TV aberta em 2004: o ano do Orgulho Nacional | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Bipolar: Memórias de Extremos de Terri Cheney pela Larousse (2008)
>>> O Psicótico: Aspectos da Personalidade de David Rosenfeld pela Vozes (1993)
>>> O Efeito Sombra de Deepak Chopra pela Lua de Papel (2010)
>>> Dicionário Técnico de Psicologia de Álvaro Cabral pela Cultrix (1997)
>>> Gerações: Mal-entendimento e Verdades Históricas de Haydée Faimberg pela Sp (2001)
>>> Aspectos Clínicos do Desenvolvimento na Infância e Adolescência de Melvin Lewis pela Artes Medicas (1993)
>>> Teoria Psicanalítica das Neuroses de Fenichel pela Atheneu
>>> Adolescência: Uma Interpretação Psicanalítica de Peter Blos pela Martins (1994)
>>> Introdução á Metapsicologia Freudiana - 3 Volumes de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Jorge Zahar (1991)
>>> Psicologia da Conduta de José Bleger pela Artes Medicas (1984)
>>> Sol Nas Almas de Waldo Vieira pela Boa Nova (2010)
>>> Como Freud Trabalhava de Paul Roazaen pela Companhia das Letras (1999)
>>> Não é Fácil Ser Jovem de Rando Kim pela Sextante (2013)
>>> Crônicas do Mundo aos Revés de Flávio Aguiar pela Boitempo (2011)
>>> Guia de Bolso do Gerente de Stephen G. Haines pela Hrd (2002)
>>> Neuromarketing de Alex Born pela Uprema (2007)
>>> Aline 2: TPM - Tensão Pré Monstrual de Adão Iturrusgarai pela LPM Pocket (2007)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Pioneiro (2000)
>>> O Mala de Mario Kostzer pela BelasLetras (2011)
>>> Pergunte a Alice de Cristina Barczinsky pela Record (1971)
>>> A Queda de Diogo Mainardi pela Record (2012)
>>> Os Quinzes Anos de Carol de Patricia de Freitas Barboza pela Rbg (2002)
>>> Revista Brasileira de Psicoterapia Volume 6 N. 1 de Dpml pela Dpml (1999)
>>> Dez Quase Amores de Claudia Tajes pela Lpm (2001)
>>> Homens São de Marte Mulheres São de Vênus de John Gray pela Rocco (1997)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Segunda-feira, 3/1/2005
TV aberta em 2004: o ano do Orgulho Nacional
Andréa Trompczynski
+ de 7800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Há coisas que um grã-fino só confessa num terreno baldio, à luz de archotes, e na presença apenas de uma cabra vadia. Lembro-me de uma festa na casa não sei de quem (só sei que era grã-fino). Na altura das três da manhã, o dono da casa põe mais gelo no uísque e diz: - "Na minha casa só as criadas vêem televisão." Os circunstantes concordaram em que a televisão é uma ignomínia.

O grã-fino preserva, ainda no pileque, uma série de poses fundamentais. Uma delas é o falso desprezo pela TV e seus programas. Na verdade meu anfitrião não perdia uma da Dercy, uma do Chacrinha, uma do Longras. Quanto a mim, sou franco: - não preciso do terreno baldio. O fato de ser apenas um pequeno burguês, sem nenhum laivo de grã-finismo, dá-me descaro bastante para confessar, aos quatro ventos: - vejo televisão e, pior, gosto da televisão.

Dirá um intelectual ou grã-fino: - "Mas e o nível? O nível?" Ao que eu responderia, com a mais límpida e casta objetividade, que o tal nível, que se atribui às nossas emissoras é muito relativo. Acusamos o nível da TV e ninguém fala do nosso. Há uma reciprocidade de níveis. A televisão é assim porque o telespectador também o é.


(Nelson Rodrigues, A Cabra Vadia)

Quando escolhi falar da TV aberta nesta retrospectiva de 2004, pensei no nome desta revista: Digestivo Cultural. Ensaios, colunas e comentários sobre cultura. Como eu poderia comentar o programa do João Kléber? Ou: TV aberta é cultura?

Sim, é. Mas e o nível?

Não importa, é.

Parto desta premissa (sempre quis escrever "premissa", perdoem-me, assim como não vejo a hora de escrever "missiva") para começar esta coluna. Desde os programas mais "abaixo do nível" até as raridades salvadoras, acreditem, é a nossa cultura. E nossa cultura em 2004 teve poucas mudanças, mas causou-me algumas impressões.

Este ano, dei de ter pena do brasileiro. Só há uma explicação: a culpa é daquela propaganda do "Sou brasileiro e não desisto nunca" que me provoca uma angústia e piedade quase cristã. Viram aquele homem que devolveu a carteira com os dez mil dólares? Senti tanta pena dele, no final, balançando dentro do ônibus, voltando do trabalho à casa pobre depois do ato honroso. Tão orgulhoso de sua pobreza e honestidade, olhava satisfeito pela janela do ônibus. Ruy Barbosa quem disse: "No Brasil há vergonha em ser honesto". Era para sentir orgulho? Eu senti vergonha. E mais ainda, quase insuportável, quando aquele grego que ajudou o nosso maratonista nas Olimpíadas veio para cá. Não sabia aonde esconder meu rosto de santa piedade quando jogaram confetes na boca do coitado no aeroporto. E cuícas e batuques e mulatas. Foi uma agressão ao grego, quem viu a cena deve se lembrar. Dizia nas entrevistas que nunca mais iria embora e os índios dançavam e as índias rebolavam para delícia do bwana. Naquele dia não pude sair de casa com medo de que algum brasileiro sorrisse para mim com a simpatia toda nossa e eu não pudesse retribuir. Foi o ano do orgulho brasileiro na televisão: avante nosso Brasil!

Comecei então a assistir muita televisão para ver se era verdade essa explosão de orgulho nacional na tal mídia de massa. Era. Eles estavam dando vivas à nossa má-educação (chamam de naturalidade), ao nosso jeitinho, ao direito de falar errado, ao prazer de assistir A Diarista. Eles dão vivas! Havia uma música, parece-me que o nome do "estilo musical" é funk carioca. Algo com um Pokémon. Os jovens dançavam e cantavam todos os grunhidos da música, o apresentador dizia: "su-u-u-ces-so!" Pareciam em êxtase e é impossível sentir raiva, é um inimigo inconsciente, mineral, como discutir com ele? Homenagens à cultura popular em programas ditos um pouco mais inteligentes; uma propaganda louvando os méritos dos cientistas; a infância pobre do cantor Daniel que depois de "muita luta" venceu na vida; um documentário que contava em 40 minutos a trajetória de Paulo Coelho -fizeram questão de contar que ele leu muito- e o chamava de "Alquimista da Palavra"; não importava, lá estava ela: piedade profunda. Então descobri. Deve ter sido algum dos exercícios espirituais que ficaram gravados em meu subconsciente na época em que -uns treze anos atrás- li Brida e O Alquimista, que têm técnicas para abrir os canais da intuição e consultar os oráculos invisíveis, como o amigo do Polzonoff que meditava numa poça de Coca-cola. Olhei tanto para um ponto, o botão de on-off do controle remoto que tive uma revelação. A pena não era deles. Era de mim, que sempre desejei ter aquela fé cega e nunca consegui. Ser um mineral feliz sem mais preocupações que ouvir o funk do Pikachú, ter a alma da Velhinha de Taubaté, longe da grande desgraça de pensar que um mestrado no Brasil, sendo ou não cega como uma das brasileiras que não desistem nunca, não mudaria muita coisa.

Sábado especial para pedófilos
Se eu fosse um pedófilo, seguraria meu copo de uísque e ficaria rodando as pedrinhas de gelo com o dedo ao assistir o Programa Raul Gil nos sábados à tarde. No último dia 4, então, teria chamado meus amigos do Lovely Angel´s Club para petiscarmos pistaches e assistirmos juntos uma garotinha de quatro anos de miniblusa preta do tipo sensual, short preto e maquiada que insinuava sua bunda infantil em uma daquelas danças baianas. Para que gastar horrores comprando fotos em sites proibidos? Está ali e de graça. Triste mesmo era o rosto da menina, nenhum sorriso durante toda a dança-do-bumbum, a maquiagem não disfarçava a preocupação em não errar com que ela fazia aquilo por um provável "sonho" da mãe ou do pai. A inenarrável combinação da música, o rosto seríssimo e pintado da menina e a bundinha no short preto foi uma das cenas mais terríveis que já assisti na "máquina de fazer sonhos".

Programas de cavalheiros
Desconfio que o Jô Soares leu o artigo do Mário Bortolotto, aqui no Digestivo. Ele está mais bem-educado, quase um gentleman. Raros, eles ainda existem na televisão. O Roberto D'Ávila é de um cavalheirismo capaz de fazer corar qualquer telespectador do Ratinho, um entrevistador que espera pelas respostas do entrevistado -sem ser impassível- quase o ouço dizer: "Deseja você leite, um pingo, no seu quente chá?", como um lord inglês. Paulo Henrique Amorim no programa Tudo a Ver na Record, outro. Desculpando-se por ter que encerrar a conversa -ele faz tudo parecer uma conversa simples e amigável, seja sobre terrorismo internacional ou um comentário casual sobre a Vera Fisher- com uma das lavadeiras de um grupo de música: "a senhora me perdoe, mas preciso agora voltar para aquelas notícias chatas". Na Rede Vida, um canal católico, uns senhores gentilíssimos entrevistam num programa chamado Prazer em Conhecer. Não deve ser muito assistido, pela delicadeza das perguntas. Será e muito por mim, que pretendo aprender boa-educação e traquejos sociais, aquelas coisas que usavam antigamente, nossos avós devem lembrar.

Gente que Brilha
Sílvio Santos foi então a maior das novidades. Depois de tantas apelações: homem armado que invade os estúdios da Márcia Goldschmit; os testes de fidelidade do João Kléber; os monstros sagrados e lados humanos no Faustão; as delícias da caridade televisionada do Gugu; ele chega e usa a fórmula mais antiga da televisão, a mesma do Show de Calouros. O Gente que Brilha é muito simples, sem mais intenções que não a de distrair no seu papel de "um programa quase bobo": piadas, números de circo, desafinados que não cantam muito mas são simpáticos. Nada de mais. A presença de Sílvio Santos é que faz aquilo tudo parecer uma necessidade. Ri tanto... Ri como eu ria em minha infância com o Pedro de Lara, Décio Piccininni e a Sônia Lima. Foi bom revê-los. Foi bom sentir inocência -e ignorância- novamente.

Fora da TV aberta
2004 foi também o ano de Diogo Mainardi. Havia muito um comentarista não era reconhecido -incensado e odiado- por tantos. É incrível como pessoas que não têm grande acesso à mídia falam dele e de suas opiniões. Na fila do banco ouvi dois homens comentando a coluna dele na Veja, um deles pediu a revista emprestada ao amigo que o acompanhava, não iria comprá-la, disse, achava muito cara. Arnaldo Jabor está se roendo de inveja, este é o papel que ele sempre quis, o de "guia dos cegos", mas nunca teve a capacidade (mais uma certa humildade, que, acreditem, Diogo Mainardi tem) necessária. É claro que Mainardi tem lá seus defeitos, como o corte de cabelo e gostar de ler Wunderblogs, mas ninguém é perfeito.


Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 3/1/2005

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Freud explica de Renato Alessandro dos Santos
02. As fronteiras da ficção científica de Gian Danton


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
5/1/2005
00h47min
Ora, viva o brasileiro, Andréa!!! Ah ah ah!!! (De resto, estamos podres de burros...)
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
6/1/2005
12h31min
Confesso que não passo mais que 2 ou 3 horas em frente à televisão e isso não me preocupa. Pelo contrário... Sinto-me revigorado depois de longos anos de infância em que o "Topa tudo por dinheiro" de Silvio Santos invadia minha casa aos domingos. E de lá pra cá, nada mudou, ou melhor, se mudou foi para pior. Até a troca do Jabor pelo Mainardi na GNT contribuiu para isso.
[Leia outros Comentários de Sergio Capozzielli]
7/1/2005
00h49min
Após ler seu interessante e pormenorizado artigo sobre televisão, senti o impulso de convidá-la a ver o programa que produzo e apresento na TV Senado. Chama-se Quem Tem medo da Musica Clássica? Seus horários oficiais são sábados às dez da manhã e seis da tarde. Domingos, também às dez da manhã e seis da tarde e ainda à meia noite. No próximo fim de semana, dias 8 e 9 de janeiro de 2005 você poderá ouvir bela versão do conhecido Concerto Para Piano e Orquestra de Tchaikovsky. E nesta fase de recesso parlamentar ele vai ao ar todas às noites às 23 horas. Mas o programa do fim de semana é inédito. Creio que algumas de suas justas inquietações, ali procuro atendê-las. Mais uma vez parabéns pela orientação de seu texto. Fraternalmente, Artur da Távola
[Leia outros Comentários de Artur da Távola]
16/1/2005
22h36min
Infelizmente, Andréa, nossa TV, assim como nossas Instituições Políticas, com todos os seus defeitos e qualidades (?), refletem as escolhas culturais/ideológicas de nossa população. Enquanto uns sofrem martírios na alma com suas inquietações filosóficas, para outros o nivarna é sentido na plenitude no simples rebolado de uma popozuda na Telinha...
[Leia outros Comentários de marilene matos]
18/1/2005
12h23min
Bem por dentro da TV brasileira e com um humor misto entre sátira e diversão! Adorei ler seu texto!!!
[Leia outros Comentários de Rosa Nina]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Incrível História do Dr. Augusto Ruschi o Naturalista E
Palavra Cantada; Paulo Tatit
Melhoramentos
(2014)



Vitimas do Preconceito
Codro Palissy
Feb
(1996)



Questao Agraria Latifundio Ou Agricultura
Juan Ignacio Romero
Moderna
(1998)



Bichos na Africa 2
Rogério Barbosa
Melhoramentos
(1987)



Meupeu Apamipigopo
Angela Leite de Souza
Salamandra
(1988)



Eu Fico Loko 2
Christian Figueiredo de Caldas
Novas Páginas
(2012)



Responsabilidade na Comunicação de Massa
Rivers e Schramm
Bloch
(1970)



Livro - Feliz Ano Velho
Marcelo Rubens Paiva
Objetiva
(2006)



A Campanha do Petróleo - Tudo É História 109
Gerson Moura
Brasiliense
(1982)



Os Meninos
Rossi Cirlei
Do Brasil
(2005)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês