Arte empacada | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
>>> Centro em Concerto: ¡Navidad Nuestra!
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Colunismo em 2004
>>> Frases de Drummond
>>> Luciano do Valle (1947-2014)
>>> 28 de Junho #digestivo10anos
>>> 19 de Julho #digestivo10anos
>>> Citizen Kane
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> Vida conjugal
>>> Querem acabar com as livrarias
>>> Cisne Negro
Mais Recentes
>>> Para onde Peregrinamos?: Velhos Caminhos e Novas Metas de Notker Wolf pela Vozes (2012)
>>> Fundamentos de Ilustração de Lawrence Zeegan Crush pela Bookman (2009)
>>> O Pai Minuto de Spencer Johnson pela Record (1994)
>>> Madalena sem filtro de Rodrigo Alvarez pela Leya (2018)
>>> Le droit et les droits de l'homme de Louis lachance D7 pela Universitaires de france (1959)
>>> Como Encontrar Deus: ...e por que nem é Necessário Procurá-lo de Zacharias Heyes pela Vozes (2019)
>>> Guia do Autor - O Caminho das Pedras Facilitado de Ufsc pela Ufsc (2001)
>>> A Construção de uma Identidade Inacabada: Nipo-brasileiros no Interior do Estado de São Paulo de Marcelo Alario Ennes pela Unesp (2001)
>>> It a Coisa de Stephen King pela : Suma das Letras (2019)
>>> Três décadas de economia gaúcha : a evolução social de Octavio Augusto Camargo Conceição, Marinês Zandavali Grando, Sônia Unikowsky Teruchkin e Luiz augusto Estrella Faria (org.) pela Fee (2010)
>>> O Ladrão de Sonhos e Outras Historias de Ivan Ângelo pela Ática (1994)
>>> Matemáticas Para Científicos Volumen 1: Vectores, Tensores Y Grupos de Thor A. Bak, Jonas Lichtenberg pela Revert (2022)
>>> Como Domar seu Gremlin Interior de Richard D. Carson pela Vértice (1991)
>>> O Vaticano II Contado aos que não o Vivenciaram de Daniel Moulinet pela Paulus (2012)
>>> Será que Ele me Ama? de Gregory Berns pela Citadel (2020)
>>> Revolução Francesa 1 de Max Gallo pela LPM Pocket (2012)
>>> Catecismo da Igreja Católica de Conferência Nacional dos Bispos do Brasil CNBB; Conferência Nacional dos Bispos do Brasil pela Loyola (2000)
>>> O Melhor de Vinicius de Moraes de Vinicius de Moraes pela Folha de São Paulo (1994)
>>> Santo Guerreiro: Roma Invicta (Com autógrafo) de Eduardo Spohr pela Verus (2020)
>>> Meta-história: a Imaginação Histórica do Século XIX de Hayden White pela Edusp (2008)
>>> Memorias Inventadas de Manoel de Barros pela Planeta (2010)
>>> Trustália uma quase distopia de Magno Mello pela Chiado (2016)
>>> O Poder de Mau Humor de Ruy Castro pela Cia das Letras (1993)
>>> One-Punch Man Vol. 09 de One pela Panini (2017)
>>> Valor, força de trabalho e acumulação monopolista de Maria da Conceição Tavares, Francisco Paulo Cipolla e outros pela Vozes
COLUNAS >>> Especial Arte

Quinta-feira, 30/8/2001
Arte empacada
Adriana Baggio

+ de 5000 Acessos

'Isto é arte e ponto final' (Adriana Baggio)

"Suas pinturas são empacadas, você é empacado! Empacado, empacado, empacado!" (Tracey Emin, para seu ex-namorado Billy Childish, no manifesto Stuckista)

Imagine um quadro, representando Nossa Senhora. No lugar das tintas, excremento de elefante. Isso pode ser chamado de obra de arte?

Essa é uma das discussões que têm espevitado o mundinho das artes visuais. Os mais modernos, entendidos e cult celebram a chegada da vanguarda, representada pela arte conceitual, classificação da obra de arte citada acima. Os mais tradicionais estrilam e alertam para o charlatanismo dos colegas conceituais.

Chamar de vanguarda um movimento que tem total adesão e identificação com o establishment é forçar a barra. A arte conceitual sobrevive (muito bem, por sinal) graças à união de interesses de colecionadores, investidores, marchands, arquitetos, decoradores e artistas de meia pataca. Junto a eles estão o governo e instituições públicas, que garantem o dinheiro e a estrutura para exposições de gosto — e valor — discutíveis.

Com uma explicação bem simples, o sistema funciona da seguinte maneira: um artista elabora uma manifestação polêmica, controversa, agressiva. É bancado por algum órgão público ou instituição para expor em algum salão. A mídia consome alucinadamente. O artista sobre de cotação. Decoradores e arquitetos incluem obras do elemento em seus projetos. O marchand prepara outra exposição. Os colecionadores compram. É uma cadeia na qual todos ganham, e quase ninguém perde, exceto, talvez, a arte.

Como todo o movimento que polemiza logo ganha opositores, com razão ou não, a arte conceitual também já tem seus inimigos organizados e declarados. São os Stuckists, ingleses que elaboraram um manifesto contra a arte conceitual e o que eles chamam de deturpação do modernismo. Stuck, em inglês, quer dizer careta, empacado, segundo definição em matéria publicada no Jornal do Brasil, no dia 23 de julho. O nome surgiu a partir de uma prosaica briga entre o pintor Billy Childish e sua namorada, a artista conceitual Tracey Emin. Ao separarem os pincéis, a moça chamou Billy de stuck, batizando o movimento iniciado pelo ex (Billy já não faz mais parte do movimento, mas também não reatou o namoro com Tracey).

O movimento, criado pelo também pintor Charles Thomson, despertou interesse da artista plástica brasileira Iracema Brochado, que inaugurou o Stuckismo aqui no Brasil. Segundo o manifesto, o Stuckismo é contra o conceitual, o hedonismo e o culto ao ego-artista.

O manifesto stuckista coloca que a arte deve ser produzida de uma maneira mais honesta que a vertente conceitual. O artista plástico só merece esse título se souber pintar. Essa regra protesta contra os artistas conceituais que se apropriam de objetos já existentes para suas obras, mas sem criar ou produzir nada. Pelo stuckismo, o uso de objetos existentes e de outro contexto impede o acesso ao mundo interior do artista, e conseqüentemente, ao conteúdo da obra.

O artista verdadeiro, não conceitual, deve fazer da arte uma forma de auto-descoberta. O processo da pintura deve ser uma mistura entre emoções e razão, interior e exterior, privado e público, espiritual e material. A arte deve ser feita buscando sempre a experimentação, sem medo da falha, sem a aspiração da premiação. Para os stuckistas, o artista conceitual submete sua arte à exigência comercial, ao estilo com potencial para conseguir premiações. É nessa parte que entra o protesto contra o ego-artista e ao esquema comercial no campo das artes.

O Stuckismo reclama também dos espaços destinados à arte, como as paredes brancas das galerias. Para eles, essa esterilidade impede a experimentação da arte, que deveria ser feita em ambientes autênticos. Ainda em relação ao acesso, o movimento pede a abertura das escolas e das universidades para toda a população, para que a fruição e aprendizagem da arte possa ser mais democrática. Quanto às escolas de arte, o manifesto condena a prática de admissão somente pela análise de uma obra, em detrimento do currículo e da qualidade técnica do artista.

O Stuckismo fala de uma deturpação do modernismo, que possibilitou a abertura do caminho para a banalização do moderno no pós-modernismo, caindo na submissão aos interesses comerciais. Para um resgate dos valores do Modernismo, os manifestantes propõem o Remodernismo, através de uma reaplicação dos princípios originais do movimento.

Não é de hoje que a sociedade repele manifestações artísticas diferentes do já estabelecido e valorizado. Foi assim como o Impressionismo, no século XIX. A diferença é que agora o que chamam de vanguarda é sustentado pelo sistema, ou seja, é incoerente. A arte conceitual inaugura um nicho nas artes visuais que não pode se utilizar dos parâmetros tradicionais para estabelecer seu valor. Assim, o atributo de valor acontece muito mais por aspectos comerciais do que estéticos ou críticos. Como o artista conceitual é financiado pelo governo, bancos, patrocinadores, seu compromisso acaba sendo com o mecenas, e não com o seu estilo ou motivação interna para a arte. A arte conceitual é descartável. É feita para ser consumida em uma exposição, depois pela mídia, e no fim desaparece. Ainda quando tem um suporte que agüente o tempo, e materiais que não sejam perecíveis, este tipo de arte não se explica por si só, não oferecendo ao espectador a possibilidade do prazer estético. A arte que precisa de um manual de instruções é elitista, limitada. Não que todas as obras devam ser figurativas, mas mesmo as abstratas devem permitir ao observador uma fruição que não dependa da explicação.

Por outro lado, dá para estabelecer uma relação entre o Stuckismo e o Dogma 95, manifesto contra o artificialismo hollywoodiano. Os dogmáticos conseguiram bastante atenção com o movimento, mas todos eles fizeram filmes tradicionais além daqueles regidos pela regras do Dogma. O que se percebe é uma reação não ao novo, mas ao que faz sucesso e ameaça o já estabelecido. Com a tecnologia atual, troca-se um set inteiro de filmagens por um computador e um geniozinho da informática. Na arte, a proposta conceitual não exige formação e nem habilidade para desenhar ou pintar. Só é preciso um padrinho e a boa vontade da mídia para virar artista. Acredito que este tipo de movimento enriquece a discussão e tem resultados positivos. Mas o que não dá para deixar de ver é que, por trás de tudo, há sempre outros interesses. Ou seja, reserva de mercado existe em todas as atividades.

Apesar de concordar com o movimento Stuckista, estou procurando ter o bom senso de não rechaçar muito radicalmente a arte conceitual. A História mostra que propostas inovadoras, em todas as áreas, mais tarde se revelaram autênticas, válidas e aplicadas ou usufruídas universalmente. Quando o estilo clássico de pintura - cujo valor ou qualidade eram determinados pela fidelidade da representação do real - começou a ser questionado pelos Impressionistas, que propunham uma nova maneira de pintar, os críticos da época também devem ter ficado confusos. Talvez o que esteja acontecendo hoje faça parte de um ciclo de renovação. Pode ser que se separe o joio do trigo na arte conceitual, para que permaneça a possibilidade de uma nova forma de manifestação artística, considerando novas tecnologias, novas linguagens, nova maneira de viver. Quanto mais se estuda, discute e polemiza, mais possibilidades temos de chegar a perceber os aspectos que dão qualidade e valor estético à obra de arte conceitual. E quando isso acontecer, talvez esta nova proposta deixe de ser comercial e passe a assumir seu caráter artístico.

Para saber mais

stuckismbrasil

www.stuckism.com


'Everyone called smith in the barnet phone book' (Charles Thomson, co-fundador do Stuckism)



Adriana Baggio
Curitiba, 30/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Contra um Mundo Melhor, de Luiz Felipe Pondé de Marilia Mota Silva
02. A Fantasia Verossímil, ou: Thor de Duanne Ribeiro
03. Excessos de Marta Barcellos
04. Um mundo além do óbvio de Elisa Andrade Buzzo
05. Textos movediços de Carla Ceres


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
03. Arte, cultura e auto-estima - 9/8/2001
04. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
05. Marmitex - 1/11/2001


Mais Especial Arte
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Da Tirania: Incluindo a Correspondência Strauss-kojéve
Leo Strauss
É Realizações
(2017)



A Aventura Urbana
Lucia Rabello de Castro
7letras
(2004)



Moda Moldes Ano 3 Nº 25
Escala
Escala



Rafa, Bom de Bola
Pedro Bloch
Ediouro
(1983)



Talento Nova Linguagem do Dinheiro para Realização Pessoal
Glória Maria Garcia Pereira
Futura
(2002)



Vender bem é mais fácil
Alberto Couto
Gente
(1995)



Além das Crianças Índigo - A Consciência da Nova Geração
P. M. H. Atwater
prolibera
(2008)



Livro Físico - Aconteceu Naquele Verão
Stephanie Perkins
Intrinseca
(2017)



Sempre aos Domingos
João Ubaldo Ribeiro
Nova Fronteira
(1988)



Livro - Arosados Ventos - Coleção Jovens do Mundo Todo
Odette B. Mott
Brasiliense
(1986)





busca | avançada
62220 visitas/dia
1,6 milhão/mês