impérios, ou seja, seus interesses sempre estão em primeiro lugar em detrimento aos demais países, que são vistos como concorrentes nesta balança do poder. E isso não é uma peculiaridade de um governo. Engana-se quem pensa que o partido democrata deixaria os Estados Unidos numa posição inferior à de hoje. Seria apenas uma nova maneira de conduzir a Política Externa, com outros meios para atingir o mesmo fim.

Ao final, o resultado das eleições deixou claro que, nas democracias, a decisão final, para o bem e para o mal, é da população. No caso das eleições americanas, a expectativa da opinião pública era de que George Bush perdesse não apenas porque sua "gestão" é passível de ser contestada sob inúmeros aspectos, mas também porque em 2000 ele só foi considerado eleito depois de muita polêmica. Nesse sentido, sua reeleição serviu como aprovação e voto de confiança da maioria dos americanos. E aos jornalistas, críticos e anti-americanos resta o caminho da oposição, que, por sua vez, não deve ser feito com leviandade e distorção da realidade. Nesse tipo ideal, o jornalismo não serviria para manipulação de nenhum dos lados; antes, mostraria o que há de fato e o que há de versão.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 9/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 10º Búzios Jazz e Blues de Marília Almeida
02. 5º Rio das Ostras Jazz & Blues de Marília Almeida
03. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 2 de Luis Eduardo Matta
04. Parati, Flip: escritores, leitores –e contradições de Julio Daio Borges
05. Deitado eternamente em divã esplêndido – Parte 1 de Luis Eduardo Matta


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2004
01. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
02. Teoria da Conspiração - 10/2/2004
03. Cem anos de música do cinema - 8/6/2004
04. Eleições Americanas – fatos e versões - 9/11/2004
05. Música instrumental brasileira - 12/10/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/11/2004
09h00min
Não somos levianos ao afirmar que os americanos cometeram uma burrice única ao reeleger o atual presidente. Um indivíduo que se recusa a assinar uma tratado de meio ambiente (Kioto), onde o seu país é responsável pela emissão de mais de 50% de CO2 nunca deveria ocupar o cargo de "soberano do planeta". Mas vamos lá, democracia é assim mesmo!
[Leia outros Comentários de Elvis Lima C Mutti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CORAJOSOS
RANDY ALCORN
ARQUEIRO
(2012)
R$ 8,00



PROJETO ESCOLA, UMA CONTRIBUIÇÃO CRIATIVA PARA O SEU ALUNO-PROBLEMA
PROFESSOR SERGIO NOGUEIRA LOPES
SOCIEDADE PESTALOZZI DO BRASIL
(1996)
R$ 9,90



PESQUISA DE MARKETING 1
FAUZE NAJIB MATTAR
ATLAS
(1999)
R$ 6,90



O MOÇO LOIRO
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
ÁTICA
(1981)
R$ 7,00



HELENA, HELENA, MEU AMOR
LUCIANO DE CRESCENZO
ROOCO
(1994)
R$ 5,00



DORSALGIAS E SÍNDROMES CORRELATAS
CAIO VILLELA NUNES
ELEA CIÊNCIA
(1999)
R$ 14,80



CLUBE DO BEIJO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(2001)
R$ 5,00



AS TENTAÇÕES DE JESUS
IVO STORNIOLO
EDIÇÕES PAULINAS
(1988)
R$ 12,00



MANUAL DO SEXO VIRTUAL
JOSÉ CUSTÓDIO ROSA FILHO
NOVA ALEXANDRIA
(2000)
R$ 9,00



EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRENDER FAZENDO
SEUZA MATOS MARQUES
DO AUTOR
(2008)
R$ 6,90





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês