Eleições: opções ruins, mas pelo menos existem | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Eleições 2006

Quinta-feira, 28/9/2006
Eleições: opções ruins, mas pelo menos existem
Adriana Baggio

+ de 2900 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Daqui a 2 anos vai ter Olimpíadas, eleição para prefeito e aniversário de 40 anos do AI-5.

Em 1988, quando o Ato Institucional completou seu vigésimo aniversário, o jornalista Zuenir Ventura lançou 1968: o ano que não terminou (Nova Fronteira, 2006, 336 págs., integrante da coleção "40 anos, 40 livros" da editora). Os jovens que nasceram nesse ano - um antes das primeiras eleições diretas para presidente no Brasil, após o golpe militar - já têm idade suficiente para votar nas eleições de 2006. E talvez poucos deles conheçam a trajetória de homens que foram protagonistas em 1968 e continuam sendo hoje. Só que de eventos bem diferentes.

O relato de Zuenir Ventura é uma forma acessível e até agradável de conhecer a História do Brasil. Uma história recente, cujas implicações sentimos nos dias hoje, cujos personagens não estão só nos livros. Eles podem ser vistos na TV, nos jornais. Uma História palpável, presente.

O jornalista começa o livro com a descrição de uma antológica festa de Ano Novo, que teria acontecido na casa de Heloisa Buarque de Hollanda, também autora do prefácio da obra. Neste evento, Ventura enxerga uma metáfora para os meses que viriam em seguida. Simplificando a relação entre os fatos: assim como as pessoas daquela festa não estavam preparadas para a liberalidade e para a revolução de comportamento que pregavam, também os movimentos revolucionários não estavam ainda tão maduros a ponto de concretizar o que discursavam. De qualquer forma, as mudanças acontecidas naquele ano ficaram para sempre.

Seria uma verdadeira blasfêmia fazer pouco dos que lutaram, sofreram e morreram pelo desejo de um país melhor, mais justo e democrático. Bem ou mal, pelo Brasil que temos hoje. Por outro lado, o livro de Zuenir serve para desmistificar algumas pessoas e alguns acontecimentos. Uma tarefa mais fácil e confortável, devido à distância do tempo. Mas, mesmo que não seja totalmente isenta, traz alguns pontos de vista bem coerentes.

Os estudantes e os intelectuais tinham a visão de que poderiam estar melhor preparados para defender os interesses também dos operários e dos agricultores. No entanto, talvez os diferentes grupos não tivessem as mesmas aspirações. Na famosa Passeata dos Cem Mil, por exemplo, os trabalhadores do centro do Rio de Janeiro estavam mais interessados em ver os artistas do que participar do protesto. Preferiram ficar na calçada, observando a passagem dos seus ídolos, do que integrar-se aos intelectuais e estudantes. E quem pode dizer que estavam errados?

Esse acontecimento em particular talvez também sirva como metáfora da participação de certos segmentos da sociedade nos movimentos de 1968. O que se percebeu, mais tarde, é que alguns deles talvez não quisessem exatamente acabar com o capitalismo. Eles gostariam mesmo é de acabar com as injustiças do capitalismo e de ter acesso aos benefícios que o sistema proporciona.

O que a gente vê hoje no Brasil parece uma continuidade do que aconteceu naquela época. O PT, partido surgido das insatisfaçãoes e inquietações com os regimes - político e econômico, posicionou-se durante muitos e muitos anos como uma alternativa aos outros partidos, como uma alternativa ao poder das classes dominantes, como uma alternativa a um certo jeito de fazer política. No entanto, quando finalmente chegou lá, a sensação é de que a verdadeira motivação do PT não seria combater o sistema instituído, mas sim aproveitar um pouco do que os outros já tinham se beneficiado antes.

Mesmo com todas as recentes revelações, os integrantes do Governo Federal insistem em se colocar como "diferentes". A meu ver, esta hipocrisia é o segundo grande pecado deles. O primeiro - é importante sempre ter em mente, porque a gente acaba se acostumando - envolve a corrupção, o mau uso do dinheiro público, a cegueira corporativista. Nisso, eles são iguais aos outros.

Não critico os trabalhadores que queriam ver Chico Buarque e Caetano Veloso na Passeata dos Cem Mil e nem os pobres que queriam mais acesso ao consumo. Assim como não criticaria o PT se eles tivessem tido um pouco mais de coerência - antes ou agora. Antes, se fossem lúcidos e corajosos para não se apoiar em um discurso de mudança totalmente retórico, sem nenhuma intenção ou possibilidade de se tornar real. E no agora, se reconhecessem que não são diferentes de ninguém e tomassem providências para extirpar a parte podre do partido (considerando a hipótese de que os vermes estão só na parte podre e ainda não conseguiram contaminar todo o fruto).

Mas talvez este seja um pensamento que ocorra quando a gente está com a barriga cheia, debaixo de um teto seguro. Para quem vive em tamanho estado de penúria que chega a depender do valor de uma cesta básica, fica difícil se preocupar com o discurso do PT. O importante é que o presidente está botando comida na mesa. E como muita gente no Brasil ainda passa fome, aquele que resolve esse primeiro e imediato problema já conquista uma boa vantagem. Quem vai ter coragem de criticar o assistencialismo do Bolsa Família?

E num país com tantas carências, a história é recorrente. Basta lembrar a passagem do filme 2 Filhos de Francisco, em que o pai e os dois meninos cantam uma música "subversiva" na rádio. Eles não entendiam o conteúdo e, mesmo que entendessem, talvez não se mobilizassem. É difícil ser revolucionário quando falta educação que nos faça compreender as coisas e comida que nos dê forças para correr os riscos de fazer oposição.

Isso não significa que os pobres e analfabetos votem mal e os outros votem bem. Se não, as intenções de voto para o candidato à reeleição a presidente não estariam também tão significativas nas chamadas "classes altas", que são impactadas todos os dias com as notícias dos escândalos que rondam o governo. No entanto, quem tem acesso à informação deveria ter mais condições de votar com consciência e mais atitude para exigir.

O problema é que essas pessoas "qualificadas" às vezes não dão muita bola para o voto. Apesar de as alternativas não serem muito motivadoras, ainda acho melhor poder reclamar das opções disponíveis do que não ter a oportunidade de escolher.

Para ir além






Adriana Baggio
Curitiba, 28/9/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Última Ceia de Leonardo da Vinci de Jardel Dias Cavalcanti
02. Assim é... de Marta Barcellos
03. Uma chave para o longe de Elisa Andrade Buzzo
04. Tecnossauros rex de Ana Elisa Ribeiro
05. Palácio dos sabores 1/5 de Elisa Andrade Buzzo


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2006
01. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
02. Eles vão invadir seu Orkut! - 9/2/2006
03. Cruzeiro marítimo: um espetáculo meio mambembe - 23/2/2006
04. O amor e as mulheres pelas letras de Carpinejar - 20/7/2006
05. Breve reflexão cultural sobre gaúchos e lagostas - 12/1/2006


Mais Especial Eleições 2006
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/9/2006
23h48min
Concordo em parte com o texto, e acho importante ressaltar mais um dado. Essa é a primeira eleição no Brasil onde o voto da classe média, ora chamados de "formadores de opinião", não está em consonância com o voto das classes mais baixas. Queiram ou não, as classes populares estão, depois de muito tempo, sentindo o efeito dos programas sociais do Governo Lula como ProUni e Bolsa-Família, por exemplo (não entro no mérito se são "bons" ou "ruins"). Depois de muito tempo abandonadas, essas pessoas são muito mais pragmáticas que nossa classe média. Por isso, também acho que é bobagem achar que pobre não sabe votar. Sabe, sim, e sabe muito melhor que muitos que andam por aí se intitulando intelectuais de vanguarda...
[Leia outros Comentários de Éder]
12/10/2006
09h09min
Em um país em que nós elegemos Maluf, Collor, sanguesugas, mensaleiros e, pasmém, Clodovil... esperar o que da politicada? O Brasil teve a grande chance de mudar, mas acho que nós nos acostumamos com a roubalheira, corrupção, impunidade e dinheiro na cueca.
[Leia outros Comentários de Alan]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CURA ATRAVÉS DA TERAPIA DE VIDAS PASSADAS
BRIAN L. WEISS
SALAMANDRA
(1996)
R$ 10,00



NATIONAL GALLERY LONDRES 2
DANIELA TARABRA
MEDIAFASHION
(2009)
R$ 18,00



A DIGNIDADE HUMANA
LECOMTE DU NOUY
EDUCAÇÃO NACIONAL
(1949)
R$ 17,00



DIE JESUITEN: GESTALT UND GESCHICHTE DES ORDENS
HUBERT BECHER
IM KÖSEL-VERLAG ZU MÜNCHEN
(1952)
R$ 30,00



ALIMENTAÇÃO RACIONAL BIOLÓGICA PARA SÃOS E DOENTES
ADRIANO DE OLIVEIRA
EDIÇÕES 70
(1990)
R$ 45,70



GAMES AND FUN AROUND THE WORLD
LIANI MORAES
ED. ATUAL
(2005)
R$ 9,00



52 LIÇÕES DE CATECISMO ESPÍRITA - COLEÇÃO ESPÍRITA
ELISEU RIGONATTI
PENSAMENTO
(1995)
R$ 8,00



A NOVA INTERPRETAÇÃO DO CÓDIGO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR
RICARDO MAURÍCIO FREIRE SOARES
SARAIVA
(2007)
R$ 20,00



MIL NOMES O GUARDIAO DO INFINITO
J. R. PEREIRA
ICONE
(2010)
R$ 11,90



MUSEU NACIONAL DE BELAS ARTES - NATIONAL MUSEUM OF FINE ARTS
ND
MNBA
(2002)
R$ 190,00





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês