Quem tem medo do Besteirol? | Andréa Trompczynski | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Emagreça Comendo de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva (1993)
>>> Rosa e Lotus Invocações Espirituais de Molinero Yogakrisnanda pela Mandala
>>> Fim dos Tempos de Omar Cardoso pela Artenova (1975)
>>> magia y Sacrificio en la historia de las Religiones de H. Hubert y M. Mauss pela Lautaro (1946)
>>> Apenas uma Sombra de Mulher de Fernando do Ó pela Federação Espírita Brasileira (1950)
>>> Quando tudo falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> O Capataz de Salema / Antônio Conselheiro / Marechal, Boi de Carro de Joaquim Cardozo pela Agir/MEC (1975)
>>> La Isla Magia de W.B. Seabrook pela Cenit S.A. (1930)
>>> Un Nuevo Modelo Del Universo de Pedro Ouspensky pela Sol (1950)
>>> La Puerta ( Egipto) de Vários pela Obelisco (1990)
>>> Arpas Eternas (Em 03 volumes) de Hilarion de Monte Nebo pela Fraternidad Cristiana (1952)
>>> Muitas vidas muitos Mestres de Brian L. Weiss M.D. pela Salamandra (1991)
>>> O Sentido da Vida de Valfredo Tepe pela Mensageiro da Fé Ltda (1971)
>>> A aurora cósmica de Eric Chaisson pela Francisco Alves (1984)
>>> Deus Fala a seus Filhos de Elenore Beck pela Verbo Divino (1993)
>>> Encontro com a Alma Gêmea de Paulo Kronemberger pela Novo Milênio (1993)
>>> The Reincarnation Workbook de J.H. Brennan pela The Aquarian Press (1989)
>>> A Granja do Silêncio de Paul Bodier pela Federação Espírita Brasileira
>>> Os Astros Governam nossa Vida de Perpétuo Horário pela Pensamento
>>> La vida de Buda de A. Ferdinand Herold pela Lautaro (1944)
COLUNAS

Quinta-feira, 12/5/2005
Quem tem medo do Besteirol?
Andréa Trompczynski

+ de 6500 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Miguel Falabella? Humpf. Mauro Rasi? Humpf. Besteirol? Humpf, humpf, eu resmungava, arqueando uma sombrancelha, do alto de meu pedestal de quem havia lido uns clássicos a mais. Tinha comprado os pesados volumes de Guerra e Paz, no intuito de impressionar um namorado "intelectual-de-óculos-quadradinho" que me levava para assistir filmes iranianos. Era aquela época da qual fala o Polzonoff, em que é preciso dizer que se gosta de filme iraniano. Eu ria, escondido dele, do Caco Antibes na televisão, assistia a antigos videotapes da TV Pirata e acompanhava, fascinada, a todos os movimentos do Teatro Besteirol. Mas me calava, porque a censura da intelligentsia brasileira não permitia que eu dissesse tal heresia. Ainda não permite, na verdade, mas estou velha e não ligo mais para essas coisas.

Para o novato no meio cultural, somos um mundo dourado. Pois saiba, novato, vivenciamos as mesmas mesquinharias de qualquer outro grupo de seres humanos. De uma academia de ginástica, por exemplo. Suponhamos uma conversa num grupo de amealhadores de músculos. Há uma clara competicão entre os mais musculosos, e, comentam sobre as antigas maneiras de aumentar a massa muscular, ostentando como troféus, os bíceps poderosos. Falam de como "Rocky, o lutador" é que estava certo, arrastando toras na neve. Se alguém, por outro método, consegue os mesmos músculos, isto não presta. Não é bom. Bom mesmo é arrastar toras na Sibéria. Se a maioria agora faz Pilates e consegue resultados satisfatórios e, tem bom momentos com Pilates, não pode ser isto algo bom. É provável que o maiorzão, que leu algo do Nelson Rodrigues, comprado por engano como livro pornográfico, diga alto: "toda maioria é burra".

A maioria gosta do Besteirol, e não daquele teatro tão difícil quanto arrastar toras na neve; daí a dificuldade dos intelectuais brasileiros gostarem, ou admitirem que gostam, deste gênero. Quem tem medo do Besteirol?, de Flávio Marinho, define-o como "um espetáculo de esquetes defendido por uma dupla de atores que vive muito de referências e citações de filmes, peças, programas de TV e da observação do comportamento urbano da zona sul carioca. (...) Exige da platéia uma certa dose de informação". Que tipo de informacão? Das chanchadas da Atlândida aos musicais da Metro, a "música" de Eduardo Dusek, a Sessão da Tarde, além de conhecer o teatro "cabeça", sentir um sono incontrolável durante suas apresentações, e, ter uma família com o comportamento típico de uma família da Classe Média.

Certamente, diria aquele namorado intelectual, este é um movimento teatral alienado. Flávio Marinho contra-atacaria com as palavras de Miguel Falabella: "Alienados seríamos se não refletíssemos sobre a frenética sociedade de consumo em que nos tranformamos. Alienados seríamos se ficássemos restritos aos clássicos, aos grandes autores, em montagens bem-comportadas, para ganhar o beneplácito dos senhores da cultura. Levamos a chanchada e a paródia à cena, sim. Com muito prazer. Porque estamos cada vez mais atentos à realidade à nossa volta." O humor do Besteirol derramava suas críticas, para o bom-entendedor. E, geniais, Falabella e Mauro Rasi, ainda conseguiam divertir o mau-entendedor sem que ele soubesse que ria de si próprio.

Eles conseguiram fazer a intelligentsia atirar longe seus monóculos, levantar forçosamente das poltronas de couro de suas bibliotecas para, citando Becket, Sartre, e o que mais pudessem, tentar explicar o que era aquele fenômeno teatral. Miguel Falabella argumenta com os críticos, obviamente, com adoráveis besteiras : "Há fumaça no ar. Dispara-se em todas as direções. Adjetivos andam à espreita, atacando jovens membros da cena carioca. Guilherme Karam foi atropelado por um 'descartável', ficando de cama três dias, sofrendo de aguda crise de identidade. Vicente Pereira viu-se face a face com um temível 'besteirol' e só conseguiu escapar graças à pronta intervenção de populares que atacaram o monstro. Felipe Pinheiro, perseguido por um 'teatro-brincadeira, recebeu do facínora uma terrível revelcão: seus hilariantes 'esquetes' tinham suas origens, pasmem!, nos esfumaçados cabarés da Alemanha dos anos 1920. Em estado de choque, o ator declarou: 'não morro sem ver Berlim'." Foi um escândalo.

Ah, leitor jovem, se estiver iniciando no mundo intelectual, não declare sua paixão pelo Besteirol. Você poderá assumí-la depois de velho, que lá perde-se a vergonha e os parâmetros. Nós, os velhos, já não tememos mais os intelectuais que arrastam os volumes de Guerra e Paz no gelo da intelectualidade brasileira.

Dançamos na faixa de pedestres, comemos pipoca na rua, vamos ver o Falabella, rimos de nossa própria decrepitude.

Coisa inaceitável na Sibéria.

Para ir além






Andréa Trompczynski
São Mateus do Sul, 12/5/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como uma Resenha de 'Como um Romance' de Duanne Ribeiro
02. Passe Livre, FdE e Black Blocs - enquanto Mídia de Duanne Ribeiro
03. Marcel Proust e o tempo reencontrado de Jardel Dias Cavalcanti
04. Lendas e mitos da internet no Brasil de Julio Daio Borges
05. O melhor programa cultural de Eduardo Carvalho


Mais Andréa Trompczynski
Mais Acessadas de Andréa Trompczynski em 2005
01. A Auto-desajuda de Nietzsche - 13/10/2005
02. Há vida inteligente fora da internet? - 9/6/2005
03. O lado louco de Proust - 22/9/2005
04. Se o Lula falasse inglês... - 28/7/2005
05. Deus está morto: Severino para presidente - 14/3/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
12/5/2005
11h51min
Andréa, não só rio do besteirol, como eu o assumo como estilo de vida. Sou patético, graças a mim. Ou a algum deus, talvez. Assim como assumo o dramalhão também. Se eu tivesse um nome composto de novela latina, minha vida seria perfeita... mas, voltando ao besteirol, eu não vou às peças do Falabella porque o que eu posso ver ali, eu vejo nas ruas. Vejo em mim, na minha mãe, amigos, inimigos, todos. É isso, eu gozo de decadência. E acho que não poderia ser melhor. Beijão!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
13/5/2005
21h01min
Muitos pseudo-intelectuais acham que só há "inteligência" nos clássicos, nos gregos, alemães etc. Eu prefiro me lembrar do professor Darcy Ribeiro que dizia que só os imbecís não vêem novela. Aliás, o besteirol é fonte de muita renda, vide Seinfield, The Nanny, Absoluty Fabolous, etc...
[Leia outros Comentários de Gui ]
30/5/2005
02h19min
Sou um leitor jovem e não tenho medo de demonstrar que gosto de besteirol...parece que você fala apenas em humor besteirol, mas pra mim o besteirol é simplesmente qualquer espécie de arte que, apesar de não ter valor, entretém...e aí incluiria muitos filmes do Spielberg, e a série Guerra nas Estrelas...talvez quem sabe, até o tarantino não passa de um besteirol...mas me divirto muito com esses filmes. O que discordo é que se atribua qualquer valor à essa arte...ela pode chegar a ter importãncia histórica como Star Wars, mas valor artístico não (nem falo isso porque ache que você atribua algum valor à ela, não, apenas cito)
[Leia outros Comentários de rafael]
26/2/2008
16h37min
SENSACIONAL este seu texto, Andrea! Gostaria de ter sido a autora. Eu simplesmente AMAVA Mauro Rasi e acho os textos dele uma verdadeira obra de arte. Adoro Cerimônia do Adeus, Pérola, Viagem a Forli... ler seu texto me fez um bem danado. Vc pensa sobre o besteirol o mesmo que eu, só que teve uma invejável competência para falar sobre. Grande abç, PARABÉNS, e, se me permitir, vou "usá-lo" sempre q couber o assunto. Prossiga no métier pois o mundo precisa de gente com sua cabeça libertária e sua maestria no expressar idéias. VIVA!!!
[Leia outros Comentários de Aurora Miranda Leão]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL-VOL. 3
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMENJURIS
(2002)
R$ 41,31
+ frete grátis



CANÇÃO PARA DÉBORA
LUCI GUIMARÃES WATANABE
FTD
(1990)
R$ 8,00



A CALDEIRA DO DIABO
GRACE METALIOUS
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 4,10



DISCURSO DO MÉTODO - SÉRIE L&PM CLÁSSICOS
DESCARTES
L&PM
(2013)
R$ 18,82



LUZIA HOMEM
DOMINGOS OLIMPIO
ATICA
(1978)
R$ 6,00



NAS PROFUNDEZAS DO MAR SEM FIM
JACQUELYN MITCHARD
ROCCO
(1998)
R$ 9,90



CONSENSO E CONFLITO: EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA 2ª EDIÇÃO
VITOR MARINHO
SHAPE (RJ)
(2005)
R$ 28,82



ENQUANTO A CHUVA CAÍA
CHRISTINE M (M)
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 17,00



A HOLANDA NO TEMPO DE REMBRANDT
PAUL ZUMTHOR
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 15,00



PROJETO ÁPIS : LÍNGUA PORTUGUESA 5
VARIOS
ATICA
(2017)
R$ 154,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês