Doente de tanto saber | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> O Brasil e Seu Duplo de Luiz Eduardo Soares pela Todavia (2019)
>>> Este Não é Mais Um Livro de Dieta de Rodrigo Polesso pela Gente (2018)
>>> Seu Cachorro é o Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Mini Becky Bloom - Tal Mãe, Tal Filha de Sophie Kinsella pela Record (2011)
>>> O Presidente Que Sabia Javanês de Carlos Heitor Cony; Angeli pela Boitempo (2000)
>>> Introdução ao Pensamento Sociológico de Anna Maria de Castro; Edmundo F. Dias pela Eldorado (1977)
>>> Como Falar em Público Corretamente e Sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva (1999)
>>> As Mais Belas Orações de Todos os Tempos de Rose Marie Muraro: Raimundo Cintra pela Rosa dos Tempos (1993)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/9/2001
Doente de tanto saber
Adriana Baggio
+ de 4000 Acessos

Levantar, tomar café. Durante o café, ler o livro para o trabalho da pós. Se atrasar porque ficou lendo. Tomar banho correndo, não vai dar tempo de secar o cabelo, se arrumar, sair. Decorar verbos no carro durante o sinal vermelho. Chegar correndo ao trabalho, resolver as pendências. Ler os textos sobre a empresa do cliente. Interromper o trabalho, tomar um cafezinho e ler os jornais do dia. Não dá tempo de ler aquele artigo mais extenso. Leitura dinâmica. Voltar ao trabalho. Sair para almoçar, ler enquanto descongela o prato. Entrar na internet enquanto come, ler e responder e-mails, salvar no computador os textos mais longos para ler depois. Ou seja, não ler nunca mais. Sentir culpa. Olhar relógio, atrasada de novo, correr para o trabalho. Ouvir no carro, pela primeira vez, o novo CD comprado há 3 meses. Continuar a resolver pendências. Voltar para casa. Jantar enquanto assiste um vídeo profissional. Assistir o vídeo para devolver à locadora. Perder o filme que vai passar na TV. Ficar até mais tarde para ver os dois. Ir para a cama. Ler o outro livro que vem sendo lido em doses homeopáticas. Desistir por causa do sono. Dormir e sentir uma estranha sensação de que ainda falta muita coisa para ver, ouvir, ler, saber, entender, estudar, desenvolver, trabalhar.

Essa neura, que muita gente vive e acha normal, tem nome, e chama-se ansiedade de informação. É a sensação de estar ficando para trás, de não absorver toda a informação que está disponível e que é necessária para ser uma pessoa melhor, mais interessante, mais inteligente, com um melhor salário. A revista Veja desta semana traz uma matéria sobre o tema. Posso até usar a Veja como um exemplo pessoal: só tinha alguns minutos durante o almoço para ler a revista. Então, li rapidamente os títulos das matérias, um ou outro trecho que me pareceu interessante, e só deu tempo de ler inteiro o artigo sobre ansiedade de informação. Tive que escolher o assunto que mais me interessava. Com dó, deixei de lado as críticas de cinema, que também seria um assunto útil para mim. Provavelmente, quando estiver conversando com os amigos e surgir no papo a tal crítica que eu deixei passar, vou me sentir culpada por não saber.

Este mal da pós modernidade é fruto da avassaladora quantidade de informação que a gente recebe todos os dias, e da pressão para absorver o máximo possível. Os sintomas mais leves são uma ligeira sensação de culpa e incompetência e os mais graves passam pela insônia e depressão. Nos casos perdidos, é provável que a pessoa tenha um piripaque e seja obrigada a passar muito tempo só absorvendo lítio.

Não sei se só acontece comigo, mas me sinto terrivelmente perdulária se não leio uma revista do início ao fim, ou se deixo amarelar algum recorte de jornal que separei para ver mais tarde. Tenho pastas e pastas de recortes, imagens e textos, que guardo para usar algum dia. E quanto mais acumulo coisas, mais coisas aparecem. Às vezes fico esgotada, e o único alívio é ver novela, já que a absorção de informação é praticamente nula.

Vários especialistas já disseram que a gente deve selecionar as informações que vai consumir, para não padecer desta ansiedade. É melhor optar pelo que realmente poderá ser aproveitado do que tentar absorver tudo e acabar não conseguindo usar nada. O especialista ouvido por Veja para a elaboração da matéria diz que a melhor maneira de estar bem informado é a conversa cara a cara. No meio de um bate papo a gente pode saber das coisas que ainda não leu em lugar nenhum – como a crítica de cinema que eu deixei passar, por exemplo - , e ainda tornar a convivência mais saudável. Isso acontece porque há troca de informações, e não somente discussões sobre o mesmo tema.

Selecionar a informação que realmente será consumida também é bom para o bolso. Pra que alugar 5 vídeos no fim de semana se você sabe que só vai poder assistir 2? Por que assinar 3 revistas se apenas 1 é lida? Por que comprar um monte de CDs e livros todo mês se aqueles do início do ano ainda estão fechados?

A ansiedade da informação é um mal da cultura do exagero. Achamos que se alguma coisa é positiva, ao potencializar seu consumo os efeitos se multiplicarão. Está errado. Ser bem informado é mais do que positivo, é fundamental, mas ficar estressado pela quantidade de informação é o efeito negativo do exagero. Aconteceu isso com as vitaminas também. Em busca de um aumento nos benefícios proporcionados por elas, as pessoas se entopem de comprimidos sem o resultado esperado, sofrendo inclusive o efeito contrário. Tanto para informação, quanto para vitaminas, a medida deve ser a do bom senso e do equilíbrio. Mas agora eu preciso encerrar esse texto, porque tenho uma pilha de jornais para ler, e-mails para responder, artigos para analisar, livros para estudar, filmes para assistir...


Adriana Baggio
Curitiba, 6/9/2001

Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2001
01. À luz de um casamento - 18/10/2001
02. O Segredo do Vovô Coelhão - 15/11/2001
03. Arte, cultura e auto-estima - 9/8/2001
04. Náufrago: nem tanto ao mar, nem tanto à terra - 25/3/2001
05. Marmitex - 1/11/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros - a Fórmula dos Grandes...
Luciana Seabra
Portfolio Penguin
(2018)



Modern Business® - Corporation Finance
Jules I. Bogen
Alexander Hamilton Institute
(1954)



Sao Bernardo e Caetés (2 Livros Pocket Em 1)
Graciliano Ramos
Record
(1996)



Livro - Despindo a Morte
Gabrielle Biondi
Letra Espírita
(2019)



Névoa
Kathryn James
Farol Literario
(2013)



Maquina do Tempo
H. G. Wells
Alfaguara
(2010)



Drácula
Bram Stoker
L&pm
(1998)



Batman 80 Anos Detective Comics
Chris Conroy Jamie S Rich Dave Wielgosz
Panini Comics Dc
(2019)



Livro - o Drama Sagrado de Elêusis
Edouard Schuré / de Bolso
Antroposófica
(2011)



A Promessa
Pearl S. Buck
Melhoramentos
(1964)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês