Arte empacada | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Arte

Quinta-feira, 30/8/2001
Arte empacada
Adriana Baggio

+ de 4100 Acessos

'Isto é arte e ponto final' (Adriana Baggio)

"Suas pinturas são empacadas, você é empacado! Empacado, empacado, empacado!" (Tracey Emin, para seu ex-namorado Billy Childish, no manifesto Stuckista)

Imagine um quadro, representando Nossa Senhora. No lugar das tintas, excremento de elefante. Isso pode ser chamado de obra de arte?

Essa é uma das discussões que têm espevitado o mundinho das artes visuais. Os mais modernos, entendidos e cult celebram a chegada da vanguarda, representada pela arte conceitual, classificação da obra de arte citada acima. Os mais tradicionais estrilam e alertam para o charlatanismo dos colegas conceituais.

Chamar de vanguarda um movimento que tem total adesão e identificação com o establishment é forçar a barra. A arte conceitual sobrevive (muito bem, por sinal) graças à união de interesses de colecionadores, investidores, marchands, arquitetos, decoradores e artistas de meia pataca. Junto a eles estão o governo e instituições públicas, que garantem o dinheiro e a estrutura para exposições de gosto — e valor — discutíveis.

Com uma explicação bem simples, o sistema funciona da seguinte maneira: um artista elabora uma manifestação polêmica, controversa, agressiva. É bancado por algum órgão público ou instituição para expor em algum salão. A mídia consome alucinadamente. O artista sobre de cotação. Decoradores e arquitetos incluem obras do elemento em seus projetos. O marchand prepara outra exposição. Os colecionadores compram. É uma cadeia na qual todos ganham, e quase ninguém perde, exceto, talvez, a arte.

Como todo o movimento que polemiza logo ganha opositores, com razão ou não, a arte conceitual também já tem seus inimigos organizados e declarados. São os Stuckists, ingleses que elaboraram um manifesto contra a arte conceitual e o que eles chamam de deturpação do modernismo. Stuck, em inglês, quer dizer careta, empacado, segundo definição em matéria publicada no Jornal do Brasil, no dia 23 de julho. O nome surgiu a partir de uma prosaica briga entre o pintor Billy Childish e sua namorada, a artista conceitual Tracey Emin. Ao separarem os pincéis, a moça chamou Billy de stuck, batizando o movimento iniciado pelo ex (Billy já não faz mais parte do movimento, mas também não reatou o namoro com Tracey).

O movimento, criado pelo também pintor Charles Thomson, despertou interesse da artista plástica brasileira Iracema Brochado, que inaugurou o Stuckismo aqui no Brasil. Segundo o manifesto, o Stuckismo é contra o conceitual, o hedonismo e o culto ao ego-artista.

O manifesto stuckista coloca que a arte deve ser produzida de uma maneira mais honesta que a vertente conceitual. O artista plástico só merece esse título se souber pintar. Essa regra protesta contra os artistas conceituais que se apropriam de objetos já existentes para suas obras, mas sem criar ou produzir nada. Pelo stuckismo, o uso de objetos existentes e de outro contexto impede o acesso ao mundo interior do artista, e conseqüentemente, ao conteúdo da obra.

O artista verdadeiro, não conceitual, deve fazer da arte uma forma de auto-descoberta. O processo da pintura deve ser uma mistura entre emoções e razão, interior e exterior, privado e público, espiritual e material. A arte deve ser feita buscando sempre a experimentação, sem medo da falha, sem a aspiração da premiação. Para os stuckistas, o artista conceitual submete sua arte à exigência comercial, ao estilo com potencial para conseguir premiações. É nessa parte que entra o protesto contra o ego-artista e ao esquema comercial no campo das artes.

O Stuckismo reclama também dos espaços destinados à arte, como as paredes brancas das galerias. Para eles, essa esterilidade impede a experimentação da arte, que deveria ser feita em ambientes autênticos. Ainda em relação ao acesso, o movimento pede a abertura das escolas e das universidades para toda a população, para que a fruição e aprendizagem da arte possa ser mais democrática. Quanto às escolas de arte, o manifesto condena a prática de admissão somente pela análise de uma obra, em detrimento do currículo e da qualidade técnica do artista.

O Stuckismo fala de uma deturpação do modernismo, que possibilitou a abertura do caminho para a banalização do moderno no pós-modernismo, caindo na submissão aos interesses comerciais. Para um resgate dos valores do Modernismo, os manifestantes propõem o Remodernismo, através de uma reaplicação dos princípios originais do movimento.

Não é de hoje que a sociedade repele manifestações artísticas diferentes do já estabelecido e valorizado. Foi assim como o Impressionismo, no século XIX. A diferença é que agora o que chamam de vanguarda é sustentado pelo sistema, ou seja, é incoerente. A arte conceitual inaugura um nicho nas artes visuais que não pode se utilizar dos parâmetros tradicionais para estabelecer seu valor. Assim, o atributo de valor acontece muito mais por aspectos comerciais do que estéticos ou críticos. Como o artista conceitual é financiado pelo governo, bancos, patrocinadores, seu compromisso acaba sendo com o mecenas, e não com o seu estilo ou motivação interna para a arte. A arte conceitual é descartável. É feita para ser consumida em uma exposição, depois pela mídia, e no fim desaparece. Ainda quando tem um suporte que agüente o tempo, e materiais que não sejam perecíveis, este tipo de arte não se explica por si só, não oferecendo ao espectador a possibilidade do prazer estético. A arte que precisa de um manual de instruções é elitista, limitada. Não que todas as obras devam ser figurativas, mas mesmo as abstratas devem permitir ao observador uma fruição que não dependa da explicação.

Por outro lado, dá para estabelecer uma relação entre o Stuckismo e o Dogma 95, manifesto contra o artificialismo hollywoodiano. Os dogmáticos conseguiram bastante atenção com o movimento, mas todos eles fizeram filmes tradicionais além daqueles regidos pela regras do Dogma. O que se percebe é uma reação não ao novo, mas ao que faz sucesso e ameaça o já estabelecido. Com a tecnologia atual, troca-se um set inteiro de filmagens por um computador e um geniozinho da informática. Na arte, a proposta conceitual não exige formação e nem habilidade para desenhar ou pintar. Só é preciso um padrinho e a boa vontade da mídia para virar artista. Acredito que este tipo de movimento enriquece a discussão e tem resultados positivos. Mas o que não dá para deixar de ver é que, por trás de tudo, há sempre outros interesses. Ou seja, reserva de mercado existe em todas as atividades.

Apesar de concordar com o movimento Stuckista, estou procurando ter o bom senso de não rechaçar muito radicalmente a arte conceitual. A História mostra que propostas inovadoras, em todas as áreas, mais tarde se revelaram autênticas, válidas e aplicadas ou usufruídas universalmente. Quando o estilo clássico de pintura - cujo valor ou qualidade eram determinados pela fidelidade da representação do real - começou a ser questionado pelos Impressionistas, que propunham uma nova maneira de pintar, os críticos da época também devem ter ficado confusos. Talvez o que esteja acontecendo hoje faça parte de um ciclo de renovação. Pode ser que se separe o joio do trigo na arte conceitual, para que permaneça a possibilidade de uma nova forma de manifestação artística, considerando novas tecnologias, novas linguagens, nova maneira de viver. Quanto mais se estuda, discute e polemiza, mais possibilidades temos de chegar a perceber os aspectos que dão qualidade e valor estético à obra de arte conceitual. E quando isso acontecer, talvez esta nova proposta deixe de ser comercial e passe a assumir seu caráter artístico.

Para saber mais

stuckismbrasil

www.stuckism.com


'Everyone called smith in the barnet phone book' (Charles Thomson, co-fundador do Stuckism)



Adriana Baggio
Curitiba, 30/8/2001


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
03. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
04. Marmitex - 1/11/2001
05. Aqui o sol nasce primeiro - 8/11/2001


Mais Especial Arte
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SARA SEM SILICONE
JANICE KAPLAN
RECORD
(2007)
R$ 19,00



RECENSEAMENTO DO BRAZIL VOL 1 INTRODUÇÃO - ASPECTO PHYSICO DO BRAZI...
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA
ESTATISTICA
(1922)
R$ 118,45



THE INTERPRETATION OF MURDER
JED RUBENFELD
HEADLINE PUBLISHING (LONDRES)
(2006)
R$ 23,82



MACUNAÍMA - COLEÇÃO CLÁSSICOS DA LITERATURA
MARIO DE ANDRADE
CIRANDA CULTURAL
(2017)
R$ 14,90



TIO PATINHAS, O REI DA LIMONADA
TESOURO DISNEY
TESOURO DISNEY
(1987)
R$ 6,00



FAÇA DAR CERTO 7693
LUIZ ANTONIO GASPARETTO
ESPAÇO VIDA E CONSCIÊNCIA
(1995)
R$ 10,00



PAULO BETTI - NA CARREIRA DE UM SONHADOR
TETÉ RIBEIRO
IMPRENSA OFICIAL
(2005)
R$ 6,90



ARQUIVO X - VOL. 2 - QUANDO A NOITE CAI
CHRIS CARTER
MERCURYO
(1996)
R$ 6,90



SONHO ACORDADO DIRIGINDO - ONIRODRAMA DE GRUPO
C. MOREY HOSSRI
MESTRE JOU
(1974)
R$ 8,91



EMPREENDEDORISMO NA GESTÃO AMBIENTAL -O COMBATE AO TRÁFICO DE ANIMAIS
CAMILA REBOUÇAS SERRA
RENCTAS
(2005)
R$ 50,00





busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês